A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
58 pág.
Resumo DSV Aulas 1-32

Pré-visualização | Página 6 de 14

os protistas podem ser aquáticos ou terrestres. 
 Em termos de metabolismo: são altamente diversos. Podendo ser autotróficos, heterotróficos de 
absorção e heterotróficos de ingestão. 
 Em termos de modo de vida: Alguns são de vida livre e outros são parasitas. 
 Em termos de número de células: Podem ser unicelulares ou coloniais. 
 Em termos de mobilidade: Existem filos com várias formas de mobilidade, podendo ser de forma 
amebóide, pelos cílios, flagelos, ou mesmo sem mobilidade. 
 Em termos de organelas: Alguns possuem mitocôndrias, outros cloroplastos e alguns não possuem 
nenhuma. 
 Em termos de reprodução: Pode ser sexuada e assexuada. A reprodução assexuada pode variar sendo 
através de fissão binária, brotamento e esporos. Alguns protistas podem alternar entre sexuada e 
assexuada. 
 
 Os protistas são divididos em três grupos: 
 
1. Das algas - São dividias em 3 grupos: 
Diatomáceas: são unicelulares e podem formar colônias. 
Dinoflagelados: são unicelulares. 
Euglenas: são unicelulares com células complexas. 
 
2. Dos protozoários - São divididos em 5 grupos: 
Amebas: unicelulares que habitam oceanos, água doce ou solo. Se locomovem usando uma estrutura 
chamada pseudópodos, que também é utilizada para envolver e capturar comida. Podem ser parasitas 
humanos. 
Foraminíferos: quase em sua totalidade são organismos marinhos que produzem conchas. 
Flagelados: unicelulares com células alongadas. 
Ciliados: Não detalhado. 
Esporozoa: Não detalhado. 
Coanoflagelados: organismos que foram colônias e possuem mitocôndrias. 
 
3. Tipo fungos - organismos unicelulares semelhantes a fungos. Podem ser saprófitos ou parasitas em planta 
e animais. 
 
 
2 
 
 
 
1 
 
LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – CEDERJ - UENF 
 
SEGUNDO PERÍODO 
DISCIPLINA: Diversidade dos Seres Vivos 
 
Resumo: Aula 14 – Tempo geológico e fósseis 
 
 A história geológica da Terra pode ser dividida em duas grandes fases, denominadas éons. 
 Éon Criptozóico (Pré-Cambriano) é caracterizado pela pobreza de registros fossilíferos em suas rochas. 
 O éon, que representa mais de 4/5 do tempo geológico da Terra, foi subdividido em dois, o Arqueano e o 
Proterozóico. 
 O segundo éon é o Fanerozóico, caracterizado por abundante registro paleontológico em suas rochas 
sedimentares. 
 A eras geológicas podem ser subdivididas cronoestratigraficamente ou cronologicamente. 
 Cronoestratigrafica: camadas entre rochas mais antigas e mais novas. 
 Cronológico: fósseis nos respectivos períodos. Se não houve deposição foi erodido. 
 
Pré-Cambriano 
 Era arqueana: bactérias que viviam em locais com temperatura elevada e pobre em oxigênio. Com o 
tempo as bactérias se diversificaram iniciando a colonização das margens oceânicas. Onde as 
cianobactérias iniciaram a produção de estromatólitos. 
 Aproximadamente há 2 bilhões de anos, na Era Proterozóica, além das bactérias, passam a viver fungos 
aquáticos filamentosos e algas, algumas já com cloroplastos. 
 Neste período a atmosfera e os oceanos começam a ser enriquecidos com oxigênio. 
 
Fanerozóico 
 Este Éon é subdividido em três eras geológicas: 
a. Paleozoica: Começa com camadas ricas em fósseis como braquiópodos e trilobitas, terminando com 
orogenia apalachiana. 
b. Mesozoica: Era dos repteis como os dinossauros. Nos mares existiam os amonitas e foraminíferos. O final 
desta era foi marcado pela orogenia laramiana. 
c. Cenozoica: Não detalhada. 
 
Era Paleozoica 
 Caracterizada pelo domínio dos mamíferos, das plantas (angiospermas) e dos insetos nos continentes. 
 Esta era é subdividida em seis períodos: 
1. Cambriano: No começo grupos marinhos já eram representados por esponjas, artrópodes e talvez 
cordados, mas as terras continuavam virgem, à exceção de pequenas algas e liquens em rochedos nos 
bordos do mar. Atmosfera relativamente pobre em oxigênio e inexistia a camada de ozônio. 
2. Ordoviciano: Há cerca de 500 milhões de anos. Aparecem os primeiros vertebrados, peixes sem 
mandíbulas e sem pares de nadadeiras. Provável presença de musgos com folhas recobertas por cutícula 
nas margens de lagos e lagoas. 
3. Siluriano: Há cerca de 450 milhões de anos. Período glacial onde a glaciação provocou uma diminuição 
drástica no nível dos mares sendo fatal para diversos grupos animais e vegetais. Ao terminar a glaciação 
a vida novamente se desenvolveu ocupando nichos virgens com surgimento de novas plantas, as 
vasculares. 
4. Devoniano: Há aproximadamente 400 milhões de anos. Presença de peixes mandibulados, escorpiões 
marinhos providos de brânquias faziam algumas incursões terrestres. Os vegetais vasculares se proliferam 
enormemente na terra, ganhando forma de arbustos e depois de árvores, como as samambaias 
arborescentes, licopídeos e ancestrais das plantas com sementes. 
5. Carbonífero: Há cerca de 350 milhões de anos, já havia grandes florestas, onde os artrópodes dominavam, 
enquanto os vertebrados terrestres ainda eram lentos e pesados, dependentes do meio aquático. 
2 
 
6. Perminiano: Há cerca de 275 milhões de anos se inicia um novo período glacial causando mudanças 
radicais nas florestas, com as coníferas e gincos tomando o lugar as pteridófitas. 
 
Era Mesozoica 
 Entre (242 M.A à 64 M.A.). 
 O período Triássico foi uma época relativamente fria e pouco favorável aos vertebrados. Quando o clima 
começou a amenizar, surgiram os insetos de menor tamanho. 
 No Jurássico há cerca de 220 milhões de anos começa o que se chama a "Idade dos Dinossauros", 
coincidindo com o surgimento dos mamíferos. 
 
Era Cenozoica 
 Marcada pela grande diversidade dos seres vivos e pela grande irradiação dos mamíferos no registro 
fóssil. 
 
A importância dos fósseis 
A distribuição espacial e temporal desses organismos fósseis retrata momentos desde a migração dos 
continentes e as mudanças climáticas até as extinções em massa e as transformações sofridas pelos 
organismos ao longo de sua história evolutiva. 
 
O Processo de fossilização 
 O processo chamado fossilização é a conversão de organismos ou de seus traços (p.e., pegadas) em fóssil, 
sendo a imensa maioria encontrados em rochas sedimentares. 
 A fossilização é o resultado da ação de processos químicos, físicos e biológicos que vão atuar durante o 
processo deposicional. 
 Para que ocorra fossilização, na maioria dos casos é necessário que o organismo morto seja enterrado 
rapidamente na areia, no lodo ou em outro tipo de sedimento. 
 Os vestígios ocorrem quando apenas evidências indiretas do organismo ou de suas atividades são 
preservadas. Essas evidências podem ser as pegadas ou os excrementos. 
 
A preservação das partes duras 
 Podem ser preservadas através de vários processos de fossilização denominados incrustação, 
permineralização, recristalização, substituição e carbonificação. 
 
A preservação das partes moles 
 Alguns registros de partes moles, como vísceras, pele, músculos e vasos sanguíneos, já foram 
encontrados, e sua contribuição é valorosa para o esclarecimento da fisiologia dos organismos fósseis. 
 Somente em condições muito especiais, como um soterramento rápido, os organismos naturais desse 
ambiente poderão se fossilizar. 
 Existem alguns tipos de fossilização onde são preservadas tanto as partes duras quanto as moles. Entre 
eles podemos citar a preservação em âmbar, o congelamento e a mumificação. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
3 
 
 
 
1 
 
LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – CEDERJ - UENF 
 
SEGUNDO PERÍODO 
DISCIPLINA: Diversidade dos Seres Vivos 
 
Resumo: Aula 15 – Metazoários e desenvolvimento 
 
 
• O registro fóssil em qualquer lugar do planeta apresenta sempre o mesmo padrão, ou seja, nas camadas 
geológicas sedimentares mais superficiais se encontram fósseis de organismos