A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Sistemas Matriciais

Pré-visualização | Página 1 de 1

Sistemas Matriciais (se trata de um sistema de liberação controlada)
SLIDE 2
O QUE SÃO? 
As matrizes são dispersões ou soluções de um fármaco em uma ou mais substâncias capazes de modular a sua liberação, geralmente polímeros de natureza hidrofílica ou inerte.
Do ponto de vista tecnológico, um sistema matricial pode ser definido como sistema que controla a liberação da(s) substância(s) ativa(s), molecularmente dispersa(s) ou dissolvida(s) num suporte resistente à desintegração (polímero ou agente formador da matriz)
A melhoria no desenvolvimento de sistemas de liberação controlada depende estritamente da seleção de um agente apropriado capaz de controlar a liberação do fármaco. Os agentes ideais para essas preparações devem garantir que o fármaco seja liberado no sítio certo, na dose certa e no tempo requerido.
Nos sistemas matriciais, o fármaco pode se encontrar homogeneamente dispersa na matriz polimérica, dentro de um reservatório ou adsorvido em sua superfície, e na sua liberação estão envolvidos processos físicos e químicos, incluindo penetração de água na matriz, difusão do fármaco pelos poros da matriz, por degradação do polímero ou por uma combinação dos dois mecanismos
a utilização de sistemas matriciais permite a incorporação de quantidades relativamente elevadas de fármacos.
Embora simples de preparar, esses materiais têm a desvantagem de o fármaco poder ser liberado repentinamente através de um colapso da matriz, podendo levar a conseqüências potencialmente sérias para o paciente.
SLIDE 3
SISTEMAS MATRICIAIS LIPOFÍLICOS 
Os lipídios têm sido extensivamente usados para liberação de fármacos em várias formas, como as matrizes sólidas e os lipossomas. As matrizes lipídicas constituem sistemas de liberação simples feitos de cera e com controle relativamente grosseiro da velocidade e da extensão da liberação do fármaco. 
Nas matrizes hidrofóbicas ou lipídicas o controle da liberação da substância ativa ocorre essencialmente por mecanismos de difusão através dos poros ou por erosão, prevalecendo um ou outro mecanismo de acordo com as propriedades do fármaco e do excipiente utilizado. As matrizes lipídicas são, muitas vezes, incluídas na classe das matrizes inertes, visto que ambas, quando em contacto com a água, não alteram a sua estrutura e apresentam mecanismos de liberação dos fármacos semelhantes.
As matrizes inertes são constituídas por polímeros insolúveis, que originam estruturas porosas nas quais o fármaco está disperso, mantendo a mesma superfície aparente (interface sólido/líquido de dissolução) ao longo de toda a etapa de dissolução. Os comprimidos preparados com polímeros inertes formam sistemas que não se alteram ao longo do trato gastrintestinal, sendo eliminados praticamente intactos. A dissolução do fármaco nas matrizes inertes verifica-se após penetração do líquido de dissolução nos poros do sistema matricial, seguindo-se etapa de difusão lenta do fármaco dissolvido nos canalículos (Salomon, Doelker,1980), como pode ser visto na Figura 1. O passo limitante da velocidade de liberação dos fármacos a partir deste tipo de sistemas é a penetração do líquido de dissolução na matriz, sendo a permeação da água promovida pela adição de agentes molhantes.
FIGURA 1 - Etapas de liberação dos fármacos em sistemas matriciais inertes ou hidrofóbicos: a) penetração do líquido de dissolução nos poros do sistema matricial; b) difusão lenta pelos canalículos do fármaco dissolvido até o exterior
SLIDE 4
Os principais adjuvantes lipídicos são: cera de carnaúba, álcool cetílico, óleos vegetais hidrogenados, ceras microcristalinas, mono e triglicerídeos, polietilenoglicol (PEG) e monoestearato de PEG. Alguns estudos têm avaliado lipídios de estrutura tridimensional de fase cúbica como excelente candidato para o uso como matriz de liberação de fármacos devido a sua biodegradabilidade, capacidade de liberar fármacos de vários tamanhos e polaridades, além de sua capacidade de aumentar a estabilidade química e/ou física de fármacos e proteínas incorporadas.
Um dos derivados da celulose mais usados (desde o início dos anos de 1960) como retardante da liberação de fármacos, em formulações orais, é a hidroxipropilmetilcelulose (HPMC). Esta ampla utilização de matrizes de HPMC deve-se à existência de grande variedade deste polímero, que se classifica de acordo com a sua viscosidade e a proporção entre os grupos substituintes (grupos metoxila e hidroxipropila). O grau de hidratação deste polímero hidrossolúvel depende das características físicoquímicas, como a massa molecular, o grau de substituição e a viscosidade. A fórmula estrutural está representada na Figura 2.
Uma das características mais importantes deste polímero hidrofílico, no que se refere à sua aplicação em sistemas de liberação modificada, é a capacidade de intumescimento/relaxamento, a qual exerce efeito pronunciado na cinética de liberação do fármaco incorporado
Os polímeros celulósicos apresentam uma ampla aplicação na indústria farmacêutica, pois além da vantagem de serem fáceis para compressão e solúveis em água ou solventes orgânicos, eles não alteram as condições de liberação do fármaco.
SLIDE 5
VANTAGENS
· Versatilidade
· Eficácia; 
· Baixo custo; 
· Produção que recorre a equipamentos e técnicas convencionais; 
· Incorporação de quantidades relativamente elevadas de fármacos.