A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Estática Fetal - Resumo + Questões

Pré-visualização | Página 1 de 2

SITUAÇÃO consiste na relação entre o maior eixo da mãe (cavidade uterina) em relação ao maior eixo fetal. 
• Longitudinal – maior eixo da mãe = maior eixo do feto 
• Transversa – maior eixo da mãe ≠ maior eixo do feto 
o Indicação absoluta de cesárea 
• Oblíqua – muito rara e costuma ser transitória 
 
APRESENTAÇÃO é a parte do feto que se apresenta no estreito superior da bacia materna (aquilo que tocamos) 
• Cefálica 
• Pélvica 
• Córmica (ombro) 
 
CUIDADO! Para não confundir situação com apresentação! 
Quando uma parte fetal menor (por exemplo, um dos membros) se antepõe à apresentação 
durante o trabalho de parto, ocupando a vagina ou mesmo se exteriorizando pela vulva, 
chamamos de prolapso. Existe ainda a possibilidade de laterocidência, em que a pequena 
parte fetal em questão desce ao lado e junto de um dos polos fetais, nesse caso, trata-se de 
uma apresentação composta. 
 
ALTURA DA APRESENTAÇÃO (Planos de DeLee) 
• Linha imaginária que traçamos nas espinhas isquiáticas da paciente 
(plano 0 de DeLee) 
o Se estiver acima = NEGATIVO 
o Se estiver abaixo = POSITIVO 
 
POSIÇÃO é a relação do dorso fetal com o lado materno, sendo identificada por meio das manobras de Leopold. 
• DIREITA = dorso do feto está para o lado direito da mãe 
• ESQUERDA = dorso do feto está para o lado esquerdo da mãe (+ comum) 
A finalidade da posição é buscar a melhor localização para ausculta cardíaca fetal 
durante o trabalho de parto, que, no geral, será ipsilateral ao seu dorso, exceto nos 
bebês com apresentações cefálicas defletidas de 3° grau. 
 
 
 
 
 
 
 
 
córmica 
ESQUERDA DIREITA 
 
ATITUDE é a relação das diversas partes fetais entre si 
Na maioria das vezes, o feto apresenta atitude de flexão generalizada durante toda a gestação e o parto. Em 
situações anômalas, pode haver extensão da coluna com deflexão do polo cefálico, o que leva às apresentações 
defletidas de 1°, 2° e 3° graus. 
• Flexão = o bebê encontra-se completamente fletido, para facilitar a sua passagem pelo canal de parto. 
O ponto de referência é a fontanela menor (LAMBDA), delimitada pelo osso occipital. 
• Deflexão 
o 1° grau – apresentação bregmática – BREGMA e sutura sagitometópica 
o 2° grau – apresentação frontal – NASO (ou glabela) e sutura metópica – maior diâmetro da 
cabeça = mais difícil de passar = ↑chances de cesárea 
o 3° grau – apresentação de face – MENTO e linha facial 
 
 
 
Nas apresentações pélvicas, a atitude fisiológica do polo pélvico 
pressupõe as coxas fletidas e aconchegadas ao abdome, e as 
pernas fletidas junto às coxas. Assim, diz tratar de apresentação 
pélvica completa. As demais atitudes assumidas pelos membros 
inferiores dão origem às apresentações pélvicas incompletas 
(modo nádegas, modo joelhos, modo pé). 
 
A apresentação fetal mais comum é a cefálica fletida, cujo ponto de referência é a fontanela menor (lambda), 
delimitada pelo osso occipital. Nas outras apresentações, utilizamos os respectivos referenciais: 
 
 
 
 
MODO NÁDEGAS COMPLETA 
PODÁLICA 
 
VARIEDADE DE POSIÇÃO 
A variedade de posição complementa a orientação espacial do concepto ao relacionar um ponto de referência 
da apresentação fetal com um ponto de referência ósseo da bacia materna, levando-se em consideração as faces 
anterior, posterior ou lateral da gestante. Condicionou-se, para tal, o emprego de três letras: 
• 1ª letra - ponto de referência da apresentação fetal 
o O (occipício), B (bregma), N (naso), M (mento), S (sacro) e A (acrômio). 
• 2ª letra - lado materno para o qual está voltado o ponto de referência fetal 
o D (direita) e E (esquerda). 
• 3ª letra - indica a variedade de posição, conforme o feto esteja voltado para o ponto de referência ósseo 
da bacia materna 
o A (anterior) – eminência ileopectínea, T (transversa) – extremidade do diâmetro transverso, P 
(posterior ou púbis) – sinostose sacroilíaca ou púbis, S (sacro) – materno 
CUIDADO! Para não confundir situação transversa com variedade de posição transversa. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
1 2 
 
1. Em qual variedade de posição da apresentação de face, o parto vaginal encontra-se facilitado e com melhor 
prognóstico? 
a) MP 
b) MS 
c) MDP 
d) MEP 
e) MET 
 
2. No estudo do mecanismo do parto: 
 
I – São linhas de orientação fetal: sutura sagital, metópica e sulco interglúteo; 
II - O plano zero de DeLee representa o ponto de referência ósseo-fetal que está no nível das espinhas 
isquiáticas; 
III – Na variedade occipitoesquerda anterior, a rotação interna do polo cefálico é de 135°. 
 
Está(ão) incorreta(s): C 
a) Apenas I 
b) Apenas II 
c) Apenas III 
d) I, III 
e) I, II, III 
 
3. Como se denomina a relação das diversas partes do feto entre si? 
a) Posição 
b) Acomodação 
c) Atitude 
d) Situação 
e) Postura 
 
4. Parturiente a termo, ao toque, revela tratar de uma variedade de posição SEA (variedade de posição). Qual 
o quadrante uterino no qual se auscultam melhor os batimentos do coração fetal? 
a) Superior direito 
b) Superior esquerdo 
c) Inferior direito 
d) Inferior esquerdo 
e) Em torno da cicatriz umbilical 
 
 
 
 
 
 
 
 
5. Para descrever e estudar o mecanismo de parto, é necessário conhecer as relações espaciais entre o 
organismo materno e o produto conceptual, utilizando-se para isso nomenclatura e definições 
convencionadas. Tal nomenclatura orienta a documentação do parto e a comunicação entre os profissionais 
para que haja, posteriormente, entendimento dos acontecimentos. Analise as relações uterofetais abaixo 
relacionadas. 
I – O conceito de atitude reside na relação das diversas partes fetais entre si 
II – A situação consiste na relação entre o maior eixo da cavidade uterina e o maior eixo fetal 
III – A apresentação é definida como a região fetal que ocupa a área do estreito inferior e nela se vai insinuar 
IV – Adota-se a definição de posição fetal, da escola alemã, que a descreve como a relação do dorso fetal 
com o lado materno 
V – A variedade de posição complementa a orientação espacial do concepto ao relacionar um ponto de 
referência da apresentação fetal com um ponto de referência ósseo da bacia materna, levando-se em 
consideração as faces anterior, posterior ou lateral da gestante 
Estão corretas: 
a) Somente I e IV 
b) Somente I, II e V 
c) Somente I, II e IV 
d) Somente I, II, IV e V 
e) Somente I, II, III e IV 
 
6. Paciente com gestação de 39 semanas e em trabalho de parto. Durante o toque, o examinador constata que 
o polo cefálico está no plano 0 de DeLee. Isto significa que o polo cefálico encontra-se ao nível de: 
a) Borda superior da sínfise púbica 
b) Cóccix 
c) Borda inferior da sínfise púbica 
d) Espinhas isquiáticas 
 
7. Para a avaliação fetal durante o trabalho de parto, o toque vaginal permite identificar a apresentação fetal 
seus pontos de reparo. Em qual dos itens essa correlação está incorreta? 
a) Cefálica defletida de 10 graus = ângulo anterior do bregma 
b) Cefálica defletida de 30 graus = queixo 
c) Cefálica defletida de 20 graus = raiz do nariz 
d) Cefálica fletida = lambda 
e) Pélvica = acrômio 
 
8. Parturiente apresenta ao exame de toque vaginal cervicodilatação de 9 cm, bolsa íntegra, feto em 
apresentação cefálica, bregma na direção da sinostose sacroilíaca direita. É correto afirmar que se trata de 
uma apresentação cefálica defletida de 
a) 1° grau, bregma direita posterior 
b) 2° grau, occipito esquerda anterior 
c) 1° grau, occipito esquerda anterior 
d) 3° grau, bregma esquerda anterior 
e) 2° grau, bregma direita posterior 
 
 
9. Considerando gestação de 38 semanas, com o feto posicionado em sacro-esquerda anterior, o local onde se 
tem melhor ausculta de batimentos cardíacos fetais é o assinalado na imagem com o número: 
 
a) 2 
b) 3 
c) 6 
d) 8 
 
10. Da fontanela triangular, limitada pelo occipital e parietais e de seus vértices, saem as suturas sagital