A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Teoria e Crítica Literária-convertido

Pré-visualização | Página 1 de 3

Questão 1/10 - Teoria e Crítica Literária 
Atente para a seguinte citação: 
 
“[...] a literatura tornou-se realmente o oposto do pensamento analítico e da investigação 
conceitual: enquanto cientistas, filósofos e teóricos políticos se oneraram com essas 
empresas enfadonhamente discursivas, os estudiosos da literatura ocupam o território 
mais valorizado do sentimento e experiência”. 
 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma 
introdução. Trad. Waltensir Dutra. São Paulo: Martins Fontes, 2006. p. 39. 
 
Considerando o dado fragmento de texto e os conteúdos do texto-base Recepção e 
leitura no horizonte da literatura sobre as consequências da difusão da literatura a 
partir da invenção e difusão da imprensa, analise as afirmativas: 
 
I. Os leitores passaram a ter mais autonomia e liberdade de escolha com a difusão da 
literatura a partir da invenção da imprensa. 
II. Passou-se a instituir políticas de proibições de livros. 
III. O número de leitores diminuiu por conta do valor dos livros impostos pelo mercado 
editorial. 
IV. As políticas de proibições alegavam que os efeitos provocados no leitor a partir da 
leitura de textos literários eram maléficos. 
 
São corretas apenas as afirmativas: 
 
Nota: 10.0 
 
A I, II e III 
 
B I, III, IV 
 
C III e IV 
 
D 
I, II e IV 
Você acertou! 
Comentário: “A partir de então [invenção e expansão da tipografia], a relação 
com os livros e, em especial, com a leitura deixou de ser neutra, como se 
mostrava até então, tornando-se motivo de julgamento severo e discriminação. 
Uma das mais antigas reações à expansão da imprensa foi a publicação, em 
1564, pelo papa Pio IV, do Index Librorum Prohibitorum; antes dele, em 1547, 
em Portugal, o cardeal D. Henrique, Inquisidor Geral do Reino, já tinha proibido 
um rol de livros, que incluía mesmo as Sagradas Escrituras, se publicadas em 
língua vulgar [afirmativa II, correta]. Essas ações tinham endereço certo: o 
crescente público leitor [afirmativa I, correta; afirmativa III, incorreta], 
consumidor de obras indesejadas, como o Elogio da loucura, do pensador 
independente Erasmo de Rotterdam, cujas sucessivas edições incomodavam os 
padres conservadores da Igreja. Boas e más leituras são matéria da celebrada 
discussão entre o cura e o barbeiro, no capítulo VI da primeira parte de Don 
Quixote de la Mancha, de Miguel de Cervantes, obra em que aparece outro 
efeito colateral do fenômeno industrial derivado da invenção da tipografia: as 
mudanças interiores pelas quais pode passar um indivíduo que se devota em 
excesso e indiscriminadamente ao consumo de obras literárias [afirmativa IV, 
correta]” (texto-base Recepção e leitura..., p. 88). 
 
E I e II 
 
Questão 2/10 - Teoria e Crítica Literária 
Considere a seguinte afirmação: 
 
“Duas causas, ambas naturais, parecem ter dado origem à arte poética como um todo. 
De fato, a ação de mimetizar se constitui nos homens desde a infância, e eles se 
distinguem das outras criaturas porque são os mais miméticos e porque recorrem à 
mimese para efetuar suas primeiras formas de aprendizagem, e todos se comprazem 
com as mimeses realizadas”. 
 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: ARISTÓTELES. Poética. Tradução, introdução 
e notas de Paulo Pinheiro. São Paulo: Editora 34, 2015. p. 57. 
 
Levando em consideração o fragmento do texto dado e os conteúdos do texto-base 
Recepção e leitura no horizonte da literatura sobre os conceitos de mímesis e de 
catarse, analise as assertivas, marcando V para as verdadeiras e F para as falsas. 
 
I. ( ) Aristóteles define a poesia como mímesis. 
II. ( ) A catarse é algo que está presente somente nos textos líricos. 
III. ( ) Via catarse, o público experimenta os efeitos do texto poético. 
IV. ( ) Aristóteles introduz a ideia de catarse encenando uma tragédia. 
 
Agora, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta: 
Nota: 10.0 
 
A 
V – F – V – F 
Você acertou! 
Comentário: “[...] a recepção [...] remonta a Aristóteles e à Poética. Nessa obra, 
em que define a poesia enquanto mímesis [afirmativa I, verdadeira], Aristóteles 
reconhece que a representação de ações humanas [afirmativa II, falsa] provoca 
um efeito sobre o público [afirmativa III, verdadeira]. Esse efeito, a catarse, tem 
características próprias, facultando ao ser humano experimentar emoções 
intensas, ao mesmo tempo expurgando-as e purificando-se. A catarse é 
introduzida por Aristóteles no contexto de sua definição de tragédia [afirmativa 
IV, falsa] [...]” (texto-base Recepção e leitura..., p. 85). 
 
B F – F – V – V 
 
C F – V – V – F 
 
D V – V – F – F 
 
E F – V – F – V 
 
Questão 3/10 - Teoria e Crítica Literária 
Considere a seguinte passagem de texto: 
 
“[...] Homero compôs a Odisseia em torno de uma ação una, e de igual modo a Ilíada. 
Assim, tal como em outras artes miméticas, é necessário que haja mimese de uma ação, 
ou seja, de uma ação única e que forma um todo [...]”. 
 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: ARISTÓTELES. Poética. Tradução, introdução 
e notas de Paulo Pinheiro. São Paulo: Editora 34, 2015. p. 95. 
 
Considerando o dado fragmento de texto e os conteúdos do texto-base Recepção e 
leitura no horizonte da literatura, assinale a alternativa correta sobre o significado de 
“catarse” segundo Aristóteles: 
 
Nota: 10.0 
 
A A catarse era possível por meio da atuação do ator. 
 
B O escritor da tragédia incluía a catarse no enredo de sua obra. 
 
C A tragédia foi um gênero que existiu na Antiguidade e tinha um poder catártico. 
 
D 
A reação do indivíduo que participou como público da encenação da tragédia foi 
chamada de catarse. 
Você acertou! 
Comentário: “Catarse significa, pois, a reação de cada indivíduo que participa 
da audiência da tragédia, sendo que, para Aristóteles, apenas aquele gênero 
produz, de modo cabal, tal resultado em seus destinatários” (texto-base 
Recepção e leitura..., p. 85). 
 
E Foi graças à encenação da tragédia grega que se difundiu a catarse. 
 
Questão 4/10 - Teoria e Crítica Literária 
Leia a seguinte afirmação: 
“O mundo não é um objeto que existe ‘fora de nós’, a ser analisado racionalmente, 
contrastado com um sujeito contemplativo: o mundo nunca é algo do qual possamos sair 
e nos confrontarmos com ele”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma 
introdução. Trad. Waltensir Dutra. São Paulo: Martins Fontes, 2006. p. 95. 
Levando em consideração o fragmento do texto dado e os conteúdos do texto-base 
Recepção e leitura no horizonte da literatura em torno do que Hans Robert Jaus 
chamou de “horizonte de expectativa”, assinale a alternativa correta: 
Nota: 0.0 
 
A Os leitores ficam imunes às obras que consomem. 
 
B 
A recepção dispensa o conhecimento de códigos vigentes ou das normas sociais 
e estéticas. 
 
C 
A configuração estética da obra é imutável e determinante para se configurar o 
horizonte de expectativas. 
 
D 
O “saber prévio” do leitor é algo construído coletivamente. 
Comentário: O ‘saber prévio’ é coletivo [afirmativa II, verdadeira] e incide sobre 
as possibilidades de decifração de uma obra, sugerindo que os leitores atuam de 
modo coeso” (texto-base Recepção e leitura..., p. 93). 
 
E 
Para Hans Robert Jauss, todo leitor assume um papel passivo ao se deparar com 
uma obra literária. 
 
 
Questão 5/10 - Teoria e Crítica Literária 
Leia a seguinte citação: 
 
“O estruturalismo é mais bem interpretado como um sintoma e uma reação à crise social 
e linguística que delineamos”. 
 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma 
introdução. Trad. Waltensir Dutra. São Paulo: