A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
LÂMINAS HISTOLÓGICAS PATOLOGIA

Pré-visualização | Página 1 de 1

MARINA GOMES VANDERLEI 
 
LÂMINAS HISTOLÓGICAS PATOLOGIA 
 
1. INTRODUÇÃO À PATOLOGIA: 
 
✔ HIPERTROFIA: ​aumento da demanda funcional, estimulo hormonal e de fator 
de crescimento. Há intensa produção de proteínas, mitocôndrias, miofibrilas e 
RE. 
-CORAÇÃO: ​hipertrofia patológica diante de hipertensão arterial sistêmica. Aspecto 
normal com miócitos organizados (células fusiformes com núcleos centrais, 
presença de sarcômeros) e o aspecto patológico é totalmente desorganizado 
(miócitos desorganizados com núcleos grandes e bem corados- intensa produção 
de RNA) 
 
PATOLOGICO X NORMAL 
-ÚTERO: ​hipertrofia fisiológica da gravidez- células normais são fusiformes e pequenas 
e as patológicas assumem formato grande. 
 
MARINA GOMES VANDERLEI 
 
PATOLOGICO X NORMAL 
 
✔ HIPERPLASIA: ​diante de um aumento da demanda funcional e de estímulos 
hormonais e de fatores de crescimento- células precisam ter elevada capacidade 
de realizar mitoses e produzir intensamente DNA e ácidos nucléicos (núcleo 
corado em roxo por hematoxilina diante da intensa produção de ácido nucléico). 
 
-​Gl. Mamária:​ ​diante da condição de gravidez. 
 
 
-​Fígado: ​diante da hepatectomia, com posterior regeneração da parte retirada 
 
-​Próstata: ​hiperplasia prostática benigna- elevado níveis de PSA 
 
 
-​Endométrio: ​hiperplasia endometrial. 
MARINA GOMES VANDERLEI 
 
 
✔ ATROFIA: ​condição patológica que reduz o número e o tamanho das células 
até o nível de conseguir manter a sobrevivência- acontece por desuso, perda da 
inervação, suprimento sanguíneo, desnutrição, pressão e do estimulo endócrino. 
 
✔ METAPLASIA: 
-​Traqueia:​ alteração do epitélio colunar ciliado para um epitélio escamoso sem cílios. 
 
-​Esôfago: ​alteração do epitélio pavimentoso para um epitélio colunar. 
MARINA GOMES VANDERLEI 
 
 
 
2. LESÃO CELULARES E MECANISMOS: 
 
✔ TUMEFAÇÃO CELULAR: ​caracterizada pela presença de vacúolos grandes 
na célula, cheios de líquido e que podem se romper, inundando o interstício com 
o líquido. Caracterizado por uma falha das bombas iônicas, diante de redução de 
ATP, que desequilibra o ambiente iônico e permite entrada de liquido. 
 
-​Edema agudo de pulmão (Hipertensão pulmonar): 
MARINA GOMES VANDERLEI 
 
 
 
✔ DEGENERAÇÃO GORDUROSA: ​surgimento de vacúolos lipídicos no 
interstício, diante de condições de hipóxia, lesões metabólicas e tóxicas. 
-Fígado: ​é a esteatose hepática provocada em condições de etilismo- fígado gasta muita 
energia para degradar o álcool, gerando acúmulo de lipídeos em vacúolos. 
 
3. MORFOLOGIA DO DANO CELULAR: ​tipos de necrose. 
 
✔ NECROSE ISQUÊMICA/COAGULATIVA: ​há perda de núcleo, eosinofilia 
do citoplasma (roxo), manutenção da sua estrutura normal e presença de tecido 
inflamatório ao redor da área necrosada, presença de picnose, cariólise e 
cariorrexe. 
-IAM: 
MARINA GOMES VANDERLEI 
 
 
-INFARTO RENAL: 
 
 
✔ NECROSE LIQUEFATIVA: ​digestão das células líquidos mantendo uma 
massa viscosa líquida- comum em tecidos lipídicos como o cérebro, sendo 
característica de infecções bacterianas e fúngicas. Geralmente marcada pela 
eliminação de pus. Há destruição estrutural. 
-Apêndice 
MARINA GOMES VANDERLEI 
 
 
-Pulmão: ​caracterizado pela vômica. 
 
-Pâncreas 
-Cérebro-AVC: ​há intensa proliferação celular- neurônio assume aspecto eosinofílico 
(normalmente é basofílico). 
 
✔ NECROSE CASEOSA: ​necrose coagulativa e necrose liquefativa- aspecto 
“sujo” da microscopia, com a presença de um material granular amorfo (massa 
MARINA GOMES VANDERLEI 
 
eosinofílica com células fragmentadas). É a principalmente característica da 
tuberculose. A massa caseosa é envolvida por uma parede inflamatória formada 
por células epitelioides (macrófagos grandes e fundidos) - célula de Langhans. 
 
-​Linfonodo: 
 
 
 
✔ NECROSE GORDUROSA: ​parecem pingos de vela no tecido adiposo- 
proveniente da saponificação. Aspecto basofílico dos adipócitos marcado pelo 
seus rompimento. 
-​Esteatonecrose: ​pâncreas- pancreatite ou tumor de pâncreas. 
MARINA GOMES VANDERLEI 
 
 
 
✔ NECROSE HEMORRÁGICA: presença de sangue no local necrótico- no MO 
assemelha-se à necrose isquêmica ou liquefativa, mas na macro é repleta de 
sangue. Acontece em órgão que apresentam dupla circulação como (fígado, ID e 
pulmão). 
-​Tromboembolia: ​área de necrose coagulativa (manutenção dos contornos) so que 
preenchida por sangue. 
 
-Fígado: ​insuficiência cardíaca D- necrose na área centro-lobular. 
MARINA GOMES VANDERLEI 
 
 
-Cérebo: ​hematoma ou hemorragia 
-Órgão pediculares (ovário, testículo e ID): ​torções 
 
✔ NECROSE FIBRINÓIDE: ​presença de material fibrinóide com 
imunocomplexo na parede de vasos como consequência de hipertensão, lúpus e 
artrite reumatoide.