A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
206 pág.
livro Processo de Exportação e Importação

Pré-visualização | Página 14 de 50

nos órgãos do governo que formalizam a 
internacionalização das mercadorias e serviços, quando a necessidade é exportar; 
e quando a necessidade é a importação, estes órgãos viabilizam a nacionalização 
das mercadorias e serviços vindos do exterior. Assim, para operar na área de 
comércio exterior é primordial entender a dinâmica destas entidades públicas 
que fazem parte das atividades do setor.
O primeiro passo para colocar em contexto a parte governamental dos 
processos de comércio exterior é que devemos enxergar seu vínculo histórico com 
os organismos internacionais responsáveis pelo controle das práticas de comércio 
internacional entre os países. Uma correta prática e controle administrativo entre 
países ajuda a impor limites às barreiras tarifárias e não tarifárias ao comércio 
internacional. Através do entendimento do contexto destas organizações e seu 
vínculo com os órgãos do Estado responsável pelo comércio exterior, podemos 
definir prioridades administrativas no momento de executar processos tanto de 
exportação como de importação.
2 ELEMENTOS HISTÓRICOS DO COMÉRCIO 
INTERNACIONAL
Há um momento histórico que é o divisor de águas de um antes e um 
depois na dinâmica internacional. Desde finais da Segunda Guerra Mundial, 
o mundo iniciou um processo de reorganização internacional, e, no que tange 
ao comércio internacional, algumas mudanças importantes aconteceram. Nessa 
época, perante a reconstrução das relações internacionais, os países precisavam 
reorganizar o comércio internacional, objetivando ter órgãos que ajudassem a 
dinâmica e transparência de comércio entre as nações.
Nesse ambiente de conciliação internacional, em julho de 1944 foi concluído 
o grande acordo que cria um ambiente de cooperação entre os países. Este acordo 
foi definido dentro das conferências que aconteceram em Breton Woods - EUA. 
Logo após estas conferências, ,foi implementado o nascimento de três grandes 
40
UNIDADE 1 | A IMPORTÂNCIA DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES NO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL
instituições internacionais que visam, até os dias de hoje, o aprimoramento tanto 
do comércio como das finanças internacionais. Estas instituições internacionais são:
• O Fundo Monetário Internacional (FMI): Sua função inicial era a de manter a 
estabilidade das taxas de câmbio e poder assistir aos países com problemas de 
balanço de pagamentos, visando desestimular a prática de se utilizar barreiras 
ao comércio cada vez que acontecer algum desequilíbrio na balança comercial e 
no balanço de pagamentos dos países. Esta ajuda deveria ser executada através 
de acesso a fundos especiais por parte dos países com urgências financeiras.
• Banco Mundial: Sua função inicial foi a reconstrução e o desenvolvimento das 
nações fortemente prejudicadas na Segunda Guerra Mundial. Assim, foram 
fornecidos os capitais necessários em função de projetos específicos para a 
reconstrução das economias arrasadas durante a guerra. Após o processo de 
reconstrução da guerra, o Banco Mundial vem atuando para ajudar os países 
em planos de desenvolvimento socioeconômico e ambiental.
• Organização	 Internacional	 do	 Comércio	 (OIC):	 Sua função principal era 
a de coordenar e supervisar o desenvolvimento de um novo regime de 
comércio internacional, com base nos princípios de multilateralismo. Porém, 
esta organização nunca saiu do papel, pois a maior economia do mundo, 
os EUA, queria ainda defender seus próprios interesses. Diante disso, foi 
estabelecido um acordo provisório, objetivando a redução gradativa das tarifas 
de importação entre os países, conhecido como Acordo Geral sobre Tarifas e 
Comércio (GATT).
IMPORTANT
E
Sabe qual é a diferença entre multilateralismo e bilateralismo? Multilateralismo 
é um termo aplicado nas negociações e acordos internacionais, e refere-se a vários países 
buscando acordos sobre um tema determinado. Enquanto bilateralismo é o mesmo 
processo de negociação e de acordos, mas entre dois países, somente.
Nessa nova ordem mundial do comércio internacional, o GATT acabou 
virando um importante foro de negociações de acordos comerciais multilaterais 
entre os países. Nesse contexto internacional, o GATT foi a principal organização de 
comércio internacional. E por algumas décadas foi negociando, gradativamente, 
reduções tarifárias e impondo limites às barreiras comerciais entre os países. Estas 
negociações foram conhecidas como as “Rodadas de Negociação do GATT”. 
“[...] Assim, para que o sistema consiga o seu equilíbrio, é necessário um 
contínuo processo de liberalização, que impeça fases protecionistas, com uma 
série de rodadas até a liberalização completa de todo o comércio internacional” 
(THORSTENSEN, 2012, p. 36).
TÓPICO 3 | DINÂMICA DA POLÍTICA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR
41
Em resumo, ao longo das décadas da existência do GATT, aconteceram 
oito grandes rodadas de negociação importantes, sendo estas:
• 1ª rodada: Genebra, ano 1947, 23 países negociadores, foco de discussão: 
tarifas.
• 2ª rodada: Annecy – 1949, 13 países participantes, foco de discussão: tarifas.
• 3ª rodada: Torquay - 1950-51, 38 países participantes, foco de discussão: 
tarifas.
• 4ª rodada: Genebra - 1955-56, 26 países participantes, foco de discussão: 
tarifas.
• 5ª rodada: Dillon - 1960-61, 26 países participantes, foco de discussão: tarifas.
• 6ª rodada: Kennedy - 1964-67, 62 países participantes, foco de discussão: 
tarifas e medidas antidumping.
• 7ª rodada: Tóquio - 1973-79, 102 países participantes, foco de discussão: 
tarifas, medidas não tarifárias, cláusula de habilitação.
• 8ª rodada: Uruguai - 1986-93, 123 países participantes, foco de discussão: 
tarifas, agricultura, serviços, propriedade intelectual, medidas de 
investimento, novo marco jurídico da OMC.
FONTE: Adaptado de Faro e Faro (2010, p. 281)
Ao observar as rodadas, podemos ver que o foco principal são tarifas e 
barreiras comerciais. Ao longo destas rondas, os países começaram a impor limites 
de taxa de importação nos produtos a serem comercializados internacionalmente.
Só ao final das rodadas é que o tema de negociação começou a ser 
ampliado para outros campos do comércio internacional. Nestas últimas rodadas 
foram abordadas, além das tarifas, medidas antidumping, barreiras não tarifárias, 
propriedade intelectual, entre outras. Todos estes temas tiveram um impacto 
positivo a favor do livre-comércio, dando apoio à transparência dos processos de 
exportação e importação entre países.
2.1 A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO - OMC
Na última rodada de GATT, no Uruguai, entre 1986 até 1993, foi abordado o 
processo de implantação da Organização	Mundial	de	Comércio	(OMC). A OMC 
foi oficializada no dia 15 de abril de 1994 pelo acordo constitutivo de Marrakesh, 
com a participação inicial de 125 países. Esta nova e, aliás, principal organização 
do comércio internacional assumiu todos os temas que foram abordados durante 
a rodadas de negociação do GATT.
Uma questão bem importante da OMC é que, com sua criação, o comércio 
internacional teve, pela primeira vez na sua história, um órgão regulamentador. 
Assim, por meio da OMC, os princípios de livre-comércio entre países membros 
devem ser cumpridos. E isto deve ser assim, porque assim determinam os 
compromissos adquiridos nos acordos multilaterais assinados. Lembre-se de que:
42
UNIDADE 1 | A IMPORTÂNCIA DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES NO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL
As organizações internacionais são “associações voluntárias de Estados 
que podem ser definidas da seguinte forma: sociedade entre Estados, constituída 
através de um tratado, com a finalidade de buscar interesses comuns, através de 
uma permanente cooperação entre seus membros” (STEINFUS, 2002, p. 27).
Ao final do ano de 2015, a OMC contava com a participação de 162 
países membros. Uma das vantagens, principalmente para países de menor 
peso internacional, é que, dentro da OMC, todos os países são tratados por 
igual. Levando isso em consideração, em qualquer processo entre países, 
prevalecem

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.