A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Imunologia P2 - imunidade adaptativa

Pré-visualização | Página 1 de 1

Imunologia Aes 5 – Prob2 
(Lídia Negrão) 
 
Objetivos: 
1. Caracterizar o sistema imune 
adaptativo 
1.1 Função 
1.2 Mecanismo (humoral e 
celular) 
1.3 Receptores 
1.4 Regulação da resposta 
imune 
 
2. Descrever as células do sistema 
imune adaptativo 
3. Correlacionar o sistema imune 
inato e adaptativo. 
 
 
® Imunidade Adaptativa: 
 Age de maneira mais específica. 
• É estimulada pela exposição ao 
antígeno, após 12h 
• Específicas 
• Não possuem reatividade ao que 
é próprio 
• Geram células de memória 
• Podem realizar expansão clonal 
• Possuem diversidade 
 
® Componentes da Imunidade 
adaptativa 
• Linfócitos B e T 
• Citocinas 
 
® Pode ser: 
• Humoral: Contra microrganismos 
extracelulares, mediada pelo 
linfócito B (ativa diferentes 
mecanismos efetores) e gera o 
anticorpo (secretado pelo 
plasmócito) 
• Células: Contra microrganismos 
intracelulares, mediada pelo 
linfócito T citotóxico (destruindo 
células infectadas) 
 
 
 
® Sistema Complemento: 
As duas principais vias de ativação 
do complemento são via clássica 
(necessita de presença do antígeno 
e anticorpo), que é ativada por 
certos isótopos de anticorpos 
ligados a antígenos, e a via 
alternativa (necessita apenas da 
presença do antígeno), que é 
ativada nas superfícies das células 
dos microrganismos na ausência 
de anticorpo. Outra via menos 
conhecida é a via da lecitina, 
ativada quando a lecitina presente 
no plasma se liga à manose da 
membrana no microrganismo. As 
vias alternativas (e a da lecitina) 
são mecanismo efetores da 
imunidade inata, enquanto a via 
clássica é um mecanismo da 
imunidade humoral. 
 
 
 
 
 
® Citocinas: 
• Tem como função: 
• Medias as funções do sistema 
imune 
• Comunicação entre células 
• Ações semelhantes podem ser 
desencadeadas por diferente 
citocinas 
• Uma única citocina pode ser 
secretada por agir e em diferentes 
tipos de células 
• São formadas em cascata, ou 
seja, uma citocina estimula suas 
células-alvo a produzir mais 
citocinas 
• Se ligam a receptores 
específicos, ativando mensageiros 
intracelulares que regulam a 
transcrição gênica 
 
 
 
® As citocinas: 
• IL-1: produzidas e liberadas aquando 
de infecções. Produzem nos centros 
cerebrais regulatórios febres, tremores, 
calafrios e mal-estar; promovem a 
inflamação, estimulam os linfócitos T. A 
sua ação é responsável por estes 
sintomas comuns na maioria das 
doenças. No cérebro há libertação de 
prostaglandina E2, que estimula o 
centro da temperatura, aumentando a 
sua configuração. A aspirina inibe a 
formação da prostaglandina (bloqueia a 
enzima que a produz) e é por isso que 
diminui a febre e mal estar nas 
afecções virais. 
• IL-2: Estimula a multiplicação dos 
linfócitos T e B. Antes chamada de 
Fator de proliferação de Linfócitos. 
• IL-3: Estimula o crescimento e a 
secreção de histamina. 
• IL-4: Estimula multiplicação dos 
linfócitos B; produção de anticorpos, 
resposta do tipo TH2. 
• IL-5: Estimula multiplicação e 
diferenciação de linfócitos B; produção 
de IgA e IgE, alergias. 
• IL-6: Estimula a secreção de 
anticorpos. 
• IL-7: Induz a diferenciação em 
células B e T progenitoras. 
• IL-8: Quimiocina;induz a adesão ao 
endotélio vascular e extravasamento 
os tecidos. 
• IFN-alfa: Interferon. Ativa as células 
em estado de "alerta viral". Produção 
diminuída de proteínas, aumento de 
enzimas antivirais (como as que 
digerem a dupla hélice de RNA típica 
dos vírus) e aumentam também 
apresentação de péptidos internos nos 
MHC I aos linfócitos. Estimula os 
linfócitos NK e T8. 
• IFN-gama: Ativa os macrófagos, 
tornando- os mais eficientes e 
agressivos; promove a inflamação, e 
estimula a resposta TH1, inibindo a 
TH2. 
• TNF-alfa: Induz a secreção da 
citocina e é responsável pela perda 
extensiva de peso associada com 
inflamação crônica. 
• TNF-beta: Ativa os fagócitos. 
Estimula a resposta citotóxica (TH 
 
 
 
 
® Quimiocinas ® Citocinas 
Quimiotáticas 
• As químicas recrutam as células 
de defesa do hospedeiro para os 
locais da infecção 
• Regulam o tráfego de linfócitos e 
outros leucócitos através dos 
tecidos linfoides periféricos 
• Promove angiogênese e curas de 
feridas 
• Estão envolvidas no 
desenvolvimento de diversos 
órgãos não linfoides 
• Presentes na imunidade inata 
 
 
 
 
 
 
® Reconhecimento de corpos 
estranhos 
Na imunidade adaptativa, o BCR é 
o receptor do linfócito B e 
reconhece o antígeno na sua forma 
natural. O receptor do linfócito T é 
o TCR e ele reconhece o antígeno 
que foi fragmentado, processado e 
apresentado pelo MHC-II 
 
 
 
® Soro 
É um concentrado de 
imunoglobulinas, obtidos pela 
sensibilização de outros animais 
coma intenção de neutralizar os 
venenos após um acidente. 
 
Seu mecanismo de ação é passivo, 
pois recebe anticorpos prontos e 
não gera memória. 
 ® Vacina 
É um concentrado de antígenos 
inoculados que visa gerar uma 
imunização ativa, mas não 
contraindo uma doença infecciosa. 
O individuo recebe a vacina e 
responde a esse antígeno, gerando 
anticorpos e logo, células de 
memória.