Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
Tecnologia Farmacêutica(1)

Pré-visualização | Página 1 de 5

1 
 
Faculdades Metropolitanas Unidas - FMU 
Faculdade de Farmácia 
 
 
 
 
 
 
 
Apostila 
Tecnologia Farmacêutica e Cosmética 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Michelli Ferrera Dario 
2018 
Formas Farmacêuticas Semissólidas 
 
2 
 
As Formas Farmacêuticas Semissólidas são consistentes e pegajosas, de aparência 
translúcida ou opaca, destinadas à aplicação na pele ou mucosas. As indicações 
dependem do grau de absorção percutâneo. Possuem ação tópica ou permitem a 
permeação cutânea dos fármacos dependendo da sua viscosidade ou excipiente. Em 
geral, apresentam ação terapêutica local, ou seja, dependente do sítio específico de 
aplicação na pele. A ação tópica permite algumas atividades, como ação emoliente, 
antimicrobiana, desodorante, protetora, entre outras. 
 
Permeação cutânea 
A permeação dos ativos na pele utiliza diversas vias de permeação na pele: região 
folicular, ductos sudoríparos e estrato córneo descontínuo. A permeação depende dos 
seguintes fatores: 
 Propriedades físico-químicas do fármaco (pH; hidrofobicidade, tamanho da 
molécula, estado físico, coeficiente de partição O/A) - Bases nas quais o fármaco é 
pouco solúvel aumentam a cedência do mesmo para a pele; 
 pH do meio e da pele; 
 Concentração do fármaco; 
 Hidratação da pele - Algumas substâncias graxas e óleos presentes nas formulações 
podem provocar um efeito oclusivo, aumentando a hidratação da pele. 
 Temperatura da pele; 
 Estado da epiderme (principalmente estrato córneo); 
 Idade da pele (hidratação); 
 Uso de substâncias promotoras da absorção - Exs. dimetilsulfóxido (DMSO), 
dimetilformamida (DMF), dimetilacetamida (DMA), ureia, propilenoglicol. 
 
Classificação 
São classificadas quanto às suas características físicas ou aspecto em: pomadas, cremes, 
géis ou pastas. 
 
 Pomadas 
Pomadas propriamente ditas hidrófobas absorvem muito pouco a água. São 
consistentes, oleosa e apresentam aparência translúcida. Em função de sua composição 
Formas Farmacêuticas Semissólidas 
 
3 
 
graxa, não são laváveis. São compostas de mistura de hidrocarbonetos líquidos e 
sólidos, ceras e silicones. Seu preparo depende de submeter a mistura à fusão. 
Pomadas propriamente ditas hidrófilas são consistentes e apresentam aparência 
translúcida. Devido a sua composição hidrofílica, são facilmente removíveis com água. 
Quimicamente são compostas por uma mistura de polímeros (PEG) de pesos 
moleculares distintos (PEG 400 + PEG 4000). 
 Cremes e loções 
São emulsões semissólidas de aparência opaca e a viscosidade depende da composição. 
Os cremes hidrófobos são do tipo A/O (água-em-óleo) e os hidrófilos são O/A (óleo-
em-água). São formadas por fase aquosa, oleosa e tensoativos. As formulações O/A são 
laváveis devido à fase externa da formulação ser aquosa. 
 Géis 
São sistemas semissólidos constituídos por uma matriz polimérica (natural ou sintética) 
dispersa em fase líquida (água ou óleo de parafina). Os géis hidrófilos contem água na 
fase dispersa e, por isso, são laváveis. 
 Pastas 
São constituídas de alta concentração de pós insolúveis e finos dispersos nos excipientes 
(em torno de 20-50%). Devido à elevada concentração de pós, são eficazes para 
absorver secreções de lesões. São exemplos de pastas: pasta dental e pasta de óxido de 
zinco. 
 
As formulações semissólidas são compostas por substância(s) ativa(s) e veículo. Os 
veículos podem ser: 
 
 Base hidrófoba 
 Substâncias lipófilas de origem animal: lanolina, derivados de lanolina, cera 
de abelha. São usadas para aumentar consistência de pomadas e não são 
laváveis com a água. Apresentam poucas incompatibilidades. 
 Substâncias lipófilas de origem mineral: compostos extraídos do petróleo 
(vaselina, óleo mineral, parafinas). 
 Substâncias lipófilas semi-sintéticas: ácidos graxos (ácido esteárico), álcoois 
graxos (doadores de consistência - cetoestearílico); ésteres - palmitato de 
isopropila. 
Formas Farmacêuticas Semissólidas 
 
4 
 
 Substâncias lipófilas sintéticas: silicones, óleo de silicone, silicones voláteis e 
emulsionantes. 
 
 Base hidrófila 
 Polietilenoglicóis (PEG) - A consistência adequada é determinada pela mistura 
de polímeros sólidos e líquidos (PEG 400 e PEG 4000); 
 Excipientes hidratados ou hidrogeis - géis aquosos (80-90% de água); viscosos; 
boa aderência e espalhabilidade; 
 Géis de produtos minerais (bentonita, dióxido de silício); 
 Géis de polímeros orgânicos - ésteres de celulose (MC; HEC; CMC), CMCNa, 
alginato de sódio, PVP (Kollidon®), Ácido Poliacrílico (Carbopol®) - laváveis 
com água. 
 
 Base emulsionada 
 Emulsão A/O ou O/A (mais empregadas). São compostas por: 
 Substâncias lipofílicas 
 Água 
 Ceras auto-emulsionantes ou tensoativos (aniônicos; catiônicos; não iônicos; 
anfóteros) 
 Conservantes - usados para preparações semissólidas que contém água na 
sua composição. Ex: parabenos 
 Antioxidantes 
 Quelantes 
 Umectantes 
 Doadores de consistência (álcoois graxos; carbômeros; HEC; gomas) 
 
Técnica de Preparo 
A técnica de preparo depende da preparação das bases e incorporação dos ativos 
 Preparo das Bases - Em grande escala, utiliza-se: 
 Batedeiras planetárias (formulações de viscosidade média) 
 Tanques de mistura (formulações de viscosidade baixa) 
 Rolos compressores (formulações de alta viscosidade – pastas) 
 Dornas (para realização de sub-misturas) 
Formas Farmacêuticas Semissólidas 
 
5 
 
Em pequena escala, utiliza-se gral ou almofariz, pistilo e espátula; placa de vidro ou 
mármore (superfície áspera); espátula de aço inoxidável de lâmina longa e larga (ou 
polipropileno rígido); espátula menor. 
 
Acondicionamento e Armazenagem 
o Devem ser protegidas de ar; umidade; calor; luz em recipientes apropriados 
o Frascos (plástico ou vidro); Tubos (plástico ou metal) 
o Armazenagem em temperaturas inferiores a 30 °C 
 
 Emulsões 
 São dispersões nas quais a fase dispersa é constituída por pequenas gotículas de 
líquido distribuídas em um veículo no qual são imiscíveis, geralmente água e 
óleo. Permitem a veiculação de fármacos de natureza hidrofílica e lipofílica em 
uma mesma preparação e tornam palatáveis fármacos oleosos (óleo de rícino). 
Podem ser do tipo água-em-óleo (A/O) ou óleo-em-água (O/A). 
 
 Emulsão O/A - Classificação de acordo com o tipo de tensoativo 
o Não-iônica - Emulsionantes não-iônicos não possuem carga específica 
(carga ionizável). Exemplo de emulsão base não-iônica: Polawax
®
. Menor 
grau de irritabilidade cutânea, baixa toxicidade, menores problemas de 
compatibilidade com outros materiais e são menos sensíveis à mudança de 
pH e adição de eletrólitos. Compatíveis com ácidos em geral, incluindo o 
ácido retinoico, alfa-hidroxiácidos, filtros solares, ativos com pH ácido, 
extratos vegetais, óleos vegetais e vitaminas. 
o Catiônica - Poucos exemplos na área farmacêutica/Cosmética. Pode ser 
irritante para a pele. Ex.: condicionador capilar 
o Aniônica - Emulsionantes aniônicos se dissociam em solução aquosa 
formando íons carregados negativamente; baixo custo; podem ser mais 
irritantes para a pele que os demais tipos; Ex.: Lanette N
®
 – creme 
emoliente e toque levemente oleoso. Incompatíveis com ácidos e cátions 
polivalentes. Compatíveis com ureia, hidroquinona, di-hidroxiacetona e 
resorcina. 
o Emulsão A/O - A fase oleosa é a fase externa ou contínua e quando aplicada 
forma um filme oleoso protetor que permanece sobre a pele após a evaporação 
Formas Farmacêuticas Semissólidas 
 
6 
 
da água. A lenta evaporação da água confere à pele o efeito refrescante. 
Características: emulsão com alta viscosidade e coloração levemente amarelada. 
Indicado para peles muito secas. Ex.: Cold cream. 
 
 Técnica de Preparo - Método de Mistura de Fases 
Em um recipiente de tamanho adequado, misture os componentes da fase oleosa (O). 
Em outro recipiente, misture os componentes
Página12345