A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
resumo clinica silvestres

Pré-visualização | Página 1 de 4

ROEDORES/LAGOMORFOS/FERRETS
1. COELHOS: Não são roedores, são lagomorfos
1. Tegumento: pelos e pele finos e delicados (a alergia não vem de fato do pelo e sim da proteína presente na saliva do animal)
1. Durante o fim da gestação as fêmeas fazem um arranchamento de pelo fisiológico, para manter os filhotes aquecidos;
1. Eles possuem uma “papada”, uma gordura que fica em volta do pescoço, coelhos tende a ser a mais obesos;
1. Eles são herbívoros, a digestão deles é através do ceco (digestão atrás da fermentação), fica no final do intestino grosso;
1. O trato digestório é curto, pouco espaço para fazer a digestão desses nutrientes;
1. Para compensar essa “perda” eles fazem coprofagia ( eles se alimentam das próprias fezes)
1. Existe dois tipos de fezes: normais: mais duras e secas. E as cecotrofos: as fezes que os coelhos se alimentam, onde se encontra esses nutrientes;
1. Alguns sentidos são mais fortes que outros: audição e olfato são bem aguçados;
1. Possuem hábitos noturnos, são animais que exigem cuidado, precisam de espaço, são territórialistas;
1. Respiração nasal, se tiver qualquer problema, é muito arriscado, porém tem que tomar cuidado;
1. Eles não possuem gland. Sudoríparas;
1. Orelha: além da audição tem função de termoregulação (ele aguenta bem o frio, mas não aguenta muito o calor), orelha cheia de vasos, pode ser uma opção de coleta, mas eles sentem muita dor, ela é muito sensível e os vasos são frágeis.
1. 
1. (veia marginal da orelha, onde se faz a coleta)
1. Mas se estiver sendo contido com o tutor em uma consulta na residência, a orelha pode ser uma opção.
1. Não se faz a coleta na artéria por conta de: sangramento; é um sangue que esta indo para o coração, esse sangue faz a oxigenação da orelha, se ocorrer uma sangramento muito forte, pode ocorrer a necrose da veia
1. Ocorre um turbilhonamento do sangue, pode estimular a coagulação;
1. Outras opções de coleta: cefálica: fina e delicada, difícil coleta. Jugular: é boa, porém a gordura que fica no pescoço, faz com que seja difícil de coletar. O melhor local é onde a gente se sente melhor.
1. Eles sentem muita dor na orelha, colocar uma pomada tópica antes, e fazer uma boa compressão depois;
1. TGI: Ceco: é a maior porção:
1. 
1. +cecotrofos; - fezes normais
1. Se tiver a presença de cecotrofos na gaiola isso não é um bom indicativo: ele pode estar sentido dor, dentário, gases, obesidade (ele não consegue comer, pois ele retira direto do anus, e muitas vezes quando cai no chão eles não comem);
1. DADOS GERAIS: vivem de 6 a 13 anos, mas é difícil chegar a 13 anos., Gestação de 31 a 32 dias: 4 a 10 filhotes; maturidade sexual: 4 meses; temp. retal: 37,8º a 39,5º, frequência cardíaca: 180 a 250 bpm (se o animal tiver estressado a FC pode aumentar)
1. Eles não conseguem vomitar, tem o cardia muito forte. Esse sinal clinico é muito difícil de se ver, os coelhos tem mania de se lamber, com isso o pelo acaba sendo ingerido, e o pelo acaba saindo pelas fezes, se a alimentação for fraca em fibra o intestino funciona mais devagar e esse pelete de pelo fica muito tempo no intestino. Com o tempo ele vai perdendo agua e ficando rígido, com isso pode causar obstrução.
1. Alimentação adequada evita 90% de problemas;
1. Em filhotes a diarreia é muito perigosa, o pH estomacal é mais elevado, e seu ceco ainda não tem bactérias, então eles se alimentam das fezes da mãe, para adquirir essas bactérias. Porem algumas bactérias não sobrevivem ao pH muito elevado; nos primeiros 10 dias de vida eles tem o pH mais alto, para as bactérias colonizarem o ceco e o intestino
1. Formula dentaria: I: 2/1 C:0/0 PM: 3/2 M 3/3; os dentes crescem continuamente (tanto coroa quanto raízes): precisa desgastar os dentes
1. São chamados de elodontes
1. O hipercrescimento pode ocorrer por manejo errado de aliemento
1. Muitas vezes quando a raiz acaba “crescendo” muito, os olhos começam a lacrimejar. Caso aja um abcesso, precisa fazer a retirada total do dente;
1. SISTEMA ESQUELÉTICO: membros pélvicos são mais fortes que o torácicos; tomar cuidado na hora da contenção, precisa apoiar a coluna dele
1. Eles não conseguem vomitar, tem o cárdia muito forte, os coelhos tem mania de se lamber, com isso o pelo acaba sendo ingerido, e o pelo acaba saindo pelas fezes. Se a alimentação for fraca em fibra o intestino funciona mais devagar e esse pelete de pelo fica muito tempo no intestino. Com o tempo ele vai perdendo agua e ficando rígido, com isso pode causar obstrução.
1. Alimentação adequada evita 90% das patologias;
1. Nos primeiros 10 dias de vida o pH estomacal dos filhotes é mais elevado, eles nascem sem bactéria no TGI, por isso ele entra em contato com as bactérias da mãe, através das fezes. Com isso essas bactérias conseguem colonizar o ceco e o intestino, mas se por um acaso o filhote entrar em contato com uma bactéria patogênica, ela também vai se multiplicar, e ele pode ter diarreia, então faz o tratamento com probioticos.
1. Ceco rico em bactérias, se usar antibiótico tem sempre que usar junto um probiotico. 
1. SISTEMA URINARIO: eliminação de Ca pela urina, isso pode gerar problemas, futuros cálculos. Tomar cuidado na alimentação; pigmento: porfirina: avermelhado, eliminação normal em momentos de estresse, quando come beterraba e brócolis, pode se confundir com sangue, 
1. Para saber a diferença: porfirina fica um verde brilhante com a lâmpada UV. Sangue: se utiliza peroxido de hidrogênio, se borbulhar é sangue se não, é porfirina.
1. SEXAGEM: 4 meses para cima, da para diferenciar facilmente, testículo desce para o escroto, canal ingnal dos machos nunca se fecha, capacidade de expor e guardar o testículo, as vezes isso pode confundir
1. Quando se tem menos de 4 meses se diferencia pelo formato:
1. a) macho: arredondado e com um “pontinho no meio” (uretra)
1. b) fêmea: triangular, com um corte no meio (entrada da vagina)
1. MACHOS: canal ingnal aberto, testículos descem com 12 semanas, castração, tomar cuidado para ele não puxar o testículo, deixar ele em um ambiente tranquilo.
1. COMPORTAMENTO: eles aprendem a usar a caixinha de areia, aprendem rápido, machos podem começar a demarcar território, castração diminui a agressividade, depois eles ficam mais mansos, castração também evita tumores. Super recomendada para ambos os sexo, castrar com 4 meses;
1. Tomar cuidado com caixa de areia, não pode usar areia de gato, pois se ele acabar ingerindo essa areia, forma um grumo. Já a areia de roedores, quando molhada essa forma um farelo, se ele ingerir, não terá muito problema;
1. NUTRIÇÃO: base é folha. Escarola, almeirão, couve, espinafre, folha da cenoura, brócolis: a vontade. Feno: a vontade, desgaste do dente e fibra. A ração é mais um complemento: precisa ser controlada, pois os coelhos gostam muito dela (1 a 2% PV), não ter excesso, pois ele pode ficar obeso, frutas e algumas verduras: são petiscos. Carboidrato é a principal fonte de alimento de bactérias gram -. Tomar cuidado com eles. Pode causar um desbalanço na flora, maior produção de gases, isso da dor nele e ele para de comer.
1. Deve se usar ração de coelho pet e não de coelho de produção
1. Intestino sempre será o órgão mais afetado, anorexia é muito comum, qualquer coisa é anorexia (dor, estresse, patologias)
1. Carboidrato e leguminosas: gases ou diarreia
1. Clostrídeos: morte muito rápida. SEMPRE antibiótico com probiotico, as vezes quando acaba o antibiótico, continuar com o probiotico: probiotico de herbívoro, de cães, humanos.
1. AMBIENTE: precisam de espaço, não podem ficar na gaiola o tempo todo, ter brinquedos
animal nessa posição o animal entra em “transe”, assim ele não fica em estresse.
1. Contenção deve de tomar muito cuidado, tanto para a segurança do animal, tanto quando para o profissional, enrolar o animal é uma boa opção.
FERRET
· Chamados de Ferrets ou furão;
· São carnívoros,
· São animais exóticos no Brasil, eles são de origem norte americana, portaria 93 do IBAMA de 1998, todos os furões que entra no país, precisam ser castrados, pois eles podem ser considerados invasores

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.