A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
CÂNCER

Pré-visualização | Página 1 de 1

CÂNCER
 O QUE É O CÂNCER?
Cuja malignação resulta frequentemente de mutações em genes que controlam a multiplicação celular.Todo câncer humano resulta de mutações no DNA, as quais o tornam a doença genética mais comum.As vezes algumas células escapam do processo regulatório e passam a crescer e a dividir-se descontroladamente.A passagem para esse crescimento desregulado chama-se neoplasia , e o conjunto de células resultantes, que não seguem a taxa normal de divisão celular do tecido originário,nem possuem função determinada, é denominada de neoplasma ou tumor. 
Os tumores benignos são autolimitantes e se disseminam entre tecidos adjacentes nem formam metástases, mas podem causar problemas por pressão mecânica.Os tumores malignos mostram crescimento ilimitado, podem disseminar-se tanto para os tecidos vizinhos quanto por metástase.
Características das células cancerosas 
A)Crescimento e multiplicação descontrolados;
B)Alterações morfológicas , sendo mais arredondadas e possuem membrana celular mais fluída
C)Perda da inibição por contato;
D) Perda da afinidade celular específica;
E)Propriedades imunológicas diferentes, com a presença de antígenos específicos tumorais na membrana celular;
F)Desdiferenciação;
G)Invasividade 
H) maior e mais rápida captação de glicose
I)Utilização de metabolismo anaeróbico
J) citoplasma indiferenciado, com organelas maldesenvolvidas,mudanças degenerativas frequentes e presença de inclusões citoplasmáticas.
OBSERVAÇÃO 1:Atenta-se que tem-se o câncer o câncer monoclonal (leucemias e linfomas) e policlonal(carcinoma de mama e neurofibromatose);
OBSERVAÇÃO 2: Existem muitos fatores ambientais predisponentes ao câncer, a saber, as radiações, alguns vírus e substâncias químicas consideradas carcinogênicas, demonstrando que os fatores genéticos não são os únicos a explicar o surgimento das neoplasias.
COMO SE DESENVOLVE O CÂNCER?
	As células são controladas geneticamente por duas classes de genes específicos: os proto-oncogenes e os genes supressores de tumor. Devem-se a fatores de crescimento, receptores de fatores de crescimento e fatores de transcrição nuclear, ou seja, aos sinais bioquímicos que as células recebem, processam e interpretam a fim de continuarem sua multiplicação ou de interrompê-la, diferenciando-se em células especializadas.
Geralmente ocorrem várias mutações, que vão se acumulando ao longo dos anos, até que uma determinada célula perde um número crítico de mecanismos de controle do crescimento e inicia um tumor.
PROTO-ONCOGENES: Regulam o crescimento celular e a diferenciação normais
GENES SUPRESSORES DE TUMOR: Regulam o crescimento anormal, inibindo-o.
ONCOGENES: são genes dominantes no nível celular que codificam proteínas que contribuem para o descontrole da divisão celular e o fenótipo maligno das células. Sua maioria apresenta mutações somáticas de ganho de função que causam cânceres esporádicos: uma única cópia de um oncogene é necessária para contribuir ao processo de múltiplas etapas na formação de um tumor.
MECANISMOS DE ATIVAÇÃO DOS PROTO-ONCOGENES
A) por mutação pontual;
B) por amplificação gênica;
C)por translocação cromossômica;
D) por ativação retroviral.
GENES SUPRESSORES DE TUMOR 
São genes recessivos no nível celular, cuja função normal é reprimir a divisão celular como um mecanismo normal de controle da mesma. Sua função pode ser perdida ou alterada por deleção ou por mutação pontual, contribuindo para o desenvolvimento do câncer. A perda das proteínas desregula o crescimento celular, podendo levar à formação de tumores.
OBSERVAÇÃO: A primeira seria uma mutação específica para um ou mais tecidos; a segunda alteração poderia ser uma mutação somática ou outro tipo de mudança(deleção, por exemplo).Nas formas genéticas, pelo menos uma alteração somática adicional deve ocorrer para que se desenvolva um tumor, mas não-genéticas, são necessárias duas alterações somáticas numa célula, para a marginalização.
Da mesma forma que outros genes supressores de tumor, o gene TP53 codifica um fator de transcrição, denominado p 53, que intervém no ciclo celular interrompendo-o na fase G1 e regulando a entrada das células em apoptose. Nessa fase, a célula deve corrigir os erros de replicação do DNA ou, caso esteja irreparavelmente danificado, parar de dividir-se. Se uma célula perder um gene TP53 ou se esse gene sofrer mutação e não mais funcionar adequadamente a célula pode tornar-se cancerosa.
SUSCETIBILIDADE GENÉTICA AO CÂNCER
A) O início de um câncer hereditário na meia-idade
B) Presença simultânea na mesma família de um câncer hereditário e de outro não-hereditário
NEOPLASIAS E ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS
As alterações cromossômicas encontradas nas neoplasias podem ser inespecíficas ou especificas. AS inespecíficas são quebras, aneuploidias e rearranjos observados em várias doenças predisponentes ao câncer, como as síndromes com deficiência do reparo do DNA e as pré-leucemias. As específicas para determinados tipos de tumores consistem principalmente em translocações e deleções.
ATENÇÃO
Se o sistema de contagem feito pelos telômeros ocorresse normalmente nas células cancerosas, sua grande proliferação seria limitada antes de os tumores ficarem muito grandes. Mas esse sistema de defesa não funciona durante o desenvolvimento das maioria das células cancerosas por causa da ativação do gene que codifica a enzima telomerase. Essa enzima substitui os segmentos teloméricos que são geralmente podados durante cada ciclo celular 
Se a telomerase puder ser bloqueada nas células cancerosas, seus telômeros encurtarão de novo sempre que elas se dividirem, levando-as à apoptose
APOPTOSE,MORTE CELULAR PROGRAMADA OU SUÍCIDIO CELULAR
Quando algum componente essencial da célula está danificado ou algum de seus sítios de controle está desregulado, a célula entra em apoptose. Por exemplo, dano ao DNA, ativação de um oncogene ou inativação de um gene supressor de tumor são fatores que podem desencadear a apoptose. A destruição da célula é ruim para a célula em si, porém é bom para o organismo como um todo, aos perigos potenciais para o organismo, por mutações carcinogênicas, são muito maiores do que o pequeno preço pago pela perda de uma única célula.
Os tumores que afetam os tecidos do organismo humano parecem surgir de uma rara célula geneticamente anormal, que escapa do programa do apoptose.Os principais fatores de risco para o desenvolvimento de câncer são vírus,radiações,e substancias químicas.
Porque então que apenas uma parte da população chega a ter câncer? Uma possível explicação para isso seria a variabilidade genética que existe entre os indivíduos nas enzimas de reparo do DNA,no controle da vigilância imunológica e na capacidade metabólica de transformar determinadas substancias em agentes carcinogênicos.