A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Atividade 02 HISTÓRIA MODERNA SÉCULOS XV E XVI

Pré-visualização | Página 1 de 3

Atividade 02 HISTÓRIA MODERNA SÉCULOS XV E XVI
Pergunta 1
· 0 em 1 pontos
	
	
	
	O processo de centralização monárquica e da unificação de territórios, iniciado, em algumas regiões europeias já no século XI, provocará a formação das primeiras monarquias nacionais, como na França, Inglaterra, Portugal e Espanha. De forma geral, o desenvolvimento dos Estados modernos se consolidará a partir do amadurecimento dos aparatos burocráticos instituídos para promover a administração da sociedade. 
 
De acordo com o contexto histórico apresentado, analise as assertivas a seguir:
 
1. As monarquias nacionais europeias se formaram em um contexto de reordenação social, propiciado pelas crises vivenciadas na transição do período medieval para o moderno. 
2. Os Estados nacionais modernos nasceram a partir dos interesses das camadas sociais que detinham o poder político e econômico, no caso, a nobreza e a alta-burguesia.
3. Nem sempre a trajetória de formação dos Estados nacionais perpassa, necessariamente, pelo processo de centralização do poder em torno das monarquias.
É correto o que se afirma em:
	Resposta Selecionada:
	 
I e II, apenas.
	Resposta Correta:
	 
I, II e III.
	Comentário da resposta:
	A crise do século XIV, marcada pela fome, pelo alastramento da peste e pelas guerras, gerou uma necessidade de reorganizar a sociedade europeia, a fim de conter revoltas populares e garantir a permanência do poder nas mãos das classes mais abastadas. Nesse contexto, há a formação e a consolidação das primeiras monarquias nacionais, como Inglaterra, França, Portugal e Espanha. Essas monarquias nascem, principalmente, dos anseios da nobreza, que desejava manter seu prestígio social e que precisava de recursos para organizar a máquina burocrática dos reinos unificados que então se constituíam; e, também, da alta burguesia, que via na centralização do poder a possibilidade de expandir suas atividades comerciais, através da unificação do sistema de pesos e medidas, da padronização das moedas e da garantia de segurança nas estradas. Nesse sentido, os Estados nacionais modernos se constituíram a partir do amadurecimento dos aparatos burocráticos criados por essas monarquias para garantir o controle e a administração da sociedade. Em alguns casos, não houve a constituição de uma monarquia com poder centralizado para a formação de um Estado nacional. As cidades de Gênova e Veneza, por exemplo, localizadas na Península Itálica, que enriqueceram devido às trocas comerciais estabelecidas com o oriente, desenvolveram aparatos jurídicos e administrativos próprios, sem a intervenção de uma monarquia centralizada. Nessa região, o Estado nacional se organizou tardiamente, no século XIX. 
	
	
	
	
Atividade 02 HISTÓRIA MODERNA SÉCULOS XV E XVI
· Pergunta 2
· 1 em 1 pontos
	
	
	
	O filósofo inglês John Locke é considerado “o pai do Estado liberal”. Suas teorias, fundamentadas na obra Segundo tratado do governo, de 1689, apresentam algumas propostas acerca do funcionamento da máquina estatal.
 
Partindo de suas acepções, analise as assertivas a seguir:
 
1. Para Locke, o poder emana do povo que, por meio do contrato social, elege o governante de modo a ter seus direitos fundamentais garantidos.
2. Locke defende a existência de um Estado liberal, caracterizado pela necessidade do governante se legitimar perante seu povo.
3. Caso o governante não cumpra com o seu papel de garantir os direitos fundamentais do povo, ele deve ser destituído do cargo e substituído por outro mais adequado. 
4. Na perspectiva de Locke, os direitos fundamentais dos seres humanos são: a garantia da liberdade e da igualdade, além do direito à propriedade.
É correto o que se afirma em:
	Resposta Selecionada:
	 
I, II, III e IV. 
	Resposta Correta:
	 
I, II, III e IV. 
	Comentário da resposta:
	John Locke, considerado o “pai do Estado liberal” propõe algumas teorias acerca do funcionamento do Estado que divergem de alguns estudiosos do período, como Thomas Hobbes. Para Locke, o poder de um governante emana da soberania popular. Por meio do contrato social, este tem a função de garantir ao povo os direitos que são fundamentais à sua existência, como a liberdade, a igualdade e o direito à propriedade. Se o governante escolhido não cumprir com suas responsabilidades, o povo, invocando o direito à revolução, tem o dever de destituí-lo, colocando em seu lugar outro mais afeito aos interesses coletivos. 
	
	
	
	
Atividade 02 HISTÓRIA MODERNA SÉCULOS XV E XVI
· Pergunta 3
· 1 em 1 pontos
	
	
	
	Que obra de arte é o homem: tão nobre no raciocínio, tão vário na capacidade; em forma o movimento, tão preciso e admirável; na ação é como um anjo; no entendimento é como um deus; a beleza do mundo, o exemplo dos animais. 
Hamlet, de William Shakespeare.  
 
O trecho supracitado caracteriza o pensamento humanista à medida que 
	Resposta Selecionada:
	 
valoriza o ser humano e exalta as suas habilidades.
	Resposta Correta:
	 
valoriza o ser humano e exalta as suas habilidades.
	Comentário da resposta:
	O trecho de Hamlet, uma das tragédias mais conhecidas de Shakespeare, apresenta o ser humano como uma obra de arte, enaltecendo suas capacidades e habilidades, comparando-o com seres divinos, como anjos e divindades, além de colocá-lo como um exemplo da espécie animal. Tal perspectiva de valorização do ser humano está presente no antropocentrismo, pensamento chave para compreensão do Humanismo. 
	
	
	
	
Atividade 02 HISTÓRIA MODERNA SÉCULOS XV E XVI
· Pergunta 4
· 1 em 1 pontos
	
	
	
	O termo “Renascença”, usado para descrever o período de cerca de 1330-1530, foi empregado primeiramente por escritores italianos dos séculos XIV e XV que se aperceberam da ocorrência de uma mudança fundamental nesse período. Os humanistas, a elite intelectual do período, acreditavam que os estudos clássicos, perdidos numa era de trevas após a queda do Império Romano, aguardavam então um renascimento através deles. Esses homens fomentaram uma preocupação crescente com a vida cívica, em parte como resultado de uma nova visão do homem como um ser compreensível colocado a meio caminho entre Deus e as ordens inferiores da natureza.  
 
LOYN, Henry R. (Org.). Dicionário da Idade Média. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997. p. 318.  
 
No trecho supracitado, encontra-se a manifestação de uma das características fundamentais do Renascimento, que é 
	Resposta Selecionada:
	 
o antropocentrismo, que coloca o ser humano no centro do universo.
	Resposta Correta:
	 
o antropocentrismo, que coloca o ser humano no centro do universo.
	Comentário da resposta:
	Vemos no texto apresentado a explicitação do pensamento renascentista que observa o ser humano como uma existência que agregaria tanto valores relacionados às competências do divino como aquelas relacionadas ao mundo material e à lógica própria da natureza. A elevação do ser humano sobre a natureza caracterizaria mais tarde o pensamento antropocêntrico. Esta posição iria se contrapor à noção de uma existência em que colocava o divino como centro organizador da realidade e, portanto, do entendimento do modo de ser da vida. Tal mudança, também, irá se refletir nas proposições dos grupos que aderiam a uma e outra ideia sobre como a sociedade deveria se organizar.
	
	
	
	
Atividade 02 HISTÓRIA MODERNA SÉCULOS XV E XVI
· Pergunta 5
· 1 em 1 pontos
	
	
	
	O grande objetivo da entrada do homem em sociedade consiste na fruição da propriedade em paz e em segurança e, sendo o grande instrumento e meio disto as leis estabelecidas nessa sociedade, a primeira lei positiva e fundamental de todas as comunidades consiste em estabelecer o poder legislativo. 
 
LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo. São Paulo: Martin Claret, 2005 (adaptado).
 
O pensamento de John Locke, exposto na obra Segundo tratado sobre o governo, de 1689, defende que o governante, que deve ser escolhido pelo povo, tem o dever de garantir aos cidadãos o direito a bens fundamentais, como a propriedade privada. Se o governante deixar de cumprir o seu papel,