A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
127 pág.
Musica - Projeto Pedagogico

Pré-visualização | Página 8 de 45

Caracterizou-se assim, todo um coletivo de pessoas que se profissionalizam ou sub-
profissionalizam em atividades outras que não as pedagógico-musicais, e que poderiam vir a 
conquistar cidadania e qualidade de vida por meio de um ofício musical contextualizado e 
muito útil à sociedade. 
Na época da proposição do curso, o Programa de Educação Musical na UFSCar a cada 
ano encaminhava um número significante de jovens para freqüentar cursos de graduação em 
 23
música em outras universidades porque a UFSCar ainda não possuía esse tipo de oferta. Por 
outro lado, a área de música do Departamento de Artes e Comunicação era, e ainda é, 
constantemente procurada por diretores e coordenadores de escolas de primeiro e segundo 
graus, por escolas de música e de arte em geral, que percebem a importância da música na 
formação do indivíduo, desejam inseri-la em seus currículos regulares, mas não possuem o 
profissional habilitado para tanto. Essa procura era quase sempre, de certa forma, frustrante 
porque não tínhamos cursos regulares para formação de educadores musicais que podiam 
atender esse mercado de trabalho. 
Além de preparar educadores musicais para atender as demandas de mercado, este 
curso abriu ainda um grande número de possibilidades para formar multiplicadores, de 
atuação em diferentes setores da sociedade. Sem dúvida, estamos preparando profissionais 
capazes de levar a música para pessoas de todas as idades, estejam elas agrupadas em 
academias musicais; escolas de educação infantil, do ensino fundamental e médio; e outras 
instituições. Com certeza essa possibilidade pode transformar, em pouco tempo, o panorama 
social de São Carlos, da região e de outras comunidades mais afastadas. O contato com a 
música, comprovadamente, socializa, sensibiliza e tem poder de melhorar a qualidade de vida 
de qualquer indivíduo. Por outro lado, com este curso graduação, é possível ampliar 
significativamente a oferta de cursos de formação continuada para professores regulares da 
rede pública e particular, atendendo também uma grande demanda de solicitações de cursos 
de educação musical aplicada à educação para esses profissionais. Essa possibilidade 
multiplica consideravelmente a inserção da música na escola, disponibilizando esse saber para 
todos os segmentos da sociedade. Ou seja: o curso de música com habilitação em educação 
musical visa preparar profissionais capazes de desenvolver a musicalidade e de educar 
musicalmente crianças, jovens e adultos. 
 24
2. Definição do profissional a ser formado 
Baseando-se na contextualização que se precedeu (histórico da educação musical, 
conceitos de educação musical, campo de atuação profissional para o educador musical e as 
bases legais vigentes) é definido profissional a ser formado, ou seja, é indicado o perfil do 
egresso. 
Pretende-se assegurar ao Educador Musical graduado pela UFSCar uma formação 
múltipla de modo a habilitá-lo para as variadas demandas de sua profissão. Para isso serão 
desenvolvidas as seguintes competências: 
1. Competência para elaborar e implantar projetos de ensino da música, bem como 
projetos de formação musical continuada de professores não especialistas. 
2. Competência para planejar e administrar atividades sistemáticas de ensino de música. 
3. Competência para estimular e orientar o desenvolvimento da musicalidade e 
potenciais correlatos humanos, tanto em procedimentos formais de ensino quanto em 
oportunidades alternativas, tendo por base conhecimentos consistentes e atualizados. 
4. Competência para ministrar cursos de formação musical atuando como professor de 
música, regente de coros, pequenas orquestras, bandas ou qualquer outro tipo de 
conjunto musical em locais variados.1 
5. Competência para trabalhar com toda diversidade de faixa etária, incluindo desde 
bebês até idosos (prioritariamente, porém crianças e adultos). 
6. Competência para ensinar conteúdos principais relativos à história, apreciação, teoria, 
instrumentos e percepção musical. 
7. Competência para elaborar ou adaptar técnicas de ensino, estratégias de formação e 
metodologias de educação musical. 
8. Competência para conceber e desenvolver material didático musical original, 
adequado à faixa etária, região e condições de trabalho. 
9. Competência para realizar um trabalho de conscientização e desenvolvimento de 
potencialidades humanas, dirigido para a educação e melhoria da qualidade de vida do 
indivíduo, valendo-se para isto tanto de oportunidades pedagógicas em sala de aula 
 
1 São exemplos destes locais: Escolas da rede pública de ensino, municipais e estaduais; Escolas particulares de 
ensino de música; ONGs; Iniciativa privada (projetos de ação cultural, por parte das empresas); Bandas 
municipais, estaduais e militares (cursos de aperfeiçoamento); Hospitais: aulas coletivas para médicos e 
funcionários; Clubes sociais; SEBRAE, SESI, SESC; Universidades particulares e federais; Aulas particulares 
(iniciativa autônoma ou indicações de profissionais da Saúde – psicólogos, psiquiatras aos seus pacientes). 
 25
quanto de realizações musicais criadas e manifestações culturais presenciáveis na 
realidade. 
10. Competência para realizar pesquisas voltadas para a área do ensino da música e 
formação de educadores musicais, tendo sempre por base o tempo presente. 
11. Competência para dominar os fundamentos da música e para ter conhecimento geral 
de sua história e de suas principais manifestações em diversas culturas. 
12. Competência para tocar ao menos dois instrumentos e conseguir expressar-se 
vocalmente. 
13. Competência para elaborar e implantar projetos de formação de grupos musicais. 
14. Competência para dirigir e acompanhar grupos musicais ligados à educação musical. 
15. Compor músicas, sonorizações e trilhas sonoras, bem como fazer arranjos e 
adaptações de músicas e canções de aplicação na educação musical. 
16. Competência para produzir e dirigir apresentações musicais para conjuntos musicais 
diversos2 voltados para a educação musical dos participantes e formação básica do 
público ouvinte. 
17. Competência para atuar como agente cultural, ou animador sócio-musical. 
18. Competência para atuar como coordenador de educação musical em oficinas culturais, 
escolas livres, instituições de formação sócio-pedagógica e ou arte-terapêuticas. 
19. Competência para produzir, assessorar e realizar crítica especializada de processos 
musicais enquanto fenômeno de educação. 
20. Competência para criar alternativas para a prática musical formadora de grupos de 
amadores. 
21. Competência para participar de trabalho em equipes multidisciplinares, co-elaborando 
e co-implantando projetos que abordem aspectos musicais do ser humano. 
 
2 Por exemplo: regionais, duos, trios, quartetos, orquestra de cordas, big-band, banda musical, coral, conjuntos 
vocais e apresentações solistas. 
 26
3. Grupos de conhecimentos, habilidades, atitudes e valores éticos 
e estéticos 
O quadro 1, a seguir, apresenta uma relação entre as competências propostas para o 
egresso e as disciplinas nas quais estas competências serão mais exploradas. 
Competências Disciplinas 
1. Competência para elaborar e implantar projetos de 
ensino da música, bem como projetos de formação 
musical continuada de professores não especialistas. 
Como base todas, mas como enfoque: 
− 
− 
Projeto em educação musical 1 e 2 
Gestão da qualidade em organizações 
musicais 
2. Competência para planejar e administrar atividades 
sistemáticas de ensino de música. 
Como base um grande número, mas como 
enfoque: 
− 
− 
− 
− 
− 
− 
Didática geral 
Educação musical: Prática e ensino 1-5 
Metodologia e prática do ensino em educação 
musical 
Projeto em educação musical 1 e 2 
Música e tecnologia para educação musical 
Gestão da qualidade em organizações 
musicais 
3. Competência para estimular