A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
36 pág.
ELEMENTOS DE AUTOMAÇÃO - Aula 7 SISTEMAS ANALÓGICOS E DIGITAIS

Pré-visualização | Página 1 de 1

⦁Sistemas Analógicos;
⦁Sistemas Digitais;
⦁ Sistemas Analógicos;
⦁ Sistemas Digitais;
⦁ Sistemas de Numeração e Conversões;
⦁ Operações Lógicas;
⦁ Funções Booleanas;
⦁ Portas Lógicas;
⦁ Circuitos Lógicos Básicos
⦁ Objetivos de Ensino: Conhecer os Sistemas
Analógicos e Digitais, com o auxílio das
ferramentas da lógica booleana, utilizando
portas lógicas básicas e as operações lógicas
correspondentes;
⦁ Objetivos de Aprendizagem: Aprender bases
numéricas e conversões, operadores
booleanos, noções de álgebra de boole e
associação de portas lógicas.
⦁ Existem 2 formas de se representar um valor 
numérico:
⦁ 1 – analógico: valor é proporcional a um valor 
de tensão ou corrente;
⦁ 2 – digital: são representados por símbolos 
chamados de dígitos.
⦁ A diferença entre elas é a seguinte:
⦁ analógica≣contínua, que pode estar sujeita à 
interpretação;
⦁ digital≣discreta .
⦁ Sistemas analógicos e digitais
⦁ Sistema analógico: contém dispositivos que
podem manipular grandezas físicas
representadas de forma analógica. Exemplo:
Interruptor tipo dimmer.
⦁ Sistema digital: combinação de dispositivos
ligados para lidar com informações lógicas ou
quantidades físicas que são representadas de
forma digital. Ex: calculadora.
⦁ Vantagens das técnicas digitais
⦁ Realiza operações que anteriormente eram
utilizados em técnicas analógicas;
⦁ Sistemas digitais são mais fáceis de projetar;
⦁ Fácil armazenamento de informação;
⦁ Maior exatidão (proximidade do valor real) e
precisão (índice de proximidades entre
medições).
⦁ Limitações das técnicas digitais
⦁ O mundo é analógico, ou seja, a maioria das
quantidades físicas é analógica, logo são entradas e
saídas monitoradas e controladas por um sistema;
⦁ Metodologia para estudos de sistemas digitais
⦁ Converter as entradas analógicas para a forma
digital;
⦁ Processar a informação digital;
⦁ Converter as saídas digitais à forma analógica;
⦁ Diagrama do tempo
⦁ Diagrama do tempo
⦁ O diagrama do tempo de um sinal digital
mostra como os sinais digitais variam com o
tempo;
⦁ Especialmente, mostram a relação entre 2 ou
mais sinais digitais.
⦁ Circuitos Digitais: são projetados para
produzir tensões de saída que estejam dentre
dos intervalos determinados para os números
binários 0 e 1;
⦁ Circuitos lógicos: circuitos digitais também
são circuitos lógicos, pois obedece a
determinados conjunto de regras lógicas.
⦁ Circuitos Integrados Digitais
⦁ Os Circuitos Integrados mais utilizados em 
Sistemas lógicos são:
⦁ TTL (Transistor-Transistor Logic)
⦁ CMOS (Complementary Metal Oxide 
Semicondutor)
⦁ Transmissão Paralela e Serial
⦁ Memória
⦁ Nos circuitos digitais, certos tipos de
circuitos têm memória. Quando uma entrada
é aplicada em tal dispositivo, a saída mudará
seu estado, mas permanecerá neste novo
estado após ter sido removida. Esta
propriedade de reter sua informação a uma
entrada momentânea é chamada de memória.
⦁ Sistemas de numeração digital
⦁ Sistema decimal: composto de 10 algarismos 
ou símbolos;
⦁ Sistema binário: o termo dígito binário 
geralmente é abreviado para bit (binary digit);
⦁ Representação de quantidades binárias
⦁ Exemplos:
⦁ Chave aberta ou fechada;
⦁ Célula fotovoltaica (iluminada ou acesa);
⦁ Relé (energizado ou não energizado);
⦁ Conversões numéricas
⦁ Conversões de binário para decimal
⦁ 110112=
⦁ Conversão de decimal para binário
⦁ 4510=
⦁ Sistema octal
⦁ Símbolos: 0 a 7
⦁ 3728=
⦁ 26610=
⦁ Conversão de octal para binário
⦁ Sistema Hexa Decimal
⦁ Possui 16 símbolos
⦁ Sistema Hexa Decimal
⦁ Conversões
⦁ 35616=
⦁ 2AF16=
⦁ 25510=
⦁ Sistema Hexa Decimal
⦁ Conversões
⦁ Código BCD (Binary-coded decimal)
⦁ Código BCD (Binary-coded decimal)
⦁ Códigos alfanuméricos: letras+números
⦁ É possível aplicação de códigos numéricos em 
alfanumérico
⦁ Uma variável Booleana é uma quantidade que
pode, em momentos diferentes, ser igual a 0
ou 1.
⦁ Tabela Verdade
⦁ Técnica para aprimorar a saída do circuito 
lógico.
Álgebra Booleana de Chaveamento
Álgebras Booleanas
• variáveis, constantes
• valores de variáveis e constantes: conjunto discreto e finito
• operadores “+”, “.”, “complemento” definidos sobre as constantes
• elementos neutros para cada operador
Álgebra Booleana de Chaveamento
• valores 0 e 1
• operadores “+”, “.”, “complemento” definidos sobre 0 e 1
Álgebra Booleana de Chaveamento
Álgebras Booleanas
• variáveis, constantes
• valores de variáveis e constantes: conjunto discreto e finito
• operadores “+”, “.”, “complemento” definidos sobre as constantes
• elementos neutros para cada operador
Álgebra Booleana de Chaveamento
• valores 0 e 1
• operadores “+”, “.”, “complemento” definidos sobre 0 e 1
Álgebra Booleana de Chaveamento
Álgebras Booleanas
• variáveis, constantes
• valores de variáveis e constantes: conjunto discreto e finito
• operadores “+”, “.”, “complemento” definidos sobre as constantes
• elementos neutros para cada operador
Álgebra Booleana de Chaveamento
• valores 0 e 1
• operadores “+”, “.”, “complemento” definidos sobre 0 e 1
Álgebra Booleana de Chaveamento
Álgebras Booleanas
• variáveis, constantes
• valores de variáveis e constantes: conjunto discreto e finito
• operadores “+”, “.”, “complemento” definidos sobre as constantes
• elementos neutros para cada operador
Álgebra Booleana de Chaveamento
• valores 0 e 1
• operadores “+”, “.”, “complemento” definidos sobre 0 e 1
⦁ Circuitos Combinacionais (Simplificação)
⦁ Referências Bibliográficas
⦁ Tocci, Ronald J.; Widmer, N. S.; Moss, G. L. 
Sistemas Digitais: Princípios e Aplicações.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.