TRANSCRICAO DE FISIOLOGIA FISIOPATOLOGIA DA REPRODUCAO DE ANIMAIS ZOOTECNICOS DO DIA 16-03-2011
6 pág.

TRANSCRICAO DE FISIOLOGIA FISIOPATOLOGIA DA REPRODUCAO DE ANIMAIS ZOOTECNICOS DO DIA 16-03-2011

Pré-visualização3 páginas
TRANSCRIÇÃO DE FISIOLOGIA FISIOPATOLOGIA DA REPRODUÇÃO DE ANIMAIS ZOOTÉCNICOS DO DIA 16/03/2011

Biopsia Endometrial:
Qual seria a utilização e as indicações para a realização das biopsias?
A biopsia, ela serve, logicamente para determinar mudanças citológicas que possam interferir na fertilidade da fêmea. Por que estou chamando a atenção para isso? Porque na década de 80, as coisas parecem que acontecem meio que na moda, faziam biopsia para tudo, o pessoal acabou deixou os outros exames complementares em segundo plano, então citologia não era feito, cultura quase não fazia, mas todo mundo fazia biopsia. Porque, por exemplo, é claro que pela biopsia eu consigo ver se uma fêmea tem endometrite ou não, porque eu consigo ver edema, ver células de defesa, só que é um exame demorado, só para coletar o material, mandar para o laboratório, eles vão botar na parafina, vão cortar a parafina, para fazer a lamina, não é um diagnostico fácil, como é uma citologia, logicamente com um custo mais caro que um exame de citologia, então as pessoas começaram a perceber que cada coisa tem seu lugar e foi aí no final, mais ou menos em meados de 90 o pessoal atinou que cada um serve para alguma coisa, que a biopsia então ela é utilizada hoje em dia para avaliar justamente estas mudanças histológicas que acontecem muitas vezes em decorrência da idade, como assim, fêmeas idosas, com números de partos muito grandes, imagine aquela fêmea que tem 20 anos parindo todo ano, é muito freqüente apresentar alteração citológica do endométrio, não quer dizer que seja única e exclusivamente isso, as vezes você tem uma fêmea por exemplo, nova, mas que teve um processo infeccioso, um processo inflamatório serio que acabou ficando com seqüelas, a gente vai precisar monitorar isso, muitas vezes para ver como se estar o endométrio dessa fêmea.
Como é que a gente vai fazer? Como é a técnica de coleta de material? Para coletar a biopsia a gente vai usar uma pinça de aço inoxidável, grandona, comprida e ela funciona como se fosse um tesourão, tem onde você segura, coloca o dedo, você abre, ela tem uma boquinha pequenininha, a gente fala que é boca de jacaré, a parte de cima dela é cortante e a parte de baixo é só para segurar a amostra, a amostra fica presa dentro da parte de baixo. Essa pinça é de égua, vaca a gente não consegue usar essa pinça, porque o diâmetro dela é muito grande para a vaca, não passa pela cérvix da vaca, então para coletar biopsia em vaca a gente usa uma espécie, sabe “punch” de biopsia que tem uma espécie de gatilho, você empurra aquele gatilho, a agulha vai lá na frente e volta, é mais ou menos isso só que é comprido assim, ele não é um ‘Punch”, é uma pinça de biopsia de vaca, eu falei que ele se assemelha ao mecanismo, é como se fosse um “punch” de biopsia, como se fosse uma agulha, é como se fosse um canudinho e por dentro passa uma agulhinha.
Como é que você vai fazer para coletar o material? A gente vai preparar a fêmea de acordo com o método convencional de preparação, a gente vai fazer ela em ?????, é um método que a gente coloca a fêmea no tronco, limpa o reto, é importantíssimo a gente tirar as fezes do reto para que na ora do exame ela não venha a defecar contaminando o seu material e depois a gente vai lavar, a gente lava vulva, períneo, base da cauda com água e sabão três vezes, ensaboa vai lá joga a água tira, ensaboa de novo, tira, três vezes, repete essa sequencia para garantir, depois a gente vai secar a vulva e vai iniciar o exame. A primeira coisa que a gente tem dificuldade aí é higienizar essa pinça de biopsia, porque a gente não pode autoclavar, nem flambar porque perde o fio, a ponta é cortante, se você flambar ou autoclavar perde o fio, então o que se faz para a higienização? Vai da criatividade de cada um. Um conhecido teve uma idéia que ela acha a melhor, ele pegou um cano, tampou em baixo, colocou uma tampinha e na parte de cima ele colocou uma tampinha também, mas ele fez um furo que encaixava exatamente a pinça, então ele mantinha a pinça guardada dentro do álcool 70%, encheu aquilo ali de álcool 70% e ele mantinha a pinça ali o tempo todo e toda vez que ele ia usar ele tirava a pinça dali de dentro lavava para tirar o excesso de álcool com soro pelo fato de ser estéril, poderia ser outro liquido estéril e usava, uma aluna deu um produto da Endovet, que pode ser usado em metal, a dificuldade é que a gente tem vários desinfetantes que você não pode usar em metal, deve procurar desinfetante que podem ser usados em metal e manter o objeto dentro daquele desinfetante num prazo definido por ele, como falei, vale a criatividade, porque não da para fazer outra coisa a não ser esse tipo de higienização.
Como você vai fazer? Pinça de biopsia na palma da mão, ângulo de 45º, introduz na vagina, passou o meato urinário pode colocar na horizontal, leva ate o fundo do saco vaginal, achou o fundo do saco, achou a cérvix, vai introduzir o dedinho na cérvix e passar a pinça por baixo do dedo, com a pinça lá na cérvix, vou tirar a mão da vagina e vou levar a mão pelo reto, porque não posso cortar no escuro, não vou abrir um objeto cortante dentro do útero sem saber o que eu vou cortar, então o que eu faço, quando eu tiro a mão e levo pelo reto eu sinto essa pinça dentro do útero, vou abrir a pinça, se eu cortar de frente, eu vou cortar muito mais que o endométrio, vou cortar o endométrio e um pedaço do miométrio, então devo cortar de lado, Como é que eu faço? Com a mão pelo reto eu empurro de lado a mucosa do útero para o lado da pinça, fecho a pinça cortando de lado, desse jeito eu sei que tirei um fragmento de endométrio, uma única pinçada, fechou tira a pinça, foi feita a coleta. Observaram que em nenhum momento falei em sedação, anestesia, nada disso, porque é um incomodo muito, muito tranqüilo, até hoje todas as coletas que eu fiz, nunca tive problema, então não há necessidade de sedação, de nada, a necessidade de sedação é muito mais de temperamento da égua do que o próprio exame, às vezes aquela égua que você nem consegue fazer carinho você tem que sedar, mas não é pelo exame, porque o exame não causa transtorno nenhum na fêmea. Ela estando com uma infecção normalmente você faz primeiro uma cultura e depois que você trata ela, quando ela já não tem uma clinica, que você vai fazer uma avaliação citológica. Dependendo da quantidade que você empurra para dentro da pinça você pode fazer um fragmentão ou pode fazer um fragmentinho, vou mostrar na prática qual seria o tamanho suficiente. É muito tranqüilo, cansei da coletar uma biopsia de manhã e inseminar a fêmea de tarde, aquela mesma fêmea, porque não trás problema nenhum a fêmea, vocês vão ver que é um fragmento pequeno.
Coletamos a nossa amostra e ficou lá na pinça, vamos fazer a coleta da vaca agora, o procedimento vai ser idêntico. Como é o procedimento para a vaca? Como tudo até agora relatado, lembra desde o inicio a gente está falando que na vaca se coloca o instrumental pela vagina, tem que levar a mão pelo reto, para segurar a cérvix e passar o instrumental, aqui vai ser exatamente a mesma coisa, vai mudar nada, quando essa pinça estiver no útero, vai fazer a mesma coisa, você vai pegar a mucosa, empurrar em direção a pinça, aí você vai apertar essa espécie de gatilho, a agulha vai lá e volta, coletou a sua amostra, a amostra coletada no bovino é muito delicada, porque a agulha é fininha, na égua, vocês vão ver o tamanho da pinça, se você coletar de frente vai arrancar um “naco” de carne, é muito grande, agora para a vaca não é só você empurrar, vai ser uma agulhinha, a amostrinha da vaca é muito pequenininha. Se você quiser pode envolver na camisa sanitária, mais não é um exame estéril, a biopsia não é um exame estéril, está vendo a citologia, o cuidado que a gente tem com a higienização é para não contaminar a fêmea, para não levar uma contaminação para o útero da fêmea.
Estou com a minha amostra lá, seja de quem for, vou colocar essa amostra num conservante chamado “BOVIN”, é um conservante que foi testado em pesquisa e o pessoal comprovou