A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
46 pág.
Sangramentos 1ª metade da gestação

Pré-visualização | Página 3 de 5

menor que 3,5 cm.
B. BhCG maior que 5000 mUI/ml.
C. Aumento do BhCG em 100% a cada 48 horas.
D. BCF presente.
Critérios para o uso de metotrexate:
• Paciente ESTÁVEL
• Saco gestacional menor que 3,5 cm (alguns autores consideram menor que 4 cm)
• BHCG menor ou igual que 5000 mUI/Ml
• Alguns autores consideram como critério para tratamento com Metotrexate o aumento do BHCG, mas não
espera-se um aumento tão acentuado (geralmente abaixo de 35%).
• Ausência de BCF.
11. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - SP, 2018
Mulher de 22 anos de idade está em sua primeira gestação. A idade gestacional é de 8 semanas
(conforme data da última menstruação e ultrassonografia de primeiro trimestre). Refere
sangramento genital abundante há 2 horas, associado a cólica intensa. No exame especular,
encontrou-se moderada quantidade de sangue coletado em fornice posterior. Ao toque vaginal,
útero aumentado (duas vezes o tamanho normal), sem dor anexial. Colo grosso, posterior e
impérvio. Realizada ultrassonografia a seguir: Qual o diagnóstico?
62%
A. Abortamento completo.
B. Gestação incipiente.3%
C. Abortamento incompleto.5%
D. Gestação ectópica.
12. SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE MACEIÓ, 2017
Gestante de 18 semanas tem diagnosticado óbito embrionário (aborto). Optado por conduta
expectante, após 5 semanas a paciente retorna ao consultório sem apresentar qualquer
sintomatologia. Nesse momento existe risco importante de:
A. Aborto séptico.
B. Infertilidade.
C. Coagulopatia de consumo.
D. Prenhez ectópica. • Alternativa A: INCORRETA. O abortamento séptico é mais comumente
encontrado em casos de abortamento provocado ou em casos onde a
membrana amniótica não encontra-se íntegra.
• Alternativa B: INCORRETA. Não há correlação conhecida entre aborto
retido e infertilidade.
• Alternativa C: CORRETA. Quando ocorre a retenção do aborto por
tempo prolongado há um risco de coagulopatia de consumo materna.
Pode ocorrer queda nos níveis séricos de fibrinogênio e aumento de
produtos da degradação da fibrina. Alternativa
• Alternativa D: INCORRETA. A presença de aborto retido na cavidade
uterina não possui relação com gestação ou prenhez ectópica.
13. AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE APUCARANA, 2018
O quadro clínico de ameaça de abortamento caracteriza-se:
A. Sangramento intenso, colo uterino dilatado, ausência de contrações.
B. Sangramento discreto, colo fechado, gestação com 28 semanas.
C. Sangramento discreto, cólica em baixo ventre, colo uterino fechado.
D. Sangramento intenso, colo uterino aberto, cólicas fortes.
E. Sangramento, colo aberto, cólicas intermitentes.
14. HOSPITAL CASA DE PORTUGAL, 2018
Identifique abaixo as afirmativas verdadeiras (V) e as falsas (F) com relação à assitência à mulher em
processo de abortamento.;
( )Na ameaça de abortamento, o orifício interno do colo uterino encontra-se fechado; o volume do
útero é compatível com a idade gestacional.;
( ) A aspiração a vácuo intrauterina é a técnica de escolha para resolução do abortamento retido
após 14 semanas de gestação.;
( )No abortamento retido, ocorre regressão dos sinais e sintomas da gestação; o colo uterino
encontra-se dilatado e há perda sanguínea.;
( ) O abortamento é considerado habitual quando ocorre perda espontânea e consecutiva de três ou
mais gestações antes da 22a semana.
Assinale a alternativa que indica a sequência correta, de cima para baixo:
A. V, V, V, V
B. F, V, V, F
C. V, V, V, F
D. V, F, F, V
I: V. Na ameaça de abortamento, o colo encontra-se fechado e a gestação é
evolutiva, o embrião/ feto continua a desenvolver-se e, portanto, o útero
apresenta tamanho compatível com a idade gestacional.
II: F. Em abortamentos retidos no segundo trimestre da gestação a conduta ativa
preconizada é medicamentosa devido risco de perfuração uterina com o
tratamento cirúrgico (curetagem, AMIU), pois nesta fase da gestação o feto
apresenta espículos ósseas.
III: F. No aborto retido realmente ocorre regressão dos sinais e sintomas da
gestação, mas o colo do útero encontra-se fechado.
IV: V. A definição de aborto habitual, de acordo com a maioria dos autores, é
perda espontânea e consecutiva de 3 ou mais gestações antes de 20-22
semanas de gestação.
15. UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, 2017
Numa descrição ultrassonográfica mostrando saco gestacional com 23 mm de diâmetro, saco
vitelino visível, embrião não visualizado e cisto complexo com septações e circulação
periférica na área anexial direita, o diagnóstico mais provável é de:
A. gestação incipiente.
B. gravidez ectópica.
C. gestação tópica inviável (abortamento) e corpo lúteo.
D. moléstia trofoblástica com cisto tecaluteínico.
E. pseudossaco gestacional e corpo lúteo.
A:F. O motivo para que essa alternativa esteja incorreta está no enunciado da questão. A banca está pedindo o
diagnóstico mais provável. Poderia se tratar de uma gestação incipiente ou inicial, mas isso não é o mais provável.
Um saco gestacional com ausência de embrião medindo em seu diâmetro médio entre 16 e 24 mm, tem uma
grande probabilidade de não se tratar de uma gestação viável.
B: F. A imagem anexial relatada não é sugestiva de gestação ectópica, uma vez que elementos trofoblásticos ou
embrionários não foram visualizados na topografia do anexo.
C: V. O diagnóstico mais provável é gestação tópica inviável (ou o que antigamente se chamava gestação
anembrionada), com presença de corpo lúteo visualizado em região anexial direita. A maioria dos guidelines
definem que esse diagnóstico deve ser dado com saco gestacional a partir de 25 mm de diâmetro médio com
ausência de embrião. Porém a medida do saco gestacional entre 16 e 24 mm seria de alta suspeição desse
diagnóstico, sendo prudente repetir a ultrassonografia em 7 a 14 dias para confirmação. Já a imagem anexial com
circulação periférica em paciente gestante inicial, é altamente sugestivo de corpo lúteo, o qual mantém a gestação
nas primeiras semanas.
D: F. A imagem de saco gestacional regular descrita não é sugestiva de moléstia trofoblástica. Pensaríamos nesse
diagnóstico se houvesse a descrição de formações císticas ou vesiculares (em \"cacho de uva\") no interior do
útero.
E: F. Não se trata de um pseudosaco gestacional, pois foi descrito vesícula vitelínica em seu interior, o que fala a
favor de a imagem realmente corresponder a um saco gestacional.
16. HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE, 2018
Paciente com 18 semanas de gestação veio à Emergência queixando-se de dor no baixo ventre e
sangramento moderado por via vaginal. Ao exame fisico, encontrava-se afebril e com sinais vitais
normais. Ao exame especular, apresentava sangramento em fundo de saco, sem perda de líquido
amniótico. Ao toque vaginal, o colo estava 90% apagado, com 7cm de dilatação, e a bolsa
amniótica, protrusa, podendo ser palpadas partes fetais. Os batimentos cardiofetais eram de 160
bpm. O hemograma estava normal. Qual o diagnóstico mais provável e qual a conduta mais
adequada?
A. Hematoma subcoriônico - Solicitar ultrassonografia pélvica transvaginal para confirmar e estimar
o tamanho do hematoma.
B. Trabalho de parto pré-termo - Prescrever tocolítico, corticosteroide e sulfato de magnésio para
neuro-proteção.
C. Ameaça de abortamento - iniciar profilaxia para estreptococo do grupo B.
D. Abortamento séptico - Iniciar antibioticoterapia de amplo espectro e prescrever misoprostol por
via vaginal.
E. Abortamento inevitável - Prescrever analgesia, manter NPO e aguardar a evolução do quadro.
• Alternativa A: INCORRETA. Pode se formar um hematoma subcoriônico quando há descolamento
de uma parte da placenta. Na maioria das vezes, esse hematoma é autocontido e é reabsorvido
com o tempo.Se, no entanto, houver descolamento de parte considerável da placenta a gestação é
interrompida, pois o embrião ou feto não consegue mais o suprimento necessário pela placenta.
No caso relatado, a presença ou não de hematoma subcoriônico não fará diferença para o
desfecho do caso.
• Alternativa B: INCORRETA. Não se trata de um trabalho de parto pré termo, pois a idade
gestacional