A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Tecnica da Silhueta - Preparo em Protese Fixa

Pré-visualização | Página 1 de 1

o Principal técnica utilizada para a 
confecção de preparos com 
finalidade protética. 
o Utiliza-se o próprio dente como 
referência do preparo. 
o Permite ao operador uma real noção 
da quantidade de desgaste. 
o O conhecimento do diâmetro de 
formato das brocas é primordial. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Etapas: 
1. Sulco Marginal Cervical vestibular e 
lingual; 1014 
2. Sulcos de Orientação na face 
vestibular, oclusal e lingual; 3216 
3. Desgaste Proximal; 
4. União dos Sulcos de Orientação; 
5. Biselamento de cúspides (dentes 
posteriores); 
6. Extensão intrasulcular; 3216 e 2215 
7. Acabamento; 4138 
 
PREPARO DE DENTE ANTERIOR: 
1. Sulco Marginal Cervical: 
 
 
 
 
2. Sulcos de Orientação Vestibular: 
 
 
 
 
 
 
 
3. Sulcos de Orientação Incisal: 
 
 
 
4. Rompimento do ponto de contato: 
 
 
Técnica da Silhueta 
1. Estabelecer o término cervical; 
2. 1014; 
3. Faces vestibular e lingual; 
4. Profundidade de sulco a 0,7mm; 
5. Inclinação de 45° com o longo eixo do 
dente; 
1. 3216/2215; 
2. 2 sulcos faces vestibular e metade 
das proximais; 
3. Profundidade 1,2mm; 
4. 1ª inclinação: face médio-cervical; 
5. 2ª inclinação: face médio-incisal; 
1. 3216/2215; 
2. Inclinada de 45° com o longo eixo 
do dente; 
3. Profundidade de sulco 2,0 mm; 
4. Sulcos seguem a mesma direção 
dos vestibulares; 
1. 3203; 
2. Proteção do dente vizinho 
com matriz de aço; 
3. Distância de 1,0 mm do 
término cervical ao dente 
vizinho; 
4. Criar espaço para desgaste 
definitivo proximal; 
5. União dos Sulcos de Orientação: 
 
 
 
 
 
6. Desgastes Proximais: 
 
 
 
7. Desgaste da Concavidade Palatina: 
 
 
 
 
 
8. Desgaste Lingual Cervical: 
 
 
 
 
9. Extensão Subgengival: 
 
 
 
 
 
 
 
10. Acabamento do Preparo: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PREPARO DE DENTE POSTERIOR: 
 
 
1. 3216/2215; 
2. União dos sulcos vestibular, 
lingual e incisal; 
3. Profundidade de desgaste 
1,2 mm; 
4. Respeitar as inclinações e 
manter a relação de 
paralelismo; 
1. 3216; 
2. Paredes proximais 
paralelas entre si; 
3. Acomodação das 
papilas; 
1. 3118 ou 3168; 
2. Sobrepasse 
normal: 1,2 mm; 
3. Sobrepasse 
acentuado: 0,6 
mm; 
4. Segue a anatomia 
da área; 
1. 3216; 
2. Desgaste do 
terço cervical 
em 
chanferete/ch
anfro; 
3. Profundidade 
0,6 a 1,2 mm; 
1. 3216; 
2. ½ do diâmetro da 
broca em contato 
com o dente e a 
outra em contato com 
o epitélio sulcular; 
3. Profundidade do 
término cervical de 
0,5 a 1,0 mm; 
4. Paredes em direção a 
incisal = 2 a 5°; 
5. Coroas longas = 5 a 
10°; 
1. 4138 (F ou FF); 
2. Broca apoiada na 
parede axial, 
acentuando o 
desgaste nessa 
região; 
3. Regularização do 
preparo com 
brocas utilizadas 
anteriormente em 
baixa rotação ou 
multilaminadas; 
4. Regularização de 
paredes, 
arredondamento 
de ângulos, ajuste 
de conicidade; 
VIPS 
Erros Comuns: 
o Não deixar o término nítido; 
o Deixar ângulos vivos (o preparo 
precisa ter todas as faces 
arredondadas); 
 
 
 
 
 
Preparo (cuidados): 
 
 1. Sulco Marginal Cervical: 
 
 
 2. Sulcos de Orientação: 
 
 
 3. Sulcos de Orientação: 
 
 
 4. Sulcos de Orientação: 
 
 
 
 5. Rompimento do Ponto de Contato: 
 
 
 
 
 6. União de Sulcos: 
 
 
 
 7. Redução da Cúspide de Trabalho: 
 
 
 
 
Metalocerâmica 
• O preparo não é 
tão crítico, pois 
possui uma 
infraestrutura 
metálica, logo, o 
metal consegue se 
adaptar melhor a 
preparos 
"malfeitos". 
 
Cerâmicas 
• Baixa resistência; 
• Necessidade de 
espessura maior; 
• Ombro 
arredondado; 
• Extrema lisura; 
1. 1014 ou ponta diamantada esférica (1,4 
mm) em 45°, 1mm acima da margem 
gengival (P e V); 
1. 3216 ou 2215; 
2. 3 sulcos na face vestibular; 
3. Profundidade de 1,2 mm; 
1. 3216; 
2. Cúspide cêntrica; 
1. 3216 ou 2215; 
2. Sulcos acompanhando os planos 
inclinados das cúspides; 
3. Profundidade de 1,5 mm; 
4. Coroas clínicas curtas = 1,0 mm; 
1. 2200/3203 ou 
ponta tronco-
cônica afinalada + 
matriz de aço; 
2. Movimento 
pendular; 
1. 3216/2145 ou ponta cilíndrica topo ogival 
ou arredondado (1,2 mm); 
 8. Extensão Subgengival: 
 
 
 
 9. Acabamento das Paredes: 
 
 
 
 
 
 
RESTAURAÇÕES PARCIAIS: 
 
 
 
INDICAÇÕES: 
o Restaurações amplas em dentes 
posteriores; 
o Istmo oclusal maior que a metade da 
distância instercuspídea ou quando o 
preparo envolver uma ou mais 
cúspides; 
o Quando uma restauração estética 
seja necessária e uma coroa total 
não seja desejada; 
 
 1. ONLAY: 
Indicações da Onlay: 
o Distância intercuspídea maior que ½; 
o Perda de estruturas de reforço 
(cristas marginais e cúspides); 
o Suporte de PPRs; 
o Remanescente coronário – 
Quantidade e Qualidade; 
Características do Preparo: 
o Ângulos internos arredondados; 
o Paredes lisas; 
o Ângulo cavo-superficial em 90° (sem 
bisel); 
o Paredes axiais convergentes para 
oclusal; 
o Paredes circundantes com 5° a 15° 
de expulsividade; 
o Margem supra-gengival em esmalte; 
o Redução Oclusal (1,5 a 2,0 mm); 
o Istmo (1,5 a 2,0 mm); 
o Ombro arredondado (1,2 a 1,5 mm); 
o Chanfro nas cúspides de contenção 
cêntrica para ONLAY/OVERLAY; 
 
 
 
1. 4138 ou ponta diamantada topo 
arredondado (1,4 mm) 
1. Alisamento das paredes axiais, 
oclusais, término cervical e ângulos 
internos arredondados; 
2. 3216F, 3216FF; 
3. 4138F, 4138FF; 
4. 3118F, 3118FF; 
- Inlay: não envolve cúspides; 
- Onlay: tem-se o 
recobrimento de cúspides; 
- Overlay: tem-se todas as 
cúspides recobertas; 
 2. INLAY: 
CARACTERÍSTICAS DO PREPARO: 
o Caixa Oclusal: 
 
 
 
 
 
 
 
LAMINADOS CERÂMICOS: 
INDICAÇÕES: 
o Modificação de forma, volume, cor e 
textura de superfície; 
o Fechamento de diastemas; 
o Hipoplasia e abrasão do esmalte; 
o Desgastes severos; 
o Amelogênese imperfeita congênita; 
o Agenesia do incisivo lateral; 
PREPARO: 
o Máxima preservação da estrutura 
dental e período; 
o Profundidade de 0,3 a 0,7 mm; 
o Preparo em chanfre ou ombro; 
o Estritamente vestibular ou 
envolvendo incisal (0,5 mm – 
envelopado); 
 
 
 
1. Abertura vestíbulolingual de 1,5 a 2 
mm; 
2. Parede pulpar plana; 
3. Profundidade oclusal de 2 mm; 
4. Parede vestibular e lingual 
levemente expulsiva; 
5. Ângulos internos arredondados; 
6. Ângulo cavo-superficial nítido e 
sem bisel; 
7. Parede axial plana e levemente 
expulsiva e término chanfrado;