A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
PROMOÇÃO DA SAÚDE E A INTERFACE COM A SAÚDE BUCAL

Pré-visualização | Página 1 de 1

Saúde coletiva III 
Promoção da saúde e sua interface com a saúde 
bucal 
 
Promoção da saúde- conceito 
Um processo que confere à população os meios para assegurar um maior 
controle e melhoria de sua própria saúde. Não se limitando (apenas) 
Campo da atenção em saúde bucal 
A definição do campo da prática das equipes de saúde bucal na atenção 
básica extrapolada, e muito, os limites da boca, o que exige na 
composição que suas ações interagem diferentes áreas de conhecimento. 
Ações que devem integrar a pratica das equipes de saúde bucal na 
atenção básica 
Ações inter setoriais: 
 Significam intervenções para mudar circunstâncias sociais e 
ambientais que afetam a saúde coletivamente e que possam 
conduzir a ambientes saudáveis. 
 Envolvem estabelecimento de parcerias com setores e atores fora 
da área da saúde 
Como exemplo, cita-se o apoio a ações e políticas que: 
1. Promovam desenvolvimento social; 
2. Possibilitem o acesso a saneamento básico e incentivem a 
fluoretação das águas de abastecimento; 
3. Contribuam para o combate ao fumo e uso de álcool; 
4. Incentivem dietas mais saudáveis; 
5. Contribuam para garantir proteção no trabalho; 
6. Contribuam para o trabalho transversal de conteúdos de saúde 
bucal no currículo escolar, através do aproveitamento da Lei de 
diretrizes 
Ações educativas 
 A educação em saúde bucal deve fornecer instrumentos para 
fortalecer a autonomia dos usuários no controle do processo saúde-
doença e na condução de seus hábitos. 
 Sua finalidade é difundir elementos, respeitando a cultura local, que 
possam contribuir com o empoderamento dos sujeitos coletivos, 
tornando-os capazes de autogerirem seus processos de saúde-
doença, da sua vida, com vistas à melhoria da sua qualidade de vida. 
 
Atividade de educação em saúde e promoção da saúde (CAPS AD- 
SECRETARIA REGIONAL II) 
 Educação em saúde – roda de conversa 
 Levantamento de necessidades 
Em geral, o conteúdo para as ações educativas deve abordar: 
1. As principais doenças bucais, como se manifestam e como se 
previnem; 
2. A importância do autocuidado, da higiene bucal, escovação com 
dentifrício fluoretado e o uso do fio dental. 
3. Os cuidados a serem tomados para evitar a fluoretose 
4. As orientações gerais sobre a dieta 
5. 
Ações educativas 
 O planejamento das ações educativas deve ser feito em conjunto 
com a equipe de saúde, principalmente em relação às ações 
propostas por ciclo de vida, condição de vida e por fatores de risco 
comum para várias doenças. 
 A educação em saúde deve ser parte das atribuições comuns a 
todos os membros da equipe de saúde bucal, mas os profissionais 
auxiliares podem ser as pessoas ideais para conduzir o trabalho nos 
grupos. 
 O ACS tem papel relevante na divulgação de informações sobre 
saúde bucal, devendo a equipe de saúde bucal orientar seu trabalho 
 A presença do CD é importante em momentos pontuais e no 
planejamento das ações 
Aspectos importantes a serem observados na educação em saúde bucal 
 Respeito a individualidade. 
 Contextualização das diversas realidades, incluindo as possibilidades 
de mudança. 
 Respeito à cultura local . 
 Respeito a linguagem popular para encaminhar uma construção 
conjunta. 
 Ética. 
 Auto percepção de saúde bucal. 
 Reflexão sanitária: o processo de educação em saúde deve capacitar 
os usuários para participar das decisões relativas à saúde. 
 Uso de metodologias adequadas a cada situação e a cada grupo 
etário. 
 
PSE (Programa de saúde escolar) 
 Instituído em 2007, PSE é uma política inter-setorial da saúde 
aplicada em escolas de ensino fundamental. 
 A articulação entre escolas e a atenção primária à saúde (APS) é a 
base do PSE 
 Desenvolve-se ações extra clínicas voltadas para o atendimento 
clínico e encaminhamento para especialidades em áreas afins. 
 Público alvo: 0 a 17 anos 
São realizadas atividades como: 
 Avaliação antropométrica 
 Verificação da situação vacinal 
 Saúde bucal 
 Saúde ocular 
 Saúde auditiva 
 Desenvolvimento de linguagem 
 Identificar sinais relacionados às doenças negligenciadas e em 
eliminação 
 
PSE – SAÚDE BUCAL 
Educação em saúde: 
 A educação em saúde deve ser a parte das atribuições de todos os 
membros das equipes de atenção primária e pode fazer parte dos 
conteúdos, do currículo escolar ministrado pelo professor com 
orientação da equipe de saúde bucal. 
Escovação dental supervisionada: 
O planejamento das ações educativas deve ser feito em parceria com a 
escola, sendo indispensável a presença do cirurgião-dentista e dos 
professores. A educação em saúde pode ser parte das atribuições de 
todos os membros das equipes de atenção primária e pode fazer parte dos 
conteúdos do currículo escolar ministrado pelo professor com orientação 
da equipe de saúde bucal. 
 
Adesão dos municípios ao PSE, o prazo foi ate 16.02.2021. 
 O repasse dos incentivos financeiros de custeio das ações do 
programa ocorrerá via fundo a fundo, no piso variável de atenção 
primária, anualmente e em parcela única, com valor calculado a 
partir do número de educandos pactados e recalculado no segundo 
ano do ciclo pelo mesmo fator. 
 A adesão será por escola. O município deverá indicar as escolas de 
educação básica da rede pública e creches conveniadas que 
participarão do programa 
 Os registros das informações sobre atividades realizadas no PSE 
deverão ser efetuados, unicamente, no sistema de informação da 
atenção básica em saúde (SISAB). 
Fortaleza – PSE 
 O município de Fortaleza fez adesão ao PSE e também a estratégia 
NutriSUS. 
 NUTRISUS: Tem o objetivo de potencializar o pleno 
desenvolvimento infantil, a prevenção e o controle da anemia e 
outras carências nutricionais específicas na infância. 
 A estratégia nutrisus ocorre por meio de dois ciclos de fortificação 
planejados dentro de um ano letivo em creches públicas ou 
conveniadas ao poder público. Um ciclo é executado no primeiro 
semestre do ano e outro ciclo no segundo semestre do ano com um 
intervalo de 3 a 4 meses entre eles. 
Equipe responsável 
 Os próprios educandos 
 Profissionais de educação 
 Famílias e membros da comunidade local 
 Cirurgião-dentista 
 Técnico em saúde bucal 
 Auxiliar em saúde bucal 
 
Materiais necessários 
 Luvas de procedimentos descartáveis 
 Espátulas de madeira 
 Lixeiras 
 Algodão 
 Gazes 
 Fichas de atendimento individual 
 Caneta 
 
Frequência recomendada para realização da avaliação de saúde bucal 
 Uma vez ao ano (preferencialmente). 
 
Questões técnicas, éticas e legais. 
 Lei 11.889, 24 de dezembro de 2008, regulamenta o exercício das 
profissões de técnico em saúde bucal – TSB e ASB 
 Frequencia de realização de ações referentes à aplicação tópica de 
flúor e escovação supervisionada será determinada pelo resultado 
obtido na avaliação da saúde bucal de todos os educandos. 
 A ação de escovação supervisionada realizada por profissionais de 
saúde (esovação supervisionada direta) deverá ocorrer 
minimamente duas vezes ao ano e a realizada por educadores 
(escovação supervisionada indireta) poderá ocorrer mais vezes no 
cotidiano escolar.