A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
resumo clinica silvestres

Pré-visualização | Página 4 de 4

se não houver uma higiene boa e ventilação correta (pode ter fungos e bactérias)
· Muitas vezes precisa tratar o terrario e não só o animal;
· Fundo do terrario: papel toalha, pedras (cuidado com pedras pequenas), casca de coco seca. Para quelônios: terra ou arreia (cuidado com ingestão)
· 
· As vezes quando se coloca dois animais, pode ocorrer uma dominância, tomar cuidado com isso, sempre deixar o terrario de uma forma, que todos os animais se sintam bem e não sofram
· Comparação: metabolismo deles é mais lento. 
· SISTEMA ESQUELETICO: eles crescem durante a vida toda, o crescimento depende de vários fatores, eles possuem a cartilagem de crescimento, igual aos outros animais, porém ela não calcifica.
· A genética tem uma possibilidade de crescimento, tomar cuidado com o côndilo do animal; 
· Côndilo occopital: só possuem 1, não segurar o animal pela cabeça, levantar ela pela cabeça e pelo corpo;
· Sistema renal: excretam de acido úrico, possuem coacla (um único orifício), não possuem alça de Henle em nenhum dos repteis. Algumas espécies possuem bexiga, outros conseguem reter agua pela coacla.
SEPENTES – OFIDIOS
Corn snake: serpente do milho, elas são mansas e fáceis de controlar; 
Jiboia: em cativeiro são mansos, porém são fortes;
PEÇONHENTAS: não é comum atender em clinica, são mais comuns em centro de triagens, para uma possível soltura, se caso não de para solta-los esse animal fica retido em locais para a segurança dele e da população;
 (cascavel)
· ANATOMIA: ordem esquamata, mais de 2.500 espécies, podem ter mais de 400 vértebras (protegem todo o corpo do animal), não possuem membros nem pálpebras externas
· 
· Sínfise mandibular: é diferente em cada espécie, união da mandíbula, para que elas façam uma maior abertura da mandíbula; 
· 
· Conseguem comer alimentos que são maiores que o crânio dele, mas não pode forçar, pois pode machucar eles;
· Na alimentação forçada precisamos deixar ou o alimento picado, fazer papinha, etc. se forçarmos algo muito grande podemos machucar ele
· Elas são carnívoras, o alimento precisa ser bem digerido, caso contrario ele ficara parado no trato e causar uma sepse;
· SISTEMA SENSORIAL: órgão de Jacobson: fica no céu da boca (palato duro), possuem células quimiorreceptoras, transforam o odor para que o cérebro saiba o que é, qual animal, o que tem em volta, etc.
· 
· ANATOMIA REPRODUTIVA: Machos: hemipenis (dois pênis), não possuem uretra – simplesmente para reprodução
· 
· Fêmeas terão uma vagina dupla;
· SISTEMA RESPIRATÓRIO: Não possuem diafragma, cavidade celomática única, 2 pulmoões, o esquerdo é afuncional, o direito é funcional, eles são diferentes em cada serpente, porém na maioria eles são divididos em cranial e caudal: Cranial: troca gasosas, Caudal: mini saco aéreo
· Pulmão traqueal: pulmão se une com a traqueia (são animais ainda rústicos)
· 
· Glote bem visível: eles conseguem expor ela, para respirar enquanto come;
· A intubação é muito tranquila
· 
· SISTEMA DIGESTÓRIO: mesmos órgão, porém são mais alongados
· Veneno: origem animal ou planta: produção não é de uma glândula especifica, e não é inoculada, 
· Peçonha: sempre de origem animal, produzida em uma única glândula e é inoculada;
· DENTIÇÃO: 4 tipos de dentição: formatos de dentes diferentes, se elas perdem os dentes outros nascem no lugar: 
· Áglifas: Não possuem peçonha, todos os dentes do mesmo tamanho (ex.: jiboia), não é só porque não possui peçonha que a mordida não machuca. Se for mordido, precisa tratar a ferida. Pois a boca dela é rica em bactérias, e vai ter uma reação local e infecção (tratar com antibióticos e lavar a ferida). 
· 
· Opistóglifa: todos os dentes do mesmo tamanho, um par de dentes na parte posterior com sulco pelo qual escorre a peçonha (ex. falsas corais)
· 
· Proteróglifa: par de dentes sulcados, no começo da boca do animal, pelos quais escorrem a peçonha (ex. coral verdadeira)
· 
· Solenóglifa: dentes pares anteriores são grandes e ocos, pelos quais a peçonha escorre (ex. cascavel, jararaca)
· 
· Filhotes já nascem com peçonhas, concentração é igual a do adulto, boca é pequena, porém o poder é o mesmo, se conseguir inocular a peçonha: pode morder o focinha e inocular a peçonha e o animal vir a óbito, bater o dente em um osso do focinho e animal consegue sobreviver, se a serpente morder algum animal antes, o segundo dificilmente terá uma reação da peçonha, pois ela não teve tempo suficiente para produzir mais;
· (mordidas)
· Sempre segurar na base da cabeça, pois assim elas não conseguem morder: 
· 
· Podemos recusar atender uma serpente e/ou réptil. A não ser se ele tiver extremamente mal e em risco de vida, mas podemos apenas estabilizar o paciente e encaminhar para o local apropriado;
· Estomago se distende com facilidade, musculatura axial ajuda a empurrar o alimento, depois que ele se alimenta ele fica mais quieto, para ele poder fazer a digestão, não manusear ele depois da alimentação, pois se ele regurgitar o alimento e lesionar o animal;
· Digestão se inicia no estomago, é lenta, dependendo da presa a alimentação não é diária
· Coração: 2 átrios e 1 ventrículo: subdividido em 3 partes: cavum arteriosum – cavum venosum – grande circulação – átrio direito – cavum venosum – cavum pulmonale –pulmão – coração - circulação.
· Não tem mistura de sangues
· 
· Sistema reprodutivo e urinário: 2 rins – ureter – urodeu, não tem bexiga
· Hemepenis: sexagem
·

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.