A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
60 pág.
04_Nocoes_de_Criminalistica

Pré-visualização | Página 7 de 27

ou imediata, ou ainda em local relacionado. 
 
São classificados em: 
 
a. Internos: compreende os locais fechados, seja por meio de paredes, divisões. Este é o ambiente 
da residência, parte interna do veículo, apartamento, entre outros. 
 
b. Área Mediata Aberta: refere-se aos ambientes amplos onde ocorreu o fato delituoso, 
compreendendo os corredores, jardins de inverno, áreas de serviço. 
 
c. Área Imediata Interna: é o espaço físico em si, como por exemplo a cozinha, os quartos. 
 
d. Externos: ocorre em locais abertos, como por exemplo, estradas, rodovias, praças, rios. 
 
e. Área Mediata Externa: compreende o trajeto percorrido para a realização do crime. Exemplo: ruas, 
picadas, vias de acesso e suas imediações 
 
f. Área Imediata Externa: devemos pensar no local em que o crime, de fato ocorreu. 
 
g Locais Relacionados: são diferentes dos que foram vistos acima, relacionam-se com o deslinde do 
fato criminoso. Exemplo: o agente mata a vítima e joga o corpo em uma represa. A represa é o local 
relacionado. 
 
Quanto à preservação do local: 
h. Idôneos ou Preservados: são os locais que mantém sua origem, sem sofrer algum tipo de violação. 
Quando o local permanece inalterado, o trabalho dos peritos será facilitado. 
 
i Inidôneos ou Violados: são os locais que foram violados antes da chegada dos peritos, o local é 
alterado pela família ou curiosos, que tentam até mesmo salvar a vítima e acabam destruindo ou 
inalterando os caracteres referentes ao crime. 
 
1374611 E-book gerado especialmente para PETRUCCIO TENORIO MEDEIROS
 
. 14 
Isolamento e preservação vestígios e evidências essenciais à investigação 
 
Assim que o crime acontecer a primeira providência a ser tomada é isolar o local. O isolamento pode 
ser feito por policiais, peritos que devem ter em mente a manutenção do local do crime, preservando os 
vestígios e evidências para que se proceda com a investigação criminal. 
 
Para Alberi Espíndula: 
 
“(...) diante da sensibilidade que representa um local de crime, importante destacar que todo elemento 
encontrado naquele ambiente é denominado de vestígio, o qual significa todo material bruto que o perito 
constata no local do crime ou faz parte do conjunto de um exame pericial qualquer, que, somente após 
examiná-los adequadamente é que poderemos saber se este vestígio está ou não relacionado ao evento 
periciado. Por essa razão, quando das providências de isolamento e preservação, levadas a efeito pelo 
primeiro policial, nada poderá ser desconsiderado dentro da área da possível ocorrência do delito.” 
 
A conservação do local é tão importante que o Código Penal prevê como crime a conduta em sentido 
contrário: 
 
Art. 166 - Alterar, sem licença da autoridade competente, o aspecto de local especialmente protegido 
por lei: 
Pena - detenção, de um mês a um ano, ou multa. 
 
Sem prejuízo o Código de Trânsito Brasileiro, admite como modalidade de infração a alteração do local 
do crime. Vejamos: 
 
Art. 312. Inovar artificiosamente, em caso de acidente automobilístico com vítima, na pendência do 
respectivo procedimento policial preparatório, inquérito policial ou processo penal, o estado de lugar, de 
coisa ou de pessoa, a fim de induzir a erro o agente policial, o perito, ou juiz: 
Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa. 
Parágrafo único. Aplica-se o disposto neste artigo, ainda que não iniciados, quando da inovação, o 
procedimento preparatório, o inquérito ou o processo aos quais se refere. 
 
O isolamento do local do crime para sua preservação é uma garantia que o perito tem de encontrar a 
cena do crime da forma que fora deixada pelo infrator e pela vítima, com condições técnicas de analisar 
os vestígios deixados pelo crime. 
 
O perito ao elaborar seu laudo deverá certificar se a preservação do local apresentou ou não falhas. 
Não é previsto para o perito deixar de realizar o exame solicitado por falta de preservação do local ou 
qualquer outra modificação que ocorra no ambiente. O perito deverá usar do bom senso na sua análise, 
e em caso extremo, se for absolutamente impossível realizar o exame, deverá ao menos registar essa 
informação no livro de ocorrência, encaminhando relatório ao seu diretor, descrevendo a situação em que 
se encontrava o local do crime. 
 
A conscientização de que o local deve ser preservado para bom empenho dos profissionais de 
segurança pública e da sociedade é de extrema importância, o contrário pode prejudicar a investigação 
policial e a realização da justiça, já que os indícios materiais serão interpretados da forma como foi 
encontrado e não como de fato aconteceu. 
 
Vestígios e indícios encontrados nos locais de crime 
 
O perito criminal MALLMITH (2007), assim define vestígios: 
 
“Os vestígios constituem-se, pois, em qualquer marca, objeto ou sinal sensível que possa ter relação 
com o fato investigado. A existência do vestígio pressupõe a existência de um agente provocador (que o 
causou ou contribuiu para tanto) e de um suporte adequado para a sua ocorrência (local em que o vestígio 
se materializou).” 
 
Os vestígios são de extrema importância, pois se relaciona com as posições em que se encontram e 
suas possíveis relações com outros vestígios, que podem não serem analisados de imediato. Embora as 
1374611 E-book gerado especialmente para PETRUCCIO TENORIO MEDEIROS
 
. 15 
orientações passadas sejam para não modificar o estado e disposição das coisas, alguns casos saem da 
regra, sendo possível cobrir o cadáver, objetivando impedir que a chuva, ou outra intempérie destrua 
vestígios importantes como manchas de fluídos corpóreos ou esfumaçamento. 
 
A autoridade policial que efetuar este tipo de serviço, deve ter o máximo de cautela necessária evitando 
que qualquer movimento cause dano a outros vestígios. Ressalta-se, que a inobservância das regras 
relacionadas quanto à preservação dos vestígios poderá ocasionar a destruição e/ou o não 
aproveitamento destes pela perícia criminal, causando prejudicialidade aos trabalhos referentes à 
apuração do evento criminoso. 
Principais Vestígios: 
 
A investigação criminal inicia com apurada análise do local do crime objetivando visualizar a dinâmica 
do fato. E para o êxito da elucidação do crime é imprescindível a análise dos vestígios. 
Define-se o termo vestígio, como o Sinal que homem ou animal deixa no lugar onde passa; rastro, 
pegada, pista; no sentido figurado, indício, pista, sinal .... (Novo Dicionário da Língua Portuguesa). 
Os vestígios constituem-se, pois, em qualquer marca, objeto ou sinal sensível que possa ter relação 
com o fato investigado. 
O objetivo da procura na cena do crime é localizar todos os vestígios potencialmente relevantes e 
significativos que podem ser utilizados para ligar ou exonerar um suspeito ou testemunha de um crime. 
 
Sangue 
 
Padrão de manchas de sangue em local de crime: Técnicas de identificação e coleta 
 
O perito deve coletar amostra do sangue no local e ainda considerar forma, posicionamento e cor das 
manchas, detalhes que levam a importantes informações sobre a dinâmica do fato, como a área exata 
onde o crime ocorreu ou teve início e hora aproximada do evento e movimentação da vítima e do autor 
durante ele. (DOREA, 1989) 
Após identificação das manchas de sangue, o perito deve escolher o melhor método para proteger, 
coletar e transportar esses indícios sem que eles percam sua importância de prova material. O sangue 
ainda líquido deve ser coletado em sua totalidade e também em um pedaço de algodão estéril e ser 
deixado para secar a temperatura ambiente. 
Deve ser refrigerado o mais rápido possível e transportado para o laboratório rapidamente. Atrasos 
além do período de secagem do algodão podem tornar as amostras inúteis. 
Roupas com sangue úmido devem ser estendidas para secagem, em uma sala com ventilação 
adequada. 
Se não estiver completamente seco, colocar em um saco de papel marrom ou caixa e etiquetar, sendo 
um item por recipiente. 
Não se deve utilizar sacos