A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
LEI DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL

Pré-visualização | Página 1 de 1

DIREITO EMPRESARIAL I 
Lei de Propriedade Industrial 
Propriedade Industrial 
Tudo aquilo que tem aplicabilidade industrial. Propriedade é algo que se possui, o direito de 
usufruir ou dispor de um bem. 
 
Tutela da LPI 
A Lei de Propriedade Industrial tutela invenções, marcas, desenhos industriais e modelo de 
utilidade. A proteção é dada pelo INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial). 
 
Patente de invenção 
Produto original, fruto de atividade inventiva e com aplicabilidade industrial (art. 8°, LPI). 
Vale ressaltar que invenção é diferente de descoberta. A invenção não é considerada nova 
quando estiver no estado da técnica, portanto não pode ser registrada (art. 11, LPI). O estado 
da técnica é tudo aquilo tornado acessível ao público antes da data de depósito do pedido de 
patente, não é considerado estado da técnica a divulgação de invenção ocorrida 12 meses antes 
do deposito de patente, seja pelo inventor, pelo INPI ou terceiros com informação do inventor. É 
presumido que quem solicita a patente de um produto seja o próprio inventor (art. 6°, LPI), é 
possível também que haja a pluralidade de inventores e nesses casos a patente é concedida a 
quem pedir primeiro (art. 7°, LPI). Após ser concedida a patente, ela será mantida em sigilo por 
18 meses e assim o inventor poderá requerer a patente em outros países (art. 30, LPI). Para que 
uma indenização seja pedida, em caso da utilização da invenção por terceiros no pedido de 
sigilo, há a possibilidade da publicação antecipada. Em casos que a patente não for concedida, 
o inventor terá o prazo de 90 dias para reivindicar ou formular qualquer exigência (art. 36, LPI). 
A patente vigorará pelo prazo de 20 anos, nunca será menor que 10 anos a contar da data de 
concessão, após o período de vigência estipulado será de domínio público (art. 40, caput e § 
ún., LPI). A patente concede ao seu inventor o direito de impedir que terceiros a utilizem sem o 
seu consentimento (art. 42, LPI). Não há proteção da patente quando um terceiro não 
autorizados utiliza-la em caráter privado e sem finalidade comercial, atos praticados por terceiros 
com finalidade experimental, produtos fabricados de acordo com a patente e colocados no 
mercado interno pelo titular da patente ou pessoas autorizadas por ele, patentes relacionadas 
com matéria viva sem finalidade econômica e sendo utilizada como fonte inicial de variação, 
patente sendo utilizada exclusivamente para a produção de informações, dados e resultados de 
testes. A pessoa de boa-fé que já utilizava a patente antes do pedido poderá continuar usando-
a sem problemas (art. 45, LPI). A patente ou modelo de utilidade se extingue (art. 78, LPI) 
quando o prazo de vigência acabar, por vontade de seu titular (ressalvado o direito de terceiros), 
pela caducidade, pela falta de retribuição anual e quando não observado o art. 217 desta lei. Em 
casos de empresas que tem a finalidade de criar algo, o funcionário que inventar um produto não 
terá a patente, pois esta é da empresa (art. 88, LPI). Pertencerá exclusivamente ao funcionário 
a patente, desde que desvinculado do contrato de trabalho e não decorrente da utilização de 
recurso da empresa (art. 90, LPI). 
 
Modelo de utilidade 
Quando o invento é melhorado por outra pessoa, que pensa em seu uso prático (art. 9°, LPI). O 
modelo de utilidade terá a vigência de máxima de 15 após o deposito e no mínimo 7 anos após 
a data de concessão. Não é considerado invenção ou modelo de utilidade: 
 • descobertas, teorias cientificas, métodos matemáticos; 
 • concepções puramente abstratas; 
 • esquemas, planos, princípios, métodos comerciais, contábeis, financeiros, educativos, 
publicitários, de sorteio, fiscalização; 
 • obras literárias, arquitetônicas, artísticas, cientificas ou qualquer criação estética; 
 • programas de computador em si; 
 • apresentação de informações; 
 • regras de jogo; 
 • técnicas e métodos operatórios, cirúrgicos, terapêuticos, diagnostico, para aplicação no corpo 
humano ou animal; 
 • o todo ou parte de seres vivos encontrados na natureza, ou ainda que isolados, inclusive o 
genoma ou germoplasma de qualquer serviço natural e os processos biológicos naturais. 
 
Desenhos Industriais 
Atividade dedicada ao projeto de produtos humanos, seja no âmbito gráfico, da indumentária, 
produto ou digital (art. 95, LPI). A proteção cobre apenas a proteção e a originalidade de um 
produto. O registro do design da ao titular um título de propriedade temporário e o direito de 
excluir concorrentes que estejam fabricando, comercializando, importando e usando produtos 
com o design igual ou substancialmente semelhante àquele já protegido. Ao desenho Industrial 
também cabe a observância ao estado da técnica (art. 96, LPI). Não se considera desenho 
industrial qualquer obra de caráter puramente artístico (art. 98, LPI). Após a concessão, o 
Certificado de Registro de Desenho Industrial tem prazo de vigência de 10 (dez) anos, 
prorrogável por 3 (três) períodos sucessivos de 5 (cinco) anos cada, totalizando, assim, 25 (vinte 
e cinco) anos de proteção (art. 108, LPI). É permitido que haja variações do objeto (20), desde 
que sejam destinadas ao mesmo propósito e guardem a mesma característica (art. 104, LPI). 
 
Marcas 
Marca é um sinal distintivo cujas funções principais são identificar a origem e distinguir produtos 
ou serviços de outros idênticos, semelhantes ou afins de origem diversa. São passíveis de 
registro como marca todos os sinais distintivos visualmente perceptíveis, não compreendidos nas 
proibições legais (art. 122, LPI). O registro de marca é válido por 10 anos, a partir da data 
concessão do registro. Depois desse período, a renovação da marca deve ser realizada para 
restaurar a proteção e os direitos exclusivos do titular. A renovação pode ser feita 
indefinidamente, mediante a apresentação do pedido de prorrogação e o pagamento de taxas e 
encargos correspondentes.Existem 3 tipos de marca: 
 • Marca de produto: usada para distinguir produto ou serviço de outros idênticos, semelhantes 
ou afins, de origem diversa (art. 123, inciso I, da LPI). 
 • Marca coletiva: indicar ao consumidor que aquele produto ou serviço provém de membros de 
uma determinada entidade (art. 123, inciso III, da LPI). 
 • Marca de certificação: informar ao público que o produto ou serviço distinguido pela marca 
está de acordo com normas ou padrões técnicos específicos. A marca de certificação deve ser 
utilizada somente por terceiros que o titular autorize como forma de atestar a conformidade do 
produto ou serviço aos requisitos técnicos. 
Há também diversas formas de apresentação da marca, são elas: 
 • marca nominativa: é o sinal constituído por uma ou mais palavras no sentido amplo 
 • marca figurativa: sinal constituído por desenho, imagem, forma fantasiosa ou figurativa de 
letra ou algarismo isoladamente, palavras compostas por letras de alfabetos distintos, 
Ideogramas, tais como o japonês e o chinês. Nas duas últimas hipóteses elencadas, a proteção 
legal recai sobre a representação gráfica das letras e do ideograma em si, e não sobre a palavra 
ou expressão que eles representam. 
 • marca mista: é o sinal constituído pela combinação de elementos nominativos e figurativos ou 
mesmo apenas por elementos nominativos cuja grafia se apresente sob forma fantasiosa ou 
estilizada. 
 • marca tridimensional: é o sinal constituído pela forma plástica distintiva em si, capaz de 
individualizar os produtos ou serviços a que se aplica. 
http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/marcas/arquivos/tabela-de-retribuicao-de-servicos-de-marcas-inpi-20170606.pdf
http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/marcas/arquivos/tabela-de-retribuicao-de-servicos-de-marcas-inpi-20170606.pdf