A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
58 pág.
Resumo DSV Aulas 1-32

Pré-visualização | Página 2 de 14

1 
 
 
LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – CEDERJ - UENF 
 
SEGUNDO PERÍODO 
DISCIPLINA: DIVERSIDADE DOS SERES VIVOS 
 
Resumo: Aula 3 – Filogenia 
 
 
 A Biologia Evolutiva busca compreender o presente estudando o passado. 
 Ernst Mayr dividi a Biologia em duas partes: 
 Biologia funcional: estudo das funções e processos envolvendo os organismos, como: respiração, voo, 
reprodução e etc. 
 Biologia evolutiva: lida com as causas históricas responsável pela evolução das partes de um organismo. 
 Especiação: processo causador de diferenciação entre espécies e transformação de espécie ancestral 
em duas espécies descendentes. 
 Todas as espécies do planeta são aparentadas e se relacionam na sua história filogenética. 
 Isolamento geográfico resulta na especiação alopátrica. 
 Especiação alopátrica é o processo pelo qual populações localizadas em locais distintos geram espécies 
distintas. 
 Especiação simpátrica é o processo pelo qual duas populações que habitam o mesmo locam se tornam 
espécies distintas. 
 A mutação é provocada por erro da enzima DNA polimerase. 
 Mutações neutras é sinônimo de deriva gênica, que podem aumentar ou diminuir a frequência genica 
de genes neutros. 
 A árvore filogenética é uma representação gráfica das relações evolutivas entre espécies, apresentando 
informações em duas dimensões. 
 A análise comparativa é a principal fermenta para construção de filogenias. 
 Alguns métodos de análise filogenética são: morfologia, citologia e genética molecular e etc. 
 A palavra espécie deriva do latim e significa tipo ou aparência. 
 Espécies representam unidades observáveis na natureza num dado momento. Ou seja, são as unidades 
da diversidade ad natureza. 
 O conceito de espécie deve ser universal e coerente, de forma a delimitar as diversas formas de espécies, 
no qual os limites de cada espécie traduzam algo relevante sobre sua própria biologia. No entanto, 
existem hoje mais de vinte conceitos propostos, vindo a provar a complexidade do termo. 
 Para Ernst Mayr, espécies são grupos intercruzantes ou potencialmente intercruzantes de populações 
naturais reprodutivamente isolados de grupos semelhantes. 
 Cruzamento com prole fértil é sinal de que os indivíduos pertencem a mesma espécie. Se a prole é 
infértil, denota que as espécies que a geraram são diferentes. 
 O conceito biológico enfoca uma característica básica que diferencia o nível espécie de outros níveis 
taxonômicos, o cruzamento. 
 Espécies crípticas são indistinguíveis morfologicamente. 
 Conceitualmente no curso, espécies diferentes será sinônimo de unidades evolutivas diferentes. 
 
 Análise comparativa 
 Características da espécie ancestral comum: 
a. Material genético: DNA 
b. Catálise de reações químicas realizada por enzimas (proteínas). 
c. DNA sintetizado através de molde das cadeias de DNA com mesmo código genético. 
2 
 
d. Duplicação do DNA originando descendentes idênticos (herdabilidade). 
e. Replicação passível de erros (mutações). 
 
 A alternativa mais simples alternativa para explicar as características complexas em diversas espécies é 
a história compartilhada dos organismos 
 É mais comum pensar que uma característica complexa (como a por exemplo a coluna vertebral) tenha 
sido originada em uma espécie sendo posteriormente repassada para outras espécies a pensar que 
espécies diferentes que possuem a respectiva característica a tenham desenvolvido 
independentemente. 
 
Homologia 
 Os termos homologias e analogias foram cunhadas por Richard Owen. 
 As características homólogas são fruto da história evolutiva em comum dos organismos. 
 As similaridades com características homólogas se devem a aquisão de um ancestral comum, como por 
exemplo as asas das aves, as mamas dos mamíferos e etc. 
 As similaridades com características análogas se devem a características adquiridas através de processos 
de convergência evolutiva. Apesar de terem uma mesma função, são morfologicamente distintas, como 
por exemplo as asas de pássaros e de morcegos. 
 
 
 
 
 
 
 
1 
 
 
LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – CEDERJ - UENF 
 
SEGUNDO PERÍODO 
DISCIPLINA: DIVERSIDADE DOS SERES VIVOS 
 
Resumo: Aula 4 – Taxonomia 
 
 A taxonomia é a ciência que descreve e classifica os organismos em grupos taxonômicos. 
 Surgiu no século XVII com Lineu, criando um sistema hierárquico binominal. 
 Sistema de classificação é o conjunto de regras seguidas pelos taxonomistas para classificar os 
organismos. 
 A identificação binominal em latim, ou seja, o nome cientifico, começa com o nome do gênero em letra 
maiúscula e a segunda parte com o nome da espécie em letra minúscula, ambas em itálico. 
 A hierarquia dos níveis de classificação são: 
 Domínios 
 Reinos 
 Filos 
 Classes 
 Ordens 
 Famílias 
 Gêneros 
 Espécies 
 
 
1 
 
 
LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – CEDERJ - UENF 
 
SEGUNDO PERÍODO 
DISCIPLINA: DIVERSIDADE DOS SERES VIVOS 
 
Resumo: Aula 5 – Seleção natural 
 
 
 O processo que seleciona as características vantajosas dos indivíduos chama-se seleção natural. 
 A seleção natural pode agir em caracteres morfológicos, anatômicos, fisiológico ou bioquímicos. 
 A seleção natural só atua com características herdadas geneticamente. 
 Seleção natural pode ser considerada a sobrevivência dos indivíduos que tem determinadas 
características mais apropriadas ao local e ao momento em que eles vivem. 
 O sucesso evolutivo de um determinado organismo é medido exclusivamente pelo número de filhotes 
que ele deixa para próxima geração, ou seja, com o número de genes que ele contribui para a próxima 
geração. Assim sendo, o sucesso evolutivo está ligado diretamente ao sucesso reprodutivo. 
 A seleção natural ocorre sobre indivíduos, e incide sobre o fenótipo dos mesmos e não sobre os 
genótipos. 
 A seleção natural atua sobre as características expressas do organismo. Assim sendo, um indivíduo 
heterozigoto para uma determinada característica deletéria, pode possui um gene recessivo "escondido" 
da seleção natural. 
 Para a seleção natural atuar é necessário a existência de variabilidade de formas vantajosas e 
desvantajosas (deletérias) na população. 
 A mutação e aleatória, mas a seleção natural vai determinar os sobreviventes da população. A triagem 
da seleção não é aleatória. 
 As mutações podem ser vantajosas ou deletérias. A seleção natural vai escolher os indivíduos com 
características vantajosas. 
 Adaptação é uma estrutura ou uma função alterada que promove um aumento na probabilidade de 
sobrevivência do organismo que a possui. A adaptação é uma consequência da seleção natural. 
 
 
1 
 
 
LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – CEDERJ - UENF 
 
SEGUNDO PERÍODO 
DISCIPLINA: DIVERSIDADE DOS SERES VIVOS 
 
Resumo: Aula 6 – Introdução às macromoléculas 
 
Proteínas 
 Proteínas são cadeias longas de aminoácidos. 
 Existem vários tipos de proteínas de acordo com sua função, por exemplo: estruturais, transportadoras, 
catalisadoras, etc. 
 As proteínas catalisadoras são chamadas de enzimas. 
 Uma proteína é composta por uma ou mais cadeia linear de aminoácidos, ligadas por ligações peptídicas. 
 A estrutura básica de um aminoácido é composta por: um átomo de carbono alfa, um grupo amino 
(NH2), um grupo carboxila (COOH), um átomo de hidrogênio e um radical. 
 O radical é quem diferencia os aminoácidos. De acordo com sua composição torna o aminoácido básico 
ou ácido. 
 
Ácido nucleico 
 Ácidos nucleicos são cadeias longas de nucleotídeos. 
 Os ácidos nucleicos são responsáveis pela transmissão da informação genética, são responsáveis pela 
herdabilidade. 
 Existem dois tipos básicos: o ácido desoxirribonucleico (DNA) e o ácido ribonucleico (RNA).