A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Cimento de ionômero de vidro

Pré-visualização | Página 1 de 3

Pré Clínica 1 
 CIV- cimento de ionômero de vídeo 
 
Introdução 
● Não é um material tão novo 
↳ Comparado aos outros materiais ele é 
relativamente novo 
● É proveniente de dois materiais: cimento de 
silicato (características: anticariogênico e libera flúor) 
e do policarboxilato de zinco (adesão à estrutura 
dentária e pouco irritante aos tecidos) 
● A partir de dois ouros materiais ele conseguiu 
agregar algumas características desses materiais 
● A primeira publicação sobre ionômero de vidro foi 
em 1971 por Wilson kent 
● O ionômero de vidro pertence à classe de 
materiais conhecidos por cimento ácido base 
(cimento formado a partir de uma reação de um 
ácido e uma base) → produto: sal e água 
● Foi desenvolvido a partir do cimento de silicato, 
mas a apesar dele ter essa liberação de flúor ele era 
muito irritante devido à presença do ácido fosfórico 
aí ele deixou de ser utilizado, pois era agressivo aos 
tecidos. 
● Ele foi criado entre 1969 a 1970 
● Naquela época era o amálgama o material 
● O ionômero de vidro não tinha uma resistência 
tão boa e pensaram a incorporar o amálgama a ele: 
surgindo assim o civ, mas o material perdeu a 
liberação de flúor e a adesividade e isso entrou em 
desuso, pois ele não conseguia manter as 
características fundamentais do material. 
● A partir da década de 80 já tem maior avanço 
dos materiais restauradores e foi incorporado no 
 
material ao invés de matais ionômeros: começou a 
surgir os primeiros ionômeros de vidro + resina 
● Em 1991 surgiu o ionômero importante, chamado 
de vitremer: ele toma presa se três formas 
diferentes (é padrão ouro hoje) (alta resistência 
mecânica, boas propriedades adesivas e libera flúor) 
● A partir de 2007 foi avançando a nanotecnologia 
e depois surgiram outras modificações como 
biocerâmicas que vieram para melhor o ionômero 
de vidro 
↳ Porém o ionômero não é perfeito, mas ele 
cumpre ao máximo dentro das suas limitações. 
Vantagens do CIV 
● Deixa as superfícies mais resistente às manchas e 
aos ataques ácidos 
● Menos irritante para a polpa dentária 
● Menor tendência das moléculas do ácido se 
difundir para os tecidos (diferente do cimento de 
silicato tinha o ácido fosfórico que era muito 
agressivo aos tecidos dentários o que o ionômero 
de vidro não é - entrou em desuso) 
● Adesão às estruturas dentárias 
Contra indicação 
● Tem características boas, mas não tem 
propriedades para ser um material restaurador 
definitivo, pois ele não suporta grandes esforços 
mastigatório.s 
OBS: 
● Classe II - só acontece em dentes posteriores 
(cavidades provenientes da doença cárie onde há o 
acometimento de uma ou mais paredes proximais – 
mesial ou distal - ) (quando perde devido à cárie a 
parede medial, distal ou as duas) com envolvimento 
de crista marginal. 
OBS: 
● Crista marginal 
↳ Região que tem uma quantidade considerável de 
esmalte 
↳ Localizado nas próximas do dente – mesial e distal 
- (como se fosse nas laterais) 
OBS: O dente possui uns pilares de sustentação 
(regiões fundamentais para a resistência mecânica) - 
cristas marginais (medial e distal), teto da câmara 
pulpar, ponte de esmalte (caso do primeiro molar 
principalmente) e as cúspides de trabalho do dente 
(vestibular dos inferiores e a palatina doa dentes 
superiores *VIPS* - são as que se tocam na hora da 
mastigação - chamadas de cúspides de trabalho) 
↳ Existem também as cúspides de balanceio 
 
 
 
OBS: Classe IV - acontece em dentes anteriores 
Exemplo: ●Tem o incisivo e você quebra parte do 
incisivo, tipo a pontinha dele (o angulo incisal), ou 
seja, você teve uma cavidade de classe IV 
OBS: 
● Ambas as classes (2 e 4) envolve dentes que 
precisam de matérias com grandes esforços 
mastigatórios então o civ não é indicado 
● Outra coisa é a parte estética, pois em dentes 
anteriores fica com aspecto superficial. 
● Dentes com grande perda de esmalte vestibular, 
pois o CIV se liga a parte mineral do dente e onde 
tem mais mineral e no esmalte e quando você 
perde esmalte muitas vezes o dente fica mais 
fragilizado e como o ionômero tem pouca 
resistência mecânica ele perde o substrato que tem 
para auxiliar. 
↳ Áreas de cúspides (região de grandes esforços 
mastigatórios) 
 
 
 
Apresentação 
↳ Ele pode ter duas formas: convencional e anidro 
 
● Convencional 
↳ Em forma de pó e líquido (separados) 
↳ No pó tem as características básicas e no líquido 
às características ácidas 
→ Pó e líquido 
↳ Tem também os encapsulados (riva) 
↳ Cápsulas vêm pré-dosados com quantidades de 
pó e líquido 
↳ Principalmente para PNE e odontopediatria, pois 
não precisa da manipulação. 
↳ Ele é caro 
↳ Aprender o que é mais usado (pó e líquido) 
● Anidro 
↳ Só pó e utiliza água para fazer a mistura 
Quando utiliza o ionômero de vidro onde tem 
muita força mastigatória não é indicado, pois ele 
não tem propriedades mecânicas para isso. 
 
Generalizando: regiões ontem tem grande necessidade 
de um material com grande resistência mecânica e 
não tem isso no ionômero de vidro 
 
↳ No pó tem dois tipos de características em forma 
de pó 
Porque a reação de ácido + base não ocorre? 
↳ Porque precisa de estímulo, ou seja, entrar em 
contato com água, pois o pó está liofilizado (seco) só 
reage quando entra em contato com a água. 
OBS: Nem sempre o componente ácido principal 
está presente no líquido 
 
 
 
Composição química 
● Componentes do ionômero de vidro 
BÁSICO: 
→ Alumina: 30% do material 
→ Sílica: 30% 
→ Fluoreto de cálcio: 2,6% 
(Esses três são responsáveis pela porção básica da 
reação) 
 
 
↳ Alumina: extremamente reativa (se liga muito 
rápido) 
 ↪ É a que primeiro forma componentes 
↳ Sílica: é a menos reativa das três e pouco caráter 
básico 
(Demora mais a se ligar) 
● Além desses três componentes vai ter outros dois 
ÁCIDO: 
→ Ácido poliacrílico (responsável pela porção ácida) 
↪ Precisa de um ambiente aquoso para que ocorra 
(água) 
↳ Para a reação ocorrer precisa do componente 
básico + componente ácido + meio aquoso (H2O) 
↳ Além da sílica, alumina e fluoreto de cálcio por ter 
mais componentes, mas eles são os principais. 
 
→ Sílica + alumina: responsável pela resistência do 
material 
 
● Outros componentes que podem existir dentro da 
composição: estrôncio (da à radiopacidade do 
material para que tenha a avaliação clínica em longo 
prazo, fazer radiografia e saber diferenciar, 
diagnóstico, preservação e acompanhamento) - 
sódio: ajuda na resistência mecânica. (Não entram na 
reação) 
● Caráter básico: sílica, alumina e fluoreto de cálcio. 
↳ É susceptível ao ataque ácido 
↳ Além desses componentes protagonistas podem 
ter sódio, cálcio e estrôncio. 
 ↪ Esses materiais juntamente com alumina 
sílica e fluoreto formam o caráter básico 
 ↪ É uma composição como se fosse vidro 
(características vítreas) 
 ↪É susceptível ao ataque acido, sendo assim, 
susceptível a reação. 
↳ Características do componente básico: são 
responsáveis por fornecer a resistência mecânica, 
liberação de minerais e remineralzação 
● Caráter ácido 
↳ Ácido poliacrílico 
Cada um desses componentes possui uma 
característica peculiar 
 
Hoje em dia o melhor é o convencional, pois dentro 
do líquido tem materiais aditivos que aperfeiçoaram 
as propriedades do ionômero de vidro. 
 
→ Sílica + alumina: responsável pela resistência do 
material 
→ Fluoreto de cálcio: responsável pela liberação de 
flúor presente no material 
 
 
 ↪ Formado pela cadeia de carbono + grupo metil 
+ um radical e COOH (grupo carboxílico) quando a 
ligação dele quebrar ele vai ficar no meio disponível, 
então ele vai virar o COOH- (íon carboxílico) que é 
o componente principal do ácido poliacrilico (é a 
porção que mais vai participar da reação) 
Reação 
↳ Em