A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Reabilitação das lesões da mão

Você está vendo uma pré-visualização

Pre-visualização do material Reabilitação das lesões da mão - página 1
Pre-visualização do material Reabilitação das lesões da mão - página 2

Reabilitação das lesões da mão

Reabilitação das lesões da mão
Características da mão: articulações pequenas, vários músculos intrínsecos, grande número de tendões e de terminações nervosas.
Região volar aderida é a região da face palmar no qual a aderência é muito rápido o que dificulta a reabilitação.
Músculos e tendões
Flexores: flexor superficial dos dedos, profundo dos dedos, longo e curto do polegar.
Extensores: extensor comum dos dedos, próprio do indicador e 5° dedo, curto e longo do polegar.
O posicionamento do tendão se relaciona diretamente com os movimentos, por causa disso que se consegue realizar o movimento de pinça.
Os retinaculos, bainhas sinoviais e outras estruturas encontradas no tendão dão estabilidade e força.
Bainhas sinoviais vão proteger e estabilizar.
Músculos intrínsecos
Interosseos: adução e abdução
lumbricais: flexão e extensão
Lesões mais frequentes: cortocontusas (vidro, faca), explosões, esmagamento, queimaduras, arrancamento.
Para se conseguir implantar os dedos de volta e se ter função, depende do tempo de demora da cirurgia e a reabilitação, o paciente também tem que ter uma boa vascularização se não necrosa.
Reconstrução da mão
 Feito por cirurgião plástico ou ortopedista
 Tenorrafia: sutura do tendão
 Neurorrafia: sutura do nervo
 Enxertos: tendões, nervos, pele e ossos
 Fixações
Região zona 2 da mão: É a principal polia dos movimentos apresenta muitas complicações por der muito aderentes.
Fisioterapia
 O encaminhamento deve ser feito entre o 2° e 5º dia pós operatório. Deve- se por uma tala durante 3 a 4 semanas, não se pode fazer movimentos ativos no tendão acometido (contração ativa).
 Lesão dos Flexores: utilização de splints dinâmicos,
Lesão Extensores - utilização de splints dinâmicos ou tala gessada.