Pré-visualização4 páginas
Fisiopatologia Reprodução de Animais
Rio, 16/02/2011
Alexandra Woods

Hormônios da reprodução

Hormônios protéicos (a divisão é puramente didática para facilitar o estudo)

GnRH
(Hormônio liberador das gonadotrofinas)

O GnRH é produzido pelo hipotálamo

Tem como função: estimular a adenohipófise a liberar as gonadotrofinas que são o LH e o FSH.

Gonadotrofinas: tem esse nome pq vão agir nas gônadas

O FSH é o hormônio folículo estimulante, é o hormônio que estimula o crescimento, desenvolvimento do folículo, enquanto que o LH é o hormônio luteinizante.
O hormônio luteinizante é o hormônio que estimula a ovulação e conseqüentemente formação do corpo lúteo. O FSH vai estimulando o folículo a crescer, quando o folículo atinge seu estágio de folículo e maturação o LH vem estimulando a ovulação, estimulando a ruptura desse folículo e depois a diferenciação desse folículo em corpo lúteo.

O LH além de ser o responsável pela ovulação e formação do corpo lúteo, nos mamíferos domésticos ele também se torna responsável pela manutenção do corpo lúteo. (ele ajuda a manter o corpo lúteo também).
O FSH e o LH têm funções complementares, um estimula o crescimento e ai depois vem o outro e estimula a ovulação daquele folículo que cresceu.
Só que o que acontece, o FSH e o LH tem outra função, que é muito importante, só que nesse caso, eles têm que agir juntos, em conjunto. Esse caso, eles são responsáveis pelo estímulo da produção de estrógeno.

Prolactina
 Outro hormônio protéico da reprodução é a prolactina que é produzida pela hipófise.
A função dela é pro lactação, é o hormônio envolvido com a secreção de leite.
A prolactina é o hormônio envolvido com a lactação na maioria das espécies domésticas.
Nas nossas espécies o LH é responsável pela manutenção do CL, mas em roedores, a prolactina tem uma ação na manutenção do CL.

Ocitocina
Outro hormônio importante pra reprodução de origem protéica é a ocitocina.
A ocitocina é produzida pelo hipotálamo e armazenada na neurohipófise.
Essa ocitocina produzida pelo hipotálamo e armazenada na neurohipófise tem a função de contração, ela está sempre envolvida com o processo de contração, seja para:
- Ejeção do leite, seja para o
- parto, seja para
- involução uterina (retorno do útero ao tamanho original no pós parto), seja para
- transporte de gameta (útero), (a tuba tem a camada muscular e ai ela contraia empurrando o oocito, quem estimula essa contração é a ocitocina), seja para
- defesa uterina (útero contrai mesmo se não estiver parindo pra expulsar os contaminantes).
	
A ocitocina da reprodução tem uma outra origem que é muito importante também, alem de ser produzida no hipotálamo e ser armazenada na neurohipófise ela também é produzida pelo CL. A ocitocina produzida pelo CL não tem nada a ver com a ocitocina produzida pelo hipotálamo.

CL
Mais ou menos no 12º dia de vida do corpo lúteo (ovulou, passaram-se 12 dias, o CL formado, a ociticina começa a ser produzida), a ocitocina começa a ser produzida.
Essa ocitocina é produzida no CL no ovário, ela ganha a circulação sanguínea e vai parar lá no útero. No útero ela estimula as glândulas endometriais a secretarem PGF2α (prostaglandina F2α), que tem função de lisar/romper o corpo lúteo. Esta (PGF2α ) por sua vez sai do útero, lisa e destrói o CL que está no ovário.isso nada mais é do que um mecanismo de auto regulação, o próprio CL regula o seu tempo de permanência. Isso vai acontecer pra que ela de um novo cio, porque ela não emprenhou. Esse mecanismo tem que acontecer pra que a fêmea continue ciclando, senão a fêmea não consegue ciclar. É uma ação da ocitocina que não tem nada a ver com a contração, ela funciona aqui como um sinalizador.

Inibina e activina
São 2 hormônios protéicos.
Estes são produzidos no ovário, onde é produzido o estrógeno, progesterona, ocitocina, inibina e activina.
Esses 2 hormônios são produzidos por uma célula chamado
“célula da granulosa”, é uma célula presente no folículo.

DESENHO 1

A célula da granulosa é uma célula dentro do folículo que são as células responsáveis em produzir inibina e activina.
Esses hormônios (inibina e activina) regulam a foliculogenese. O que é a foliculogenese: gênese é formação, formação do folículo.
O hormônio que estimula o crescimento folicular é o FSH. Então a inibina e activina agem regulando o FSH que é o hormônio folículo estimulante.

Natureza é sábia: A regulação fica dentro do próprio folículo. O folículo tem que crescer, as células da granulosa produzem a activina que vai lá, e estimula a liberação de FSH, o FSH passa então a ser liberado em maior concentração. Ai o folículo foi crescendo, chega no ponto que não precisa mais crescer, as células da granulosa passam então a produzir a inibina, que vai lá na hipofise e faz diminuir o FSH, que por sua vez é diminuido.

O FSH sempre dá uma escapada, a inibina vai lá e diminui o FSH.
O FSH não é inibido pela inibina, pois o FSH não aceita, então a inibina vai lá, diminui o FSH, mas ele continua sempre a ser liberado, em menor concentração, mas ele é liberado.

Existe o GnRH que é o hormônio liberador das gonadotrofinas. Quando eu falo que a inibina e a activina regulam o FSH, é o comando, pois o GnRH deu o comando principal “vamos lá FSH”, é como se a activina chegasse na adenohipofise falando pra ser produzido mais, mas o start quem deu foi o GnRH. Ou seja, elas fazem uma regulação de uma coisa que começou lá em cima, senão elas não conseguem fazer essa regulação.

O FSH é um hormônio “difícil”, ele não aceita um feedback com facilidade. (a inibina vai lá, tenta, diminui, mas ele continua). O ovario resolveu dar uma forca pra inibina pra ver se conseguia alguma coisa a mais. Então a própria célula granulosa começou a secretar outro hormônio chamado folistatina, que é um outro hormônio produzido pela própria célula da granulosa.
O que esse hormônio faz: Hormônio FOLLISTATINA, esse hormônio inativa a activina.

Inibina e activina são produzidas pela mesma célula, então primeiro a célula ta liberando activina que está estimulando o FSH, ai quando chega o momento que não está mais utilizando o FSH ela começa a produzir a inibina. É a mesma célula, então é igual a um interruptor de luz, ela vai fazendo uma conversão, (não pára instantaneamente) ela vai parando de produzir a activina e começando a produzir a inibina. A folistatina pega essa activina que ainda está presente (circulante) e inativa, então ela só deixa a inibina agir, a folistatina não tem ação direta, a ação dela é inibindo a activina, ai só a inibina pode agir.
O objetivo disso nada mais é do que tentar diminuir o FSH.
(a folistatina consegue inativar suficientemente a activina)

Hormônios derivados de aminas

Melatonina

É um hormônio produzido por todas as espécies. Mas ela só tem importância na reprodução nas espécies estacionais.
Ex. Égua (dá cio em primavera e verão que são dias longos) e pequenos ruminantes. Nas outras espécies ela vai ser produzida, mas ela não vai interferir na reprodução dos animais.
Padrão de secreção da melatonina
É um hormônio produzido sobre condições de baixa luminosidade, ou seja, no escuro. Toda vez que está à noite ocorre uma sensibilização via retina à glândula pineal e essa glândula pineal vai e produz/secreta melatonina.
(isso é sempre assim, em todas as espécies é produzida dessa maneira)

Mas o que vai acontecer:
No caso da égua
É uma fêmea estacional fotoperiodo positivo: égua estacional que tem o comando da sua reprodução com maior luminosidade, ou seja, é uma fêmea de dias longos.
No caso da espécie eqüina, a melatonina inibe o GnRH. Então toda vez que eu tenho noites longas, eu tenho uma quantidade de melatonina maior, conseqüentemente inibe o GnRH. (Toda vez que eu tenho noites longas, há muita melatonina sendo produzida que inibe o GnRH).
No verão também tem noite, mas são as noites mais curtas, a produção de melatonina continua a existir, só que a concentração produzida não consegue inibir o GnRH.
Nenhuma égua tem “0” melatonina, o que acontece é um aumento ou