Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Fisiologia Respiratória

Pré-visualização | Página 1 de 1

S. Cardiorrespiratório – Prof. Rodrigo 07.04.2021 
 
 
 
 
 
 Nosso ambiente tem uma porcentagem do oxigênio, , dessa forma o gás que está na 
atmosfera tem oxigênio , ou seja, esse oxigênio precisa entrar, pois nosso organismo 
precisa desse oxigênio. 
 
• Bastante ATP 
• Menos ATP 
 
 No nosso organismo quebramos os (glicose, proteínas, aminoácidos e afins) no 
músculo formando ATP, aerobiamente, se transforma em gás carbônico e é transportado pelo 
sangue livremente e pela hemoglobina, porém, ele precisa ser tamponado por causa do pH se não 
sangue não ficar ácido. 
 
 Circulação e respiração, funciona em união, na primeira é da , 
na segunda , transportando os gases no sangue e a terceira 
, passando para o tecido o 
 
 A quebra de metabólicos acontece no 
 
 é o processo de movimento do ar 
pelas vias do sistema respiratório. A sua função é renovar 
o ar nas vias aéreas para que ocorra a troca gasosa. A 
respiração pulmonar é realizada através da 
 
 Trocas de gases nos pulmões e nos tecidos: bicarbonato se une ao CO2 formando ácido carbônico 
diminuindo a acidez sanguínea 
 
 
 
 
 
S. Cardiorrespiratório – Prof. Rodrigo 07.04.2021 
 a nível do sistema respiratório tem receptores que está 
localizado no que informa a concentração de CO2, O2, a nível 
do pulmão temo sensores de oxigênio, que informa também a concentração. 
 
 Na aérea , que se localiza na ponte que controla a concentração dos sensores que 
está no arco da aorta, de CO2, de O2. 
 
 Quando tem uma de muito grande no nosso organismo, nossa frequência 
cardíaca (FC) e respiratória (FR) aumenta para tirar o gás carbônico e equilibrar essa 
concentração. 
 
funções protetoras 
 Aquecer, umidificar e filtrar o ar 
 : pelos do nariz, espirro, tosse, secreção de muco, 
revestimento epitelial ciliado 
 
 Interação entre o pulmão e a parede torácica 
 Analisando a quantidade ar que entra e sai (volumes pulmonares), isso através da 
 Pleura visceral e a Pleural parietal (que está grudada na caixa torácica internamente), essa 
pressão é mantida pelas membranas pleural 
 
 é mantido pela (-
3mmHg) do liquido intrapleural, ou seja, essa pressão é o que mantém esse equilíbrio, caso entre 
algo perfurando no pulmão perde essa função colapsando o mesmo, perdendo o equilíbrio de 
forças para reverter isso, se faz um dreno, retirando o ar, devolvendo essa pressão. 
 
 Crescimento diferencial do tórax e pulmão 
 Bombeando continuo 
 
 intercostais internos e músculos abdominais 
 Esternocleidomastóide, escalenos, intercostais 
externos, diafragma 
 
S. Cardiorrespiratório – Prof. Rodrigo 07.04.2021 
O ar atmosférico é mais seco em lugares mais altos (deserto do Saara). 
 
 Trabalho contra forças que se opõem ao enchimento pulmonar 
por exemplo, a asma crônica é um problema 
de inspiração 
 
 3 a 5% do metabolismo (ventilação normal) 
 50 vezes maior durante o exercício físico 
 Durante a ventilação 
 
 A temperatura é constante internamente, quando o , se 
relacionado ao pulmão, ou seja, maior volume no pulmão menor a pressão. 
 A pressão intrapleural vai ser sempre negativa, nesse caso o 
indivíduo da imagem 
 inspiração 
 expiração, a pressão intrapleural fica -4mmHg, porém é 
menos negativa em relação a atmosférica 
 
 Relação entre a pressão e volume pulmonar – complacência 
 Grau de variação do volume para a dada alteração da pressão – capacidade do pulmão se 
distender. 
 Complacência pulmonar é inversamente proporcional à elastância 
 Complacência, se diminuída, há dificuldade de inspirar 
 Elastância, se diminuída, há dificuldade de expirar, caso de enfisema 
 Se o alvéolo não tem surfactante ele entra em colapso 
 
 baixa complacência pulmonar em bebês prematuros causado 
por qualidades inadequadas de surfactante pulmonar. 
 ele tem a dificuldade de expiração, a uma alteração do tecido parênquima 
pulmonar para uma fibrose pulmonar normal, a pressão é baixa a nível da circulação sanguínea, 
diminuindo a elasticidade do pulmão 
 
S. Cardiorrespiratório – Prof. Rodrigo 07.04.2021 
 resposta parassimpática à inalação de irritantes, administração de acetilcolina 
 Bronquite, asmático, entre outros. 
 tumores obstrutivos, acúmulo de muco, prostaglandinas, leucotrienos, histamina. 
 
 estimulação simpática, agonistas adrenérgicos, anti-histamínicos, > CO2 no ar 
alveolar 
 
 é o estreitamento dos brônquios (canais que levam ar aos pulmões) que dificulta a passagem 
do ar provocando contrações ou broncoespasmos. As crises comprometem a respiração, 
tornando-a difícil. Quando os bronquíolos inflamam, segregam mais muco o que aumenta o problema 
respiratório. 
 
 Ventilação pulmonar total = volume minuto pulmonar 
 Esse volume corrente corresponde a 500ml x 12 saindo 500ml 
 VM = 6 litros/min 
 
 VA= (VC – VEM) x f (n° close/min) 
 VEM = volume de espaço morto 
 = 150 ml (nariz a bronquíolos terminais) 
= alvéolos não funcionantes 
 
 VA = (500 – 150) x 12 
 Logo: VA = 4,2 litros/min 
 
 Ventilação: está relacionado com a perfusão através dos capilares pulmonares. 
 Desequilíbrio na relação ventilação/perfusão leva a formação do espaço morto fisiológico que 
ocorre quando o alvéolo é: ventilação, mas não perfundido 
 Perfundido, mas não ventilado