A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Sinais Vitais

Pré-visualização | Página 1 de 1

» indicadores das funções vitais 
» orientam o diagnóstico inicial e o acompanhamento do 
quadro clínico 
 
 
» reflete o balanceamento entre o calor produzido e o calor 
dissipado pelo corpo 
» valores normais variam de acordo com o sítio de 
mensuração: 
 Axilar → axila seca 3-5 minutos = 35,5 – 37°C 
 Oral → sob a língua 3-8 minutos = 36 – 37,4°C 
 Retal → lubrificar e inserir 3cm 2-4 minutos = 36 – 
37,4°C 
» febre = temperatura corporal ≥ 37,8°C 
 Leve ou febrícula = até 37,5°C 
 Moderada = 37,6°C – 38,5°C 
 Alta ou elevada = > 38,6° 
 | referência = temperatura axilar 
» hipotermia = temperatura ≤ 35°C 
» hipertermia = aumento da temperatura corporal mas 
medidas para reduzi-la são tomadas pelo próprio organismo; 
não há alteração no centro regulador hipotalâmico 
» Sinal de Lenander = temperatura retal > 1°C em relação a 
temperatura axilar; ex.: abdome agudo, possível doença 
inflamatória da pelve ou peritônio 
» Sinal de Faget = bradicardia secundária ao aumento da 
temperatura corporal → resposta INAPROPRIADA (aumento 
da temperatura gera aumento do débito cardíaco); ex.: febre 
tifoide, dengue, leptospirose, febre amarela 
 
 
» pressão que o sangue exerce nas paredes das artérias 
» medida em milímetros de mercúrio (mmHg) 
» deve ser aferida nos dois membros superiores 
» preparo do paciente: 
 Ambiente calmo 
 Explicar o procedimento 
 Repouso (3-5 minutos) 
 Perguntas essenciais: bexiga cheia, álcool ou 
cafeína, alimentação (copiosa), atividades físicas 
(últimos 60 mins), estimulante ou medicamentos, 
tabagismo (últimos 40 mins) 
» posicionamento do paciente: 
 Sentado 
 Pernas descruzadas (pernas cruzadas aumentam a 
pressão arterial = maior retorno venoso) 
 Braço na altura do coração (geralmente fazer no 
braço esquerdo = mais próximo do coração) 
 Dorso recostado na cadeira 
 Pés apoiados no chão 
 Palma da mão voltada para cima 
 Roupas sem garroteamento 
» como aferir? 
1. Determinar a circunferência do braço 
2. Escolher o manguito adequado (largura = 40% e 
comprimento = 80% da circunferência do braço) 
3. Posicionar 2-3cm da fossa cubital 
4. Estimar a PAS (pressão arterial sistólica) pelo pulso 
radial/arterial – método palpatório 
5. Palpar a artéria braquial e posicionar o estetoscópio 
sobre ela 
6. Inflar o manguito até ultrapassar 20-30 mmHg da 
pressão aferida pelo método palpatório 
7. Desinsuflar lentamente (2 em 2 mmHg) até ouvir o 
1° ruído de Korotkoff 
8. Determinar a PAS pelo 1° ruído de Korotkoff 
9. Determinar a PAD pelo 5° ruído de Korotkoff 
10. Auscultar cerca de 20 a 30 mmHg abaixo do último 
som para confirmar seu desaparecimento, 
procedendo a deflação rápida e completa 
» Ruídos de Korotkoff 
1. Primeira aparição dos ruídos, de forma clara e 
repetitiva, alto timbre = corresponde à PAS 
2. Ruídos mais leves e longos (murmúrio intermitente) 
3. Ruídos tornam-se novamente firmes e altos 
4. Ruídos abafados, pouco distintos e leves 
5. Última ausculta dos ruídos, que desaparecem = 
corresponde à PAD 
| hiato auscultatório = desaparecimento das fases 2 e 
3; comum em pacientes idosos 
» hipertensão arterial sistêmica (HAS) = PAS ≥ 140 ou PAD 
≥ 90 (diagnóstico após duas medições) 
 Pré-hipertensão = PAS 121 a 139 ou PAD 81 a 89 
 Hipertensão estágio 1 = PAS 140 a 159 ou PAD 90 a 
99 
 Hipertensão estágio 2 = PAS 160 a 179 ou PAD 100 
a 109 
 Hipertensão estágio 3 = PAS ≥ 180 ou PAD ≥ 110 
 
 
» hipertensão do jaleco branco = PA falsamente elevada 
durante medições por conta de ansiedade 
» pressão diferencial ou pressão de pulso = diferença entre 
PAS e PAD → valor normal 30 a 60 mmHg 
 PA convergente = < 30 mmHg 
 PA divergente = > 60 mmHg 
» hipotensão postural = redução da PAS > 20 mmHg ou 
PAD > 10 mmHg em pacientes que passam da posição 
supina para a ortostática após 3-5 minutos 
 Disautonomia = diabetes, Parkinson, síndromes 
demenciais 
 Depleção volêmica = medicamentos 
 Sintomas = cefaleia, tonteira, turvação visual, 
síncope 
 
 
» onda de pressão dependente da ejeção ventricular 
» locais de aferição: 
 Pontos centrais = carótida e femoral 
 Pontos periféricos = radial, braquial, poplíteo, tibial 
» valores de referência: 
 Normal = 60-100 bpm 
 Taquisfigmia = > 100 bpm 
 Bradisfigmia = < 60 bpm 
» avaliar: 
 Amplitude 
 Ritmo/regularidade 
 Simetria 
 Rigidez da parede 
 Presença de sopros 
 Tipo de pulso 
 
» número de incursões respiratórias por minuto 
» valores de referência: 
 Eupneia (normal) = 12-20 irpm 
 Taquipneia (aumento da frequência) = > 20 irpm 
 Bradipneia = < 12 irpm 
 Apneia = ausência de movimentos respiratórios 
 Dispneia = dificuldade para respirar 
» movimentos 
respiratórios: 
 Inspiração = 
entrada de 
oxigênio 
 Expiração = 
saída de 
gás 
carbônico 
 
» ritmos respiratórios: 
 Cheyne-Stokes = tumores SNC, insuficiência 
cardíaca, intoxicação por opioides (morfina) 
 Cantani = precede a resp. Kussmaul; acidose 
metabólica 
 Kussmaul = cetoacidose metabólica 
 Biot = tumores SNC, meningite, hipertensão 
intracraniana