Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
48 pág.
Slides de Aula Unidade II (1)

Pré-visualização | Página 1 de 3

Unidade II
ESTUDOS DISCIPLINARES
Ambiente Econômico Global
Prof. Maurício Felippe Manzalli
Ambiente econômico global
Unidade I:
 Economia política da globalização.
 Diferentes conceitos sobre 
globalização.
 Dinâmicas da globalização.
Ambiente econômico global
Unidade II:
 Globalização: a dinâmica, seus 
processos e desafios.
Obstáculos à globalização
 Quais são os obstáculos, as dificuldades 
que o processo de globalização encontra 
para promover as “maravilhas” que 
anuncia?
 Diante de tantas mudanças e promessas 
de melhorias, de que forma a “aldeia 
global” poderia propagar os benefícios 
da globalização?
Mundialização, regulação e 
depressão longa
 Capitalismo: sistema de capital que se 
valoriza.
 Funciona de forma cíclica, 
experimentando momentos de euforia e 
de decadência.
 Para Karl Marx, trata-se de um sistema 
repleto de contradições.
 Para Joseph Schumpeter é algo que 
tende à autodestruição.
Mundialização, regulação e 
depressão longa
 Para outros, o sistema necessita falhar, 
por que é esta a oportunidade que cria 
um ambiente propício às inovações 
tecnológicas.
 E como funcionam os movimentos 
cíclicos do capitalismo?
Mundialização, regulação e 
depressão longa
Movimentos cíclicos:
a) Inicialmente, considerados certos níveis 
de investimentos e inovações 
tecnológicas, a economia tende a 
crescer.
b) O crescimento, no longo prazo, 
apresenta taxas decrescentes.
c) A queda nas taxas de lucros provoca 
depressões.
d) Para escapar das depressões, o capital 
sai em busca de outras inovações e, 
novamente, volta a crescer.
Contribui para estes ciclos os
centros de P&D.
Mundialização, regulação e 
depressão longa
As possibilidades de 
desenvolvimento 
Marco importante para compreender o 
mundo contemporâneo:
 Pós-Segunda Guerra Mundial.
 Criação das instituições de Bretton
Woods.
 FMI, Banco Mundial, GATT (OMC).
 ONU.
As possibilidades de 
desenvolvimento: críticas
 Globalização da pobreza.
 Exploração capitalista.
 Relação globalizadores x globalizados.
 Condições de amortização da dívida externa 
de países em desenvolvimento e 
subdesenvolvidos.
 Meio ambiente e preservação ambiental: 
água, ar, recursos naturais, sustentabilidade.
 Preocupação com as sociedades vindouras.
 A relação entre globalização e saúde 
ambiental é quase um consenso, e entende-
se que os reflexos a longo prazo são 
catastróficos: a modernização de países 
como China e Índia aumentou a demanda por 
energia, e o planeta não tem meios de 
suportar esse aumento.
Interatividade
Com o desenvolvimento capitalista, há uma tendência de 
haver concentração e centralização do capital industrial; 
uma segunda característica é o movimento de 
concentração e centralização do capital monetário. Sobre 
essa afirmação, pode-se dizer que:
a) A afirmação é totalmente incorreta, pois o 
desenvolvimento capitalista não tem relação com o 
capital industrial. 
b) A afirmação é parcialmente correta, faltando incluir a 
importância adquirida pela exportação de capitais.
c) A afirmação é parcialmente correta faltando incluir a 
importância do caráter produtivo do capital monetário.
d) A afirmação é parcialmente correta, pois o 
desenvolvimento capitalista não tem relação com o 
capital financeiro. 
e) A afirmação é totalmente incorreta, pois o 
desenvolvimento capitalista tem a características de 
ampliar o acesso a todas as mercadorias, 
especialmente as de bens de capital.
Resposta
Com o desenvolvimento capitalista, há uma tendência de 
haver concentração e centralização do capital industrial; 
uma segunda característica é o movimento de 
concentração e centralização do capital monetário. Sobre 
essa afirmação, pode-se dizer que:
a) A afirmação é totalmente incorreta, pois o 
desenvolvimento capitalista não tem relação com o 
capital industrial. 
b) A afirmação é parcialmente correta, faltando incluir a 
importância adquirida pela exportação de capitais.
c) A afirmação é parcialmente correta faltando incluir a 
importância do caráter produtivo do capital monetário.
d) A afirmação é parcialmente correta, pois o 
desenvolvimento capitalista não tem relação com o 
capital financeiro. 
e) A afirmação é totalmente incorreta, pois o 
desenvolvimento capitalista tem a características de 
ampliar o acesso a todas as mercadorias, 
especialmente as de bens de capital.
Os movimentos relativos ao 
comércio exterior e a busca por 
relações comerciais justas 
 Como operacionalizar a proposta de livre 
comércio?
 O conceito foi formulado, ao menos 
teoricamente, pelo pai da economia 
moderna, o inglês Adam Smith. Ele 
imaginou que, em um mundo sem livre 
comércio, o trânsito de pessoas de países 
com menor aquisição de capital (na forma 
de “maquinário e tecnologia”) – e, 
portanto, com baixos salários – para 
países que detêm capital necessário para 
investir em altas tecnologias – por sua 
vez, com altos salários – seria muito 
grande.
Os movimentos relativos ao 
comércio exterior e a busca por 
relações comerciais justas 
Fazendo analogia com o ideário 
SMITHINIANO e o modelo da globalização, 
poderíamos concluir: 
 A globalização permite que as pessoas 
fiquem em seus países e tenham acesso 
aos bens produzidos em outros países.
Os movimentos relativos ao 
comércio exterior e a busca por 
relações comerciais justas 
 A história provou que o mundo proposto por 
Adam Smith está longe de ser conquistado 
de forma tranquila.
 Os trabalhadores dos países desenvolvidos 
sofrem com a perda de direitos conquistados 
após anos de lutas trabalhistas. 
 Segundo Stiglitz (2007), o setor que mais 
sofre com a instabilidade causada pela 
globalização é o do emprego, já que qualquer 
aumento da produção no exterior pode gerar 
déficit no emprego local. 
 Observa-se que a concorrência com 
produtos estrangeiros (barateados pelo baixo 
preço da mão de obra ou desvalorização da 
moeda) também provoca crises na indústria 
interna.
Os movimentos relativos ao 
comércio exterior e a busca por 
relações comerciais justas 
Para Stiglitz (2007, p. 150), a questão é: 
“Qual é a melhor maneira de aprender? 
Alguns sustentam que a melhor maneira – e 
provavelmente a única – de aprender a 
produzir aço é produzir aço, como fez a 
Coreia do Sul quando investiu na 
siderurgia. Na época, sua vantagem 
comparativa era plantar arroz. Mas, mesmo 
que os agricultores coreanos se tornassem 
os produtores de arroz mais eficientes do 
mundo, suas rendas ainda seriam limitadas. 
O governo coreano deu-se conta de que, se 
quisesse desenvolver o país, teria de 
transformar sua economia de
agrícola para industrial”.
Os movimentos relativos ao 
comércio exterior e a busca por 
relações comerciais justas 
 Mais forte que o argumento da indústria 
nascente é o argumento da economia 
nascente. Trata-se de um argumento dado 
por países de matriz agrícola, que 
buscando passar à matriz industrial, 
restringem, através de barreiras tarifárias, 
a entrada de bens manufaturados, criando 
melhores condições para o 
desenvolvimento da indústria interna.
Os movimentos relativos ao 
comércio exterior e a busca por 
relações comerciais justas 
 “Ademais, um setor industrial grande e 
crescente (e as tarifas sobre os bens 
manufaturados) propicia receitas com as 
quais o governo pode financiar a 
educação, infraestrutura e outros 
ingredientes necessários para o 
crescimento de base ampla” (Stiglitz, 
2007, p. 152). O crescimento de “base
Página123