A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Embriologia - aula 08 - dobramentos do embrião e anexos (resumo)

Pré-visualização | Página 1 de 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO 
LATINO-AMERICANA (UNILA) 
 Camila E. A. Martins 
Disciplina de Embriologia e Biologia do Desenvolvimento 
para Biotecnologia 
Professora Carla Grade 
Dobramentos do Embrião e Anexos 
 
Resumo 
A aula começou apresentando os três tipos de mesodermas que são encontrados no 
embrião ainda na 4ª semana de desenvolvimento: mesoderma paraxial, que sofre 
segmentação em somitos e no futuro irá desenvolver a musculatura esquelética e o 
esqueleto axial; mesoderma intermediário que irá formar o trato urogenital; e o 
mesoderma lateral, que sofre fragmentação em dois: parietal, que juntamente com o 
ectoderma forma a somatopleura e esplâncnico, que juntamente com o endoderma forma 
a esplancnopleura. Em seguida, começou-se a ser explicado sobre os dobramentos do 
embrião, que acontecem por causa do crescimento diferencial das partes do embrião, 
principalmente do saco vitelínico com a cavidade amniótica; os dobramentos que 
acontecem são o cefálico-caudal e o lateral. O dobramento cefálico-caudal acontece na 
direção longitudinal com suas extremidades se aproximando da linha média ventral, há 
um crescimento da porção anterior e posterior do tubo neural que se dobram translocando 
tanto a membrana orofaríngea quanto a cloacal, assim como a área cardiogênica; há 
também a formação da superfície da face, pescoço e peito e o fechamento do intestino 
anterior e posterior. Já o dobramento lateral acontece com a somatopleura se movendo 
ventralmente para fechar o corpo enquanto a esplancnopleura se dobra para formar o tubo 
digestivo, existindo uma cavidade, entre esse último e os somatos, no futuro abdômen e 
tórax, chamada de celoma. Dessa forma, ao final da 4ª semana já há a formação de 
embrião tubular revestido por ectoderma com um cordão umbilical estabelecido, 
formação do tubo digestivo, formação do celoma com o posicionamento das estruturas 
como coração e membranas que originam a boca e ânus e a separação dos tecidos 
embrionários e extraembrionários; a professora comentou então algumas malformações 
que podem ocorrer quando o fechamento nesses dobramentos não ocorrem da forma 
correta, como a ectopia cordis, quando o coração se desenvolve fora do corpo, sendo fatal, 
e a gastroquise, quando o estômago e/ou intestino se desenvolvem para fora, sendo mais 
fácil desse problema acontecer quando há o uso pela mãe de aspirina, álcool e tabaco. Na 
segunda parte da aula, a professora apresentou os anexos extraembrionários fazendo as 
diferenciações entre os mamíferos placentários e os outros animais. São anexos 
embrionários o saco vitelínico, que garante a nutrição do embrião; o córion, que é 
responsável pela troca gasosa; o alantoide, armazena rejeitos metabólitos; a placenta, que 
acaba assumindo todas essas outras funções; e a cavidade amniótica, que protege contra 
choques mecânicos e que seu líquido é bem importante para o desenvolvimento do 
embrião. Ao final da aula, a professora mostrou algumas imagens comparando o 
desenvolvimento embrionário até a 8ª semana, mostrando como no final da 4ª, o embrião 
já tem o formato característico de vertebrados, sendo tubular com algumas características 
já definidas.