A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
OROFARINGE

Pré-visualização | Página 1 de 1

@olimpiafranco
OROFARINGE
❏ Anatomia
❏ Estruturas
-Lábios
-Os lábios (superior e inferior) devem ser inspecionados e palpados para se
averiguar coloração, forma, textura e flexibilidade, assim como presença de
lesões;
-Os lábios apresentam uma semimucosa e uma mucosa labial. A
semimucosa labial normal apresenta -se simétrica, de coloração geralmente
rosada, lisa, hidratada, sendo comum a presença de sulcos delicados. A
mucosa labial normal apresenta -se úmida, brilhante, de coloração rósea mais
intensa que a semimucosa.
@olimpiafranco
-Mucosa jugal
-Em condições normais, a mucosa jugal ou da bochecha tem uma coloração róseo 
avermelhada mais homogênea que a da língua.
-Orofaringe
-Para a avaliação da orofaringe deve- se ter uma boa iluminação feita com lanterna e
abaixadores de língua de metal ou descartáveis (madeira ou plástico).
-Faz- se a depressão da língua nos seus dois terços anteriores para evitar o reflexo
nauseoso. Visualizam -se, então, os pilares amigdalianos, o palato mole, a loja da
amígdala palatina e seu conteúdo, a base da língua e a parede posterior da faringe.
-O examinador deve ficar atento às características das mucosas, normalmente
rosadas, brilhantes e úmidas.
-Palato duro
-Para a inspeção do palato duro, conhecido como “céu da boca”, o paciente deve
inclinar sua cabeça para trás e abrir a boca.
-Em condições normais apresenta- se com coloração rosa pálido, esbranquiçada,
com uma textura firme.
-Palato mole
-O palato mole, véu palatino ou palato muscular, parte móvel posterior do palato.
-Apresenta coloração rósea mais intensa que o palato duro.
-Língua
-Examina- se a língua solicitando que o paciente abra a boca ao máximo e
utilizando -se de uma gaze para segurar a ponta da língua, observando: dorso –
tracionando a para fora da cavidade bucal; bordas laterais – tracionando a para cada
um dos lados, até que seja possível visualizar seu terço mais posterior; face inferior
(ventre) – solicitando que o paciente eleve a ponta da língua, tentando tocar o
palato, mas mantendo a boca aberta.
-Analisam- se os seguintes parâmetros: posição, tamanho, cor, umidade, superfície,
textura, movimentos e existência de lesões. Em condições normais, a língua situa -se
medianamente, apresentando quase sempre pequena e inconstante movimentação,
que pode ser suprimida voluntariamente pelo paciente. Tem uma coloração róseo
 avermelhada, levemente úmida, superfície discretamente rugosa no dorso e margem
lateral, lisa e brilhante na sua face inferior. Sulcos ou depressões costumam ser
observadas mesmo em pessoas hígidas.
-Assoalho bucal
-O assoalho bucal é examinado por inspeção, seguida por palpação bimanual. O
paciente deve ser solicitado a levantar a língua, para permitir exame visual direto
dos tecidos na região da linha média do assoalho. Um espelho intrabucal ou
@olimpiafranco
espátula de madeira devem ser utilizados para examinar as áreas próximas a
reborda alveolar da mandíbula.
-Os tecidos devem apresentar -se hidratados, ricos em vascularização.
-Reborda alveolar
-Trata -se da porção óssea da maxila e mandíbula que contém os dentes e seus
tecidos de suporte (alvéolo, ligamento periodontal, gengiva inserida).
-Sua avaliação deve ser feita pela inspeção visual, direta e indireta, bem como pela
palpação, incluindo as superfícies vestibular e lingual. A avaliação dos dentes
consiste em seus aspectos morfológicos, número e integridade, bem como seus
tecidos de suporte.
-Gengivas
-Para o exame das gengivas, utilizam -se a inspeção e a palpação. Deve -se contar
com boa iluminação e espátula de madeira para afastar a mucosa jugal, os lábios e
a língua, com o que se consegue uma boa exposição das superfícies vestibular e
lingual/palatina.
-Devemos analisar cor, consistência, forma, desenvolvimento e presença de lesões.
-As gengivas normais têm coloração róseo avermelhada, são firmes e não
apresentam lesões de qualquer natureza.
-Dentes
-Deve -se observar o número e o estado dos dentes, incluindo- se o reconhecimento
de próteses dentárias porventura existentes.
-Glândulas salivares
-As glândulas salivares dividem- se em menores e maiores. As menores estão
espalhadas em toda mucosa bucal. As maiores compreendem as glândulas
parótidas, submandibulares e sublinguais.
-Em condições normais, as glândulas salivares não são visíveis.
-Músculos da mastigação
-Os músculos da mastigação possibilitam levantar e abaixar a mandíbula, bem como
realizar movimentos de lateralidade, protrusão e retrusão. Compreendem: masseter,
temporal, pterigóideos medial e lateral e digástrico.
-O exame físico é feito conjuntamente com o da articulação temporomandibular.
-Dores de origem muscular nessa região podem ser confundidas com dores
odontogênicas.
-Articulação temporomandibular (ATM)
@olimpiafranco
-É a articulação entre a mandíbula e a base do crânio.
-Deve ser examinado pela inspeção, palpação e ausculta da região correspondente,
em repouso e durante sua movimentação.
-Avaliam- se o grau de abertura da boca, desvios e sinais de tumefação, dor e ruídos.
❏ Semiotécnica e sequência do exame intrabucal
Referências:
Celmo Celeno; PORTO, Arnaldo Lemos. Exame clínico. 8 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017.