A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Família Herpesviridae

Pré-visualização | Página 1 de 1

Famíli� Herpesvirida�
CARACTERÍSTICAS
Dupla fita de DNA linear; Nucleocapsídeo
icosaédrico; Envolto por um tegumento
proteico que envolve o capsídeo logo
abaixo do envelope viral; Envelopado;
Tamanho: 12 a 260 nm; Espículas de
glicoproteínas; Maioria tem período de
latência.
SUBFAMÍLIAS
Alphaherpesvirinae
Vírus herpes simplex (HSV) tipos 1 e 2
Vírus varicela zoster (VZV) - catapora
(doenças exantemáticas)
Vírus herpes B (raríssimo).
Vírus latentes de neurônios de gânglios
sensoriais. Causam lesões muco
cutâneas.
Betaherpesvirinae
Citomegalovírus (CMV) → vírus grande, é
imunossupressor e oportunista (podemos
ter por muito tempo e se manifestar
quando a imunidade cai).
Herpes vírus tipo 6 (HHV-6) e Herpes
vírus 7 (HHV-7) → doenças
exantemáticas (importante na pediatria).
Replicam lentamente em células de
cultura. Estabelecem latência em células
mononucleares.
Gammaherpesvirinae
Epstein-Barr (EBV) → mononucleose
infecciosa, vírus oncogênico, acomete
principalmente linfócitos B.
Herpesvírus associado ao Sarkoma de
Kaposi (KSHV = HHV-8) → vírus
oncogênico, ataca principalmente as
células do endotélio, muito presente em
pacientes com AIDS.
Estabelecem latência em linfócitos.
Causam lesão lítica em células epiteliais e
fibroblastos.
GENOMA VIRAL
1 dalton = peso de 1 molécula de
hidrogênio
125000 a 240000 pares de base; Consiste
de uma única região longa e regiões
repetidas pequenas; Regiões repetidas
pequenas = estudos moleculares (IR);
Segmento genômico = core e DNA
polimerase; Espículas = GP= B;H; L (12
tipos diferentes).
REPLICAÇÃO VIRAL
Vírus DNA
Receptores :
HSV-1; HSV-2 → glicosaminoglicanas =
heparan sulfato; família TNF. Heparan
sulfato: muito presentes em nossas
células principalmente nas de mucosa;
glicosaminoglicanas; acabam permitindo a
ligação de vírus (herpes simplex) → é o
principal receptor.
VZV → IDE (enzima degradados de
insulina)
CMV = PDGRF = Fator de crescimento
derivado de plaqueta; EGRF = fator de
crescimento epidérmico
HH6 = CD46
EPV(Epstein Barr): se liga ao CD21/MHC,
presente somente no linfócito B
KSHV = Integrina alfa, beta
Alguns vírus utilizam dois receptores:
Receptor (ex: heparan sulfato); Co
receptor (ex: HVEM)
HVEM: receptor mediador da entrada de
herpesvírus, receptor ‘’secundário’’.
ADESÃO
Espículas (que vão se ligar à superfície
das células): gD; gH e gL; e gB, interagem
ao mesmo tempo.
A gL está sempre acoplada ao gH e junto
ao gB, se ligam ao heparan sulfato. A gD
muda de formação ao se ligar com o co
receptor. Os 4 se interagem e a gB vai
mudar sua conformação também, se
fundindo a membrana citoplasmática.
Resultado fusão do envelope do vírus na
membrana plasmática. Vírus entra e se
replica dentro da célula; gM e gE (ligadas
também a gL) fazem receptores de
junção, célula infectada com célula não
infectada (difusibilidade do vírus entre
uma célula e outra). Escape do sistema
imunológico, ele se ligando, não está solto
e é mais difícil o sistema imunológico
pegá-lo, e vai se espalhando.
PENETRAÇÃO
Fusão com membrana celular (o envelope
fica para fora da célula e entra o
capsídeo, que sofre processo de
desnudamento); nucleocapsídeo (foi
injetado para dentro da célula);
microtúbulos (o vírus vai caminhando
através deles); núcleo (injeta o genoma
através dos poros da carioteca).
A gK, uma das espículas do envelope
viral que tem a capacidade de se ligar a
microtúbulos do citoesqueleto da célula; O
vírus se utiliza de enzimas celulares; Todo
metabolismo da célula é parado, o vírus
se utiliza totalmente da célula.
* Proteínas não estruturais (proteínas
beta); ação enzimática → produzidas mais
cedo.
* Estruturais (proteínas gama); as
partículas virais (vírions), monta o vírus →
produzidas mais tarde.
* Proteína anterior → proteína alfa, vai
regular toda a estrutura do genoma a
produzir as não estruturais e estruturais.
Transcrição RNA = RNA polimerase II
(celular).
VHS = degradação RNAm, interrompe a
síntese de macromoléculas.
VP16 (alfa TIF) = tegumento + OCT 1 =
proteínas alfa precoce = ativar, transcrição
e tradução = genes beta.
Proteína Oct-1 (da célula) controla a
produção de RNAm. Promotor: precisa ser
desbloqueado para ocorrer a síntese,
caso contrário não tem transcrição
(RNAm) → Controla toda a extensão do
DNA viral; Quando o vírus penetra no
núcleo, penetram também proteínas do
tegumento TIF ou VP16.
Para desbloquear o promotor deve ter
dois mecanismos: ter o Oct-1 (celular) e
ter o VP16 (controlando o Oct-1).
Também se usa o RNA polimerase da
própria célula para traduzir o RNAm.
Ocorre a transcrição do RNAm, é
traduzido em proteína alfa, aquela que
antecede a produção das estruturais e
não estruturais. Proteína alfa se liga ao
gene da proteína beta, permite a
transcrição de gene da proteína beta
(enzimas), e desreprime os genes das
proteínas gama (estruturais). Ou seja, são
os genes betas que vai estimular o gen
gama a também ser transcrito e traduzido
em proteínas gama.
Tratamento: ACICLOVIR - análogo da
guanosina.
Para esta droga agir, ela precisa do vírus.
Ele mesmo vai se matar com a droga,
pois a droga precisa da timidina quinase
do vírus para que ocorra a fosforilação do
aciclovir e entre na formação do DNA viral
interrompendo sua formação. Em vez de
pegar a base de guanosina real se pega o
aciclovir.