Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Guia de cuidados : CICLIDEOS AFRICANOS Prof Jefferson Cartaxo

Pré-visualização | Página 1 de 1

Sciaenochromis fryeri 
Metriaclima sp. “Zebra gone” 
CICLIDEOS AFRICANOS 
Prof. Jefferson W. S Cartaxo 
Quando se fala em formas, cores e diversidade de espécies de peixes 
logo nos lembramos da família dos ciclídeos africanos, os quais são oriundos 
dos lagos Malawi, Tanganyika (os principais), os quais se encontram 
localizados geograficamente na zona denominada por Vale do Rift da África 
oriental, formada há milhões de anos e onde habitam diversas espécies de 
ciclídeos. 
Para aquele que quer iniciar com ciclídeos africanos devemos ter uma 
atenção quanto ao hábito, compatibilidades entre espécies, parâmetros de 
qualidade de água e imprescindivelmente com a alimentação. 
 LAGO MALAWI 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Os belíssimos exemplares deste lago podem ser divido em dois grupos 
Mbunas e os Haps (Haplochromideos). O primeiro grupo tem preferência pelas 
zonas rochosas do lago as quais são ricas em alimento natural (algas e micro 
organismos), e devido a esse hábito são chamados de Mbunas que segundo o 
dialeto local significa peixes de Rochas. Apesar de serem territorialistas os 
Mbunas possuem hábitos alimentares diferenciados que vai do herbívoro ao 
onívoro. Os gêneros como: Cynotilapia, Labeotropheus, Labidochromis, 
Melanochromis, Metriaclima (Zebra) e os Pseudotropheus são endêmicos 
deste lago. 
Já no segundo grupo há uma distinção entre eles, que são os gêneros dos 
Haplocromídeos e os Peacocks (aulonacaras). Mas ambos vivem em 
Foto: Google earth 
Fotos: arquivo pessoal 
Fotos: arquivo pessoal 
 
 
 Prof. Jefferson W. S Cartaxo 
águas abertas e profundas do lago, preferindo os fundos arenosos. E 
apesar de serem carnívoras não são agressivos, quando comparados aos 
territorialistas Mbunas. E pertencentes a estes gêneros temos: Buccochromis, 
Copadichromis, Dimidiochromis, Fossorochromis, Nimbochromis, 
Sciaenochromis e as Aulonocaras. 
Com o clima predominantemente tropical a temperatura dá superfície da 
água pode variar de 24ºC a 30ºC dependendo da época do ano. Os ciclídeos 
do lago Malawi necessitam de águas bastante alcalinas com o ph variando 
entre 7.8 e 8.6. 
LAGO TANGANYIKA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Este lago é sinônimo de diversidade e nele coabitam desde grandes 
predadores de águas abertas (Cyphotilapia), até pequenos ciclídeos que se 
refugiam em conchas (Shell-Dwellers) ou que escavam buracos em zonas 
lodosas que não passam dos seus 4 cm ou os baixos arenosos (Sand 
Dwellers) e estes variam de 7 a 15 centímetros de comprimento ou ainda os 
que preferem zonas rochosas (Rock Dwellers). Alguns gêneros deste lago: 
Cyathopharynx, Eretmodus, Neolamprologus, Cyphotilapia, Julidochromis e 
Tropheus. 
 Quanto ao habito alimentar desde ciclídeos também é variável, e 
representando a classe dos herbívoros os belos Tropheus, já nos onívoros os 
Neolamprologus e Julidochromis e as Cyphotilapia (frontosa) como 
representantes dos predadores existentes no lago. E quando se optar pelo 
Foto: Nuno Paiva 
Foto: ciclídeos.com 
Cyphotilapia frontosa 
Julidoclhromis ornatus 
Foto: google earth 
 
 
Prof. Jefferson W. S Cartaxo 
aquário temático desse lago deve-se ter uma noção das áreas e/ou níveis 
dependendo do espaço disponível, se preocupando com a ocupação do solo 
(conchas, rochas ou espaços abertos) e áreas superiores (rochas, plantas ou 
coluna de água livre). 
No Lago Tanganyika a temperatura da água varia em média entre 24 a 
27° C e tem por característica possuir bastante movimentação nas suas águas. 
O pH da água no lago não foge à regras das águas duras e alcalinas que tão 
bem caracterizam os lagos do Vale do Rift com valores entre 8,5 a 9,5. 
 
ESCOLHENDO O LAYOUT: 
 
Tipo Lago Malawi Lago Tanganyika Função 
1- Rochas Aratus; Saulosi; 
Demasoni... 
Tropheus Toca; reprodução 
2- Fendas de rochas Juvenis das espécies Julies; Leleupis Refúgio; reprodução 
3- Areia Aulonacaras Callochromis, etc Substrato 
4- Conchas -------------- Shell-dwellers Toca; reprodução 
ALIMENTAÇÃO: 
Especificidade alimentar Peixes 
Herbívoros Saulosi; Demasoni; Tropheus. 
Onívoros Julies, Leleupis, Shell-dwellers 
Predadores (carnívoros) Aulonacaras, Haps (Livingstoni, etc) 
COMPATIBILIDADE ENTRE CICLÍDEOS: 
 Mbunas Não-Mbunas Os dois grupos Tanganyika 
Sim Pseudotropheus 
elongatus, 
Metriaclima 
zebra, Tropheus. 
Haplochromideos e 
Somente os machos 
Aulonacaras. 
(fêmeas são 
cromaticamente 
parecidas e de difícil 
identificação, de modo 
evitar a hibridação). 
Aulonocara Jacob. 
Pseudotropheus, 
Melanochromis, 
etc. 
 Dependendo do 
tamanho do 
aquário, podemos 
os três níveis 
(Shell, Sand e 
Rock Dwellers) 
 
Não Melanochromis 
Johannii, 
Pseudotropheus 
Saulosi, 
 A restrição seria com 
o tamanho do aquário 
(acima de 150 l) e 
cautela com a 
A restrição seria 
com o tamanho do 
aquário (acima de 
150 l) e cautela 
 Cuidado com os 
gêneros 
Cyphotilapia 
(frontosas), pois 
 
 
 
Metriaclima 
msobo magunga, 
Labeotropheus 
trewavasae 
(Agressividade, 
devido à 
semelhaça de 
cores). 
disparidade de 
tamanho, já que 
estamos falando de 
peixes carnívoros. 
 
com a disparidade 
de tamanho, já 
que estamos 
falando de peixes 
carnívoros. 
 
 
além de seu 
tamanho podem 
perseguir devorar 
espécies menores e 
com os tropheus 
que devido sua 
agressividade. 
 Essa tabela não é uma regra em geral, mas apenas trás algumas dicas, o recomendável sempre buscar 
mais informações devido à infinidade desses maravilhosos seres. 
 
 
 
 
 
Prof. Jefferson W. S Cartaxo 
e-mail: jeffcartaxo@hotmail.com