A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
57 pág.
ATENÇÃO-INTEGRAL-À-SAÚDE-DA-MULHER

Pré-visualização | Página 1 de 15

0 
 
 
 
 
1 
 
SUMÁRIO 
1 INTRODUÇÃO ............................................................................................ 3 
2 ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER ............................................................ 4 
3 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO ....................................................... 5 
3.1 Vagina .................................................................................................. 6 
3.2 Ovários ................................................................................................. 6 
3.3 Tuba uterina ......................................................................................... 7 
3.4 Útero..................................................................................................... 8 
4 A MULHER NAS DIFERENTES FASES GINECOLÓGICAS DO CICLO 
VITAL 8 
4.1 Adolescência ........................................................................................ 9 
4.2 Fase reprodutiva ................................................................................ 10 
4.3 Climatério/ Menopausa....................................................................... 12 
5 ALTERAÇÕES DO ORGANISMO MATERNO ......................................... 14 
5.1 Durante a gestação ............................................................................ 14 
Aparelho respiratório ................................................................................... 15 
5.2 Puerpério ............................................................................................ 18 
6 QUESTÕES ÉTICAS, BIOÉTICAS A LEGAIS NA SAÚDE DA MULHER. 19 
6.1 Abortamento ....................................................................................... 20 
6.2 Planejamento familiar ......................................................................... 20 
6.3 Violência contra a mulher: doméstica, sexual e simbólica.................. 21 
7 DESIGUALDADES DE GÊNERO E SUAS INTERRELAÇÕES COM A 
ASSISTÊNCIA À SAÚDE .......................................................................................... 24 
8 COMPLICAÇÕES CLÍNICAS PREVALENTES NAS MULHERES ........... 27 
8.1 Vulvovaginite/ vulvite/ vaginoses ........................................................ 27 
8.2 Neoplasias cervico-uterina ................................................................. 28 
8.3 Neoplasia mamária ............................................................................ 29 
 
 
2 
 
8.4 DST, com enfoque na abordagem sindrômica ................................... 30 
8.5 Úlceras genitais .................................................................................. 30 
8.6 Incontinência urinária ......................................................................... 31 
9 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO ............................... 32 
9.1 Pré-natal ............................................................................................. 32 
9.2 Caderno de Atenção Básica do Ministério da Saúde nº 32 ................ 33 
9.3 Avaliação ............................................................................................ 34 
9.4 Fatores de riscos ................................................................................ 36 
9.5 Vacinas ............................................................................................... 37 
9.6 Métodos contraceptivos/ planejamento familiar .................................. 39 
9.7 Na preparação para o parto ............................................................... 40 
9.8 Na amamentação ............................................................................... 41 
9.9 No abortamento .................................................................................. 42 
10 EPIDEMIOLOGIA DA SAÚDE DA MULHER ......................................... 43 
10.1 Indicadores de morbimortalidade da mulher ................................... 43 
11 POLÍTICAS DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER ............................. 44 
11.1 Enfoque na atenção básica e na prevenção ................................... 45 
11.2 PNAISM (Programa Nacional de Assistência Integral à Saúde da 
Mulher) 46 
11.3 PHPN (Programa de Humanização no Pré Natal e Nascimento). ... 47 
12 CONCLUSÃO ........................................................................................ 49 
13 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ...................................................... 50 
14 BIBLIOGRAFIAS SUGERIDAS ............................................................. 56 
 
 
 
 
 
 
 
3 
 
1 INTRODUÇÃO 
Prezado aluno! 
 
O Grupo Educacional FAVENI, esclarece que o material virtual é semelhante 
ao da sala de aula presencial. Em uma sala de aula é raro – quase improvável - um 
aluno se levantar, interromper a exposição, dirigir-se ao professor e fazer uma 
pergunta, para que seja esclarecida uma dúvida sobre o tema tratado. O comum é 
que esse aluno faça a pergunta em voz alta para todos ouvirem e todos ouvirão a 
resposta. No espaço virtual, é a mesma coisa. Não hesite em perguntar, as perguntas 
poderão ser direcionadas ao protocolo de atendimento que serão respondidas em 
tempo hábil. 
Os cursos à distância exigem do aluno tempo e organização. No caso da nossa 
disciplina é preciso ter um horário destinado à leitura do texto base e à execução das 
avaliações propostas. A vantagem é que poderá reservar o dia da semana e a hora 
que lhe convier para isso. 
A organização é o quesito indispensável, porque há uma sequência a ser 
seguida e prazos definidos para as atividades. 
 
 
Bons estudos! 
 
 
 
 
 
 
 
 
4 
 
2 ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER 
 
Fonte: vozdoplanalto.com.br 
A saúde da mulher foi incorporada às políticas nacionais de saúde nas 
primeiras décadas do século XX, sendo limitada, nesse período, às questões 
relacionadas à gestação e ao parto. Os programas materno-infantis, elaborados nas 
décadas de 30, 50 e 70, traduziram uma visão restrita sobre a mulher, baseada em 
sua especificidade biológica e no seu papel social de mãe e doméstica, responsável 
pela criação, educação e pelo cuidado com a saúde dos filhos e demais familiares. 
Na década de 70 há um enfoque maior às questões relacionadas à equidade, 
que foi tema na Conferência do Ano Internacional da Mulher (1975) e do Plano da 
Década da Mulher (1976 – 1985). Os objetivos eram integrar as mulheres no processo 
de desenvolvimento, preocupando-se com sua autonomia política e econômica e com 
a redução da desigualdade com os homens. Na década de 80, por sua vez, no auge 
do movimento feminista brasileiro, os programas iniciais destinados à saúde mulher 
foram fortemente criticados, uma vez que a mulher tinha acesso apenas a alguns 
cuidados de saúde no ciclo gravídico-puerperal, ficando sem assistência na maior 
parte de sua vida. 
Nesse sentido, o Ministério da Saúde criou em 1984, o Programa de 
Assistência Integral à Saúde da Mulher (PAISM), marcando, especialmente, uma 
ruptura conceitual com os princípios norteadores da política de saúde das mulheres e 
os critérios para escolha de prioridades neste campo. 
 
 
5 
 
No ano de 2004, mais precisamente em 28 de maio de 2004, o Ministério da 
Saúde propõe diretrizes para a humanização e a qualidade do atendimento. Toma 
como base os dados epidemiológicos e as reivindicações de diversos segmentos 
sociais para apresentar os princípios e diretrizes da Política Nacional de Atenção 
Integral à Saúde da Mulher. 
No ano de 2011, o Ministério da Saúde, em parceria com diversos setores da 
sociedade, em especial com o movimento de mulheres, o movimento negro e o de 
trabalhadoras rurais, sociedades científicas, pesquisadores e estudiosos da área, 
organizações não governamentais, gestores do SUS e agências de cooperação 
internacionais, elabora o documento com a 2ª reimpressão desta política que traz uma 
série de diretrizes e objetivos gerais e específicos, tais como: Promover a melhoria