A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Aleitamento materno

Pré-visualização | Página 1 de 2

Julia S. Crescencio/P3/TUT 02 UC 7 
ALEITAMENTO MATERNO 
 
FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO 
O leite produzido nos alvéolos das glândulas mamárias é levado até os seios 
lactíferos por uma rede de ductos. Para cada lobo mamário há um seio lactífero, com uma 
saída independente no mamilo. 
A mama, na gravidez, é preparada para a amamentação (​lactogênese fase I​) sob a 
ação de diferentes ​hormônios​. Os mais importantes são o ​estrogênio​, responsável pela 
ramificação dos ductos lactíferos, e o ​progestogênio​, pela formação dos lóbulos. Outros 
hormônios também estão envolvidos na aceleração do crescimento mamário, tais como 
lactogênio placentário, prolactina e gonadotrofina coriônica. ​Apesar de a secreção de 
prolactina estar muito aumentada na gestação, a mama não secreta leite nesse período 
graças a sua inibição pelo lactogênio placentário. 
Com o nascimento da criança e a expulsão da placenta, há uma queda acentuada 
nos níveis sanguíneos maternos de progestogênio, com consequente liberação de 
prolactina pela hipófise anterior, iniciando a ​lactogênese fase II ​e a secreção do leite. Há 
também a liberação de ​ocitocina durante a sucção, hormônio produzido pela hipófise 
posterior, que tem a capacidade de contrair as células mioepiteliais que envolvem os 
alvéolos, expulsando o leite neles contido. 
A produção do leite logo após o nascimento da criança é controlada principalmente 
por hormônios e a “descida do leite”, que costuma ocorrer até o terceiro ou quarto dia 
pós-parto, ocorre mesmo se a criança não sugar o seio. 
Após a “descida do leite”, inicia-se a ​fase III da lactogênese, também denominada 
galactopoiese​. Essa fase, que se mantém por toda a lactação, depende principalmente da 
sucção do bebê e do esvaziamento da mama. Quando, por qualquer motivo, o 
esvaziamento das mamas é prejudicado, pode haver uma diminuição na produção do leite, 
por inibição mecânica e química. O leite contém os chamados “peptídeos supressores da 
lactação”, que são substâncias que inibem a produção do leite. ​A sua remoção contínua 
com o esvaziamento da mama garante a reposição total do leite removido. 
Grande parte do leite de uma mamada é produzida enquanto a criança mama, sob o 
estímulo da prolactina. ​A ocitocina, liberada principalmente pelo estímulo provocado 
pela sucção da criança, também é disponibilizada em resposta a estímulos 
condicionados, tais como visão, cheiro e choro da criança, e a fatores de ordem 
emocional, como motivação, autoconfiança e tranquilidade. Por outro lado, a dor, o 
desconforto, o estresse, a ansiedade, o medo, a insegurança e a falta de autoconfiança 
podem inibir a liberação da ocitocina, prejudicando a saída do leite da mama. 
Nos primeiros dias após o parto, a secreção de leite é pequena, menor que 100ml/ 
dia, mas já no quarto dia a nutriz é capaz de produzir, em média, 600ml de leite. Na 
amamentação, o volume de leite produzido varia, dependendo do quanto a criança mama e 
da frequência com que mama. Quanto mais volume de leite e mais vezes a criança mamar, 
maior será a produção de leite. Uma nutriz que amamenta exclusivamente produz, em 
média, 800ml por dia no sexto mês. Em geral, uma nutriz é capaz de produzir mais leite do 
que a quantidade necessária para o seu bebê. 
 
 
 
Julia S. Crescencio/P3/TUT 02 UC 7 
COMPOSIÇÃO DO LEITE MATERNO 
 
Além disso possui: IgA, IgM, IgG, macrófagos, neutrófilos, linfócitos B e T, lactoferrina, 
lisozima, fator bífido (favorece o crescimento de uma bactéria que acidifica as fezes). 
 
TIPOS DE ALEITAMENTO  
➔ Materno​: criança recebe leite materno, independente de receber ou não outros 
alimentos 
● Exclusivo​: apenas leite materno (exceções para gotas/xaropes). 
● Predominante​: leite materno + água (ou bebidas à base de água + sucos de 
fruta + fluidos rituais 
● Complementado​: leite materno + alimentos sólidos ou semi-sólidos 
● Misto/parcial​: leite materno + outros tipos de leite 
 
CONTRAINDICAÇÕES 
Absolutas​: mães com HIV, HTLV, câncer de mama tratado ou em tratamento; Bebês com 
galactosemia, fenilcetonúria, intolerância, etc 
Temporárias​: herpes simples, varicela, doença de chagas, álcool e drogas, hanseníase, etc 
 
Benefícios da amamentação (para a mãe e o bebê) e complicações da introdução alimentar precoce 
➔ Evita mortes:​ neonatais, por infecções, por diarréia 
➔ Evita diarréia: É importante destacar que essa proteção pode diminuir quando o 
aleitamento materno deixa de ser exclusivo. Oferecer à criança amamentada água 
ou chás, prática considerada inofensiva até pouco tempo atrás, pode dobrar o risco 
de diarréia nos primeiros seis meses. Além de evitar a diarréia, a amamentação 
também exerce influência na gravidade dessa doença. Crianças não amamentadas 
têm um risco três vezes maior de desidratarem e de morrerem por diarréia quando 
comparadas com as amamentadas. 
➔ Evita infecções respiratórias:​ pneumonias, bronquiolites, otites, etc 
➔ Diminui risco de alergias: à proteína do leite de vaca, dermatite atópica, asma, 
sibilos 
➔ Diminui o risco de hipertensão, colesterol alto e diabetes​: os amamentados 
possuem pressões menores e níveis menores de colesterol. A homeostase da 
glicose é favorecida em mulheres que amamentam, protegendo as mães contra 
diabetes. A exposição precoce ao leite de vaca, antes dos quatro meses, é um 
determinante de diabetes mellitus tipo 1 na criança. 
➔ Reduz as chances de obesidade: quanto maior o tempo em que o indivíduo foi 
amamentado, menor será a chance de ele vir a apresentar sobrepeso/obesidade. 
Julia S. Crescencio/P3/TUT 02 UC 7 
Entre os possíveis mecanismos implicados a essa proteção, encontram-se um 
melhor desenvolvimento da auto-regulação de ingestão de alimentos das crianças 
amamentadas e a composição única do leite materno participando no processo de 
“programação metabólica”, alterando, por exemplo, o número e/ou tamanho das 
células gordurosas ou induzindo o fenômeno de diferenciação metabólica. Foi 
constatado que o leite de vaca altera a taxa metabólica durante o sono de crianças 
amamentadas, podendo esse fato estar associado com a "programação metabólica” 
e o desenvolvimento de obesidade. 
➔ Melhor nutrição​: especialmente com proteínas, gorduras e vitaminas. 
➔ Efeito positivo na inteligência​: Alguns defendem a presença de substâncias no 
leite materno que otimizam o desenvolvimento cerebral; outros acreditam que 
fatores comportamentais ligados ao ato de amamentar e à escolha do modo como 
alimentar a criança são os responsáveis. 
➔ Melhor desenvolvimento da cavidade bucal: melhor conformação do palato duro, 
o que é fundamental para o alinhamento correto dos dentes e uma boa oclusão 
dentária.Quando o palato é empurrado para cima, o que ocorre com o uso de 
chupetas e mamadeiras, o assoalho da cavidade nasal se eleva, com diminuição do 
tamanho do espaço reservado para a passagem do ar, prejudicando a respiração 
nasal. Assim, o desmame precoce pode levar à ruptura do desenvolvimento 
motor-oral adequado, podendo prejudicar as funções de mastigação, deglutição, 
respiração e articulação dos sons da fala, ocasionar má-oclusão dentária, respiração 
bucal e alteração motora-oral. 
➔ Proteção contra câncer de mama 
➔ Evita nova gravidez