Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Resumo - Anatomia dos estômagos e intestinos dos animais domésticos

Pré-visualização | Página 1 de 3

Anatomi� d�� estômag�� �
intestin�� d�� animai�
doméstic��
Introdução
O estômago e o intestino
são órgãos tubulares,
componentes do sistema
digestório, diferenciam quanto a
forma, localização e constituição
do seu tipo de mucosa nas
diferentes espécies de animais
domésticos.
Função
São órgãos responsáveis
pelo armazenamento, digestão,
absorção dos alimentos e
excreção do bolo fecal.
1- Estômagos
O estômago é uma
dilatação do tubo digestivo e é o
primeiro órgão da cavidade
abdominal que recebe o alimento
ingerido.
1.1. Unicavitários
Representados por uma
única cavidade, são estômagos
de carnívoros alguns herbívoros
e onívoros. O estômago
unicavitário não tem forma
constante, dependendo da
quantidade de alimento presente
e do grau de contração da
musculatura da parede. De um
modo geral, sua forma lembra a
letra “J”, e está localizado na
cavidade abdominal.
1.1.1 Constituição da parede do
estômago
A parede do estômago
compõe-se de dentro para fora
de : Camada mucosa, Camada
Submucosa, Camada muscular e
Camada Serosa
1.1.1.2 Estômago unicavitário
simples
1.1.1.2.1 Morfologia Interna
No estômago unicavitário
simples, encontra-se
imediatamente após o óstio
cardíaco, uma porção glandular
que se diferencia em três regiões,
região de glândulas cárdicas,
região de glândulas fúndicas,
região de glândulas pilóricas.
Região de glândulas
cárdicas- situa-se junto a
mucosa aglandular na entrada
do estômago e contém glândulas
cárdicas. A região de glândulas
fúndicas é ampla e com
variações nos diferentes animais
com a mucosa característica de
glândulas próprias ou fúndicas. A
região de glândulas pilóricas
situa-se próximo ao piloro e
contém as glândulas pilóricas
que são bastante sinuosas.
As glândulas cárdicas e as
glândulas pilóricas produzem
uma secreção mucosa, que
recobre amplamente a parede
gástrica interna com uma
camada de muco, protegendo-a
do suco gástrico
As glândulas fúndicas produzem
um muco neutro e servem como
células de substituição para o
epitélio descamado.
1.1.1.2.2 Morfologia externa
A- Apresenta duas faces:
Parietal – direcionada
cranialmente e em contato com o
diafragma
Visceral - direcionada
caudalmente e em contato com
outras vísceras abdominais
B- Curvaturas:
Curvatura maior- é convexa e
encontra-se direcionada
ventralmente para a esquerda.
Curvatura menor- é côncava e
direcionada dorsalmente para a
direita
C- Orifícios
Apresentam dois orifícios:
Cárdico – orifício que comunica o
estômago com o esôfago
Pilórico- orifício que comunica o
estômago com o duodeno
D- Regiões externas
Região Cárdica – ou parte
cárdica, é a região ao redor do
óstio cárdico.
Fundo do estômago- é a porção
que projeta-se cranialmente ao
óstio cárdico.
Corpo – constitui a maior porção
do estômago na região central
do órgão
Região Pilórica- é a região
situada próxima a junção com o
duodeno.
1.1.2 Localização do Órgão
De forma geral, localiza-se na
cavidade abdominal
caudalmente ao fígado, desviado
para o antímero esquerdo
1.1.3 Particularidades das
espécies
A- Carnívoros – Apresentam
estômago unicavitário
totalmente glandular, classificado
como simples
A.1 Cão – A cárdia tem a
aparência de um funil amplo e a
zona de glândulas cárdicas
circunda o óstio cárdico. A zona
de glândulas gástricas próprias é
ampla e o estômago apresenta
aspectos saculiformes
A.2 Gato – A mucosa é semelhante
a do cão; o lúmen é menor e a
incisura angular é profunda.
B Suíno : Apresenta uma
pequena projeção no fundo do
estômago, bem delimitada,
denominada de divertículo
gástrico, cujo a provável função é
de armazenamento, além de uma
projeção muscular a saída do
piloro chamado tórus pilórico
O estômago do suíno apresenta
áreas glandulares e aglandulares,
classificado como estômago
composto. A parede da mucosa
aglandular é uma faixa alongada,
próxima à cárdia e que recobre
parcialmente o divertículo
gástrico.
C- Eqüino : A mucosa aglandular
é ampla, toma uma grande parte
do fundo gástrico e é separada
da parte glandular por meio de
uma evidente margem
pregueada. As fibras musculares
do cárdia são nitidamente
potentes e impedem o retorno do
alimento (vômito).
1.1.4 Vascularização e inervação
As artérias do estômagos
unicavitários emergem da A.
celíaca, cuja divisão em três
artérias e suas ramificações
destina-se ao suprimento do
estômago
A artéria gástrica
esquerda é a maior artéria do
estômago, alcança a pequena
curvatura, ramifica-se em ambas
as superfícies gástricas e
vasculariza grande parte do
estômago. Da artéria hepática,
segundo ramo da A Celíaca,
surge a A Gástrica Direita, que
percorre a curvatura menor do
estômago, onde se anastomosa
com a A. gástrica esquerda.
Por intermédio da
anastomose das suas Aa.
Gastroepiplóicas e das duas Aa.
gástricas forma-se um círculo
gástrico. Da A esplénica e das
duas Aa gastroepiplóicas,
originam-se ramos para a grande
curvatura do estômago, os quais
envolvem como resultado de uma
divisão de vasos gêmeos. Dessa
forma o estômago é suprido por
por artérias que se distribuem
em ambas as curvaturas sobre a
face parietal, assim como sobre a
face visceral.
As veias do estômago
correm junto às artérias e
participam da formação da Veia
Porta.
Os vasos linfáticos do
estômago dirigem-se para os
linfonodos gástricos situados na
curvatura menor do estômago.
A Inervação autônoma do
estômago ocorre por meio do N.
Vago e fibras simpáticas. O Nervo
vago estimula a secreção
gástrica.
1.2 Estômago Pluricavitário
O estômago dos
ruminantes domésticos é
pluricavitário e é composto por
quatro compartimentos (Rúmen,
Retículo, Omaso e Abomaso).
Os três primeiros
compartimentos, também
denominado de proventrículo,
realizam a digestão enzimática e
mecânica do alimento. A última
câmara, o abomaso, é
comparável ao estômago
unicavitário das outras espécies.
1.2.1 Localização
O estômago como um todo
ocupa quase ¾ da cavidade
abdominal preenchendo a ½
esquerda e estendendo-se além
do plano mediano para a ½
direita :
A- Rúmen: situa-se à lateral
esquerda do animal,
ocupando quase todo o
lado esquerdo do abdome.
B- Retículo: localizado
cranialmente ao rúmen e
imediatamente caudal ao
diafragma.
C- Omaso : localizado na
lateral direita do rúmen,
estendendo-se na lateral
direita do animal.
D- Abomaso: se apóia
ventralmente com sua
porção proximal sob o
rúmen, retículo e omaso.
A capacidade dos
compartimentos variam com a
idade, raça, tamanho, espécie e
alimentação
1.2.2 Morfologia externa
1.2.2.1 Rúmen- assemelha-se a um
grande saco comprimido
latero-lateralmente, onde
pode-se distinguir:
A- Face Parietal ou Face
esquerda;
B- Face Visceral ou Face
Direita;
C- Curvatura dorsal;
D- Curvatura Ventral;
E- Extremidade Cranial;
F- Extremidade Caudal;
G- Sulcos Longitudinais –
direito e esquerdo, que são
linhas que percorrem
longitudinalmente as faces
visceral e parietal
respectivamente.;
H- Átrio do Rúmen – é a
extremidade cranial do saco
dorsal, nele está localizado o
óstio cárdico;
I – Recesso do Rúmen- é a
extremidade cranial do saco
ventral;
Nos sulcos do rúmen, passam
vasos, nervos e linfonodos.
1.2.2.1 Retículo
Externamente separado do
rúmen pelo sulco ruminoreticular,
morfofuncionalmente esses dois
compartimentos estão muito
relacionados e são considerados
uma unidade morfofuncional
denominada de ruminoreticulo.
Possui uma forma ligeiramente
ovóide, Dorsalmente continua-se
com o saco dorsal do rúmen.
Ventralmente apóia-se no
processo xifóide do esterno,
apresenta duas faces e duas
bordas
A- Face Parietal ou
diafragmática- é
convexa e adaptada à
crista diafragmática e
relaciona-se com uma
pequena área do lobo
esquerdo do fígado.
B- Face Visceral-
Relaciona-se com o
Rúmen
C- Margem esquerda –
descreve uma curvatura
dorsoventral
denominado de
curvatura maior
relaciona com a porção
costal do diafragma e
ocasionalmente com a
extremidade ventral do
baço
D- Margem Direita –
denomina-se curvatura
menor, é côncava e se
continua com o omaso
1.2.3 Omaso
Situa-se a direita do plano
mediano, tem forma
arredondada nos bovinos e
ovóide nos pequenos ruminantes
A- Face Parietal
Página123