Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
51 pág.
MAPEANDO DIREITO PENAL

Pré-visualização | Página 1 de 5

MAPEANDO
VIVIANE MEDEIROS DE AMORIM
MAPEANDO
DIREITO PENAL
LEI PENAL 
NO TEMPO
LEI POSTERIORTEMPO DA CONDUTA IRRETROATIVIDADE
IRRETROATIVIDADE
EX: AUMENTO DE PENA
SUPRESSÃO DE FIGURA CRIMINOSA
MIGRA O CONTEÚDO DA FIGURA 
CRIMINOSA PARA OUTRO TIPO PENAL
EX: DIMUNIÇÃO DE PENA
FATO ATÍPICO
FATO TÍPICO
FATO TÍPICO
FATO TÍPICO
FATO TÍPICO
FATO TÍPICO
IRRETROATIVIDADE
RETROATIVIDADE
RETROATIVIDADE
PRINCÍPIO DA CONTIUIDADE 
TÍPICO-NORMATICA
Você sabe diferenciar? 
@
V
IV
IA
N
E.
A
M
O
RI
M
M
TEMPOS
 REGIT ACTUM
Aplica-se a lei vigente no momento 
que regerá os fatos ocorridos.
 IRRETROATIVIDADE
A lei penal NÃO RETROAGIRÁ;
SALVO para BENEFICIAR o réu;
Os atos são regidos pelas leis vigentes a seu
tempo.
Aplica-se a lei revogada aos fatos praticados ao
tempo de sua vigência, desde que seja ela mais
benéfica ao réu do que a lei revogadora.
Aplica-se a lei revogadora aos fatos praticados
antes de sua vigência, desde que ela seja mais
benéfica do que a lei revogada.
LEI TEMPORÁRIA: prazo de início e
fim determinado pelo legislador
LEI EXCEPCIONAL: Legislação dos
estados de emergências, situações
de perigo, calamidade, período de
anormalidade, não tem prazo fixo
ULTRATIVIDADE
RETROATIVIDADE
EXTRATIVIDADE
CONFLITO DE LEIS 
PENAIS NO TEMPO
Súmula 711, STF
LEI PENAL 
NO TEMPO
LEI MALÉFICA
LEI BENÉFICA
Você sabe diferenciar? 
CONFLITO
DE LEIS PENAIS
NO TEMPO
@
V
IV
IA
N
E.
A
M
O
RI
M
M
LEI BENÉFICA
LEI MALÉFICA
PRINCÍPIO DA NÃO
ULTRATIVIDADE DA
LEI MALÉFICA
PRINCÍPIO DA
RETROATIVIDADE DA LEI
BENÉFICA
PRINCÍPIO DA
ULTRATIVIDADE DA LEI
BENÉFICA
PRINCÍPIO DA
IRRETROATIVIDADE
DA LEI BENÉFICA
LEI PENAL 
NO TEMPO
LEI A LEI TEMPORÁRIA
DATA
FINAL
LEI A LEI EXCEPCIONAL
NOVA LEI B 
IN PEJUS
Você sabe diferenciar? 
LEI
 TEMPORÁRIA
CRIME PERMANENTE OU
CONTINUADO - LEI MAIS
GRAVOSA SE SUA VIGÊNCIA É
ANTERIOR NA CESSAÇÃO DA
CONTINUIDADE OU PERMAÊNCIA
LEI
 EXCEPCIONAL
SÚMULA
711, STF
@VIVIANE.AMORIMM
LEI A
PRINCÍPIO DA ULTRATIVIDADE
DATA
INICIAL AUTO-REVOGAÇÃO
LEI A
EVENTO
INICIAL
EVENTO
FINAL AUTO-REVOGAÇÃO
PRINCÍPIO DA ULTRATIVIDADE
INÍCIO DO CRIME FINAL DO CRIME
LEI B
VIGENTE
LEI A
VIGENTE
LEI PENAL 
NO ESPAÇO
Extensão do território nacional
De natureza pública ou a serviço do
governo;
EM QUALQUER LUGAR;
Mercantes ou de propriedade
privada no espaço aéreo ou alto-
mar.
* Embarcações e aeronaves brasileiras;
Você sabe diferenciar? 
TERRITORIALIDADE
@VIVIANE.AMORIMM
Aplica-se a LEI BRASILEIRA ao crime cometido
no TERRITÓRIO NACIONAL;
Também aplica-se a LEI BRASILEIRA:
1.
2.
Embarcações e aeronaves estrangeiras de
propriedade privada, desde que:
Em pouso no território nacional;
No espaço aéreo;
Em porto no Brasil;
No mar territorial.ART. 5º, CP
LEI PENAL 
NO ESPAÇO
A aplicação da LEI brasileira DEPENDE do concurso das
seguintes situações:
Agente entrar no território nacional;
Fato punível no outro país;
Lei brasileira permite a extradição procrime
praticado;
Agente não absolvido no estrangeiro ou não
ter cumprido a pena;
Não ter sido perdoado no estrangeiro ou
não estar extinta a punibilidade.
Você sabe diferenciar? 
EXTRATERRITORIALIDADE
@VIVIANE.AMORIMM
Aplicação da LEI BRASILEIRA a crimes cometidos no exterior
CRIMES
Que tratado ou convenção o
Brasil se obrigou a reprimir.
Praticados por brasileiro.
Em embarcações ou aeronaves
BRASILEIRAS, marcante ou de
propriedade PRIVADA em
TERRITÓRIO e aí não sejam
julgados.
ART. 7º, CP
CRIMES CONTRA
Vida ou liberdade do PR;
Patrimônio ou fé pública;
Adm Público por quem está ou seu serviço;
Crime de genocídio: agente brasileiro ou
domiciliado no Brasil.
1.
2.
3.
4.
Nessas 4 situações, ainda que absolvido ou condenado
no estrangeiro, o agente é punido segundo a lei
brasileira.
TEORIA 
GERAL DO CRIME
Você sabe conceituar? 
@
V
IV
IA
N
E.
A
M
O
RI
M
M
CONCEITO 
DE CRIME
Material
Formal
 
Analítico
Teoria
Bipartida
Teoria
Tripartida
Teoria
Quadripartida
FORMAL: crime é a infração penal
que a lei comina pena de reclusão ou
de detenção, quer isoladamente,
quer alternativa ou cumulativamente
com a pena de multa.
MATERIAL: crime é a
ação/omissão humana que
lesiona ou expõe a perigo de
lesão bens jurídicos que recebem
tutela do Direito Penal.
ANALÍTICO: com espeque na teoria
tripartida, a qual prevalece na
doutrina e jurisprudência pátria, crime
é fato típico, ilícito e culpável. A
punibilidade, nesse viés, é pressuposto
de aplicação de pena e não substrato
do conceito de crime.
INFRAÇÃO PENAL
Contravenção
Penal
Crime
Sistema dualista/binário
Adotada
pelo CP
FORMAL: crime é a mera violação
da norma penal. 
CONCAUSAS
RELATIVAMENTE 
INDEPENDENTES
Você sabe diferenciar? 
@
V
IV
IA
N
E.
A
M
O
RI
M
M
ESPÉCIECAUSAS RESPONSABILIZAÇÃO
PREEXISTENTE
ABSOLUTAMENTE 
INDEPENDENTES
ROMPEM O 
NEXO CAUSAL
CONCOMITANTE
SUPERVENIENTE
CONCOMITANTE
O agente responde
SOMENTE pelos atos
que praticou
PREEXISTENTE
SUPERVENIENTE
NÃO ROMPEM O 
NEXO CAUSAL
O agente responde
pelo RESULTADO
provocado.
Que não produz
o resultado por
si só
Que por si só
produz o
resultado
ROMPEM O 
NEXO CAUSAL
ERRO DE TIPO
Você sabe conceituar? 
@
V
IV
IA
N
E.
A
M
O
RI
M
M
ERRO 
DE TIPO
ESSENCIAL
ACIDENTAL
Sobre
 a execução
Sobre a
pessoa
inevitável/invencível
Sem dolo
Sem culpa
Não há conduta
Exclui o fato típico
Evitável/Vencível
SEM dolo
COM culpa
Responde por CRIME
CULPOSO, se houver previsão
da modalidade culposa no tipo
penal.
Erra-se o alvo atingindo
outra pessoa, mesmo
visando acertar a
desejada.
O agente confunde o
alvo
Ambos possuem o
dolo;
O agente responderá
pelo que queria
realizar.
O agente não sabe
o que faz,
praticando o tipo
penal por erro
O agente quer praticar
determinado tipo penal,
mas acaba errando o
desfecho de sua ação.
Sobre a
objeto
Resultado diverso
do pretendido
O agente foca no bem
jurídico x e acerta o y;
Se acerta os dois responde
em concurso formal.
O agente executa
corretamente, mas erra
o objeto.
Erro sobre
 o nexo causal
O resultado se produz,
mas com nexo diverso.
ERRO DE 
PROIBIÇÃO
ERRO 
DE PROIBIÇÃO
O agente se equivoca quanto à existência
ou os limites de causa excludente da
ilicitude.
O agente supõe a existência de uma situação
fática que, se realmente existisse, tornaria
legítima a sua conduta.
Você sabe conceituar? 
@
V
IV
IA
N
E.
A
M
O
RI
M
M
INEVITÁVEL
(ESCUSÁVEL)
EVITÁVEL
(INESCUSÁVEL)
É o erro sobre a ilicitude do fato
Exclui a culpabilidade
(isento de pena)
Redução de pena
(1/6 a 1/3)
DIRETO
INDIRETO
ERRO DE
TIPO
Exclui o dolo
 Responde na modalidade 
culposa se houver
ITER 
CRIMINIS
CONSUMAÇÃO
COGITAÇÃO Pensamento do agente quando apenas COGITA praticar ocrime
TEORIA OBJETIVO-FORMAL: adotada no
Brasil, aponta como ato executório aquele
que inicia a realização do núcleo do tipo.
Já iniciada a execução, o
crime NÃO se consuma por
circunstâncias ALHEIAS à
vontade do agente.
PENA: diminui de 1/3 a 2/3
ATOS
EXECUTÓRIOS
TENTATIVA
O crime reúne TODOS os
elementos de sua definição
legal - art. 14, I, CP
Você sabe diferenciar? 
É IMPUNÍVEL
Regra geral: IMPUNÍVEL
Casos em que a lei pune ATOS PREPARATÓRIOS
O agente INICIA a realização do crime
@
V
IV
IA
N
E.A
M
O
RIM
M
ATOS
PREPARATÓRIOS
ITER 
CRIMINIS
Você sabe diferenciar? 
@
V
IV
IA
N
E.A
M
O
RIM
M
ATOS
EXECUTÓRIOS
ATOS
PREPARATÓRIOS
ZAFFARONNI
Ato executório é aquele realização no
período IMEDIATAMENTE ANTERIOR ao
início da realização do fato típico.
Em regra, são
IMPUNÍVEIS, exceto
se delito autônomo.
Ato executório é aquele que inicia a
realização do núcleo do tipo.
Gera uma atuação ineficiente do Estado ja
que espera-se que o agente se aproxime
muito da consumação.
FREDERICO MARQUES
O ato executório é aquele que inicia a
realização do núcleo do tipo penal
quanto aos atos imediatamente
anteriores.
Ato executório é aquele que ataca o
bem jurídico e cria situação de
perigo;
Gera um excesso, já que pune atos
muito distantes da consumação.
NELSON HUNGRIA
TEORIA 
OBJETIVO - INDIVIDUAL
TEORIA
Página12345