A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
PAPER ANA PAULA - CRAS - FINAL

Pré-visualização | Página 1 de 2

2
RECONHECIMENTO DOS ESPAÇOS DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL
 ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NO CRAS
Ana Paula de Oliveira Silva Macena¹
Maria da Conceição de Lima Filha²
	
RESUMO
O presente artigo tem o objetivo de compreender como é a atuação dos assistentes sociais no CRAS. Além de identificar como as assistentes sociais do CRAS exercem a profissão diante dos desafios propostos no dia a dia além de analisar quais os principais fatores que dificultam a atuação dos assistentes sociais. Foram pesquisados artigos publicados no Google, sites dos Conselhos de Serviço Social e Ministério do Desenvolvimento Social.
Palavras-chave: Serviço Social. CRAS. Atuação.
1. INTRODUÇÃO
 
O presente trabalho vem atender uma exigência parcial da disciplina Seminário Interdisciplinar dos Espaços de Atuação do Assistente Social do Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNISSELVI para obtenção do título de Bacharel em Serviço Social.
Entre as áreas de atuação do Assistente Social escolheu-se o Centro de Referência de Assistência Social – CRAS. O CRAS é uma unidade pública da política de assistência social, de base municipal, integrante do SUAS, localizado em áreas com maiores índices de vulnerabilidade e risco social. Seu objetivo destina-se a prestação de serviços e programas socioassistenciais de proteção social básica às famílias e indivíduos e à articulação desses serviços no território de abrangência. O CRAS deve ser organizado para a vigilância de exclusão social de sua área de abrangência, em conexão com outros territórios.
A presença do profissional de Serviço Social no CRAS é de suma importância na vida dos usuários dos serviços prestados pelo mesmo, pois é o Assistente Social que busca garantir os direitos do cidadão principalmente os que se encontram em situação de vulnerabilidade. 
O objetivo deste trabalho é buscar compreender como é a atuação dos assistentes sociais no CRAS. Quanto aos objetivos específicos consiste em identificar como as assistentes sociais do CRAS exercem a profissão diante dos desafios propostos no dia a dia além de analisar quais os principais fatores que dificultam a atuação dos assistentes sociais.
2.FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
O Centro de Referência de Assistência Social é uma unidade pública estadual, criado em 2004 com o objetivo de prevenir a ocorrência de situações de vulnerabilidades e riscos sociais e intrafamiliar nos territórios de abrangência, com intuito de desenvolvimento de ações potencialmente para fortalecimento de vínculos familiares e comunitários e da ampliação do acesso aos direitos de cidadania. A partir da Constituição Federal de 1988 a assistência social passou a ser direito do cidadão e dever do Estado. Entretanto o que se tem percebido ao longo dos anos foi a contínua redução do investimento nas políticas sociais (MDS, 2009).
O CRAS representa a principal estrutura local para a proteção social básica, desempenha papel central no território onde se localiza, possuindo a função exclusiva da oferta pública e do trabalho social com famílias por meio do Serviço de Proteção e Atendimento Integral a Famílias (PAIF) e gestão territorial da rede sociassistencial de proteção social.
Os profissionais do CRAS são formados por servidores de nível superior e nível médio, responsáveis pela organização e oferta de serviços, programas, projetos e benefícios de Proteção Social Básica nos municípios. E essa equipe é composta de acordo com as diretrizes da NOB-/SUAS, e o quantitativo dos profissionais devem ser definidos segundo o reconhecimento da situação local e vulnerabilidade social a serem combatidos e erradicados. 
Além desses profissionais, as equipes de referência dos CRAS devem contar com um coordenador, cujo perfil é: técnico de nível superior, concursado, com experiência em trabalhos comunitários e gestão de programas, projetos, serviços e benefícios socioassistenciais.
Fazem parte das funções dos profissionais que formam a equipe técnica: a recepção e acolhimento de famílias, seus membros e indivíduos em situação de vulnerabilidade social; oferta de procedimentos profissionais em defesa dos direitos humanos e sociais e daqueles relacionados às demandas de proteção social de assistência social; vigilância social, produção de informações que possibilitem a construção de indicadores e de índices territorializados das situações de vulnerabilidades e riscos que incidem sobre famílias, pessoas nos diferentes ciclos de vida. O conhecimento das famílias em grupos de referenciadas e os beneficiários do BPC- Benefício de Prestação Continuada e do Programa Bolsa Família; acompanhamento familiar das em grupos de convivência, serviço socioeducativas para famílias ou seus representantes; dos beneficiários da Bolsa Família, em especial das famílias que não estejam cumprindo as condicionalidades das famílias do BPC; proteção proativa por meio de visitas às famílias que estejam em situações de maior vulnerabilidade; encaminhamento para a avaliação e inserção dos potenciais beneficiários do PBF no cadastro único e do BPC, na avaliação social e do INSS; das famílias e indivíduos para a aquisição dos documentos civis fundamentais para o exercício da cidadania; encaminhamento com acompanhamento da população referenciada no território do CRAS para serviços de proteção básica e proteção especial, quando for o caso.
Produção e divulgação de informações de modo a oferecer referências para as famílias e indivíduos sobre programas, projetos e serviços municipais, do Distrito Federal, regional, da área metropolitana ou da micro-região do Estado.
Dar apoio nas avaliações de revisão dos cadastros do Programa Bolsa Família, BPC e demais benefícios.
As principais funções do CRAS são oferecer o serviço PAIF e outros serviços, programas e projetos socioassistenciais de proteção básica para as famílias, seus membros e indivíduos em situação de vulnerabilidade social; articular e fortalecer a rede de proteção social básica local; prevenir as situações de risco em seu território de abrangência fortalecendo vínculos é familiares e à comunidade e garantindo direitos.
A Equipe de Referência do CRAS desenvolve seu trabalho acolhendo todos os usuários, independente de sua localidade, orientando-os, encaminhando-os para os programas e projetos e acompanhando-os de acordo com as demandas apresentadas.
Haverá casos em que o serviço vai ao encontro dos usuários em seu domicílio para observar a realidade como um todo e assim, realizar um atendimento com qualidades e eficácia. Para que a população tenha acesso a estes serviços com mais rapidez e eficácia no atendimento e acima de tudo proteção ao direito de imagem.
De acordo com MIOTO (2013), no Brasil o debate instaurado em torno da profissão, e sobre a relação visceral entre Serviço Social e política social, floresceu e aprofundou-se significativamente ao longo das duas últimas décadas do século 20 e consolida-se no início do século 21 dando impulso para conquistarem cada vez mais um amplo espaço para desenvolver seus trabalhos.
É importante conectarmos os objetivos do CRAS e que os profissionais atuantes tenham: 
 [...] competência para propor, para negociar com a instituição os seus projetos, para defender seu campo de trabalho, suas qualificações e atribuições profissionais [que vá] além das rotinas institucionais para buscar apreender, no movimento da realidade, as tendências e possibilidades , a li presentes, passíveis de s erem apropriadas [...], desenvolvidas e transformadas em projetos de trabalho (IAMAMOTO, 2005, p. 21). 
Sendo assim, o profissional de serviço social desempenha um papel de fundamental importância, pois o indivíduo que buscar o CRAS a fim de resultados positivos de terminada situação direcionará para o assistente social que acolherá, fazendo um a análise e pesquisa para identificar as expressões da questão social que esse indivíduo ou grupo está enfrentando, para efetivar os benefícios ofertados na unidade

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.