Buscar

BIOSSEGURANÇA-E-CONTROLE-DE-INFECÇÃO

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 47 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 47 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 47 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

[Digite aqui] 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
2 
 
 
 SUMÁRIO 
1 INTRODUÇÃO .................................................................................................. 3 
2 CONCEITO DE BIOSSEGURANÇA ................................................................. 4 
3 IMPORTÂNCIA DA BIOSSEGURANÇA ........................................................... 6 
4 EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e EPCs (Equipamentos de 
Proteção Coletiva) ....................................................................................................... 7 
4.1 Periodicidade de troca dos EPIs............................................................... 14 
5 NOÇÕES SOBRE LEGISLAÇÃO ................................................................... 14 
6 MAPA DE RISCO ........................................................................................... 15 
7 RESÍDUOS SÓLIDOS .................................................................................... 22 
7.1 Resíduos sólidos e meio ambiente ........................................................... 24 
7.2 Descarte de resíduos sólidos ................................................................... 25 
8 RISCOS AMBIENTAIS E MEDIDAS GERAIS DE PRECAUÇÃO ................... 25 
8.1 Riscos físicos............................................................................................ 29 
8.2 Riscos ergonômicos ................................................................................. 30 
8.3 Riscos químicos ....................................................................................... 33 
8.4 Riscos biológicos ...................................................................................... 35 
9 PRECAUÇÕES PADRÃO ............................................................................... 37 
9.1 Higienização Simples das Mãos ............................................................... 39 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .......................................................................... 41 
 
 
 
 
 
 
 
3 
 
 
1 INTRODUÇÃO 
Prezado aluno! 
 
O Grupo Educacional FAVENI, esclarece que o material virtual é semelhante 
ao da sala de aula presencial. Em uma sala de aula, é raro – quase improvável - 
um aluno se levantar, interromper a exposição, dirigir-se ao professor e fazer uma 
pergunta, para que seja esclarecida uma dúvida sobre o tema tratado. O comum é 
que esse aluno faça a pergunta em voz alta para todos ouvirem e todos ouvirão a 
resposta. No espaço virtual, é a mesma coisa. Não hesite em perguntar, as perguntas 
poderão ser direcionadas ao protocolo de atendimento que serão respondidas em 
tempo hábil. 
Os cursos à distância exigem do aluno tempo e organização. No caso da nossa 
disciplina é preciso ter um horário destinado à leitura do texto base e à execução das 
avaliações propostas. A vantagem é que poderá reservar o dia da semana e a hora que 
lhe convier para isso. 
A organização é o quesito indispensável, porque há uma sequência a ser 
seguida e prazos definidos para as atividades. 
 
Bons estudos! 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
4 
 
 
2 CONCEITO DE BIOSSEGURANÇA 
 
Fonte:image/jpeg 
A biossegurança é um conjunto de normas que tem como objetivo garantir a 
proteção da população, dos profissionais de saúde e do meio ambiente. Ela também 
existe para diminuir os riscos de acidentes laborais em estabelecimentos prestadores 
de serviços de saúde – como clínicas médicas e odontológicas, hospitais e 
laboratórios (PATRÍCIA, 2020). 
Biossegurança é a aplicação e a reflexão de princípios de segurança com o 
trabalhador e com o paciente, envolvidos no processo saúde-doença no contexto de 
uma instituição de saúde (SOUZA, 2016). Sua abordagem traz grandes reflexões aos 
profissionais que trabalham nas áreas mais críticas de um hospital, pois, encontram-
se mais suscetíveis a contrair doenças sendo necessários debates periódicos 
relacionados à promoção de um ambiente de trabalho saudável (VALLE et al, 2012). 
No Brasil, a biossegurança é regulamentada pela lei 11.105, de 25 de março 
de 2005, que dispõe sobre a Política Nacional de Biossegurança, a qual contempla, 
além das questões ligadas a área da saúde e do trabalho, também aquelas ligadas ao 
meio ambiente e à biotecnologia (LAURA, 2012). O estudo da exposição ocupacional 
de trabalhadores da saúde aos riscos biológicos pode ser considerado recente e 
remete ao surgimento da epidemia da síndrome da imunodeficiência humana (AIDS), 
principalmente após o surgimento do primeiro caso de transmissão ocupacional por 
 
5 
 
 
esse vírus (MARKKANEN et al, 2015). Nesse sentido, a biossegurança, também 
voltada para a saúde do trabalhador, abrange o estudo desses riscos e se configura 
em uma área relativamente nova e incipiente para muitas categorias profissionais, a 
despeito da grande exposição destes, principalmente na área da saúde 
(GARBACCIO, 2014). Dada a sua importância para a manutenção da saúde dos 
profissionais, a biossegurança se apresenta como temática obrigatória em cursos de 
capacitação e exige uma constante qualificação dos profissionais (CARVALHO, 
2013). 
No Brasil, existem duas vertentes da biossegurança: a legal e a praticada. A 
primeira está voltada à manipulação de organismos geneticamente modificados 
(OGMs) e de células tronco, regulamentada pela Lei no 11.105/05. A segunda, está 
relacionada aos riscos químicos, físicos, biológicos, ergonômicos e de acidentes 
encontrados nos ambientes laborais, amparada principalmente pelas normas 
regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), Resoluções da 
Agência Nacional de Vigilância em Saúde (ANVISA) e do Conselho Nacional do Meio 
Ambiente (CONAMA), entre outras (SANGIONI et al. 2013). 
A biossegurança envolve as mais diversas profissões e, na Enfermagem, 
possui singular importância, tendo em vista que as atividades desenvolvidas pelo 
profissional enfermeiro e por sua equipe, na realização de cuidados, permitem estar 
em contato direto com o paciente durante a assistência, o que os expõe a maior risco 
ocupacional (GYAWALI, 2013). A prestação de cuidados de Enfermagem de 
qualidade é de suma importância para garantir a segurança desses profissionais, bem 
como de toda a equipe e dos pacientes (EFSTATHIOU, 2011). 
Profissionais que atuam na Atenção Primária também estão expostos a 
elevados riscos advindos de sua atividade laboral no posto de saúde, como também 
no cuidado domiciliar, com destaque para o risco envolvendo material biológico, por 
exemplo: na realização de curativos contaminados e/ou na aplicação de 
medicamentos endovenosos. Assim, ignorar o tema seria desviar o olhar dos diversos 
riscos aos quais os profissionais se expõem, em um cenário de grande 
representatividade da saúde atual (CHOWDHURY, 2011). 
 
6 
 
 
3 IMPORTÂNCIA DA BIOSSEGURANÇA 
Alguns equipamentos de segurança já são bem conhecidos no universo dos 
profissionais de enfermagem, como luvas, toucas, aventais, máscaras, óculos e 
ademais objetos, isso tudo para facilitar e proteger o dia a dia deste profissional que 
está exposta aos mais diversos problemas. (TEIXEIRA, 2014). Para Dallagnol (2016), 
“A atuação da equipe de saúde diante dessa problemática é imprescindível na 
garantia de uma assistência resolutiva e de qualidade, minimizando danos que 
possam surgir em decorrência dos cuidados oferecidos ao paciente”. O que podemos 
observar é que se deve ter uma segurança adequada para os profissionais de saúde 
onde é de suma importância devido aos diversos riscos em seu ambiente de trabalho, 
que são capazes de acarretar acidentes e doenças. (METELLO et al., 2012). 
Temos que verificar que devido a uma falta de segurança adequadas 
principalmente no setor hospitalar muitos tipos de infecções podem ocorrer que 
representa um grande problema de abrangênciamundial que pode levar a um quadro 
de morbidade e letalidade que estão relacionado a procedimentos clínicos, realizados 
inadequadamente, além da magnitude relacionada ao paciente, temos a problemática 
de igual importância do profissional da área da saúde (PAS), que está em risco 
ocupacional permanente (SOARES et al, 2020). 
O conhecimento e o reconhecimento pelos profissionais das normas e dos 
riscos aos quais estão expostos são importantes para a redução dos índices de 
infecções ocupacionais, pois demonstram uma ancoragem em saberes apreendidos 
no campo prático, associados a arcabouço cientifico. Na Atenção Primária, os 
profissionais de saúde se expõem a micro-organismos pelas próprias características 
desse modelo de atenção à saúde. Muitos pacientes são atendidos sem diagnóstico, 
principalmente nas visitas domiciliares e, por não conhecerem o diagnóstico, muitos 
enfermeiros negligenciam o uso de EPI (VANBIJNEN et al, 2014). 
Os profissionais possuem dificuldade em convergir formação e atuação ou 
discurso e prática, representadas pela não utilização dos EPI, quando necessário. 
Percebe-se, em suas falas, que o uso dos EPI parece uma atividade apenas teórica, 
que não possui espaço em sua rotina de trabalho, ainda que seja largamente indicado 
 
7 
 
 
para precauções padrões. O uso de luvas, por exemplo, é recomendado em caso de 
exposição a fluidos biológicos, comum na Atenção Primária (NEW ZEALAND, 2014). 
Ao objetivarem percepções sobre sua prática profissional como isenta de 
riscos, a equipe considera supérfluo o uso de tais proteções e acaba por se expor 
durante atividades que fogem à rotina de trabalho ou em situações emergenciais. 
Esse ambiente, desencorajador ao uso de EPI, revela a importância do agir educativo, 
principalmente por parte dos gestores, tornando-se ávido por atividades educacionais 
que reforcem seu uso, com o intuito de mitigar esse impasse, visto que os profissionais 
possuem conhecimento de sua importância para uma prática profissional saudável, 
mas o percebem como distante (FARSI et al, 2012). 
4 EPIS (EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL) E EPCS 
(EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA) 
Nas medidas de prevenção e proteção dos riscos ocupacionais e acidentes, 
faz-se necessário o uso de medidas de barreira, denominados Equipamentos de 
Proteção Individual (EPIs) e Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs). Conforme 
recomendação da NR 32, os EPIs são equipamentos descartáveis ou não, que devem 
estar disponíveis nos locais de trabalho em quantidade suficiente aos trabalhadores, 
de acordo com o tipo de material infeccioso e a atividade desenvolvida, sendo os mais 
usados a máscara, as luvas, os óculos de proteção e o avental. Já os EPCs são 
disponibilizados para o uso do conjunto dos trabalhadores e, dentre estes, estão a 
caixa de perfurocortantes, cabines de segurança biológica e química, chuveiros de 
emergência e equipamentos de combate a incêndios (ROCHA et al, 2015). 
A utilização dos EPIs encontra-se regulamentada pelo Ministério do Trabalho 
através da NR-6 em que estão definidas as obrigações do empregador e do 
empregado. Segundo a NBR 14785, “esta norma foi criada pela ABNT como forma de 
proteção individual para quem trabalha em laboratórios clínicos e também para os 
seus pacientes. Seu objetivo é estabelecer especificações de segurança que possam 
ser aplicáveis aos laboratórios clínicos preservando a integridade de todos os 
envolvidos”. O uso consciente dos EPIs tem como finalidade evitar possíveis 
 
8 
 
 
acidentes envolvendo materiais biológicos, evitar a contaminação dos profissionais 
envolvidos direta e indiretamente com a manipulação de material biológico e 
principalmente a autoproteção. Sendo assim, a presente pesquisa corrobora a norma 
citada acima no que diz respeito ao uso consciente desses materiais visando à 
autoproteção dos profissionais, visto que todos identificaram a importância do uso dos 
mesmos (SILVA et al, 2016). 
Os riscos ocupacionais mais comuns no processo de trabalho em saúde, 
podem ser classificados em: químicos, causados por substâncias químicas nas 
formas líquida, sólida e gasosa; os físicos, provocados por radiação ionizantes e não 
ionizantes, vibrações, ruídos, eletricidade e altas temperaturas; os biológicos, que 
envolvem os diversos tipos de microrganismos; os ergonômicos, resultantes de 
posturas inadequadas, iluminação, mobiliário e ventilação precária; os psicossociais, 
decorrentes de relações interpessoais conflituosas, trabalhos noturnos, ritmos 
intensos de trabalho e os mecânicos advindos de condições do ambiente que podem 
conduzir ao acidente de trabalho (ESPINDOLA et al, 2012). 
Os EPIs são dispositivos utilizados pelos profissionais contra possíveis riscos 
que ameaçam a sua saúde ou segurança durante o exercício de sua atividade laboral, 
onde a empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente tais 
equipamentos, adequados ao risco, em perfeito estado de conservação e 
funcionamento. Os EPCs são equipamentos que objetivam proteger o ambiente, a 
integridade dos trabalhadores ocupantes, além de promover a proteção dos produtos 
ou pesquisas desenvolvidas (BRASIL, 2010). 
A política em saúde do trabalhador caracteriza-se como um aspecto importante 
para a prevenção de acidentes, a qual tem como principal objetivo promover melhores 
condições de trabalho, para a melhoria da assistência prestada, qualidade de vida e 
saúde do trabalhador, visto que o conhecimento de situações de riscos ocupacionais 
e dos determinantes em saúde, permitem agregar valores ao profissional, realizando 
assim, uma atenção integral à saúde do trabalhador (RIBEIRO et al, 2015). 
 A importância do conhecimento e utilização adequada dos equipamentos de 
proteção por partes dos profissionais de saúde, é apresentada por diferentes 
pesquisadores (REIS et al, 2013) devido a sua comprovada eficiência na garantia da 
 
9 
 
 
proteção e saúde dos trabalhadores, o que requer o desenvolvimento de ações de 
conscientização para a utilização desses equipamentos como meio de garantir o 
funcionamento satisfatório das diferentes atividades realizadas dentro de uma 
organização, assim como, prevenção e minimização da gravidade das possíveis 
lesões que possam ocorrer durante a assistência, porém o que se observa, é que a 
adesão ao uso do EPIs está intimamente relacionada à percepção que os profissionais 
têm acerca dos riscos a que estão expostos e da susceptibilidade a estes riscos. 
O conhecimento sobre as normas, procedimentos e condutas seguras no 
ambiente de trabalho da saúde, deve fazer parte da formação dos profissionais, porém 
o que se tem observado é que está sendo dada pouca ênfase no ensino da 
biossegurança, e quando esses profissionais já estão atuando, raramente ocorrem 
capacitações acerca desta temática. Porém esse conhecimento ultrapassa a 
abordagem de treinamento e imposição de normas, já que a cultura individual é um 
fator envolvido nesse processo, não bastando apenas ter conhecimento das medidas 
de proteção, se as mesmas não praticadas ou não se encontram disponíveis nos 
serviços. Tal situação reafirma a importância da temática, e o quanto torna-se 
fundamental para a formação, por apresentar forte impacto e influencia na prática 
assistencial (ROCHA et al, 2015). 
A adoção de equipamento de proteção individual deve ser realizada pela 
Unidade nas seguintes circunstâncias: 
a. sempre que as medidas de proteção coletiva (EPC) não oferecerem 
completa proteção contra os riscos de acidentes no trabalho ou de doenças 
profissionais. São exemplos de EPC: sistemas de ventilação ambiental, proteção 
contra incêndio e explosão, chuveiro de emergência, lava-olhos; 
b. enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas; 
c. em situações de emergência; 
d. quando a atividade do empregado apresentar risco ocupacional em função 
do tipo de agente (químico, físicoou biológico), quantidade e tempo de exposição do 
empregado ao agente, sensibilidade individual do empregado e toxicidade do agente. 
Alguns exemplos de riscos no ambiente de trabalho: 
 
10 
 
 
a. físicos: ruídos, radiações ionizantes e não-ionizantes, frio, calor, pressões 
anormais, umidade; 
b. químicos: poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases, substâncias, compostos 
ou produtos químicos em geral; 
c. biológicos: bactérias, fungos, vírus, etc; 
d. ergonômicos: movimentos repetitivos, postura inadequada, etc. 
Pode-se exemplificar a presença de riscos de acidentes por: 
a. arranjo físico inadequado; 
b. máquinas e equipamentos sem proteção; 
c. iluminação inadequada; 
d. eletricidade; 
e. probabilidade de incêndio ou explosão; 
f. armazenamento de produtos de forma inadequada, como os agentes tóxicos 
ou resíduos químicos; 
g. presença de animais peçonhentos (BRASIL, 2013). 
Existem vários tipos de EPIs, cada qual com sua finalidade e modo de usar, 
com especificações muito particulares dependendo da atividade laboral a ser 
executada. Citam-se aqui alguns exemplos gerais: 
Luvas 
 
Fonte: image/jpeg 
 
11 
 
 
Destinadas à proteção das mãos, dedos e braços contra riscos mecânicos, 
térmicos e químicos. São confeccionadas em vários materiais, dependo da proteção 
desejada. 
 
Calçados, botas e botinas 
 
Fonte: image 
Destinados à proteção dos pés, dedos, e pernas contra riscos térmicos, 
umidade, produtos químicos, quedas e animais peçonhentos. 
Aventais, capas, calças e blusas 
 
Fonte: imagens.com 
Destinados à proteção do corpo em geral contra calor, frio, produtos químicos 
e umidade. 
 
12 
 
 
Óculos 
 
Fonte: cristofoli.com 
Destinados à proteção dos olhos contra partículas, luz intensa, radiação e 
respingos de produtos químicos. e. cintos de segurança: proteção contra quedas com 
diferença de nível. 
Máscaras 
 
Fonte: cristofoli.com 
 Proteção da face contra partículas, respingos de produtos químicos e ainda 
proteção respiratória contra poeiras, névoas, gases e vapores. 
 
13 
 
 
Gorros 
 
Fonte: faikojalecos 
 Proteção dos cabelos contra respingos de produtos químicos e proteção do 
ambiente contra partículas do cabelo. 
Capuz 
 
Fonte: image 
 Proteção do crânio contra riscos térmicos, respingos de produtos químicos e 
contato com partes móveis de máquinas. 
 
14 
 
 
4.1 Periodicidade de troca dos EPIs 
Não há norma que indique o tempo de validade de EPIs, pois como é um item 
de proteção, a qualquer momento pode sofrer alguma alteração oriunda de um 
acidente. Assim, o EPI pode fazer seu papel, mesmo com minutos de utilização. Os 
Equipamentos de Proteção como luvas, calçados, aventais, capas de chuva, óculos 
sofrem desgaste natural decorrente do uso e muitas vezes, basta um exame visual 
para se notar que precisam ser trocados. Todo EPI deve passar por testes visuais que 
devem ser realizados diariamente; se apresentar qualquer deterioração que possa 
prejudicar seu desempenho e segurança, deve ser solicitada sua substituição junto à 
área de Segurança do Trabalho (BRASIL, 2013). 
5 NOÇÕES SOBRE LEGISLAÇÃO 
O principal objetivo de um profissional da saúde inserido no meio ambiente 
hospitalar é prestar seus serviços de forma eficiente e com qualidade. Isso só 
é possível caso o ambiente seja adequado ao pleno exercício da atividade. E, quando 
se fala em um meio ambiente adequado ao pleno exercício das funções, cuida-se de 
um local de trabalho livre de riscos de acidentes, de riscos de contaminações e 
incidência de doenças ocupacionais – ou, não sendo possível eliminar tais riscos, 
tendo sua possibilidade de incidência diminuída (GOMES & MORAES, 2018). 
A NR n. 32/2002 traz diretrizes básicas com o intuito de implementar 
medidas que visam à segurança e à saúde dos trabalhadores do campo da saúde e 
daqueles que fazem assistência à saúde de modo geral. Conjuntamente com a NR n. 
9/1978, que traz o programa de prevenção de riscos ambientais, a NR n. 32/2002 
determina a necessidade de se criar um programa de prevenção de riscos ambientais 
voltado, neste caso específico, para riscos biológicos e químicos. No que tange aos 
riscos biológicos, determina a NR n. 32/2002: 
32.2.2.1 da NR-32/2002. O PPRA, além do previsto na NR-09, na fase de 
reconhecimento, deve conter: 
 
15 
 
 
I. Identificação dos riscos biológicos mais prováveis, em função da 
localização geográfica e da característica do serviço de saúde e seus setores, 
considerando: 
a) fontes de exposição e reservatórios; 
b) vias de transmissão e de entrada; 
c) transmissibilidade, patogenicidade e virulência do agente; 
d) persistência do agente biológico no ambiente 
e) estudos epidemiológicos ou dados estatísticos; 
f) outras informações científicas (BRASIL, 2016) 
A finalidade desta norma é proporcionar cuidados a saúde dos profissionais de 
saúde estabelecendo medidas preventivas e equipamentos de proteção assegurando 
segurança e qualidade dos serviços prestados principalmente nas áreas de promoção 
e assistência à saúde (BRASIL, 2010) 
A NR 32 estabelece que os EPIs devam ser de fácil acesso e estar disponíveis 
para pronta substituição e que os empregadores sejam responsáveis pelo seu 
fornecimento. Faz-se necessário a conscientização sobre a utilização dos EPIs, a fim 
de proporcionar segurança e minimizar os riscos à saúde (BRASIL, 2014). 
6 MAPA DE RISCO 
 
Fonte: images.slideplayer.com.br 
Conceito 
Mapa de riscos é a representação gráfica do reconhecimento dos riscos 
existentes nos locais de trabalho, por meio de círculos de diferentes tamanhos; e 
 
16 
 
 
cores. O seu objetivo é informar e conscientizar os trabalhadores pela fácil 
visualização desses riscos. É um instrumento que pode ajudar a diminuir a ocorrência 
de acidentes do trabalho; objetivo que interessa aos governantes e servidores. 
Importância 
Classificação dos riscos ambientais 
Os agentes que causam riscos à saúde dos trabalhadores e que costumam 
estar presente nos locais de trabalho são agrupados em cinco tipos: 
 - agentes físicos; 
 - agentes químicos; 
 - agentes biológicos; 
 - agentes ergonômicos; 
 - agentes de acidentes. 
Cada um desses tipos de agentes é responsável por diferentes riscos 
ambientais que podem provocar danos à saúde ocupacional dos servidores. Para 
elaboração do mapa de riscos, consideram-se os riscos ambientais os seguintes: 
GRUPO I – AGENTES FÍSICOS 
 São considerados agentes físicos as diversas formas de energia a que possam 
estar expostos os trabalhadores, tais como: ruídos, vibração, pressões anormais, 
temperaturas extremas, radiações ionizantes, radiações não ionizantes, bem como, o 
infra-som e o ultra-som. 
• Riscos à saúde 
Ruídos: provocam cansaço, irritação, dores de cabeça, diminuição da audição 
(surdez temporária, surdez definitiva e trauma acústico), aumento da pressão arterial, 
problemas no aparelho digestivo, taquicardia, perigo de infarto, 
Vibrações: cansaço, irritação, dores nos membros, dores na coluna, doença do 
movimento, artrite, problemas digestivos, lesões ósseas, lesões dos tecidos moles, 
lesões circulatórias. 
 Calor ou frio extremos: taquicardia, aumento da pulsação, cansaço, irritação, 
fadiga térmica, prostração térmica, choque térmico, perturbação das funções 
digestivas, hipertensão. 
 
17 
 
 
Radiações ionizantes: alterações celulares, câncer, fadiga, problemas visuais, 
acidentes do trabalho. 
Radiações não ionizantes: queimaduras, lesões na pele, nos olhos e em outros 
órgãos. É muito importante saber que a presença de produtos ou agentes no local de 
trabalho como, por exemplo, radiações infravermelhas, presentes em operações de 
fornos, de solda oxiacetilênica; ultravioleta, produzida pela solda elétrica; de raios 
laser podem causar ou agravar problemas visuais (ex. catarata, queimaduras, lesões 
na pele, etc.). Mas isto não quer dizer que, obrigatoriamente,existe perigo para a 
saúde, pois depende da combinação de muitas condições como a natureza do 
produto, a sua concentração, o tempo e a intensidade que a pessoa fica exposta a 
eles, por exemplo. 
Umidade: doenças do aparelho respiratório, da pele e circulatórias, e 
traumatismos por quedas. 
 Pressões anormais: embolia traumática pelo ar, embriaguez das 
profundidades, intoxicação por oxigênio e gás carbônico, doença descompressiva. 
GRUPO II – AGENTES QUÍMICOS 
São considerados agentes químicos as substâncias, compostos ou produtos 
que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeiras, 
fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de 
exposição, possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou 
por ingestão. 
Os principais tipos de agentes químicos que atuam sobre o organismo humano, 
causando problemas de saúde, são: gases, vapores e névoas; aerodispersóides 
(poeiras e fumos metálicos). 
 Aerodispersóides: ficam em suspensão no ar em ambientes de trabalho, 
podem ser poeiras minerais, vegetais, alcalinas, incômodas ou fumos metálicos: 
- Poeiras minerais: provêm de diversos minerais, como sílica, asbesto, carvão 
mineral, e provocam silicose (quartzo), asbestose (asbesto), pneumoconioses (ex.: 
carvão mineral, minerais em geral). 
 
18 
 
 
- Poeiras vegetais: são produzidas pelo tratamento industrial, por exemplo, de 
bagaço de cana de açúcar e de algodão, que causam bagaçose e bissinose, 
respectivamente. 
- Poeiras alcalinas: provêm em especial do calcário, causando doenças 
pulmonares obstrutivas crônicas, como enfisema pulmonar. 
 - Poeiras incômodas: podem interagir com outros agentes agressivos 
presentes no ambiente de trabalho, tornando-os mais nocivos à saúde, 
- Fumos metálicos: provenientes do uso industrial de metais, como chumbo, 
manganês, ferro, etc., causando doença pulmonar obstrutiva crônica, febre de fumos 
metálicos, intoxicações específicas, de acordo com o metal. 
• Riscos à saúde 
Os gases, vapores e névoas podem provocar efeitos irritantes, asfixiantes ou 
anestésicos: 
 Efeitos irritantes: são causados, por exemplo, por ácido clorídrico, ácido 
sulfúrico, amônia, soda cáustica, cloro, que provocam irritação das vias aéreas 
superiores. 
 Efeitos asfixiantes: gases como hidrogênio, nitrogênio, hélio, metano, 
acetileno, dióxido de carbono, monóxido de carbono e outros causam dor de cabeça, 
náuseas, sonolência, convulsões, coma e até morte. 
 Efeitos anestésicos: a maioria dos solventes orgânicos assim como o butano, 
propano, aldeídos, acetona, cloreto de carbono, benzeno, xileno, álcoois, tolueno, tem 
ação depressiva sobre o sistema nervoso central, provocando danos aos diversos 
órgãos. O benzeno especialmente é responsável por danos ao sistema formador do 
sangue. 
GRUPO III - AGENTES BIOLÓGICOS 
São considerados agentes biológicos os bacilos, bactérias, fungos, 
protozoários, parasitas, vírus, entre outros. 
 Os riscos biológicos surgem do contato de certos microrganismos e animais 
peçonhentos com o homem em seu local de trabalho. Assim pode haver exposição a 
 
19 
 
 
animais peçonhentos como cobras e escorpiões, bem como as aranhas, insetos e 
ofídios peçonhentos. 
• Riscos à saúde 
Podem causar as seguintes doenças: Tuberculose, intoxicação alimentar, 
fungos (microrganismos causadores de infecções), brucelose, malária, febre amarela. 
As formas de prevenção para esses grupos de agentes biológicos são: vacinação, 
esterilização, higiene pessoal, uso de EPI, ventilação, controle médico e controle de 
pragas. 
GRUPO IV - AGENTES ERGONÔMICOS 
São os agentes caracterizados pela falta de adaptação das condições de 
trabalho às características psicofisiológicas do trabalhador. 
Entre os agentes ergonômicos mais comuns estão: 
 -trabalho físico pesado; 
-posturas incorretas; 
-posições incômodas; 
-repetitividade; 
-monotonia; 
-ritmo excessivo; 
-trabalho em turnos e trabalho noturno; 
-jornada prolongada. 
 • Riscos à saúde 
Trabalho físico pesado, posturas incorretas e posições incômodas: 
provocam cansaço, dores musculares e fraqueza, além de doenças como hipertensão 
arterial, diabetes, úlceras, moléstias nervosas, alterações no sono, acidentes, 
problemas de coluna, etc. 
 Ritmo excessivo, monotonia, trabalho em turnos, jornada prolongada, 
conflitos, excesso de responsabilidade: provocam desconforto, cansaço, 
ansiedade, doenças no aparelho digestivo (gastrite, úlcera), dores musculares, 
fraqueza, alterações no sono e na vida social (com reflexos na saúde e no 
 
20 
 
 
comportamento), hipertensão arterial, taquicardia, cardiopatias (angina, infarto), 
tenossinovite, diabetes, asmas, doenças nervosas, tensão, medo, ansiedade. 
GRUPO V - AGENTES DE ACIDENTES (MECÂNICOS) 
São arranjos físicos inadequados ou deficientes, máquinas e equipamentos, 
ferramentas defeituosas, inadequadas ou inexistentes, eletricidade, sinalização, 
perigo de incêndio ou explosão, transporte de materiais, edificações, armazenamento 
inadequado, etc. 
 Essas deficiências podem abranger um ou mais dos seguintes aspectos: 
arranjo físico; edificações; sinalizações; instalações elétricas; máquinas e 
equipamentos sem proteção; equipamento de proteção contra incêndio; ferramentas 
defeituosas ou inadequadas; EPI inadequado; armazenamento e transporte de 
materiais; iluminação deficiente. 
• Riscos à saúde 
 Arranjo físico: quando inadequado ou deficiente, pode causar acidentes e 
desgaste físico excessivo nos servidores. 
Máquinas sem proteção: podem provocar acidentes graves. 
Instalações elétricas deficientes: trazem riscos de curto circuito, choque 
elétrico, incêndio, queimaduras, acidentes fatais. 
Matéria prima sem especificação e inadequada: acidentes, doenças 
profissionais, queda da qualidade de produção. 
 Ferramentas defeituosas ou inadequadas: acidentes, com repercussão 
principalmente nos membros superiores. 
Falta de EPI ou EPI inadequado ao risco: acidentes, doenças profissionais. 
Transporte de materiais, peças, equipamentos sem as devidas 
precauções: acidentes. 
Edificações com defeitos de construção a exemplo de piso com desníveis, 
escadas com ausência de saídas de emergência, mezaninos sem proteção, 
passagens sem a altura necessária: quedas, acidentes. 
Falta de sinalização das saídas de emergência, da localização de escadas 
e rotas de fuga, alarmes, de incêndios: falha no atendimento as emergências, 
acidentes. 
 
21 
 
 
 Armazenamento e manipulação inadequados de inflamáveis e gases, 
curto circuito, sobrecargas de redes elétricas: incêndios, explosões. 
Armazenamento e transporte de materiais: a obstrução de áreas traz riscos 
de acidentes, de quedas, de incêndio, de explosão etc. 
 Equipamento de proteção contra incêndios: quando deficiente ou 
insuficiente, traz efetivos riscos de incêndios. 
Sinalização deficiente: falta de uma política de prevenção de acidentes, não 
identificação de equipamentos que oferecem risco, não delimitação de áreas, 
informações de segurança insuficientes etc. comprometem a saúde ocupacional dos 
servidores. 
 Fonte: BRASIL, 2015 
 A tabela abaixo exemplifica a caracterização dos riscos de acidentes de 
trabalho. 
 
 Fonte: BRASIL, 2015 
 
22 
 
 
7 RESÍDUOS SÓLIDOS 
Para Vilela-Ribeiro et al. (2012), os Resíduos Sólidos da Saúde (RSS) 
denominados popularmente como lixo hospitalar são aqueles produzidos em unidades 
de saúde, constituídos de lixo comum e de resíduos infectantes ou de risco. Esses 
lixos possuem um grau de periculosidade, sendo o descarte correto o mínimo a se 
fazer para amenizar os riscos. Os resíduos sólidos de serviços,como aqueles gerados 
por prestadores de assistência médica, fazem parte de todas as áreas relacionadas 
ao atendimento populacional, incluindo a veterinária. Segundo ele, os resíduos que 
oferecem riscos – como objetos perfurocortantes, contaminados, produtos químicos 
perigosos, entre outros – necessitam de cuidados específicos, desde o 
acondicionamento, o transporte, o armazenamento, a coleta, o tratamento até a 
disposição final. Essa esfera é amparada pela Lei N° 12.305/2010, intitulada Lei de 
Resíduos Sólidos, como mecanismo de fomento à sustentabilidade ambiental no 
âmbito dos resíduos/rejeitos gerados pela produção e pelo consumo das pessoas, 
atribuindo aos seus produtores a responsabilidade pelo descarte adequado dos lixos. 
De acordo com Gessner et al. (2013), é necessário que os profissionais da área 
de saúde enfrentem essa problemática desenvolvendo competências e habilidades 
específicas já na graduação. Para esses autores, trata-se de um conhecimento 
técnico-científico imprescindível para a formação de profissionais éticos e 
responsáveis, dada a amplitude das questões que envolvem a produção e o 
gerenciamento dos Resíduos Sólidos da Saúde (RSS). Assim, compreende-se a 
formação do profissional como parte fundamental no processo de assimilação e de 
comprometimento com as causas ambientais, pois essa temática exige 
comportamentos éticos e morais estruturados de forma contundente. 
Segundo Araújo e colaboradores (2018), a atividade hospitalar é um amplo 
gerador de resíduos. Sendo assim, o maior objetivo do gerenciamento dos resíduos 
sólidos é minimizar os riscos à saúde da população interna e externa do 
estabelecimento da saúde. Devido à grande diversidade de estabelecimentos 
relacionados à saúde, torna-se inviável estabelecer parâmetros quanto à produção de 
RSS. Os resíduos provenientes da prestação de serviços de saúde a seres vivos 
 
23 
 
 
(humanos e animais), incluindo todas as atividades médicas de prevenção, 
diagnósticos, tratamento e análise, têm por objetivo prevenir possíveis impactos que 
possam afetar a população e o meio ambiente. 
De acordo com a Resolução nº 358 do CONAMA (2005), os resíduos da área 
de saúde são agrupados da seguinte forma: 
GRUPO A: resíduos com a possível presença de agentes biológicos que, por 
suas características de maior virulência ou concentração, podem apresentar risco de 
infecção. Esse grupo divide-se em A1 (descarte de vacinas de microorganismos, 
bolsas transfusionais, resíduos laboratoriais), A2 (resíduos provenientes de animais), 
A3 (peças anatômicas de ser humano), A4 (filtros de ar e gases aspirados de área 
contaminada, resíduos de tecido adiposo), A5 (Materiais perfuro cortantes 
provenientes de seres contaminados com príons); 
GRUPO B: resíduos que contenham substâncias químicas que podem 
apresentar risco à saúde pública ou ao meio ambiente, dependendo de suas 
características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxicidade. Nesse 
grupo, encontram-se os produtos hormonais, produtos antimicrobianos, 
imunomoduladores, resíduos e insumos farmacêuticos dos medicamentos 
controlados, resíduos de saneantes, desinfetantes, resíduos contendo metais 
pesados; reagentes para laboratório, inclusive os recipientes contaminados por estes; 
GRUPO C: todo material resultante de atividades humanas que contenham 
radionuclídeos em quantidades superiores aos limites de eliminação especificados 
nas normas da Comissão Nacional de Energia Nuclear – CNEN, para os quais a 
reutilização é imprópria ou não prevista. Fazem parte desse grupo quaisquer materiais 
resultantes de laboratórios de análises clínicas, nuclear e radioterapia que contenham 
radio nuclídeos em quantidade superior aos limites de eliminação; 
GRUPO D: resíduos que não apresentem risco biológico, químico ou 
radiológico à saúde ou ao meio ambiente, podendo ser equiparados aos resíduos 
domiciliares. Enquadram-se nesse grupo papel de uso sanitário e fralda, resto 
alimentar de paciente, material utilizado em antissepsia, equipo de soro, resíduos 
provenientes das áreas administrativas, resíduos de varrição, jardins, resíduos de 
gesso provenientes de assistência à saúde; 
 
24 
 
 
GRUPO E: resíduos perfurocortantes ou escarificantes, tais como: lâminas de 
barbear, agulhas, escalpes, ampolas de vidro, limas endodônticas, lâminas de bisturi, 
lancetas; tubos capilares, micropipetas; lâminas e lamínulas, espátulas, e os utensílios 
de vidro quebrados no laboratório (BRASIL, 2005). 
Ainda segundo essa resolução, o gerenciamento dos resíduos sólidos, desde 
a geração até a disposição final, de forma a atender aos requisitos ambientais e de 
saúde pública e saúde ocupacional, é de responsabilidade dos estabelecimentos 
prestadores de serviços de saúde. A resolução também aponta não haver prejuízo de 
responsabilização solidária de pessoas físicas e jurídicas que, direta ou indiretamente, 
causem ou possam causar degradação ambiental, em especial os transportadores e 
os operadores das instalações de tratamento e disposição final (ARAÚJO et al, 2018). 
7.1 Resíduos sólidos e meio ambiente 
Muitas substâncias químicas e muitas formas de resíduos resultam em 
substâncias nocivas que representam perigos para a nossa vida e para a natureza 
que nos rodeia (PNU-MA, 2017). 
Frente a isso, Rampelotto et al, (2012) afirmam que a questão dos resíduos 
sólidos hospitalares caracteriza um dos fatores mais complexos da atualidade e que 
buscar soluções para essa problemática, começando na base de geração desses 
refugos, é um gesto de cidadania. 
 Assim, é de importância ímpar minimizar os riscos patológicos à saúde 
humana através do manejo adequado de grandes volumes de “lixo hospitalar” que 
serão despejados no meio ambiente é inquestionável também a implantação de 
políticas de gerenciamento dos RSS nos diversos estabelecimentos de saúde, não 
apenas investindo na organização e na sistematização das fontes geradoras, mas, 
fundamentalmente, despertando uma consciência humana e coletiva voltada à própria 
vida e ao ambiente (ARAÚJO et al, 2018). 
A questão ambiental tem se tornado um determinante do processo saúde-
doença. Com isso, é importante considerar a dimensão do meio ambiente perante as 
ações realizadas nos serviços de saúde, possibilitando e promovendo ações 
 
25 
 
 
estratégicas voltadas para o (re)pensar das práticas em saúde e de suas 
consequentes implicações para a sustentabilidade ambiental (MORESCHI et al., 
2011). 
7.2 Descarte de resíduos sólidos 
O descarte destes resíduos deve ser feito de maneira responsável; pois 
evitará a contaminação do ser humano e também a contaminação do meio ambiente: 
se descartado sem o prévio tratamento, em contato com o solo poderá contaminar o 
solo, os lençóis freáticos, as águas superficiais, as plantações de alimentos e, ainda, 
o próprio ar. E não se sabe, ainda, quanto tempo esse lixo demora para se decompor 
naturalmente. Para garantir que todo lixo hospitalar seja coletado, tratado e 
descartado de forma adequada, é necessário que os hospitais tenham plano de 
gerenciamento de lixo bem definidos; pois caso contrário, o descarte deste gerará 
muitos prejuízos (POZZETTI et al, 2017). 
Esses planos devem incluir protocolos, sistemas e processos de descarte 
desde a sua segregação (leito do paciente) até deixar a instalação para o descarte 
final. O treinamento sobre a coleta e destino deste lixo deve envolver desde o 
profissional que faz o atendimento da infecção até o descarte fora do hospital. Para 
desenvolver o plano de gerenciamento de lixo, os hospitais devem realizar uma coleta 
segura, observando a legislação municipal, estadual e federal, de descarte de 
resíduos, desenvolvendo listas dos lixos infectantes gerados em suas instalações e 
dos locais onde são gerados (POZZETTI et al, 2017). 
8 RISCOS AMBIENTAIS E MEDIDAS GERAIS DE PRECAUÇÃO 
 
 
26 
 
 
 
Fonte: image.slidesharecdn.comOs profissionais da área de saúde vivem sob constante risco no ambiente 
hospitalar, uma vez que são expostos a uma diversidade de materiais biológicos. 
Portanto é interessante elencar a importância de práticas de biossegurança não só no 
campo profissional, como também no acadêmico, tendo em vista que os estudantes 
estão tão vulneráveis a acidentes ocupacionais, quanto os profissionais, por estarem 
em ambientes de prática. O manuseio de instrumentos perfurocortantes por 
estudantes da área da saúde é frequente na atividade acadêmica, o que os expõe ao 
risco de adquirir infecção. Recomenda-se que os mesmos adotem práticas de 
biossegurança, tais como: o uso de equipamentos de proteção individual (EPI’S) e o 
monitoramento da carteira de vacinação, para prevenir a contaminação por esses 
agentes com possíveis acidentes ocupacionais. (FALCÃO et al, 2018). 
 A prevenção da exposição ao sangue ou a outros materiais biológicos é a 
principal medida para que não ocorra contaminação por patógenos de transmissão 
sanguínea nos serviços de saúde. Precauções básicas, ou precauções padrão são 
normatizações que visam reduzir a exposição aos materiais biológicos. Essas 
medidas devem ser utilizadas na manipulação de materiais médico-hospitalares e na 
 
27 
 
 
assistência a todos os pacientes, independente do diagnóstico de doença infecciosa. 
Recomenda-se o uso rotineiro de barreiras de proteção (luvas, capotes, óculos de 
proteção ou protetores faciais (FALCÃO et al, 2018). 
 E dentre as recomendações específicas que devem ser seguidas, durante a 
realização de procedimentos que envolvam a manipulação de material 
perfurocortante, destacam-se a importância de: 
 • Ter a máxima atenção durante a realização dos procedimentos; 
 •Jamais utilizar os dedos como anteparo durante a realização de 
procedimentos que envolvam materiais perfurocortantes; 
• As agulhas não devem ser reencapadas, entortadas, quebradas ou retiradas 
da seringa com as mãos; 
 • Todo material perfurocortante (agulhas, lâminas de bisturi, vidrarias, entre 
outros), mesmo que estéril, deve ser desprezado em recipientes resistentes à 
perfuração e com tampa; 
• Os coletores específicos para descarte de material perfurocortante não devem 
ser preenchidos acima do limite de 2/3 de sua capacidade total e devem ser colocados 
sempre próximos do local onde é realizado o procedimento. 
• Resíduos de serviços de saúde – Seguir a Resolução RDC nº 33 de 25 de 
fevereiro de 2003 publicado no DOU de 05/03/2003 – ANVISA/ MS2. 
Apesar de diversas fontes elencarem a importância da biossegurança, muitos 
profissionais e estudantes ainda não tem o conhecimento correto sobre tal assunto e 
ficam vulneráveis a exposição de materiais contaminados, então em casos de 
exposição a esses materiais por perfurocortantes, recomenda-se cuidado imediato 
com a área atingida. Logo, em casos de exposições percutâneas e cutâneas as 
medidas incluem lavagem exaustiva do local exposto com água e sabão (FALCÃO et 
al, 2018). 
Acidentes com perfurocortantes, segundo Simão et al. (2010), estão entre os 
principais responsáveis pela exposição dos profissionais de saúde ao risco de adquirir 
infecções graves. Visando proteger os profissionais de tais situações, Passos et al. 
(2013) citam que as normas de biossegurança vedamo reencape de agulhas após o 
uso e determinam que o descarte destes materiais deve ser realizado em recipiente 
 
28 
 
 
próprio, localizado próximo ao local de utilização. De acordo com os autores 
supracitados, a manipulação inadequada de perfurocortantes representa um risco 
de infecção para todos os trabalhadores do ambiente hospitalar, sejam estes 
profissionais de saúde ou não, como é o caso, por exemplo, daqueles que cuidam 
da limpeza. Portanto, as normas de segurança devem abranger e resguardar todos 
os funcionários. 
Conforme evidenciado por Luz e Beretta (2016), outro fator preocupante e 
recorrente da área hospitalar é a subnotificação dos acidente de trabalho (AT). Os 
autores evidenciam que a subnotificação ocorre, principalmente, pela autoavaliação 
do profissional envolvido, o qual não considera que a situação ou lesão representa um 
risco. O desconhecimento da obrigatoriedade da notificação do acidente, o ritmo 
excessivo de trabalho e o medo de demissão e/ou repreensão também estão entre as 
principais razões dos baixos índices de notificações de AT. Uma multiplicidade de 
fatores corrobora para que os acidentes não sejam devidamente notificados, dentre 
os quais pode-se citar a falta de conhecimento sobre os procedimentos 
administrativos, a complexidade do fluxograma da notificação, o medo dos 
resultados das sorologias exigidas, entre outros (PIRES et al, 2019). 
 
29 
 
 
8.1 Riscos físicos 
 
Fonte: valorcrucial.com.br 
Riscos Físicos são formas de energia que podem expor os trabalhadores, 
caracterizados mediante avaliações ambientais quantitativas, cujos agentes, 
podem ser: ruído, vibrações, pressões anormais, radiações ionizantes e não 
ionizantes, ultrassom e infrassom pelas Normas Regulamentadoras NR-09 e NR-
15. Souza et al. (2011) sugere que os riscos físicos apresentam a vantagem de 
serem medidos por equipamentos, e, consequentemente, evitados ou 
corrigidos com certa facilidade 
Dentre os diversos contextos dos modelos assistenciais do trabalho da 
equipe de Enfermagem, a UBS deve ser compatível tanto com as atividades da 
equipe Saúde da Família em seu trabalho na comunidade, quanto em relação às 
demandas espontâneas, dando respostas às necessidades de saúde dos 
indivíduos de sua área de abrangência e garantindo a continuidade dos cuidados 
na comunidade e nos domicílios sempre que necessários. Para tanto, os espaços 
sugeridos para essas UBS devem ser adequados à realidade local, ao 
 
30 
 
 
quantitativo da população adscrita, sua especificidade, e número de usuários, 
proporcionando um ambiente adequado à assistência à saúde ( BRASIL, 2010) 
Dentre os riscos físicos já classificados, a cor e a luminosidade 
apresentam-se como pontos importantes a serem discutidos, muitas vezes 
não levados em consideração no momento do planejamento das UBS, o que 
acarreta frequentemente em ambientes inadequados para o exercício das 
atividades laborais. A cor inadequada promove deficiência na iluminação do 
ambiente ou aumento de reflexão luminosa no espaço físico, provocando o excesso 
de informações, o que associada a baixa acuidade visual do trabalhador dificulta 
o exercício de suas funções (MARINELLI et al, 2016). 
8.2 Riscos ergonômicos 
 
Fonte: image 
Ergonomia pode ser definida como o estudo das relações entre o homem e seu 
ambiente de trabalho, considerando fatores como o ambiente, fatores humanos, 
tecnologia, organização do trabalho, entre outros, objetivando manter o conforto 
e bem-estar físico e psicossocial do profissional. 
 No Brasil a Norma Regulamentadora de nº17 rege tais princípios, 
estabelecendo parâmetros que norteiam a adaptação das condições de trabalho 
incluindo aspectos relacionados ao transporte e levantamento de carga, os mobiliários 
 
31 
 
 
e equipamentos, adequando-os às demandas psicológicas e fisiológicas do 
trabalhador, com vistas a proporcionar conforto e segurança (ALVES et. al. 2010). 
Os profissionais da saúde representam uma grande categoria profissional 
no mundo, que necessita ser valorizada. A equipe de enfermagem permanece 24h 
no ambiente hospitalar, atendendo a continuidade da assistência nas unidades de 
internação, configurando, na área da saúde, a classe profissional que mais se 
relaciona com o paciente, uma vez que realizagrande parte dos procedimentos 
à beira do leito. Tal fato predispõe o surgimento de risco de lesões na coluna 
durante a atividade laboral (VIEIRA & ALCÂNTARA, 2013). 
 As lesões musculoesqueléticas configuram um importante problema de saúde 
pública no país, dentre as quais se podem destacar as queixas álgicas na coluna 
vertebral por sua característica incapacitante. Estudos relatam que 70% da 
população brasileira sofrerá de dores na coluna ao menos uma vez ao longo de sua 
vida e cerca de 1/3 da população brasileira alega que as suas atividades trabalhistas 
e relações familiares já foram acometidas pelas dores (VIEIRA & ALCÂNTARA, 2013). 
A dor lombar é insidiosa, debilitante e responsável por elevado grau de 
absenteísmo na categoria da enfermagem, pois, além de comprometer a qualidade 
da assistência prestada, reduz a produtividade, compromete a capacidade do 
trabalhador em desempenhar suas tarefas de maneira ágil, efetiva e também 
promove prejuízos nas relações familiares e sociais (SANTOS, et al., 2015). 
Grande parte das queixas dos profissionais de enfermagem está 
relacionada ao sistema osteomuscular, facultado principalmente à postura e 
fatores ergonômicos inadequados. Dentre os fatores analisados, pode-se citar o 
transporte e movimentação de pacientes, manutenção de posturas inadequadas, 
movimentos de torção e rotação da coluna, mobiliários ergonomicamente 
inadequados, entre outros. Neste contexto a ergonomia deve ser entendida como 
uma estratégia para reduzir problemas osteomusculares, logo, é de extrema 
importância que tais conceitos sejam difundidos entre profissionais de enfermagem 
objetivando promover uma consciência crítica de sua relação com o ambiente de 
trabalho (SOARES et al., 2013). 
 
32 
 
 
Uma estratégia eficiente e pouco onerosa capaz de difundir as orientações 
ergonômicas para a equipe de enfermagem é a educação em serviço. O 
enfermeiro possui diversas atribuições, entre elas está o seu papel educador na 
equipe. Educação em serviço é um método que pode ser definido como um 
processo educativo a ser aplicado nas relações humanas do trabalho, com o 
objetivo de desenvolver capacidades psicológicas, motoras, cognitivas e 
relacionais, contribuindo para um aperfeiçoamento profissional. Esta se dá no 
próprio ambiente institucional, desacatando-se em quatro áreas: orientações para 
introdução ao trabalho; treinamento; atualização; e aperfeiçoamento. Tal processo 
incita o pensar e o fazer, promove crescimento, organiza o processo de 
trabalho, problematizando a realidade e produzindo mudanças (FREIRE et al, 
2017). 
Para minimizar tais problemas é necessário estudar os ambientes, os 
indivíduos e os equipamentos, fundamentando-se em princípios ergonômicos. A 
movimentação do paciente de forma segura, do ponto de vista ergonômico deve 
contar com o auxílio, sempre que possível, de materiais e equipamentos. Para tornar 
o ambiente de trabalho menos prejudicial é necessário o ensino desses 
procedimentos aliado ao planejamento prévio das ações e avaliação no local de 
trabalho. Partindo dessa premissa, foram desenvolvidas orientações básicas, tais 
como: 
• Realizar análise das condições físicas do paciente antes da mobilização 
para saber se o mesmo tem a capacidade de auxiliar durante o movimento; 
• Preparar o ambiente e os equipamentos, levando em conta aspectos 
ergonômicos relevantes que possam intervir no processo, atentando-se 
cuidadosamente para espaço físico necessário para realização do procedimento de 
forma segura, sem restrição de movimentos, observando se há necessidade de 
remoção de obstáculos, disposição de mobiliários e utilização de materiais e 
equipamentos auxiliares, se possível; 
• Orientar a equipe de enfermagem quanto à aspectos importantes na 
mecânica corporal, tais como: manter pés afastados e bem apoiados ao chão, 
manter coluna ereta, usar o próprio peso como contrapeso ao peso do 
 
33 
 
 
paciente, manter joelhos flexionados, realizar os movimentos de forma 
sincronizada e preferencialmente contar com o auxílio de outro profissional da 
equipe; 
 • Outro fator relevante é o tipo de mobiliário, onde o ideal é que seja de altura 
regulável para que possam ser ajustados de acordo com o procedimento a ser 
realizado (FREIRE et al, 2017). 
Posturas inadequadas requerem maior força interna para executar uma tarefa. 
Uma boa postura é aquela que preserva as articulações em posição neutra: o 
centro de gravidade das partes do corpo envolvidas na execução da tarefa é 
alinhado verticalmente, passando o mais próximo possível dos eixos de rotação 
gerados pelas juntas. Para ser confortável e eficiente, os níveis operacionais 
devem ser reduzidos para que a tarefa não seja executada no limite (ou próximo 
a ele) da capacidade física, a fim de evitar a fadiga precoce ou mesmo graves 
danos à saúde do trabalhador (ABDALLA et at., 2014). 
Os profissionais que não recebem uma orientação sobre os princípios 
ergonômicos estão mais susceptíveis ao desenvolvimento de doenças relacionadas 
ao ofício como: stress, fadiga exaustão cognitiva e também ao desenvolvimento de 
agravos à saúde. Com isso, a diminuição dos riscos ergonômicos à saúde do 
trabalhador está em grande parte, relacionada com a disponibilidade dos profissionais 
em colocar em prática todos os cuidados e medidas de proteção, entendendo a 
importância das mesmas para sua própria saúde (SILVA, 2010). 
8.3 Riscos químicos 
Os riscos químicos referem-se ao manuseio de gases e vapores anestésicos, 
antissépticos e esterilizantes, drogas citostáticas, entre outros; os riscos físicos se 
referem aos ruídos, vibrações, radiações ionizantes e não ionizantes temperaturas 
extremas, pressões anormais e umidade, iluminação inadequada e exposição a 
incêndios e choque elétricos; os riscos biológicos estão relacionados aos micro-
organismos, bactérias, fungos, protozoários, vírus, materiais infectocontagioso dentre 
outros (LUCAS et al, 2018). 
 
34 
 
 
 
 
Fonte: image/jpeg 
Os riscos químicos estão presentes no contato com a poeira, fumaça, gases 
como oxigênio, líquidos de variadas natureza, medicamentos, hemocomponentes, 
quimioterápicos, que liberam aerossóis, dentre outros. Os trabalhadores de 
enfermagem muito se expõem a carga química quando manipulam meios e 
instrumentos de trabalho, medicamentos, soluções, desinfetantes, desincrustastes ou 
esterilizantes, antissépticos, quimioterápicos, ácidos para tratamento dermatológico, 
do contato com materiais de borracha (látex) (LUCAS et al, 2018). 
Ao analisar o conhecimentos dos profissionais de enfermagem sobre os riscos 
químicos Sulzbacher e Fontana (2013) relatam que em relação a exposição aos riscos 
químicos, verificou-se que 51,5% dos sujeitos reconhecem a exposição a esse risco 
ocupacional, sendo que, 41% associaram a exposição aos medicamentos, 23,5% aos 
produtos químicos, os quais não foram exemplificados, 11% não responderam. Além 
disso, o sangue foi citado por 7% dos respondentes como associados ao agente 
químico, reforçando o conhecimento deficiente sobre o risco ocupacional em 
evidência. 
Os autores relatam ainda que o hipoclorito de sódio foi um dos produtos 
químicos mais citados pelos sujeitos, em 18% das respostas. O hipoclorito de sódio é 
corrosivo e tóxico para a saúde humana e seu vapor pode levar a irritação dos olhos, 
nariz, garganta e pele (SULZBACHER E FONTANA, 2013). 
 
35 
 
 
8.4 Riscos biológicos 
Define-se como acidente de trabalho aquele que ocorre pela prestação de 
serviçoseja dentro da empresa ou a serviço da empresa, provocando assim danos à 
saúde como lesões corporais e até mesmo perturbação funcional, permanente ou 
temporária, que cause a morte, a perda ou a redução da capacidade para o trabalho 
(BRASIL, 2015). 
 
Fonte: image/png 
No que diz respeito aos acidentes de trabalho com material biológico (ATMB), 
a categoria profissional que mais apresenta riscos laborais relacionados a este tipo de 
acidente esta a equipe de enfermagem. Neste contexto, dos registros crescentes de 
acidentes de trabalho no Brasil, diversos estudos sobre o acidente de trabalho 
envolvendo o material biológico têm sido realizados em função da nocividade, que 
podem provocar risco de doenças, sequelas e até a morte de trabalhadores da equipe 
de enfermagem e com objetivo de identificar a principais causas que contribuem para 
essas ocorrências e sugerir medidas de segurança (CUNHA, 2017) 
O ATMB ocorre no ambiente laboral, quando o profissional entra em contato 
com materiais orgânicos, como, sêmen, líquor, sangue, entre outros, através das vias 
percutânea, mucosa e pele não íntegra que a partir desse contato o profissional de 
enfermagem fica exposto a vários tipos de patógenos no qual os de maior importância 
epidemiológica evidenciado em vários artigos são os seguintes: Vírus da Hepatite B 
 
36 
 
 
(HBV), da Hepatite C (HCV) e da Imunodeficiência Humana (HIV) (CORDEIRO et al, 
2016 
A prevenção de acidentes de trabalho envolvendo enfermeiros no âmbito 
hospitalar é sustentada pela Constituição Federal e pela Legislação trabalhista, que 
cita como deve ser feito o direcionamento após exposição a MB (material biológico) 
possui como intuito resguardar a saúde do trabalhador, minimizar os danos morais e 
financeiros do empregador, assegurando os direitos de ambas às partes. Neste 
contexto, percebe se que para a redução de ATMB deve seguir com medidas de 
prevenção como o uso de equipamento de segurança individual e coletiva na qual é 
estabelecida pela lei NR 32 Norma Regulamentadora que estabelece normas básicas 
para a implementação de medidas de proteção à segurança e a saúde dos 
trabalhadores em serviços de saúde (MACHADO et al, 2013). 
Os profissionais de saúde, em especial os da enfermagem estão mais propícios 
a exposição com material biológico (MB), principalmente aqueles com contaminação 
com sangue em função da manipulação constante com materiais perfuro cortantes, 
sendo um problema de saúde pública, pois os riscos de infecção por material 
biologicamente contaminado, possibilita a transmissão de algum agente patógeno 
pelo sangue, como nos casos das hepatites B e C e do HIV (LINS, 2016). 
 Uma das circunstancia dos acidentes de trabalho com material biológico são à 
grande demanda das atribuições da equipe de enfermagem, sobrecarga de tarefas 
pelo excesso de pacientes podem ser circunstancias contribuintes para ATMB, bem 
como a falta de conhecimento e habilidade técnica para desenvolver procedimento 
podem contribuir para a exposição biológica, gerando assim um comportamento 
inadequado dos profissionais de enfermagem, além da falta de uso do equipamentos 
de proteção individual (EPI) no qual todos os estudos chamam atenção para medidas 
de prevenção (DONATELLI et al, 2015). 
Devido ao uso incorreto do Equipamento de segurança contribui para a 
prevalência de infecções hospitalares e riscos ocupacionais, portanto o uso correto da 
utilização do EPIs aliado ao conhecimento em relação ao uso do EPIs seja coletivo ou 
individual é indispensável para a segurança dos trabalhadores independente da área 
de atuação (LIMA et al, 2017). 
 
37 
 
 
A utilização de equipamento de proteção individual (EPI) ainda é um problema 
a ser considerado nas instituições de saúde, muita das vezes somente o uso de luvas 
para realização de procedimentos visto que a empresa deve fornecer material 
adequado porem analisando muitas das vezes a justificativa é que em situação de 
urgência e emergência não há tempo para o uso de EPI (VIEIRA et al, 2017). 
Nesta direção é muito importante desenvolver as ações de educação contínua 
em saúde, conscientização, interesse, participação ativa do enfermeiro nos cuidados 
laborais ao utilizar materiais ou métodos potencialmente infectantes, entre outros, 
portanto o programa de prevenção de acidentes de trabalho com agentes biológicos 
só se torna eficaz quando os próprios profissionais da enfermagem tornam-se 
multiplicadores da conscientização sobre os fatores de risco e passam a colocar em 
prática os métodos que orientam a prevenção (MACHADO et al, 2013). 
Neste sentido, este estudo torna se relevante no sentido de contribuir para 
gerar informações acerca da temática bem como possibilitar intervenções que 
possibilitem uma maior segurança no cotidiano laboral destes profissionais 
(Mendonça, 2020). 
9 PRECAUÇÕES PADRÃO 
 
Fonte: IMAGE/JPEG 
 
 
38 
 
 
As precauções padrão são medidas básicas para prevenir a transmissão de 
infecções durante o atendimento ao paciente em todos os ambientes de cuidados à 
saúde e para todos os pacientes, independentemente de haver suspeita ou 
confirmação de infecção. Além de proteger o profissional contra risco ocupacional, as 
precauções padrão também se destinam à proteção dos pacientes contra possíveis 
agentes infecciosos transportados nas mãos dos profissionais ou equipamentos 
usados. Elas incluem higienização das mãos (HM); uso correto de equipamento de 
proteção individual (EPI) (luvas, avental, máscara, óculos de proteção e/ou protetor 
facial); e práticas de injeção segura (BRASIL, 2014). 
A essas precauções padrão, o Centers for Disease Control and Prevention 
(CDC) ainda acrescentou outras medidas: etiqueta de higiene respiratória ou tosse, 
práticas seguras de injeção e uso de máscaras de proteção para inserção de cateteres 
ou injeções envolvendo punção lombar (BRASIL, 2013). 
A maioria das infecções pode ser evitada a partir da adoção de medidas 
simples, como o uso de EPI, em cumprimento às medidas de assepsia e 
processamento adequado de artigos e superfícies, o que caracteriza o sistema de 
precauções e isolamento proposto pelo CDC (BRASIL, 2013). Esse sistema se baseia 
em três níveis, começando pelas precauções padrão e específicas baseadas no modo 
de transmissão e aplicadas a pacientes sob suspeita ou com diagnóstico confirmado 
de infecção ou colonização por microrganismos importantes. Estão listadas nesse 
tipo, as precauções de contato (com pele e/ou superfícies contaminadas) e as 
precauções respiratórias, seja por gotículas e/ou aerossóis. Existe um terceiro nível, 
chamado de precauções empíricas, indicadas para as síndromes clínicas que 
possuem importância epidemiológica, porém sem confirmação de etiologia (FARIA et 
al, 2019). 
Entretanto, além de adequado conhecimento das recomendações de 
prevenção e controle das infecções no que se refere aos modos de transmissão e 
prevenção da disseminação de microrganismos entre os profissionais de saúde, é 
indispensável a adesão do profissional, por meio do uso correto das medidas de 
precaução e isolamento (VALIM et al, 2015) Assim, com o objetivo de zelar pela boa 
saúde do paciente, os profissionais da equipe de saúde possuem papel essencial no 
 
39 
 
 
controle da infecção, adotando medidas de prevenção antes mesmo da internação, a 
fim de evitar hospitalizações desnecessárias (VALIM et al, 2017). 
Dessa forma, é importante que, além de possuir equipamentos necessários/ 
adequados, as instituições de saúde devem contar com profissionais capacitados para 
garantir os princípios técnicos e científicos concernentes ao controle das IHs, 
especialmente enfermeiros (VALIM et al, 2017). Ressalta-se que o enfermeiro se 
destaca por representar a equipe de enfermagem e estar presente 24 horas por dia 
no cuidado ao paciente. 
Diante do exposto, percebe-se que a utilização das precauções como um todo 
busca reduziro risco de exposição de pacientes e profissionais a patógenos 
causadores de infecção. Nesse sentido, enfermeiros e demais integrantes da equipe 
de enfermagem apresentam maior vulnerabilidade em função do tempo de contato 
com os pacientes, sendo-lhes exigido os conhecimentos necessários sobre os tipos 
de precauções indicados para uma assistência livre de danos (FARIA et al, 2019). 
9.1 Higienização Simples das Mãos 
O hábito de lavagem e desinfecção das mãos é o primeiro método de controle 
de infecção e contaminação cruzada, pois relacionadas, é o mais simples e principal 
método de proteção a doenças. (NUNES, 2012). A higienização correta das mãos 
implica na diminuição de contaminação hospitalar e para a própria segurança do 
profissional. 
Faz-se importante ainda que seja feita a desinfecção das mãos com álcool 70% 
com a finalidade antibactericida e antimicrobiana. A obrigatoriedade da disponibilidade 
de álcool para a higienização das mãos fica a cargo da RDC Nº 42, de 25 de outubro 
de 2010 que regulamenta a obrigatoriedade de disponibilização de preparação 
alcoólica para higienização antisséptica das mãos, pelos serviços de saúde do país. 
Contudo a desinfecção antisséptica das mãos com penetração alcoólica não substitui 
a higienização das mãos, lavagem com água e sabão, sempre que as mãos se 
encontrarem com presença de sujidades visíveis a olho nu. (BRASIL, 2016). 
 
 
40 
 
 
 
 Abaixo estão dispostas quadro a quadro na ilustração a forma correta de como 
realizar a higienização das mãos: 
 
 Fonte: Portal Brasil 
 
 
41 
 
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
ABDALLA et. al., Postural biomechanical risks for nursing workersRiscos 
biomecânicos posturais em trabalhadores de enfermagem. Fisioter. mov. vol.27 no.3 
Curitiba July/Sept. 2014 
ALVES, R. et al. Abordagem Ergonômica no ambiente de trabalho. Revista 
eletrônica de enfermagem de centro de estudo de Enfermagem e Nutrição. Goiás, 
p. 1-15, jan-jul, 2010. 
ANA MAYARA GOMES DE SOUZA. Concepções de Enfermeiros acerca da 
Biossegurança em um Hospital Universitário. SANTA CRUZ/RN 2016. 
BRASIL - Agência Nacional de Vigilância Sanitária(ANVISA). Série Segurança do 
Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. Assistência Segura: uma reflexão 
teórica aplicada à prática. Brasília (BR): ANVISA;2013. 
BRASIL - Manual de equipamento de proteção individual. — [Recurso eletrônico] / 
Teresa Cristina Alves. — Dados eletrônicos. __ São Carlos, SP: Embrapa Pecuária 
Sudeste, 2013. 
BRASIL - Ministério da Saúde (BR). Documento de referência para o Programa 
Nacional de Segurança do Paciente. Brasília (BR): Ministério da Saúde; 2014 
BRASIL - Ministério da Saúde. MANUAL DE ELABORAÇÃO MAPA DE RISCOS. 
GERÊNCIA DE SAÚDE E PREVENÇÃO. 2015 
BRASIL - Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos 
Estratégicos. Diretrizes gerais para o trabalho em contenção com agentes biológicos. 
Brasília, DF, 2010 
BRASIL - Previdência social. Seção IV – Acidentes do Trabalho, 2015. 
BRASIL - Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. 
Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes 
 
42 
 
 
e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da 
Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS).Brasília. 
2010 
BRASIL - Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Programa nacional de 
prevenção e controle de infecções relacionadas à assistência à saúde (2016-2020). 
2. ed. Brasília: ANVISA, 2016 
BRASIL - Ministério da Saúde. Manual de estrutura física das Unidades Básicas de 
Saúde-Saúde da Família. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Secretaria de 
Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília, 2006 
BRASIL - Ministério do Meio Ambiente, Conselho Nacional do Meio Ambiente, 
CONAMA. Resolução CONAMA nº 358/2005, de 29 de abril de 2005. 
BRASIL - Ministério do Trabalho e Emprego. Norma Regulamentadora nº 6, de 8 de 
junho de 1978: dispõe sobre os equipamentos de proteção individual (EPIs). Última 
atualização Portaria TEM nº 505 de 16 de abril de 2010. 
 BRAZ. J. HEA. Rev., Curitiba, v. 3, n. 4, p. 7780-7796 jul./ago. 2020 
CARVALHO NP, NOGUEIRA PC, GODOY S, MENDES IA. Measures of knowledge 
about standard precautions: a literature review in nursing. Nurse Educ Pract. 2013 
CHOWDHURY AK, ROY T, FAROQUE AB, BACHAR SC, ASADUZZAMAN M, 
NASRIN N, ET AL. A comprehensive situation assessment of injection practices in 
primary health care hospitals in Bangladesh. BMC Public Health. 2011 
CORDEIRO T. M. C. S., NETO J. N. C., CARDOSO M. C. B., MATTOS A. I. S., 
SANTOS K. O. B., ARAÚJO T. M. Acidentes de trabalho com exposição a material 
biológico: Descrição dos casos na Bahia. Revista de Epidemiologia e Controle de 
Infecção, Santa Cruz do Sul, 2016 
CUNHA N. A. Acidentes de trabalho com exposição a material biológico: análise 
epidemiológica e percepção das vítimas, em Uberlândia – MG. Dissertação 
 
43 
 
 
(mestrado) -- Universidade Federal de Uberlândia, Programa de Pós-Graduação em 
Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. 2017 
DALLAGNOL, D. Conhecimento dos profissionais da área da saúde sobre infecção 
hospitalar, Jacareí 2016. 
DONATELLI S, VILELA, RAG, ALMEIDA, IM, LOPES, MGR. Acidente com material 
biológico: uma abordagem a partir da análise das atividades de trabalho. Saúde Soc. 
São Paulo, 2015 
EFSTATHIOU G, PAPASTAVROU E, RAFTOPOULOS V, MERKOURIS A. Factors 
influencing nurses compliance with standard precautions in order to avoid occupational 
exposure to microorganisms: a focus group study. BMC Nursing. 2011 
FALCÃO, N. M. N.; SILVA, I. Suignepryssan Bomfim da. Noções de biossegurança, 
ocorrência de acidente ocupacional por perfurocortante e cobertura vacinal em 
estudantes de enfermagem de uma instituição especializada em ensino de saúde: um 
estudo de corte transversal. 2018. 
FARIA, L. B. G. et al, (2019). Conhecimento e adesão do enfermeiro às precauções 
padrão em unidades críticas. enferm. vol.28 Florianópolis, 2019 
FARSI D, ZARE MA, HASSANI SA, ABBASI S, EMAMINAINI A, HAFEZIMOGHADAM 
P, et al. Prevalence of occupational exposure to blood and body secretions and its 
related effective factors among health care workers of three Emergency Departments 
in Tehran. J Res Med Sci. 2012 
FREIRE, L. A.; SOARES, T.C.N.; TORRES, V.P.S. Influência da ergonomia na 
biomecânica de profissionais de enfermagem no ambiente hospitalar. Perspectivas 
Online: Biológicas e Saúde, v.7, n.24, p. 72-80, 2017. 
GARBACCIO J. L., OLIVEIRA A. C. Adherence to and knowledge of best practices 
and occupational biohazards among manicurists/pedicurists. Am J Infect Control. 2014 
 
44 
 
 
GESSNER, R.et al. O manejo dos resíduos dos serviços de saúde: um problema a ser 
enfrentado. Cogitare Enfermagem, v. 18, n. 1, 2013 
GOMES, M., & MORAES, V. (2018). O programa de controle de infecção relacionada 
à assistência à saúde em meio ambiente hospitalar e o dever de fiscalização da 
Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 
GYAWALI S, RATHORE DS, SHANKAR PR, KUMAR KV. Strategies and challenges 
for safe injection practice in developing countries. J Pharmacol Pharmacother 
[Internet]. 2013 
LAURA H. Can biosecurity be embedded into the culture of the life sciences? Biosecur 
Bioterror. 2012 
LIMA R. J. V., TOURINHO B. C. M. S., COSTA D. S., ALMEIDA D. M. P. F., TAPETY 
F. I., ALMEIDA C. A. P. L., ET A. L. Agentes biológicos e equipamentos de proteção 
individual e coletiva: conhecimento e utilização entre profissionais. Rev Pre Infec e 
Saúde, 2017 
LINS, S. R. R. M. Avaliação do nível de conhecimento de alunos de graduação sobre 
acidentes ocupacionais com material perfuro cortante envolvendo amostras 
biológicas. Pernambuco 2016. 
MACHADO K. M., MOURA L. S.S., CONTI T. K. F. Medidas Preventivas da Equipe 
de Enfermagem Frente aos Riscos Biológicos no Ambiente Hospitalar. Revista 
Cientifica do ITPAC, 2013 
MARINELLI, N. P. et al. RISCOS FÍSICOS: UM ESTUDO SOBRE CORES E 
LUMINOSIDADE EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÙDE. REVISTA UNINGÁ REVIEW, 
v. 27, n. 3, 2016. 
MARKKANEN P, GALLIGAN C, LARAMIE A, FISHER J, SAMA S, QUINN M. 
Understanding sharps injuries in home healthcare: The Safe Home Care qualitative 
methods study to identify path ways for injury prevention. BMC Public Health. 2015 
 
45 
 
 
MENDONÇA, G. S. Acidente de trabalho com material biológico na enfermagem. 
METELLO, F.C.; CAVALCANTI, G. S. V. A importância de medidas de biossegurança 
como prevenção de acidentes do trabalho através da identificação de riscos. Revista 
Pesquisa e cuidados fundamentais. Online, jul-set. 2012. 
NEW ZEALAND. Best Practice Advocacy Centre. Exposure to body fluids: keeping the 
primary health care team safe. Best tests; 2014 
PASSOS, B.B.C. et al. Desatenção às normas de biossegurança por profissionais 
de saúde em Unidade de Terapia Intensiva de hospital na cidade de Fortaleza/CE. 
Rev. Saúde Públ. Santa Cat., Florianópolis, v. 6, n. 1, p. 35-49, jan./mar. 2013. 
PIRES, Y. M. S. Saúde do trabalhador em ambiente hospitalar: mapeando riscos e 
principais medidas de biossegurança. Rev. UNINGÁ, Maringá, v. 56, n. 2, p. 115-123, 
abr./jun. 2019. 
POZZETI, V. C.; MONTEVERDE, J. F. S. Gerenciamento ambiental e descarte do lixo 
hospitalar. Revista Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 14, n. 28, p. 195-220, jan./ 
abr. 2017 
RAMPELOTTO, E. M. et al. Segregação dos Resíduos Sólidos Hospitalares. 2012. 
REIS P. G. T. A., DRIESSEN A.L., COSTA A. C. B. A., NASR A., COLLAÇO I. A., 
TOMASICH F. D. S. Perfil epidemiológico de acidentes com material biológico entre 
estudantes de medicina em um pronto-socorro cirúrgico. Rev Col Bras Cir. 2013 
RIBEIRO G; PIRES DEP, FLÔR RC. Concepção de biossegurança de docentes do 
ensino técnico de enfermagem em um estado do sul do Brasil. Trab Educ Saúde. 2015 
ROCHA APF, REZENDE BA, LIMA FAF, BORGES MGS, OLIVEIRA RC, SANTOS 
JN. Medidas de biossegurança adotadas por profissionais atuantes em audiologia. 
Rev CEFAC. 2015 
 
46 
 
 
SANGIONI, L. A. et al. Princípios de biossegurança aplicados aos laboratórios de 
ensino universitário de microbiologia e parasitologia. Ciência Rural, v.43, n.1, jan, 
2013. 
SANTOS, V. M. S. et. al. Aplicação do questionário nórdico musculoesquelético para 
estimar a prevalência de distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho em 
operárias sob pressão temporal. Ceará, out 2015. 
SILVA, J. F. C. Estresse ocupacional suas principais causas e consequências. 
Universidade Cândido Mendes, 36 páginas. Monografia – Instituto A Vez do Mestre, 
2010. 
SILVA, R. N. et al. IMPORTÂNCIA DA ADOÇÃO DE MEDIDAS DE 
BIOSSEGURANÇA VISANDO A REDUÇÃO DO ÍNDICE DE ACIDENTES COM 
MATERIAIS BIOLÓGICOS. REVISTA DE TRABALHOS ACADÊMICOS — 
UNIVERSO CAMPOS DOS GOYTACAZES Número 5 – Volume 1/2016. 
SIMÃO, S.A.F.et al. Fatores associados aos acidentes biológicos entre profissionais 
de enfermagem. Cogitare enfermagem, Curitiba, v.15, n.1, p.87-91, 2010. 
SOARES, C. B. et al. ENFERMAGEM E SEGURANÇA DO TRABALHO: um estudo 
descritivo sobre a importância do conhecimento e prática da biossegurança, para os 
profissionais da área de enfermagem. HUMANIDADES & TECNOLOGIA EM 
REVISTA (FINOM) - ISSN: 1809-1628. Ano XIV, vol. 23 - abr.- jul. 2020 
SOARES, M. M. M. L.; TAKEDA, E.; PINHEIRO, O. L. Avaliação sobre os 
conhecimentos ergonômicos de estudantes do curso de enfermagem. Rev. Bras. 
Pesq. Saúde, Vitória, 15(1): 113:121, jan-mar, 2013 
SOUZA ARAUJO, Cristiane Ferreira et al. Investigação sobre o descarte de resíduos 
sólidos de saúde (RSS) em uma instituição pública hospitalar do município de 
Sant’ana do Livramento–RS. Revista de Administração da Universidade Federal 
de Santa Maria, v. 11, p. 421-434, 2018. 
 
47 
 
 
SOUZA, N. A. et al. A atuação do enfermeiro do trabalho na prevenção dos riscos 
ergonômicos no ambiente hospitalar. Revista Eletrônica de Enfermagem do Centro de 
Estudos de Enfermagem e Nutrição, Goiânia, 2011. 
SULZBACHER, E.; FONTANA, R. T. Concepções da equipe de enfermagem sobre a 
exposição a riscos físicos e químicos no ambiente hospitalar. Revista Brasileira 
Enfermagem; 66 (1): 25-30. Brasília. 2013. 
TEIXEIRA, P., and VALLE, S., orgs. Biossegurança: uma abordagem multidisciplinar 
[online]. 2nd ed. rev. and enl. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2014. 
VALIM MD, MARZIALE MHP, HAYASHIDA M, ROCHA FLR, SANTOS JLF. Validity 
and reliability of the Questionnaire for Compliance with Standard Precaution. Rev 
Saúde Pública. 2015 
VALIM MD, PINTO PA, MARZIALE MHP. Questionnaire on standard precaution 
knowledge: Validation study for Brazilian nurses use. Texto Contexto Enferm. 2017 
 VALLE ARMC, MOURA MBM, NUNES BMVT, FIGUEIREDO MLF. A biossegurança 
sob o olhar de enfermeiros. Revista de Enfermagem UERJ. 2012; 3(20); 361-67. 
VANBIJNEN EM, PAGET J, DEN HEIJER CD, STOBBERINGH EE, BRUGGEMAN 
CA, SCHELLEVIS FG; APRES STUDY TEAM. Evidence based primary care treatment 
guidelines for skin infections in Europe: a comparative analysis. Eur J Gen Pract. 2014 
VIEIRA BGM, MORAES LP, FERREIRA J, PEREIRA EAA, SOUZA MM, PASSOS, 
JP. Causas de acidentes com material biológico no trabalho de enfermagem. Revista 
Pró-univer SUS, 2017 
VIEIRA, M.V.P; AlCÂNTARA, D.S. Prevalência de dor lombar crônica em 
trabalhadores de enfermagem: revisão bibliográfica. Revista Amazônia. 2013 
VILELA-RIBEIRO, E. B. et al. Uma abordagem normativa dos resíduos sólidos de 
saúde e a questão ambiental. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação 
Ambiental, v. 22, 2012.

Continue navegando