A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
A Criança como Produtora de Cultura

Pré-visualização | Página 1 de 1

Tema 05 – A Criança como Produtora de Cultura
Bloco 1
Profª Rosa Maria de Freitas Rogerio
W
B
A
0
1
5
8
_
V
1
.0
A criança como Produtora 
Cultural
Apresentação
1. Compreender a criança como produtora de
cultura.
2. Conhecer o que são as culturas infantis.
3. Refletir sobre o encontro das culturas
familiares com a cultura escolar.
Nas primeiras aulas dessa disciplina
Você estudou:
• Educação infantil no Brasil.
• A construção social da infância.
• As teorias do desenvolvimento humano
com base em elementos sócio-histórico-
culturais.
• A infância e suas linguagens.
A legislação educacional brasileira, a
sociologia da infância, a pedagogia da
infância, a abordagem Reggio Emilia e as
teorias de Vygotsky e Wallon concebem a
criança como:
• ator social, sujeito de direitos, que vivencia
sua infância de acordo com suas condições
concretas de vida que são condicionadas
por seu contexto sócio-histórico-cultural
No referencial teórico que utilizo
A criança é considerada como produtora de
cultura.
Cultura = tudo aquilo que foi e é produzido
pelo ser humano, aquilo que não é natural.
Cultura = é também construção de
significados partilhados por pessoas em
determinadas práticas da vida social.
Há culturas que são mais valorizadas que
outras, como, as culturas europeias em
detrimento das culturas africanas, indígenas e
latino-americanas, ou as culturas da elite
econômica em detrimento das culturas das
classes populares.
Crianças: experiências de infância, ao longo da
história e dos seus contextos socioculturais, de
diversos modos.
Essas experiências têm influenciado:
• O modo como as crianças se apropriam da
cultura do seu local de origem, com destaque
para a cultura do mundo do adulto.
• Os modos como as crianças desenvolvem suas
possibilidades de produção simbólica, suas
capacidades de representações sobre o
mundo, suas elaborações de teorias, de
interpretações e de questionamentos sobre o
mundo, sobre as pessoas e sobre suas
culturas infantis.
Criança como produtora de cultura
As crianças são protagonistas de seus
processos de socialização nos contextos sócio-
histórico-culturais em que vivem, construindo
também culturas, conhecimentos e saberes.
Tema 05 – A Criança como Produtora de Cultura
Bloco 2
Profª Rosa Maria de Freitas Rogerio
A criança como Produtora 
Cultural
Culturas infantis
As crianças são atores sociais que agem no
mundo e constroem discursos e narrativas
sobre esse agir, elaborando culturais infantis.
Essa elaboração é sempre coletiva e acontece
no grupo social no qual a criança vivencia sua
infância.
É na relação com outra(s) criança(s) que a
criança produz cultura infantil.
Quando a criança interage, brinca e se
relaciona com outra criança, ela compartilha
modos específicos de comunicação, de visão
de mundo, de regulação de brincadeiras, de
assunção de um papel social na brincadeira,
de liderança, de produção de significado sobre
os elementos e os objetos do seu meio sócio-
histórico-cultural.
A criança que pega um controle remoto de
televisão e brinca como se ele fosse um
telefone está atribuindo um significado de um
objeto – o telefone – a outro objeto – o
controle remoto, num processo de
ressignificação de objetos da cultura na qual
está inserida.
É no processo de observar os adultos ou
outras crianças utilizando o telefone que a
criança ‘abstrai’ essa ação e a reelabora
utilizando o controle remoto.
Crianças brincando de ‘casinha’
desempenham papéis sociais – mãe, filho,
pai, avó, irmão, cachorro – e se autorregulam
na distribuição desses papéis durante a
brincadeira, incluindo a figura dos animais de
estimação com características humanas como,
por exemplo, fala, pensamento, raciocínio.
Produção cultural para as crianças
A criança produz cultura, mas ao mesmo
tempo também ‘recebe’ cultura produzida
especificamente para ela pela indústria de
brinquedos, de jogos eletrônicos, de
fantasias, de produtos de aniversário, pela
mídia, entre outros.
A produção cultural para as crianças, muitas
vezes, estimula o consumismo infantil,
principalmente em eventos como festas de
aniversário, Natal e dia das crianças.
As culturas infantis: se transformam ao longo
do tempo histórico, não são mais como eram
antigamente, pois se manifestam e se
estruturam a partir de outras lógicas de
relacionamento interpessoal, de avanço
tecnológico, de conteúdo cultural etc.
Culturas familiares e cultura escolar
Na instituição de educação infantil: um
encontro de culturas familiares com a cultura
escolar, pois cada criança traz elementos e
características de sua cultura familiar que se
entrecruza com as culturas familiares das
outras crianças e com a cultura da instituição
de educação infantil.
Na sociedade contemporânea, a escola é a
única instituição social que todas as crianças
vão ter que frequentar. No Brasil, esse
percurso escolar se inicia aos quatro anos de
idade. É na escola que muitas crianças
conhecem outras experiências de socialização
para além do seus núcleos familiares e essas
experiências podem ser inclusivas ou
excludentes.
Considerações finais
As crianças são protagonistas de seus
processos de socialização nos contextos sócio-
histórico-culturais em que vivem, construindo
também culturas, conhecimentos e saberes.
As crianças são atores sociais que agem no
mundo e constroem discursos e narrativas
sobre esse agir, elaborando culturas infantis.
Considerações finais
As culturas infantis, assim como as culturas
do mundo do adulto, se transformam ao
longo do tempo histórico e não são mais
como eram antigamente.
A criança que vai para a instituição de
educação infantil se relaciona com outras
culturas familiares e com a cultura escolar.