A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
Reanimação cardiopulmonar + Arritmias cardíacas - Resumo + Questões

Pré-visualização | Página 3 de 4

entrada no serviço arresponsiva, sem movimentos respiratórios, sem pulsos palpáveis. Após 
ativar o serviço de emergência, para a reanimação cardiopulmonar (RCP), a sequência do início do 
suporte básico de vida e a sequência da relação compressão-ventilação no atendimento devem ser: 
a. Retificação de vias aéreas – ventilação – circulação [ABC; 15:2 (massagem: ventilação)]. 
b. Circulação – retificação de vias aéreas – ventilação [CAB; 30:2 (massagem: ventilação)]. 
c. Circulação – retificação de vias aéreas – ventilação [CAB; 15:2 (massagem: ventilação)]. 
d. Retificação de vias aéreas – ventilação – circulação [ABC; 30:2 (massagem: ventilação)]. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
5. Criança de 2 anos chega ao Pronto-Socorro após queda de árvore, trazida pelo Serviço Médico de 
Urgência, intubada, sem movimentos respiratórios, sem pulsos, sem batimentos cardíacos. Feita a 
monitorização cardíaca mostrada na figura a seguir. 
 
O diagnóstico e a conduta são, respectivamente, 
a. Taquicardia ventricular, cardioversão elétrica sincronizada 
b. Taquicardia ventricular sem pulso; desfibrilação 
c. Atividade elétrica sem pulso, reanimação cardiopulmonar 
d. Fibrilação ventricular, cardioversão elétrica sincronizada 
e. Fibrilação ventricular, desfibrilação 
 
6. Criança de 10 anos de idade, cardiopata está internada na UTI pediátrica, intubada, em ventilação 
mecânica e monitorada. Ao ser chamado de urgência para avaliá-la, o médico percebe ausência de 
respiração espontânea e de pulsos centrais. O monitor cardíaco mostra padrão bizarro, compatível com 
fibrilação ventricular. A criança tem acesso venoso, e o desfibrilador cardioversor está prontamente 
disponível. Qual deve ser a conduta inicial? 
a. Fazer epinefrina diluída (1:10.000) na dose de 0,1ml/kg 
b. Fazer epinefrina pura (1: 1.000) na dose de 0,25ml/kg 
c. Fazer cardioversão sincronizada com 7J/kg 
d. Fazer desfibrilação com 2J/kg 
e. Fazer desfibrilação com 10J/kg 
 
7. Sobre o suporte a vida em pediatria analise as assertivas e assinale a alternativa correta: 
I - Há necessidade imediata de monitorização eletrocardiográfica em qualquer situação de parada cardíaca. 
II- Em torno de 20% das paradas cardíacas exigirão desfibrilação inicialmente com 2 joules/kg. 
III- A utilização de pás de adultos para eletroterapia está indicada acima de 10 kg de peso. 
a. Todas as assertivas estão corretas 
b. Apenas a assertiva I está incorreta 
c. As assertivas II e III estão incorretas 
d. Apenas a assertiva III está incorreta 
e. Todas as alternativas estão incorretas 
 
 
 
8. Um paciente com oito meses de vida teve inúmeros episódios de diarreia há cinco dias, associada a 
vômitos e à febre. Foi levado ao pronto‐socorro por sua mãe após dois dias do início do quadro e ela 
recebeu apenas orientações e prescrição de sintomáticos para realizar terapia de reidratação oral em 
casa. O paciente teve piora da diarreia e diminuição da diurese, evoluindo com irritabilidade e febre. 
Foi levado novamente ao pronto‐socorro, agora em mau estado geral, afebril, letárgico, com frequência 
respiratória de 64 irpm, saturação de oxigênio de 88%, frequência cardíaca de 180 bpm, pulsos 
periféricos finos, enchimento capilar de 4 s e pressão arterial de 69 x 40 mmHg. Exames iniciais 
mostraram: Na 144 mEq/L; K 5,6 mEq/L; Cl 100 mEq/dL; pH 7,21; Bic 12 mmol/L; e Gli 65 mg/dL. 
Durante expansão inicial com SF 0,9% em via intraóssea, o paciente apresentou PCR em assistolia. 
Nesse caso hipotético, considerando a principal causa reversível dessa PCR, a melhor conduta será 
 
a. Administrar bicarbonato de sódio devido á hipercalemia 
b. Intensificar a hidratação, pois a principal causa reversível é a hipovolemia 
c. Realizar push de glicose para reverter a hipoglicemia 
d. Realizar intubação orotraqueal devido à hipoxemia 
e. Administrar bicarbonato de sódio para reverter a acidose metabólica 
 
9. Você é chamado(a) para a sala de emergência pediátrica e, ao entrar, encontra seu colega plantonista 
realizando a ressuscitação cardiopulmonar de uma criança de 8 anos de idade. Vocês realizam os ciclos 
de compressão/ventilação na razão de 15:2. O enfermeiro coloca o monitor cardíaco, obtendo o seguinte 
ritmo: É realizada a desfibrilação com 2 J/kg e, em seguida, é administrada uma dose de epinefrina 0,01 
mg/kg. É realizada uma segunda verificação do ritmo cardíaco, mantido mesmo achado, sendo feita 
uma nova desfibrilação com 4 J/kg. Considerando que o ritmo se mantenha na próxima checagem, a 
próxima droga indicada é: 
 
 
 
a. Gluconato de cálcio 
b. Atropina 
c. Sulfato de magnésio 
d. Amiodarona 
 
10. O comportamento hemodinâmico do choque séptico em lactentes difere substancialmente daquele 
apresentado por adultos, sendo, mais frequentemente, caracterizado por 
a. Diminuição do débito cardíaco e diminuição da resistência vascular periférica 
b. Aumento do débito cardíaco e diminuição da resistência vascular periférica 
c. Diminuição do débito cardíaco e aumento da resistência vascular periférica 
d. Aumento do débito cardíaco e aumento da resistência vascular periférica 
 
 
 
 
 
 
11. Em relação à parada cardiorrespiratória (PCR) em crianças, em ambiente hospitalar, considere as 
seguintes afirmativas: 
 
1. Ao contrário de adultos, a PCR não decorre, habitualmente, de causas cardíacas primárias; 
2. Ritmo chocável ou desfibrilável, como taquicardia ventricular sem pulso ou fibrilação ventricular, ocorre 
em mais de 50% dos casos; 
3. Acesso venoso periférico é tão adequado para administração de fármacos quanto o acesso venoso central; 
4. A entubação traqueal é prioritária no processo de ressuscitação cardiopulmonar em crianças; 
5. O processo de ressuscitação deve começar com compressões cardíacas, com no mínimo 100 compressões 
por minuto, e no ritmo 15 compressões para duas ventilações, em caso de estarem disponíveis dois 
socorristas. 
 
Assinale a alternativa correta. 
a. Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras 
b. Somente as afirmativas 2 e 5 são verdadeiras 
c. Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras 
d. Somente as afirmativas 1, 3 e 5 são verdadeiras 
e. As afirmativas 1, 2, 3, 4 e 5 são verdadeiras 
 
12. Criança de 2 anos apresenta tosse e dificuldade respiratória progressiva há 2 dias. Exame físico: mau 
estado geral, cianótica, apneica e com frequência cardíaca de 45 batimentos por minuto A primeira 
droga a ser administrada é: 
a. Bicarbonato de sódio 8,4%, 1mEq/kg 
b. Atropina 0,01mg/kg 
c. Adrenalina 0,1ml/kg da solução 1:1000 pura 
d. Adrenalina 0,1ml/kg da solução 1:10000 diluída em 9ml de água destilada 
e. Atropina 0,02mg/kg 
 
13. As diferenças anatômicas entre as Vias Aéreas Superiores (VAS) das crianças e dos adultos devem ser 
conhecidas, principalmente pelo Médico Socorrista, pois algumas delas são de relevância durante a 
reanimação cardiopulmonar. Essas diferenças são, exceto: 
a. As VAS no lactente e pré-escolar são bem menores que as de adulto 
b. A epiglote é longa, ampla e angulada em relação ao eixo longo da traqueia 
c. A língua na criança, em relação à orofaringe, é maior se comparada ao adulto. 
d. A laringe em lactentes e pré-escolares tem posição mais cefálica que o adulto 
e. Crianças menores de 8 anos tem região mais estreita abaixo das cordas vocais e a laringe 
“afunilada” em relação aos adolescentes e adultos. 
 
14. Dentre as recomendações atuais para tratamento da sepse grave/choque séptico em crianças, está 
recomendado 
a. Que sejam estabelecidas e atingidas nas primeiras seis horas os mesmos critérios de metas de 
ressuscitação esperados na população adulta 
b. Utilização dos níveis de lactato sérico para avaliação do choque séptico 
c. Correção da hipoglicemia e da hipocalcemia nos primeiros quinze minutos do atendimento da 
criança com choque 
d. Não utilizar a saturação mista central de oxigênio como parâmetro de recuperação 
 
 
 
15. Fabiana,