A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Teoria Psicodinâmica

Pré-visualização|Página 1 de 1

Teoria Psicodinâmica

A teoria psicodinâmica é, na verdade, uma coleção de teorias psicológicas. Elas enfatizam a importância dos impulsos e outras forças humanas.

Origem da Psicodinâmica

A teoria psicodinâmica teve origem nas teorias psicanalíticas de Freud. Incluindo teorias baseadas em suas ideias, incluindo as teorias de Anna Freud, Erik Erikson e Carl Jung. Ela surgiu entre o final dos anos 1890 e 1930. Freud desenvolveu uma variedade de teorias psicológicas. Elas eram baseadas em suas experiências com pacientes durante a terapia. Ele chamou sua abordagem de terapia psicanalítica. Suas ideias se popularizaram através de seus livros, como ‘A Interpretação dos Sonhos’.

Em 1909, ele e seus colegas viajaram para os EUA e deram palestras sobre psicanálise, espalhando ainda mais as ideias de Freud. Nos anos que se seguiram, foram realizadas reuniões regulares para discutir teorias e aplicações psicanalíticas.

Freud influenciou vários pensadores psicológicos importantes, como Carl Jung e Alfred Adler.

Carl Gustav Jung (1875-1961)foi o psiquiatra suíço responsável por fundar a psicologia analítica. Jung trouxe os termos da psicologia, como “arquétipo”, o significado de “ego” e a existência de um “inconsciente coletivo”. Seu trabalho influenciou vários campos além da psicologia, como a antropologia, filosofia e teologia.

Alfred Adler (1870-1937) nasceu em Viena. Sendo um clínico geral, ele se tornou um dos quatro membros originais do círculo de Freud. Adler renunciou como presidente da Sociedade Psicanalítica de Viena e continuou o desenvolvimento de sua própria teoria do desenvolvimento socialmente consciente. Sua teoria da personalidade postulou um empenho por auto-estima e tentativa de superar um sentimento de inferioridade.

Freud quem introduziu pela primeira vez o termo psicodinâmica. Ele observou que seus pacientes exibiam sintomas psicológicos sem base biológica. No entanto, esses pacientes não conseguiram interromper seus sintomas apesar de seus esforços conscientes. Ele concluiu que, se os sintomas não pudessem ser evitados pela vontade consciente, eles deveriam surgir do inconsciente. Portanto, os sintomas eram o resultado de o inconsciente se opor à vontade consciente. Era uma interação que ele apelidou de “psicodinâmica”.

A teoria psicodinâmica foi formada para abranger qualquer teoria derivada dos princípios básicos de Freud. Como resultado, os termos psicanalítico e psicodinâmico são frequentemente usados.


Termo psicanalítico e Termo Psicodinâmico

Há uma distinção importante: o termo psicanalítico refere-se apenas às teorias desenvolvidas por Freud. Já o termo psicodinâmico referencia as teorias de Freud e aquelas baseadas em suas ideias. Isso inclui a teoria psicossocial do desenvolvimento humano de Erik Erikson e o conceito de arquétipos de Jung. Muitas teorias são abrangidas pela teoria psicodinâmica, que é muitas vezes referida como uma abordagem ou uma perspectiva em vez de uma teoria.


A Psicodinâmica na prática

A psicoterapia psicodinâmica é semelhante ao trabalho de detetive. Ela busca os motivos e tenta ler nas entrelinhas do comportamento humano. Procura padrões repetitivos, utiliza relações atuais para lançar luzes sobre o passado; presta atenção ao irracional e ao não dito.

As intervenções ou técnicas que a diferenciam de outros tipos de terapia:

*Foco no afeto e na expressão das emoções do paciente;

*Exploração das tentativas do paciente de evitar tópicos ou engajar-se em atividades que prejudiquem o progresso da terapia (evitação, resistência);

*Identificação dos padrões das ações, pensamentos, sentimentos, experiências e relações do paciente;

* Ênfase nas relações passadas;

* Foco nas experiências interpessoais;

*Ênfase na relação terapêutica;

*Exploração dos desejos, fantasias e sonhos.


Tipos de Psicoterapia psicodinâmicas

Existe a clássica e a tradicional. A clássica não tem data de término e é tipicamente de longo prazo. O terapeuta é menos diretivo, permitindo aos pacientes colocar em discussão o que lhes parece importante ou relevante; as questões subjacentes para buscar tratamento podem não se tornar aparentes até que terapia esteja bem avançada. A pessoa como um todo é o tema do tratamento, seu caráter, defesas, valores, etc., menos do que as queixas com que se apresenta ou o diagnóstico inicial. As transferências são analisadas à medida que a relação entre o paciente e o terapeuta passa por várias mudanças e permutas.

E a tradicional é, em geral, limitada no tempo, consistindo de 16 à 30 sessões, realizadas uma ou duas vezes por semana. O terapeuta é relativamente ativo e estimula o desenvolvimento da aliança terapêutica e da transferência positiva. A Psicoterapia psicodinâmica de curto prazo foca os conflitos ou temas específicos que são formulados inicialmente na terapia. A formulação psicodinâmica é conceituada mais simplesmente como um evento formativo ou crítico na vida e as habilidades de lidar ou as defesas usadas para lidar com ele,  ou como um tema conflituoso nuclear da relação. Presta-se atenção para o estabelecimento de metas alcançáveis, aderindo às tarefas mais imediatas e às questões envolvendo o final da terapia. A Psicoterapia psicodinâmica de curto prazo presta-se muito mais naturalmente a tratamentos baseados em manuais e a pesquisa sobre desfechos.