A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Inflamação aguda

Pré-visualização | Página 1 de 2

Inflamação aguda
· Definição e características gerais: a inflamação é uma resposta dos tecidos vascularizados a infecções e tecidos lesados. Consiste em recrutar células e moléculas de defesa do hospedeiro da circulação para os locais onde são necessárias, com a finalidade de eliminar os agentes agressores. 
· NOMENCLATURA: ORGÃO ACOMETIDO + SUFIXO. Exemplo: apendicite, gastrite, meningite.
· Ou pode ser adjetivada de acordo com alguma particularidade morfológica. Exemplo: Apendicite purulenta (formação de pus), pleurite fibrinosa (exsudação de muita fibrina). 
· CALOR-RUBOR-TUMOR E DOR (aguda) e PERDA DE FUNÇÃO (crônica)
· Estímulo -> Fenômenos vasculares -> fenômenos exsudativos (pode gerar uma inflamação crônica) -> ou eliminação do estímulo (regenera ou cicatriza)
Causas da inflamação 
Infecções: bacteriana, virótica, fúngica, parasitária. Toxinas microbianas estão entre as causas mais comuns e clinicamente importantes da inflamação.
Necrose dos tecidos propicia a inflamação, independentemente da causa da morte celular, que pode incluir. Isquemia, trauma, lesões físicas e químicas
Corpos estranhos - Exógenos: lascas de madeira, sujeira, suturas, entre outras. - Endógenos: cristais de urato (doença da gota), cristais de colesterol (na aterosclerose) e liídios (síndrome metabólica associada à obesidade
Reações alérgicas/imunes alérgicas a alimentos, pólen. Reações imunes são aquelas em que o sistema imune, normalmente protetor, causa dano nos próprios tecidos do indivíduo. Ex: doenças autoimunes.
Reconhecimento de Células Danificadas - Sensores de dano celular
Moléculas de alarme (alarminas) ou sinalizadoras de agressão, que são reconhecidas em receptores celulares
▪ PAMP (pathogen associated molecular pattern) = Moléculas existentes em patógenos que podem ser reconhecidas pelo organismo 
▪ DAMP (damage associated molecular pattern) = resultantes de danos teciduais
B. Será um edema inflamatório, com altas quantias de proteína no espaço de fora do vaso, além da presença dos espaços Interendoteliais. 
C. Apresenta o edema. Há extravasamento de fluídos, mas tem baixo conteúdo proteico, poucas células. Não há espaço interendotelial. 
· Edema: Excesso de fluido no tecido intersticial ou das cavidades serosas, que pode ser ou um exsudato ou um transudato.
· Pus: exsudato purulento, é um exsudato inflamatório rico em leucócitos (principalmente neutrófilos), restos de células mortas e, em muitos casos, microrganismos. 
B. Vasodilatação
c. Lesão
Recrutamento de Leucócitos para os Locais de Inflamação
A jornada dos leucócitos da luz vascular até o tecido é um processo de várias etapas, mediado e controlado por moléculas de adesão e citocinas chamadas quimiocinas. Esse processo pode ser dividido em fases sequenciais:
1) Marginação 
2) Rolamento (via selectina) – “freia” o leucócito 
3) Adesão (ligante integrina) 
4) Diapedese (atravessa a vasos capilares)
Após sair da circulação, os leucócitos vão para os tecidos em direção ao local da lesão por meio de um processo chamado quimiotaxia
As etapas da resposta inflamatória podem ser lembradas como os 5 R’S
1. Reconhecimento do agente lesivo
2. Recrutamento de leucócitos
3. Remoção do agente lesivo
4. Regulação da reposta
5. Resolução (reparo)
Padrões Morfológicos da Inflamação Aguda
Reações vasculares e celulares
· A gravidade da resposta inflamatória 
· A sua causa específica 
· O tecido envolvido
refletem na aparência morfológica da reação (Auxilia no reconhecimento do estímulo iniciador e Situações clínicas)
As características morfológicas marcantes de todas as reações inflamatórias agudas são: 
· Fluido no tecido extravascular
· Dilatação de pequenos vasos sanguíneos
· Acúmulo de leucócitos
Inflamação Serosa
· A inflamação serosa é marcada pela exsudação de fluidos com poucas células nos espaços criados pela lesão celular ou em cavidades corporais revestidas pelo peritônio, pleura e pericárdio.
· Geralmente não é infectado por organismos
· Não contém grande quantidade de leucócitos
 
Herpes na pele peribucal e semimucosa labial.
Inflamação Serofibrinosa
· Há ainda casos com exsudato líquido e depósitos de fibrina (inflamação serofibrinosa).
Inflamação Sero-hemorrágica ou Sero-fibrino-hemorrágica
· Se acompanhado de hemorragias
Inflamação Fibrinosa
· Com maior aumento na permeabilidade vascular, grandes moléculas, tais como fibrinogênio, passam para fora do vaso, e a fibrina é formada e depositada no espaço extracelular
· Quando a fibrina não é removida, ao longo do tempo ela pode estimular o crescimento dos fibroblastos e vasos sanguíneos e, então, levar à cicatriz.
· A conversão do exsudato fibrinoso em tecido cicatrizado (organização) dentro do saco pericárdico produz um espessamento fibroso opaco do pericárdio e do epicárdio na área de exsudação e, se a fibrose é extensa, ocorre obliteração do espaço pericárdico.
Inflamações catarrais
· Em mucosas, as inflamações agudas assumem aspectos morfológicos especiais.
· Exsudação líquida e de leucócitos na superfície de mucosas, com descamação do epitélio e secreção de muco.
· Ocorrem em faringites e laringites (em gripes e resfriados)
Inflamação pseudomembranosa
· geralmente de origem bacteriana
· Toxinas bacterianas -> Necrose do epitélio -> Exsudação de células e fibrina -> Fibrina forma camada branca sobre a mucosa
· Ex: Difteria
Inflamação Necrosante
· Embora não se conheça bem sua etiologia, parece estar ligada a isquemia e reperfusão, o que favorece a colonização por bactérias da microbiota intestinal.
· Ocorre principalmente em recém nascidos 
Inflamação Purulenta (ou supurativa)
· Aguda ou crônica, é caracterizada pela produção de pus, um exsudato constituído por neutrófilos, resíduos liquefeitos de células necróticas e fluido de edema.
· Causas mais frequentes: Infecção por bactérias que causam a necrose por liquefação e bactérias piogênicas (produtoras de pus) 
· Ao microscópio, o pus contém fibrina, restos de células e numerosos fagócitos, geralmente cheios de vacúolos que representam fagolisossomos com material fagocitado não completamente digerido (piócitos).
Obs: piócitos são macrófagos que não conseguem ingerir os fragmentos fagocitados
· As inflamações purulentas recebem denominações especiais de acordo com o aspecto que adquirem. ▪ Pústula ▪ Abscesso ▪ Furúnculo ▪ Fleimão
PÚSTULA 
· Inflamação purulenta aguda, circunscrita, da pele ou mucosas
· o pus se acumula entre o epitélio e o conjuntivo subjacente, formando uma pequena elevação, geralmente amarelada.
· Piodermites por estafilococos ou estreptococos em geral se acompanham da formação de pústulas.
· Em viroses exantemáticas, como varicela (catapora), a inflamação serosa induzida pelo vírus se complica com a colonização de bactérias, originando pústulas.
ABSCESSO 
· Inflamação purulenta circunscrita, formada por: caracterizada por coleção de pus em uma cavidade neoformada (1) e circundada por uma cápsula de tecido inflamado (2 - membrana piogênica), da qual o pus é gerado.
· Pus depositado na cavidade central
· Membrana piogênica - camada interna, constituída por tecido infiltrado por leucócitos e em processo de destruição
· Tecido de granulação - camada externa, formada pelo tecido em que ocorrem os fenômenos vasculares e exsudativos.
Abscesso – Mandíbula Abscesso hepático
 
· O abscesso é uma área de infecção purulenta localizada, e que constitui uma cavidade nova. Esta cavidade é formada por necrose do tecido por ação das bactérias e dos neutrófilos. Tanto as bactérias como os neutrófilos liberam enzimas proteolíticas e substâncias tóxicas, causando morte celular.
Abscesso – Furúnculo
· Furúnculo é um abscesso na derme e, às vezes, no subcutâneo, causado geralmente por estafilococos que penetram nos folículos pilosos e nas glândulas sebáceas.
Fleimão
· Inflamação purulenta difusa na qual o pus se infiltra no tecido conjuntivo, mas sem formar a membrana piogênica
· Fleimão enfisematoso: por germes gasógenos.
· Fleimão