Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Caso clínico - Fratura de Colles

Pré-visualização | Página 1 de 1

CASO CLÍNICO
Marina, 32 anos, sofreu uma queda após um escorregão, onde apoiou a mão E no solo com o punho em extensão e antebraço em pronação. Teve uma fratura com desvio no terço distal do rádio e precisou realizar cirurgia para fixação com placa e parafusos. Foi encaminhada a fisioterapia com dor e edema em região de punho E, ADM diminuída em punho e mão, bem como dificuldades na prono-supinação do antebraço, FM está em grau 2 e não realiza as suas atividades diárias normalmente. A cicatrização encontra-se levemente aderida. 
a) Como é denominada este tipo de fratura que Marina sofreu? 
b) Quais são as características físicas dessa fratura?
c) Quais são os objetivos de tratamento da fisioterapia para esta paciente? 
d) Trace uma conduta fisioterapêutica para esta paciente.
RESOLUÇÃO
A) Fratura de Colles
B) A fratura de Colles é a fratura da extremidade distal do rádio (oblíqua ou transversal), na qual o fragmento se desloca para trás e para o exterior. As manifestações clínicas incluem dor, edema, sensibilidade e angulação ou desvio dorsal do segmento distal do rádio (deformidade em garfo de prata ou garfo de jantar). Esta fratura comumente causa deformidades ou edemas, levando a uma possível lesão no nervo mediano. Além das citadas, podem ocorrer outras complicações, tais como rigidez, deformidade permanente, dor, osteoartrite e síndromes de dor regional complexas principalmente nos casos em que a fratura causar desvio ou angulação da articulação do punho.
C) Objetivos:
(FASE I)
· Manter ADM das articulações não envolvidas
· Controle de dor e edema
· Mobilização precoce da articulação do punho
· Ganho de ADM no membro acometido.
(FASE II)
· Restauração da força muscular
· Redução do quadro álgico
· Ganho de ADM de punho e antebraço
· Prevenir encurtamentos
· Possibilitar retorno às AVDs
· Diminuição da rigidez articular
· Reestabelecimento sensorial e funcional
D) Conduta:
Intervenção fisioterapêutica FASE I (Após imobilização 1 a 5 semanas)
· Exercícios de ADM ativos para as articulações não envolvidas tais como ombro, prevenir síndrome ombro-mão; cotovelo, evitar contratura em flexão; antebraço, exercícios de prono-supino, quando possível; e dedos (Ex.: paciente mantendo os braços junto ao corpo e com o auxílio da outra mão, eleva o membro superior até o limite. manter por 10s; paciente deitado mantendo o cotovelo junto ao corpo, fletido a 90º realiza rotação externa 15x; Paciente em pé, realiza a flexão de cotovelo (15x);
· Crioterapia (20 min) para analgesia no membro acometido com bolsa de gelo.
· Exercícios para ganho de ADM no membro acometido com movimentação ativa e progredindo para movimentação passiva e mobilização articular (movimentos de prono-supinação do antebraço, de flexão/extensão e desvios ulnar/radial do punho, flexão/extensão do cotovelo e flexão/extensão de dedos)
· Elevação do membro acometido associada com movimentação ativa das articulações (punho e dedos); 
· Drenagem Linfática manual (DLM)
· Compressão mecânica com faixa Coban
Intervenção fisioterapêutica FASE II (após imobilização 6 a 12 semanas)
· Utilização de turbilhão (Quente - Temperatura: 27º a 43º C por 20 min antes dos alongamentos e exercícios para ganho de ADM com intuito de aumentar extensibilidade do tecido colágeno e diminuir o risco de lesão tecidual);
· Exercícios para ganho de ADM de punho e antebraço (flexão e extensão de punho, desvio ulnar e radial, flexão e extensão de cotovelo e prono-supinação de antebraço);
· Alongamento (flexão ativa do cotovelo com extensão do punho e dedos ajuntando, as palmas da mão uma contra outra na altura do esterno 5x10s; elevação ativa dos braços a frente do corpo com os dedos da mão direita em flexão, executando movimentos de pronação e supinação do antebraço 10x; extensão do ombro, cotovelo, punho e dedos do lado acometido para baixo, com a mão do lado sadio sobre os dedos da mão do lado acometido aplicando-se uma tração para alongar todo o MMSS esquerdo 2x15s; alongamento do punho 2x15s; flexão e extensão ativa dos dedos com o antebraço em posição neutra 10x).
· Mobilização articular (3 séries de 45 segundos), após os alongamentos.
· TENS (1 a 2Hz, 100us, 30 min).
· Treino AVDs (pentear cabelo, escovar os dentes, amarrar cadarço, fechar e abrir botões);
· Exercícios para ganho de força muscular (apertar bola de borracha maleável por 10x5s; paciente sentado apoiando o antebraço sobre a mesa, segurando a faixa elástica com a mão acometida e com a outra mão realizando a resistência, no movimento de flexão do punho 10x; paciente sentado apoiando antebraço sobre a mesa, segurando a faixa elástica com braço acometido e com a outra mão realizando a resistência, no movimento de desvio ulnar 10x);
· Treino proprioceptivo (transferência de peso (em pé, descarregar peso parcial sobre as mãos na mesa com cotovelo em extensão, depois evoluir para ambas as mãos sobre a mesa e cotovelos; em extensão, realizar a flexão de tronco gerando uma maior descarga de peso; sentado, apoiar mãos e cotovelos em extensão e descarregar peso ao passar da posição sentada para em pé); escovação (com escova de lavar roupas na posição em pé, realizar escovação na mesa, e na posição de 4 apoios).