Anotação das aulas
19 pág.

Anotação das aulas

Disciplina:Fundamentos das Ciências Sociais5.058 materiais74.026 seguidores
Pré-visualização8 páginas
novos nós desde consigam comunicar-se dentro da rede, ou seja, desde compartilhem os mesmos códigos de comunicação (por exemplo, valores ou objetos de desempenho)”.

Nesse contexto é que a rede é um instrumento apropriado para a economia capitalista voltada para a inovação, globalização e concentração descentralizada; para o trabalho, trabalhadores e empresas voltadas para a flexibilidade e adaptalidade; para uma cultura de desconstrução e reconstrução contínuas; para uma política destinada ao processamento instantâneo de novos valores e humores públicos; e para uma organização social que vise à suplantação do espaço e invalidação do tempo.

Globalização e desigualdade social
Segundo Boaventura de Sousa Santos (Os processos da globalização. Disponível em http://www.eurozine.com/articles/2002-08-22-santos-pt.html), o impacto da globalização na produção de desigualdade a nível mundial tem sido amplamente debatido nos últimos anos. As novas desigualdades sociais produzidas por esta estrutura de classe têm vindo a serem amplamente reconhecidas mesmo pelas agências multilaterais que têm liderado este modelo de globalização, como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional. É hoje evidente que a iniquidade da distribuição da riqueza mundial se agravou nas duas últimas décadas: 54 dos 84 países menos desenvolvidos viram o seu PNB per capita decrescer nos anos 80; em 14 deles a diminuição rondou os 35%.

Segundo o Relatório do Programa para o Desenvolvimento das Nações Unidas de 2001,  mais de 1,2 bilhões de pessoas (pouco menos que 1/4 da população mundial) vivem na pobreza absoluta, ou seja, com um rendimento inferior a um dólar por dia e outros 2,8 bilhões vivem apenas com o dobro desse rendimento.

Segundo o Banco Mundial, o continente africano foi o único em que, nas últimas décadas, se verificou um decréscimo da produção alimentar.  O aumento das desigualdades tem sido tão acelerado e tão grande que é adequado ver as últimas décadas como uma revolta das elites contra a redistribuição da riqueza com a qual se põe fim ao período de uma certa democratização da riqueza iniciado no final da Segunda Guerra Mundial. Segundo o Relatório do Desenvolvimento Humano do PNUD relativo a 2005, os 20% da população mundial a viver nos países mais ricos detinham, em 1997, 86% do produto bruto mundial, enquanto os 20% mais pobres detinham apenas 1%. Segundo o mesmo Relatório, mas relativo a 2001, no quinto mais rico concentram-se 79% dos utilizadores da internet As desigualdades neste domínio mostram quão distantes estamos de uma sociedade de informação verdadeiramente global. A largura da banda de comunicação eletrônica de São Paulo, uma das sociedades globais, é superior à de África no seu todo. E a largura da banda usada em toda a América Latina é quase igual à disponível para a cidade de Seul.

Desigualdade, pobreza e exclusão social no Brasil
A desigualdade social no Brasil tem sua origem no processo de colonização. Ao longo dos anos, apesar de conquistas sociais como o fim do regime escravista, a marginalização histórica dos setores mais baixos da escala social brasileira permaneceu, a despeito dos avanços verificados nas duas últimas décadas.

Estatísticas revelam que 12,9% dos brasileiros vivem abaixo da linha da pobreza. As desigualdades regionais são visíveis: as regiões Norte e Nordeste respondem por 43% do total de pessoas vivendo em extrema pobreza no país.

A desigualdade também se expressa nos grandes centros urbanos, onde populações desassistidas vivem pelas ruas, e nas periferias das grandes e médias idades brasileiras, um expressivo número de pessoas vive em subocupações – as favelas, localidades em que se registra uma alto índice de criminalidade, decorrente da ausência ou ineficiência do poder público, e da ação de grupos que passam a exercer autoridade sobre a população, como traficantes e milícias.

Preconceito, discriminação e exclusão
Embora seja vedada pela Constituição Brasileira qualquer forma de discriminação, mecanismos sociais de exclusão, baseados em preconceito, discriminação e, por vezes, intolerância, impedem que parcelas significativas da sociedade brasileira tenham acesso à cidadania plena. Temos como exemplo desse processo de exclusão, entre outros, a situação das mulheres, dos negros e dos homossexuais.

Preconceito contra as mulheres
Hustana Vargas nos mostra que, na representação política, por exemplo, as mulheres estão muito aquém da igualdade que a Constituição lhe assegura: Embora as mulheres representem 51,20% do eleitorado brasileiro, aproximadamente o mesmo percentual da composição entre os sexos na população brasileira (IBGE, 2005), o percentual de candidatas às câmaras de vereadores, nas eleições de 2004 em todo o país, foi de 22,14%, totalizando 76.765. Já as candidatas às prefeituras somaram apenas 9,48% do total das candidaturas, ou seja, 1.495 candidaturas femininas.

Outro claro exemplo de preconceito contra as mulheres se expressa nos altos índices de violência doméstica, motivação para a criação de lei específica visando maior rigor na punição dos agressores, a chamada Lei Maria da Penha.

Preconceito de raça e de classe
O Brasil não conheceu o regime de segregação racial, o apartheid. A sociedade brasileira, ao longo de sua história, não foi pensada de forma dual (negros x brancos). Contudo, isso não significa que o racismo, em suas diferentes manifestações, faça parte da vida brasileira.  Segundo o Relatório de Desenvolvimento Humano Brasil 2005 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), por exemplo, enquanto o número de pobres diminuiu entre 1992 e 2001, o número de negros (cabe salientar que a categoria negro refere-se aos pretos e pardos das estatísticas do IBGE) pobres teria aumentado.

O debate em relação ao preconceito racial no Brasil tomou vulto nos últimos anos, com a elaboração do Estatuto da Igualdade Racial e as políticas de ação afirmativa, em especial a política de reservas de cotas nas universidades por critérios racialistas. Essa tentativa de racialização da sociedade brasileira, como nos mostra, entre outros, Yvonne Maggie, Peter Fry e Demétrio Magnoli, coloca em xeque a tradição cultural brasileira de se pensar miscigenado, múltiplo, não-dual, diferentemente da sociedade norte-americana, modelo que inspirou as referidas políticas de ação afirmativa.

Preconceito contra os homossexuais
Pesquisa recentemente realizada pela USP revelou que, nas escolas públicas brasileiras, 87% da comunidade - sejam alunos, pais, professores ou servidores - têm algum grau de preconceito contra homossexuais. Essa é uma questão que estudantes e educadores homossexuais, bissexuais e travestis enfrentam diariamente nas escolas: a homofobia.  O levantamento foi realizado com base em entrevistas feitas com 18,5 mil alunos, pais, professores, diretores e funcionários, de 501 unidades de ensino de todo o país.

Estudo da UNESCO divulgado este ano indica que nas escolas públicas do Distrito Federal 44% dos estudantes do sexo masculino afirmaram não gostariam de estudar com homossexuais. Entre as meninas, o índice é de 14%.

REFLEXÃO: Ressalte-se que esta minoria é, historicamente, vítima de violências físicas e simbólicas e, até recentemente, sua prática era considerada patológica.

AULA 10 – A ATUALIDADE DAS CIÊNCIAS SOCIAIS NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: NOVOS PADRÕES MORAIS E CULTURAIS

Novas identidades étnicas

Conceito de grupo étnico

Grupo étnico designa uma população que:
1 - se perpetua principalmente por meio biológicos;
2 - compartilha de valores culturais fundamentais;
3 - compõe um campo de comunicação e interação;
4 – tem um grupo de membros que identifica e é identificado por outros como constituinte de uma categoria distinguível de outras. Barth acentua que o fato de compartilhar culturas comuns pode ser visto como consequência não como fato causa dos grupos étnicos.

Reconfigurações identitáriais: o “ser indígena” no Brasil contemporâneo
Os anos 70 no Brasil, entre outros, processos de buscas políticas por liberdade