Aula 03 de Resistência I - Esforços 1
41 pág.

Aula 03 de Resistência I - Esforços 1


DisciplinaMecânica dos Sólidos I4.489 materiais37.841 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Aula 03 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.1. O que é a Mecânica dos Corpos Sólidos Deformáveis 
I.2. Elementos Básicos 
 I.2.1. Propriedades Geométricas das Seções Planas 
 I.2.2. Esforços nas Estruturas 
 I.2.3. Características Mecânicas dos Materiais 
I.3. Problemas e Métodos 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Designam-se Esforços as forças e os binários decorrentes das 
ações sobre as estruturas. 
Definição de Esforços 
As ações dos agentes externos convertem-se, de certa forma, em 
forças e binários aplicados à estrutura. 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Classificação dos esforços quanto à forma de atuação 
Classificações dos Esforços 
Volumetricamente 
Distribuídos [N/m3] 
Superficialmente 
Distribuídos [N/m2] 
ação da gravidade sobre a 
própria estrutura, ações 
magnéticas, etc. 
ações provenientes do contato 
com outros corpos, ação do 
vento e das intempéries, etc. 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Classificação dos esforços quanto à forma de atuação 
Classificações dos Esforços 
Esforços linearmente distribuídos ou concentrados não existem. 
São simplificações decorrentes das relações entre as dimensões da 
estrutura e o volume ou a superfície solicitada. 
sistema real esquema de cálculo 
esforço \u201clinearmente distribuído\u201d 
esforços \u201cconcentrados\u201d 
eixo da viga 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Classificação dos esforços quanto à variação no tempo 
Classificações dos Esforços 
Dinâmicos Estáticos Móveis 
Estáticos: intensidade, direção, sentido e ponto de aplicação constantes. 
Dinâmicos: intensidade e sentido variáveis. 
Móveis: direção e ponto de aplicação variáveis. 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Classificação dos esforços quanto à sua natureza 
Classificações dos Esforços 
Variáveis Permanentes Excepcionais 
Permanentes: não se alteram ao longo da vida útil da estrutura. 
Variáveis: se alteram ao longo da vida útil; grande probabilidade de ocorrência. 
Excepcionais: curta duração; baixa probabilidade de ocorrência. 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Classificação dos esforços quanto aos valores das suas intensidades 
Classificações dos Esforços 
Representativos de Cálculo 
Representativos: valores estimados; quando sua variabilidade é expressa por 
distribuição de probabilidade, são ditos característicos, 
quando isto não é possível, são ditos nominais. 
de Cálculo: valores ponderados em função do grau de incerteza dos característicos. 
Os coeficientes de ponderação utilizados dependem, entre outros 
fatores, do tipo de esforço, conforme classificações anteriores. 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Esforços Externos: esforços que atuam sobre as moléculas do 
corpo, decorrentes da ação direta dos agentes externos. 
Esforços Externos e Esforços Internos 
Esforços Internos: esforços inter-moleculares decorrentes dos 
esforços externos. 
Os esforços externos atuam sobre as moléculas do corpo, na fração do volume 
ou da superfície correspondente. 
Estas moléculas tendem a se movimentar, transferindo estes esforços para as 
moléculas contíguas, que os transferem a outras e assim sucessivamente. 
Os esforços caminham através do corpo. 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Esforços Externos: esforços que atuam sobre as moléculas do 
corpo, decorrentes da ação direta dos agentes externos. 
Esforços Externos e Esforços Internos 
Esforços Internos: esforços inter-moleculares decorrentes dos 
esforços externos. 
Os esforços caminham através do corpo. 
estrutura 
esforços 
externos ativos 
esforços externos reativos 
esforços internos 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Os esforços externos ativos resultam de avaliações estatísticas 
das ações sobre a estrutura. 
Os esforços externos reativos resultam de condições de 
equilíbrio estático da estrutura (estrutura isostática) e de 
condições complementares, quando essas não são suficientes 
(estrutura hiperestática). 
Combinações de esforços externos com probabilidade 
considerável de ocorrência geram os Carregamentos. 
Avaliação dos Esforços Externos 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Avaliação dos Esforços Externos 
Classificação dos Carregamentos 
de Execução Normais Excepcionais 
Normais: compostos por esforços decorrentes do uso previsto para a construção. 
de Execução: compostos por esforços que atuam ao longo da fase de construção. 
Excepcionais: compostos por esforços excepcionais. 
Especiais 
Especiais: compostos por esforços de natureza ou intensidades especiais. 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Avaliação dos Esforços Externos 
Na formação dos carregamentos, os esforços são ponderados por fatores 
diversos de combinação, que variam de 0 a 1. Cada carregamento representa 
uma combinação de ações com probabilidade considerável de ocorrência. As 
normas técnicas determinam a metodologia de formação dos carregamentos. 
Classificação dos Carregamentos 
de Execução Normais Excepcionais Especiais 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Os esforços internos são avaliados pelo Método das Seções. 
Este método se propõe a determinar, em um ponto qualquer de 
uma seção plana do corpo, a força e o momento resultantes dos 
esforços internos nesta seção. 
Numa seção plana, os esforços internos são distribuídos 
superficialmente. O Método das Seções se propõe a determinar 
apenas as suas resultantes num ponto qualquer da seção, e não 
a lei de variação destes esforços ao longo da seção. 
Avaliação dos Esforços Internos 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Avaliação dos Esforços Internos 
seção plana esforços internos 
Introdução à Mecânica dos Corpos Sólidos 
Deformáveis 
Departamento de Engenharia Civil \u2013 Centro Tecnológico - UFES 
Cap. I: Conceitos Preliminares 
I.2.2. Esforços nas Estruturas 
Avaliação dos Esforços