A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
Aula 09_Mecânica dos Solos

Pré-visualização | Página 1 de 2

Mecânica dos Solos
AULA 09 – TENSÃO CAPILAR E PERMEABILIDADE DOS SOLOS
ENGENHARIA CIVIL
Profª Dra. Nágilla Huerb de Azevedo
nagilla.azevedo@estacio.br
ENGENHARIA CIVIL
➢ Tensão superficial
• A tensão superficial da água é o resultado das ligações do hidrogênio, que são forças intermoleculares causadas
pela atração dos hidrogênios de determinadas moléculas de água (H+) com os oxigênios das moléculas vizinhas
(O-).
ENGENHARIA CIVIL
➢ Tensão superficial
• No entanto, a força de atração das moléculas na superfície da água é diferente da força que ocorre entre as
moléculas abaixo da superfície. Isso ocorre porque essas últimas apresentam atração por outras moléculas de
água em todas as direções, elas se atraem mutuamente com a mesma força.
A força de atração entre as
moléculas é denominada Coesão.
A força de atração entre as
moléculas e o superfície do
recipiente é chamada de Adesão.
ENGENHARIA CIVIL
➢ Tensão superficial
• Já no que diz respeito às moléculas da superfície, elas não apresentam moléculas acima delas, portanto suas
ligações de hidrogênio se restringem às moléculas ao lado e abaixo. Essa desigualdade de atrações na superfície
cria uma força sobre essas moléculas e provoca a contração do líquido, resultando na tensão superficial, que
funciona como uma fina camada, película elástica na superfície da água.
ENGENHARIA CIVIL
➢ Tensão superficial
• Nas moléculas situadas na camada superficial de espessura r, atuam forças que tendem a puxá-las
para o interior do líquido, causando no interior do líquido uma pressão chamada pressão interna P’.
• A essa energia potencial dá-se o nome de energia potencial superficial.
• Para aumentar a área de um líquido, isto é, aumentar a quantidade de moléculas na camada
superficial gasta-se energia. E esse gasto de energia é chamada de tensão superficial (σ).
ENGENHARIA CIVIL
➢ Tensão superficial
A água em contato com um corpo sólido: 
superfície livre da água faz uma curvatura –
forças químicas de adesão.
Se a superfície de um líquido deixa de ser plana, surge uma nova
pressão p que pode atuar no mesmo sentido que a pressão P’ que é o
que ocorre numa superfície convexa, ou opostamente a P’ como
numa superfície côncava.
Para uma superfície esférica com raio de curvatura R, essa pressão é
dada pela fórmula de Laplace:
𝒑 =
𝟐σ
𝑹
ENGENHARIA CIVIL
➢ Ângulo de contato
✓ Esse fenômeno se deve às forças de
coesão entre as moléculas do líquido e as
de adesão entre as moléculas do líquido e
as de parede (vidro, plástico, metal, etc).
✓ Água num copo de vidro:
As forças de adesão entre suas moléculas e a
parede são maiores que as de coesão das
moléculas da própria água.
Tendência da água aderir ao copo,
curvando-se para cima próximo a parede
(menisco côncavo).
✓ Mercúrio num copo de vidro:
As forças de coesão entre suas moléculas são
maiores que as de adesão entre o mercúrio e
o vidro.
Tendência do mercúrio se afastar do copo,
curvando-se para baixo próximo a parede
(menisco convexo).
✓ Quando se coloca água pura num copo de vidro limpo, nota-se que
próximo da sua parede, a superfície da água se encurva para cima.
✓ Se no lugar da água fosse usado mercúrio, a curvatura da
superfície é voltada para baixo.
✓ No caso da água, a superfície se adere ao vidro, ao passo que no
caso do mercúrio, existe uma tendência para a superfície se afastar
do vidro.
ENGENHARIA CIVIL
➢ Ângulo de contato
✓ Pode-se quantificar essa tendência do líquido aderir ou não
a parede do sólido através do ângulo de contato (α).
✓ Esse ângulo é medido entre a parede e a tangente à
superfície do líquido no ponto de contato com a parede.
✓ Meniscos côncavos: α (0˚ e 90˚)
✓ Meniscos convexos: α (90˚ e 180˚)
Quanto maiores as forças de adesão entre parede e líquido em
relação às de coesão do próprio líquido, menor será α .
✓ No caso a água e vidro: α = 0
✓ No caso do mercúrio e vidro: α = 140˚
ENGENHARIA CIVIL
➢ O que é capilaridade?
• Em Física, chama-se de capilaridade a propriedade dos fluídos (água) de subir ou descer em tubos
muitos finos.
• Um processo onde a água, em contato com um meio sólido, eleva-se e mantém-se elevada a uma certa
altura em relação à sua linha de pressão atmosférica.
ENGENHARIA CIVIL
➢ O que é capilaridade?
• A ascensão da água dá-se através de “caminhos” de pequena dimensão ou “capilares” existentes na estrutura
sólida.
• A capilaridade é um mecanismo de tensão superficial nos líquidos dado pela combinação de forças de adesão
(atração da molécula de água por uma superfície sólida) e coesão (atração entre si das moléculas de água).
• Quando se preenchem vários vasos comunicantes com um determinado líquido, este sempre atinge a mesma
altura em todos os ramos. Entretanto, para tubos de pequeno diâmetro (tubos capilares), isso não ocorre, devido
aos fenômenos relacionados com a tensão superficial do líquido em contato com uma parede sólida.
ENGENHARIA CIVIL
➢ Capilaridade
• Em um tubo em U, no qual um dos ramos é capilar, e o outro não, preenchido com água, verifica-se um desnível h
entre as duas superfícies livres, sendo o nível mais alto no tubo capilar.
• E preenchendo-se o mesmo tubo com mercúrio, observa-se que o nível no tubo capilar é mais baixo.
ENGENHARIA CIVIL
➢ Capilaridade
✓ Esse fenômeno se deve à presença da Pressão de Laplace que atua 
na superfície curva do líquido no capilar.
Verifica-se a seguinte relação entre o ângulo de contato (α), o raio do 
capilar (r) e o raio de curvatura do menisco (R):
𝑹 =
𝒓
𝒄𝒐𝒔𝜶
Substituindo-se na Equação de Laplace:
𝒑 =
𝟐σ ∗ 𝒄𝒐𝒔α
𝒓
ENGENHARIA CIVIL
➢ Capilaridade
✓ Portanto, temos na superfície de um líquido num capilar uma força f que
atua para cima, devido à pressão de Laplace, e outra, gravitacional (Fg),
para baixo, devido ao peso da coluna do líquido no capilar.
✓ Em equilíbrio as duas forças (f e Fg):
𝒉 =
𝟐𝝈 ∗ 𝒄𝒐𝒔𝜶
𝝆𝒈𝒓
σ – tensão superficial do líquido
α – ângulo de contato
ρ – densidade do líquido 
g – aceleração da gravidade
r – raio do tubo
ENGENHARIA CIVIL
➢ Capilaridade
✓ A equação que relaciona a altura h com o raio do tubo capilar é chamada de
Equação da capilaridade ou Equação de Jurin.
Por ela verifica-se que quando α < 90˚, cos α > 0, e h > 0 = ascensão capilar
E quando α > 90˚, cos α < 0, e h < 0 = depressão capilar
✓ No caso de água em capilares de vidro pode-se utilizar
σ = 0,073𝑁.𝑚−1
α = 0˚
ρ = 1000𝑘𝑔.𝑚−3
g = 9,81𝑚𝑠−2
𝒉 =
𝟏, 𝟓 ∗ 𝟏𝟎−𝟓
𝒓
σ – tensão superficial do líquido
α – ângulo de contato
ρ – densidade do líquido 
g – aceleração da gravidade
r – raio do tubo
ENGENHARIA CIVIL
➢ Capilaridade
• Nos solos, é possível observar o mecanismo de capilaridade pela ascensão da água presente nos poros
de um solo saturado, além de sua linha freática.
• A altura alcançada pela água que ascende pelos interstícios do solo varia de solo para solo a depender
da sua natureza.
ENGENHARIA CIVIL
➢ Capilaridade
• Os vazios dos solos são tão pequenos que podem ser assumidos como tubos capilares irregulares e
interconectados. Assim, a altura de ascensão da água no solo dada pelo mecanismo de capilaridade
dependerá da ordem de grandeza dos vazios que, por sua vez, dependerão do tamanho das partículas.
➢ Altura de ascensão da água por capilaridade
• Pedregulho: tem alcance de poucos centímetros
• Areias: tem alcance na ordem de 1 a 2 metros acima da linha freática
• Siltes: tem alcance na ordem de 3 a 4 metros
• Argila: valores que abrangem dezenas de metros.
ENGENHARIA CIVIL
➢ Capilaridade
O peso de água num tubo com 
raio r e a altura de ascensão 
capilar hc:
Tensão superficial T atuando em 
toda superfície de contato água-
tubo, a força resultante é:
Igualando P e T:
ENGENHARIA CIVIL
➢ Capilaridade
ENGENHARIA CIVIL
➢ Ensaio de Capilaridade em areia
ENGENHARIA CIVIL
➢ Importância do estudo de capilaridade dos solos
Na construção de pavimento rodoviários a água que sobe por capilaridade tende a comprometer a
durabilidade de pavimentos. Se o terreno