A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Reparo tecidual (Patologia)

Pré-visualização | Página 1 de 1

patologia geral 
 Reparo (regeneração e cicatrização) 
 
Quando inicia? 
Quando há agentes infecciosos ou 
inflamatórios presentes em determinado 
local. 
A presença desse agente agressor pode 
levar à uma cicatrização ou regeneração, 
isso vai depender do tecido e do 
mecanismo desenvolvido para realização do 
reparo. 
Tipos de reparo 
Fatores desencadeantes 
Estado de destruição tecidual 
Presença de arcabouço 
Tipo celular presente no tecido lesionado 
Grau de fibrose induzida por mediadores 
inflamatórios 
Obs.: O reparo depende sempre da 
intensidade do dano. 
Capacidade dos tecidos 
Tecidos lábeis -> Divisão contínua. Ex.: 
Epitélio, tecido hematopoiético, medula 
óssea. 
Tecidos estáveis -> Quiescentes – em 
repouso, não prolifera continuamente, mas 
diante de dano pode se regenerar. Ex.: 
Fígado, tecido fibroso, músculo liso. 
Tecidos permanentes -> Aqueles que não 
se dividem. Ex.: Neurônio, tecido estriado 
esquelético e cardíaco. 
Cavidade oral 
Regeneração de tecidos 
Epitélio- Lábil 
Glândulas- Estáveis 
Osso- Estável 
Músculo- Permanente 
Tecido nervoso- Permanente 
Regeneração Vs Cicatrização 
Regeneração- Recupera a função 
Cicatrização- Processo de reparo não é 
perfeito, formando-se cicatriz. Possui como 
característica a perda da função (pode não 
ser perda total) 
Proliferação 
Encurta o ciclo celular 
Recruta células para o ciclo celular 
Diferenciação de células-tronco. 
Células lábeis- estão sempre no ciclo 
celular 
Células estáveis- estão sempre na fase 
G0 (de repouso) do ciclo celular, estado de 
quiescência. 
Células permanentes- não se 
proliferem, por isso não regeneram. 
Mecanismos 
Indução do crescimento celular através da 
regulação gênica. 
Fatores de crescimento (ativação de 
macrófagos) e fatores de crescimento e 
integrinas que se ligam a matriz extracelular 
e induz a angiogênese -> Proliferação 
Celular 
Parada no crescimento 
Ocorre pela inibição densidade-dependente, 
isso pelo encontro de células do bordo da 
lesão, ou seja, por contato, o tecido entende 
que pode parar de crescer. 
Fatores de crescimento 
Estimulação por contato produz fatores de 
crescimento que levam a angiogênese e 
formação de matriz colágena. Estes fatores 
são: TGF (fator de crescimento tecidual); 
VEGF (fator de crescimento endotelial 
vascular); FGF (fator de crescimento do 
fibroblasto); TNF (fator de crescimento 
tumoral) 
Os macrófagos poderão ser ativados por 
duas vias: 
M1- Clássica = Inflamação (IL-1; IL-12; IL-6; 
INF; TNF) 
M2- Alternativa = Cicatrização (TGF; 
VEGF; IL-10) 
Regeneração 
Ocorre em tecidos lábeis e estáveis, ou seja, 
tecidos com alta capacidade proliferativa, ou 
tecidos com presença de células tronco não 
lesionadas. 
Quanto mais diferenciada for a célula, menor 
vai ser a regeneração, por isso depende 
sempre do tipo, localização e capacidade 
proliferativa da célula 
A lesão tecidual precisa ser limitada 
Para haver regeneração ou cicatrização, 
sempre vai depender do tecido lesado e da 
extensão dessa lesão. 
Há pouca ou nenhuma alteração da função. 
Menor quantidade de miofibroblastos. 
Tecido de granulação discreto. 
Substitui tecido lesado por células iguais às 
originalmente lesadas 
Reconstrução completa, preservando a 
arquitetura tecidual. 
Cicatrização 
É o processo pelo qual o tecido lesado é 
substituído por tecido conjuntivo 
vascularizado em tentativa de “remendar” e 
não necessariamente recuperar aquele 
tecido. 
É a forma MAIS COMUM de reparo tecidual 
pós-inflamação (mas não a única) 
Formação da cicatriz -> Fibrose 
Na cicatrização, diferentemente da 
regeneração, as células não são iguais as do 
tecido original, o que pode acarretar em 
alteração da função, causando prejuízos à 
esta. 
Ocorre em tecidos permanentes, devido sua 
inexistente capacidade proliferativa. 
Depende da extensão da lesão 
Maior quantidade de miofibroblastos. 
Tecido de granulação deve ser removido. 
Fases da cicatrização 
Hemostasia 
Segundo após a lesão, sendo esta a 
prioridade inicial do organismo, que é parar 
ou conter o sangramento. Arteríola contrai, 
tendo um INICIO da replicação dos 
fibroblastos, além da ação de macrófagos e 
plaquetas, induzindo fatores de crescimento. 
Nessa fase há a presença do exsudato 
fibrinoso que me contato com o ar resseca 
e forma a “casca de ferida” que é como um 
tampão inicial para conter a hemorragia. 
Demolição 
Grande quantidade de macrófagos digerem 
coágulo (24 horas após a lesão). Nessa fase 
há digestão do tecido “morto”. Agente 
agressor é removido e o coágulo é 
dissolvido. 
Tecido de granulação 
Estrutura temporária, formado por células da 
inflamação crônica. Nessa fase há a 
migração de fibroblastos propriamente dita, 
e consequente formação de matriz 
colágena. (colágeno tipo II). Além disso há a 
proliferação de células endoteliais, havendo 
então a angiogênese -> formação de 
capilares com paredes frágeis e que 
permitem a passagem de líquido e 
macromoléculas 
 
 
Maturação 
Nesta fase há uma grande quantidade 
fibroblastos e colágeno. 
Compressão de vasos neoformados 
(desvascularização) 
Contração da matriz – Miofibroblastos -> Os 
fibroblastos começam a agir com força de 
tração. 
A região de cicatriz possui menos 
elasticidade 
Tipos de cicatrização 
Primeira intenção 
Aproximação dos bordos 
Menor quantidade de tecido fibroso 
Sutura por aproximação dos bordos 
Há inflamação -> Proliferação de células 
epiteliais e outras -> Maturação da matriz 
extracelular. 
Segunda intenção 
Maior espaço entre os bordos 
Maior quantidade de tecido de granulação 
Maior quantidade de tecido fibroso 
Processo mais demorado 
Remodelação 
Degradação de proteínas lesadas 
Substituição do colágeno do tipo III para 
colágeno do tipo I (que é mais resistente) 
Aumento dos fibroblastos 
Destruição do tecido de granulação 
Resistência após 7 dias: 10% 
Resistência após terceiro mês: 70 a 80% 
Produção excessiva de fibras colágenas 
pode induzir a formação de quelóide e 
cicatriz hipertófica. 
Sequência de chegada de células 
1. Plaquetas 
2. Neutrófilos 
3. Macrófagos 
4. Linfócitos 
Obs.: Macrófagos e linfócitos vão digerir o 
coágulo e microrganismos, além de liberar 
fatores de crescimento. 
5. Fibroblastos 
Obs.: Vão ser ativados pelos fatores de 
crescimento e realizar deposição de 
colágeno 
Fatores que influenciam no 
reparo 
Tabagismo 
Etilismo 
Diabetes 
Neoplasias 
Desnutrição 
Idade 
Estresse 
Tamanho da lesão