A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Resumo: Síndrome Ictérica

Pré-visualização | Página 1 de 1

Resumo: Síndrome Ictérica
Icterícia
É a coloração amarelada da pele, mucosas e conjuntivas pelo acúmulo de bilirrubina no plasma e consequente acúmulo em tecidos subcutâneos. Apresenta bilirrubina sérica >2,0. Após 120 dias, as hemácias são fagocitadas pelo Sistema Retículo Endotelial (baço, fígado e medula óssea) e a fração heme da hemoglobina serve de fonte para a formação da bilirrubina, que é conjugada no fígado para depois ser eliminada na bile. Assim, cerca de 80% da bilirrubina formada no organismo deriva da hemoglobina de hemáceas. O restante (20%) são produtos da degradação de hemoproteínas não hemoglobônicas como catalase e citocromos. O metabolismo hepático da bilirrubina envolve três etapas: captação, conjugação e excreção, onde esta é a etapa limitante é mais susceptível de falha em doenças hepáticas.
Classificação das icterícia 
· Bilirrubina não conjugada: 
· Lipossolúvel; 
· Não é filtrada pelos rins; 
· Impregna SNC; 
· Não interfere na cor da urina; 
· Não interfere na cor das fezes; 
· Bilirrubina conjugada:
· Hidrossolúvel; 
· Conjugada pela UDPGT; 
· Filtrada pela urina;
· No intestino, sob ação de bactérias produz urobilinogênio e estercobilinogênio que dão a coloração das fezes; 
Causas de icterícias 
· Hepatocelulares: deficiência hepatocitária de excreção da bilirrubina (ex: hepatite), ocorre o aumento da bilirrubina direta e aumento TGO e TGP 
· Colestáticas: ocorre o aumento de fosfatase alcalina, Gama-GT e de bilirrubina direta
· Causas hemolíticas: ocorre o aumento da bilirrubina indireto (com a quantidade aumentada o processo normal (na hemácia a bilirrubina indireta é transportada junto à albumina para ser conjugada no fígado) não consegue suportar a quantidade de bilirrubina
Causas de Icterícia com Predomínio de hiperbilirrubinemia indireta 
· Produção excessiva: hemólise ou eritropoese ineficaz 
· Causas hereditárias: esferocitose; anemia falciforme; talassemias; Deficiências enzimáticas (G6PD); 
· Causas adquiridas: anemia hemolítica autoimune; hemoglobinúria paroxística noturna; I
· Captação/conjugação: efeito medicamentoso ou defeitos genéticos
· Medicamentoso: Rifampicina ; Probenecida; Ribavirina;
· Distúrbios de conjugação:
· Crigler-Najjar I : neonatal; icterícia grave (>20), incompatível com a vida;
· Crigler-Najjar II: conseguem viver até adultos; BT 6-25;
· Mutação no gene da bilirrubina: UDPTG (Fenobarbital aumenta atividade da enzima, reduz a icterícia);
· Síndrome de Gilbert: icterícia até 6 anos; redução da atividade UDPGT
Causas de icterícia com predomínio de hiperbilirrubinemia direta
· Síndromes genéticas; 
· Síndrome de Dubin-Johnson; 
· Síndrome de Rotor; 
· Causas hepatocelulares 
· Hepatites virais; 
· Hepatites medicamentosas; 
· Hepatite alcoólica / cirrose hepática; 
· Hepatites autoimunes; 
· Doença de Wilson; 
Exame físico 
Avaliação do estado nutricional; sinais de hepatopatia crônica; tamanho e consistência do fígado; linfonodomegalias; realização do sinal de Murphy; observação da turgência jugular e busca de nódulo de Virchow.
Exames complementares 
· Icterícia com predomínio de bilirrubina indireta: -Bilirrubinas totais e frações, fosfatase alcalina, gama GT, albumina, tempo de protrombina, TGO, TGP, Hemograma completo, LDH, reticulócitos, haptoglobina; 
· Icterícia com predomínio de bilirrubina direta: Bilirrubinas totais e frações, fosfatase alcalina, gama GT, albumina, tempo de protrombina, TGO, TGP, USG, TC ou Colangio RM; 
Entre as causas colestáticas de icterícia observamos causas medicamentosas e obstrução biliar intra-hepática ou extra hepática
Obstrução Biliar: 
Entre as obstruções biliares temos coledocolitíase; tumores periampulares (cabeça de pâncreas e colangiocarcinoma); tumores hepáticos; cistos de colédoco; parásitas intrabiliares; Hemobilia; colangite esclerosante primária; pancreatite crônica; estenoses biliares iatrogênicas; 
· Quadro clínico 
Dor; icterícia; febre; acolia; colúria; prurido; hepatomegalia; sinal de Courvoisier-Terrier e sinais de insuficiência hepática; 
Na coledocolitíase é normal o paciente apresentar dor biliar + icterícia. Quando o quadro se encontra complicado, evolui para colangite. 
Apresentação da tríade de Charcot: dor biliar + icterícia + febre e Pêntade de Reynolds; 
· Tratamento 
O tratamento pode ser realizado com CPRE (colangiopancreatografia endoscópica retrógrada), cirúrgica e antibioticoterapia
Tumores Periampulares: 
· Adenocarcinoma de pâncreas / colangiocarcinoma; 
· Sinal de Courvoisier-Terrier; 
· Linfonodomegalias; 
· Estado nutricional;