A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
Doenças Exantemáticas da Infância (Sarampo, Rubéola, Eritema Infeccioso, Exantema Súbito, Varicela, Mononucleose, Escarlatina) - Módulo Febre - Problema 2

Pré-visualização | Página 1 de 5

Thaís Pires 
1 
Doenças Exantemáticas da Infância 
 
1. Estudar o diagnóstico diferencial das doenças infecciosas exantemáticas da infância (varicela, sarampo, 
rubéola, exantema súbito, eritema infeccioso, escarlatina, mononucleose, dengue, zika e Chikungunya) 
 
➢ Doenças Exantemáticas da Infância – grupo de doenças caracterizado pelo SURGIMENTO AGUDO de uma 
erupção cutânea disseminada (exantema ou rash), podendo ter causas medicamentosas, reumatológicas e 
infecciosas. A evolução clínica dessas doenças segue um padrão em que é DIVIDIDA em algumas fases: 
 
❖ Período de Incubação – é aquele que vai do momento da INFECÇÃO, em que o pct possui o microorganismo, 
mas não apresenta manifestações, até o momento das MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS, sendo que cada doença 
apresenta um período distinto. Geralmente, as infecções VIRAIS tem um período de incubação mais 
PROLONGADO (1-3 semanas), enquanto as infecções BACTERIANAS são mais breves (poucos dias) 
 
❖ Fase Prodrômica – compreende o INÍCIO de sinais e sintomas que antecedem o aparecimento do EXANTEMA, 
sendo o pct já CONTAGIOSO. Nessa fase, muitos dos sinais e sintomas são INESPECÍFICOS, como sintomas 
constitucionais (febre, mal-estar, adinamia) e catarrais (obstrução nasal, coriza, conjuntivite), porém alguns 
deles podem ser identificados como TÍPICOS de algumas doenças. Na fase prodrômica podem haver 
ALTERAÇÕES DE MUCOSAS, que é denominada ENANTEMA. Em alguns casos, essa fase pode estar ausente, 
e o pct manifestar diretamente a ERUPÇÃO CUTÂNEA! 
 
❖ Fase Exantemática – É a fase do aparecimento do EXANTEMA, sendo importante caracterizar: 
• Aspecto das Lesões 
o Maculopapular – são as mais COMUNS, sendo predominante as lesões MACULARES (altera 
apenas a cor) e/ou PAPULARES (lesões elevadas menores de 0,5 cm) 
▪ Morbiliforme – lesões maculopapulares avermelhadas, com pele sã de permeio e que 
podem confluir: Ex: sarampo 
▪ Rubeoliforme – semelhante ao morbiliforme, mas as lesões são RÓSEAS e as PÁPULAS 
SÃO MENORES. Ex: Rubéola 
▪ Escarlatiniforme – acometimento homogêneo da pele por LESÕES PAPULARES 
PUNTIFORMES. Ex: Escarlatina 
▪ Urticariforme – lesões maculopapulares ERITEMATOSAS MAIORES DE LIMITES 
IMPRECISOS. Ex: alergias medicamentosas, doenças infecciosas. 
o Vesicular – presença de vesículas, que são lesões menores que 1 cm com conteúdo LÍQUIDO – 
caso desenvolvam um conteúdo purulento, serão denominadas PÚSTULAS. Ex: Varicela e Hérpes-
Zóster. 
o Outros – Podem haver os petequiais, purpúricos e nodulares. 
• Progressão – observar de que forma as lesões progridem, i.e., se são CRANIOCAUDAL ou CENTRÍFUGAS 
• Descamação – o desaparecimento de algumas lesões pode estar acompanhado de descamação. 
o Furfurácea – descamação FINA, como uma caspa. Ex: Sarampo. 
o Lamelar – Descamação GROSSEIRA/LASCAS. Ex: escarlatina e Kawasaki 
 
❖ Fase de Convalescença – é a fase de recuperação propriamente dita da doença, que, por alguns autores, é 
considerada ASSINTOMÁTICA, enquanto outros consideram a DESCAMAÇÃO como sua fase. 
Obs: Para ajudar no diagnóstico etiológico, existem 3 características importantes: 
• Idade do Pct – algumas doenças são características de faixa etárias – Exantema súbito-lactentes; Kawasaki-
menores de 5 anos 
Thaís Pires 
2 
• História Epidemiológica – algumas doenças não são endêmicas no nosso país, então o relato de viagem ao 
exterior pode ser uma pista 
• Padrão da Febre – a curva da febre é muito importante, uma vez que em algumas doenças, a febre desaparece 
antes do início do exantema. 
 
1) Sarampo 
• Agente Etiológico – É um vírus de RNA do gênero Morbillivirus da família Paramyxoviridae, que tem como único 
hospedeiro natural o HUMANO. Esse vírus contém algumas PROTEINAS ESTRUTURAIS que são importantes no 
processo de indução da imunização, como a HEMAGLUTININA F e H, sendo esta a mais utilizada para a indução 
 
• Epidemiologia - É uma doença ALTAMENTE CONTAGIOSA e já foi uma das principais causas de óbito por doenças 
infecciosas principalmente nos menores de 5 anos, porém, atualmente, devido a estratégia de VACINAÇÃO, a 
transmissão desse vírus já foi interrompida em vários países. A estratégia supracitada adota três eixos principais: 
USO DA VACINA DE ROTINA NA REDE BÁSICA DE SAÚDE; ADOÇÃO DO BLOQUEIO VACINAL PÓS-EXPOSIÇÃO; 
VACINAÇÃO INDISCRIMINADA EM CAMPANHAS. 
 Após a identificação de um caso de sarampo, ele precisa ser classificado de acordo com a FONTE DE INFECÇÃO: 
o Caso Importado – aquele em que há uma história internacional relatada em até 23 dias antes do 
aparecimento do exantema 
o Caso relacionado com importação – aquele contraído LOCALMENTE, mas a partir de um caso 
importado 
o Caso com origem da infecção desconhecida – não foi possível estabelecer a origem da fonte 
o Caso índice – primeiro caso ocorrido dentre vários de natureza similar, sendo no território nacional 
o Caso Secundário – caso a partir do índice 
o Caso Autóctone – primeiro caso identificado em uma cadeia de transmissão sustentada (12 meses) 
– O último caso autóctone no Brasil foi em 2000 no mato grosso do sul. Entre 2013 e 2015, foram 
confirmados 916 casos no ceará, sendo mais de 4000 suspeitos. 
• Patogênese 
o Período de Incubação – 8-12 dias – o vírus penetra pela MUCOSA CONJUNTIVAL ou pelo TRATO RESPIRATÓRIO 
e migra para os linfonodos regionais, por onde se dissemina para o SISTEMA RETICULOENDOTELIAL. Depois 
disso, na segunda viremia, o vírus atinge a SUPERFÍCIE CORPORAL e dá início a fase prodrômica. 
 
o Fase Prodrômica – nessa fase, o vírus começa a utilizar todas as células do corpo para se MULTIPLICAR, 
inclusive as do SNC. Ocorre a NECROSE DO EPITÉLIO, MULTIPLICAÇÃO VIRAL e formação das CÉLULAS 
GIGANTES, bem como a infecção de todo o sistema respiratório, causando CORIZA E TOSSE! Nessa fase, o pct 
é altamente contagioso!! As células gigantes são patognomônicas do sarampo e são resultantes da fusão de 
células infectadas, sendo denominadas Warthin-Finkeldey. Um fato interessante é que o vírus do sarampo 
acomete os LNFÓCITOS T CD4+, diminuindo a resposta imune mediada por TH1. 
 
o Fase Exantemática – o surgimento do exantema coincide com o aparecimento dos ANTICORPOS SÉRICOS, por 
isso os sintomas diminuem após o início do rash. 
 
• Transmissão 
Thaís Pires 
3 
 A transmissão se dá por GOTÍCULAS DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA ou por PARTÍCULAS DE AEROSSOL que se 
mantém em suspensão no ar por até uma hora, então não é necessário o contato direto com o pct, basta apenas estar 
no mesmo ambiente que ele esteve há 1 hora. Inicia cerca de 3 DIAS ANTES do rash e vai até 6 DIAS APÓS o início, 
sendo mais intensa 2 dias antes/depois – quanto aos imunodeprimidos, eles podem eliminar o vírus durante toda a 
doença. 
Cerca de 90% dos indivíduos SUSCEPTÍVEIS, i.e., não vacinados, nunca adoeceram e 
não receberam anticorpos passivamente; irão adquirir a doença. 
 
 
 
 
 
• Clínica 
o Fase Prodrômica – É de curta duração (2-4 dias) e corresponde a 
fase em que o vírus infectou a mucosa respiratória! 
o Febre – tem uma elevação PROGRESSIVA e atinge o máximo 
no 2° ou 3° dia, i.e., no início do exantema, DECAINDO a partir 
daí. 
o Conjuntivite – é uma conjuntivite INTENSA que pode causar 
FOTOFOBIA, sendo tipicamente NÃO PURULENTA 
o Tosse – intensa 
o Manchas de Koplik – é um ENANTEMA patognomônico do 
sarampo, podendo fechar diagnóstico antes mesmo do 
aparecimento do exantema, que é entre 1 a 4 dias depois. 
Essas manchas são BRANCAS, COAZULADAS COM 1MM e 
HALO ERITEMATOSO. 
 
o Fase Exantemática – tem duração média de 5 DIAS 
o Aspecto das Lesões – Maculopapulares Morbiliformes 
o Progressão da Lesão – Inicia na fronte, região retroauricular e na nuca, seguindo CRANIOCAUDAL 
 
o Fase de Convalescença – Descamação Furfurácea 
Sarampo Atípico – Forma mais grave da doença em que os indivíduos eram vacinados, mas foram posteriormente 
infectados pelo VÍRUS SELVAGEM, apresentando uma evolução diferente!

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.