Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Cargas Elétricas do Solo - Resumo + Exercícios Resolvidos

Pré-visualização | Página 1 de 2

CARGAS ELÉTRICAS DO SOLO: 
• A presença de cargas elétricas (negativas e positivas) nos minerais da fração argila e nos componentes 
orgânicos (matéria orgânica) afetam diretamente a retenção (adsorção) de nutrientes, retenção de água, 
formação de agregados no solo e redução da poluição ambiental. 
 
• A origem das cargas elétricas no solo ocorre devido ao fenômeno de retenção de íons e moléculas 
armazenadas na superfície de partículas de parte sólida. 
 
• Em geral, têm-se no solo a predominância de cargas negativas sobre as cargas positivas, principalmente 
no horizonte A. Esta predominância acontece devido a presença de argilas silicatadas mais ativas e a 
presença de matéria orgânica, e ocorre de modo mais recorrente em solos de regiões temperadas; já em 
solos mais intemperizados de regiões tropicais, está predominância tende a diminuir, e em casos extremos, 
desaparecer ou mesmo inverter nos solos. 
 
Tipos de Cargas do Solo: 
As cargas presentes no solo podem ser classificadas em dois grupos: 
- Cargas permanentes ou constantes; 
- Cargas variáveis; 
 
CARGAS PERMANENTES OU CONSTANTES: 
 ∟ Principal processo: surgem devido a substituição isomórfica (iso = igual; morfo = 
formatos/tamanhos), também chamada iônica, de íons de tamanhos semelhantes, mas com cargas 
diferentes. (ex. 
substituição isomórfica tanto nos tetraedros de Si4+ por Al 3+, como nos octaedros de Al+3 por Mg+2). 
 
 ∟ Características: formam-se cargas permanentes/constantes, ou seja, não depende do manejo ou 
de aplicação de calcário e fertilizantes. 
 - Grande quantidade de cargas (-) permanentes é formada em argilas do tipo 2:1. (ex. minerais 
silicatados) 
 - Mecanismo de grande importância em solos pouco intemperizados. 
 
• Principais substituições iônicas: geram cargas negativas na superfície do mineral. 
 ∟ Ex. Tetraedros de sílica: Si4+ → Al 3+ : gera uma carga negativa 
 
Regra geral: o elemento que substitui o outro, possui carga menor do que o que estava presente ou que 
deveria estar, no tetraedro e no octaedro; assim, grande parte das substituições geram cargas negativas 
no solo. 
 
CARGAS VARIÁVEIS: 
Cargas Elétricas do Solo 
• São originárias da adsorção de íons na superfície dos coloides do solo, sendo a carga líquida determinada 
pelo íon que é adsorvido em excesso. Sendo os principais íons de terminantes de potencial na solução do solo 
H+ e OH-, estes são também chamados de colóides de carga dependente do pH. 
- Dissociação: processo de separação do Hidrogênios do Oxigênio, das moléculas de OH presentes na 
superfície dos coloides, favorecendo o aparecimento de cargas negativas (O-) e de prótons de H+ no solo. 
→ geração de cargas negativas - retenção de cátions. 
 
- Protonação: processo de ligação do H+ solução presente no solo aos H presentes nos OH-, da camada 
superficial dos coloides. (processo muito raro e em pequenos valores) → geração de cargas positivas 
ânions - retenção de ânions. 
 
Assim, ao conjunto das cargas negativas dá-se o nome de CTC (capacidade de troca de cátions) e das 
cargas positivas do solo, dá-se o nome de CTA (capacidade de troca de ânions). 
 
 ∟ Características das cargas variáveis: 
 - Variam com o pH; 
 - Importante para: minerais silicatados 1:1 (nas bordas) 
 
CAPACIDADE DE TROCA DE CÁTIONS: 
• A capacidade de troca de cátions (CTC) corresponde à soma das cargas negativas nas partículas 
microscópicas do solo (fração argila, e matéria orgânica) retendo os cátions, tais como cálcio (Ca2+), 
magnésio (Mg2+), potássio (K+), sódio (Na+), alumínio (Al3+) e hidrogênio (H+). 
 
• Na determinação de CTC do solo é importante considerar o pH em que a troca catiônica se verifica. Isto 
porque, além das cargas negativas de caráter eletrovalente, existem também cargas de caráter covalente. 
Estas se manifestam, ou não, de acordo com o pH do meio. Assim, parte das cargas negativas do solo 
(eletrovalente) é permanente, enquanto outra parte (covalente) é dependente do pH. 
 
• Em termos gerais, a diferença entre a CTC a pH 7.0 e a CTC Efetiva é na verdade, a quantidade de cátion 
representados pelo íon H+ que podem ser neutralizados por íons oriundos de calagem como o OH- 
(Laborsolo, 2017) 
 
O aumento da CTC pode ser feito de duas formas: pela adição de argilas, no entanto, esta prática é inviável 
do ponto de vista prático, e uma segunda forma, é pela adição de matéria orgânica. (ex. adição de esterco, 
compostos orgânicos, ou palhas) 
 
ADSORÇÃO DE NUTRIENTES E TROCA IÔNICA: 
• As propriedades de adsorção iônica do solo são devidas, quase que totalmente, aos minerais de argila e à 
matéria orgânica coloidal do solo, materiais de elevada superfície específica. Essas partículas coloidais do solo 
apresentam cargas elétricas negativas e positivas; 
 
• As cargas negativas e positivas do solo são responsáveis pela retenção (adsorção) de nutrientes, 
essenciais ao crescimento das plantas. Essa adsorção ocorre em razão da diferença de cargas elétricas, 
onde os cátions serão atraídos pelas cargas negativas (CTC) e os ânions pelas cargas positivas (CTA). 
 
• As cargas negativas são neutralizadas por íons eletropositivos, ou seja, pelos cátions, o que se denomina 
adsorção catiônica. Na neutralização de cargas positivas pelos ânions tem-se a adsorção aniônica. Os íons 
envolvidos nesse processo de adsorção ligam-se por eletrovalência ou por covalência às partículas coloidais 
do solo. 
 
 
EXERCÍCIOS RESOLVIDOS: 
1. As cargas elétricas do solo são divididas em duas classes principais. Quais são elas? 
R.: Cargas permanentes ou constantes e cargas variáveis. 
 
2. Qual o principal mecanismo de geração de cargas permanentes ou constantes? Esse tipo de carga é m ais comum em solos 
tropicais úmidos bem drenados ou em solos temperados? Por quê? 
R.: São formadas principalmente por substituição isomórfica (iônica), que é o processo de substituição de íons de tamanhos 
semelhantes, mas de cargas elétricas distintas. As substituições iônicas ocorrem principalmente em argilas 2: 1, que são mais 
comuns em solos menos intemperizados, encontrados predominantemente em regiões tem peradas, com menos ação dos 
agentes de intemperismo, como chuva e calor. 
 
3. Quais as principais substituições iônicas (ou isomórficas) que ocorrem nos tetraedros de sílica e nos octaedros de alumina? 
R.: Nos tetraedros de sílica a principal substituição iônica que ocorre é a do Si 4+ pelo Al3+ e nos tetraedros de alumina 
ocorre a substituição do Al3+ por Mg2+ ou Fe2+, principalmente 
 
4. Explique o mecanismo de geração de cargas por dissociação do grupo OH e por Protonação. Como a variação do pH da 
solução do solo afeta os mecanismos? 
R.: A dissociação corresponde à saída do H dos grupos OH expostos na superfície dos coloides, enquanto a protonação ocorre 
quando o H da solução é adsorvido pelos grupos OH expostos, gerando cargas positivas 
 
5. Quais os principais radicais orgânicos que participam da geração de cargas elétricas? São 
formadas predominantemente cargas positivas ou negativas? 
R.: Os principais grupos que contribuem com as cargas na MOS são os carboxílicos e os fenólicos. Como o PCZ do húmus é 
menor que 2 e a grande maioria dos solos possuem pH acima deste valor, as cargas formadas são predominantemente 
negativas, sendo a MOS uma importante fonte de cargas negativas em solos altamente intemperizados. 
 
6. Qual o mecanismo de geração de cargas nos seguintes coloides do solo: 
a) matéria orgânica; 
R.: A geração de cargas da MOS é feita principalmente pela dissociação do H dos grupamentos OH da superfície dos coloides. 
Como o PCZ do húmus é menor que 2 e a grande maioria dos solos possuem pH acima deste valor, as cargas formadas são 
predominantemente negativas, sendo a MOS uma importante fonte de cargas negativas em solos intemperizados. 
 
b) minerais de argila; 
R.: Nos minerais de argila 2:1, ocorre a geração de cargas pela substituição iônica, sendo estas cargas permanentes e de 
grande
Página12