A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
RELATÓRIO 1 QUÍMICA ANALITICA QUALITATIVA

Pré-visualização | Página 1 de 2

RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS - EaD
	
AULA _1___
	
	
	DATA:
___04___/_06_____/__21____
VERSÃO:01
RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS: QUÍMICA ANALÍTICA QUALITATIVA – AULA 1
DADOS DO (A) ALUNO (A):
	NOME: JOSICLÉIA DO CARMO SILVA
	MATRÍCULA: 04054743
	CURSO: FARMÁCIA
	POLO: SANTARÉM
	PROFESSOR (A) ORIENTADOR (A): SARAH BATALHA
		
· 
RELATÓRIO:
A eletrólise é um fenômeno de composição de uma substância pela ação decorrente elétrica. Pode ser dizer que a eletrolise é uma decomposição de uma substância pela ação de uma corrente elétrica.
 E nos últimos anos vem sendo muito importante para a farmácia, pois elas conseguem fazer substâncias que naturalmente seria impossível de se obter. Os processos eletrolíticos são de importância na indústria atual estiver participação no desenvolvimento de ideias quanto à natureza elétrica da matéria. Uma fonte de energia faz, passar uma corrente elétrica pelo recipiente contendo a solução, ou uma substância fundida, provocando a reação química e liberando as espécies finais nos eletrodos. Através de compartilhamento, cátion - e aníons + na eletrolise o polo negativo é o catado e o polo positivo e o ânodo. No polo negativo (catado) os cátions recebem elétrons (sofrem redução) e descarregam. Cx+ + xe- = CNo polo positivo (ânodo) os ânions perdem elétrons (sofrem redução) e descarregam. Ax- -xe-= A.
As eletrólises mais comuns são a eletrólise ígnea e a eletrólise aquosa.
· Eletrólise Ígnea: Neste tipo de reação a corrente elétrica passa por uma substância iônica no estado de fusão (liquefeita ou fundida), ou seja, não há presença de água. É um tipo de reação muito utilizada na indústria, principalmente para a produção de metais.
· Eletrólise Aquosa: Consiste na passagem da corrente elétrica através de um líquido condutor. Já neste tipo, apenas um dos cátions e um dos ânions são participantes.
É na eletrólise do cloreto de sódio em meio aquoso, por exemplo, que são produzidos a soda cáustica (NaOH), o gás hidrogênio (H2) e o gás cloro (Cl2).
Ambos os processos são muito utilizados na indústria química, pois através dela é possível isolar substâncias, além da deposição de finas películas de metais sobre peças metálicas ou plásticas, técnica conhecida como galvanização. Também é um processo que permite purificar e proteger (como revestimento) vários metais.
Exemplo:
Ânodo: Polo positivo, onde os ânions liberam seus elétrons, oxidando-se. Há diferença de elétrons neste terminal.
Por exemplo, o NaCl produziria os íons Na+ e Cl− em solução aquosa. Quando a água está presente no sistema, também existem íons provenientes da auto ionização da água, que produz cátions H+ e ânions OH−no meio.
Catado: Polo negativo, onde há exerço de elétrons e ocorre a redução (descarga) de cátions.
Assim ocorre veja a figura abaixo:
São os ânions que sofrerão oxidação e redução eletrolise aquosa. Então como a eletrolise ocorre em meio aquosa, a agua Fornece o cátion hidrônio (H+) e o Ânion hidróxido (OH-). O outro cátion e o outro ânion pertencem geralmente a um sal inorgânico que foi dissolvido na agua, o que favorece a dissociação ou liberação de íons por parte do sal. Então o termo seletivo dos cátions e aníons são utilizados porque apenas um dos dois cátions e um dos aníons presentes na solução serão influenciados pela corrente elétrica fornecida durante a realização da eletrolise. Durante a eletrólise o cátion sofre redução, assim como apenas um dos aníons sofreram a redução, o que caracteriza a descarga seletiva. A descarga seletiva de cátions e ânions é utilizada para determinar o tipo de substâncias (simples ou compostas) que serão formadas durante a ocorrência de uma eletrólise em meio aquoso (procedimento eletroquímico no qual uma corrente elétrica é descarregada sobre uma solução).
As substâncias simples ou compostas são formadas porque, durante a eletrólise, a descarga elétrica na solução faz com que cátions sofram o fenômeno de redução (recebimento de elétrons) e os ânions sofram oxidação (perda de elétrons por uma espécie química), como nas equações abaixo:
· Equação de redução (cátodo): X+ + e → X
OBS.: O cátion X pode ser um metal qualquer ou o cátion hidrônio (H+ ou H3O+).
· Equação de oxidação (ânodo): Y- → Y2 + e
OBS.: O ânion Y- pode ser um ametal, um grupo com um ametal qualquer ou o hidróxido (OH-).
Assim, quando uma eletrólise em meio aquoso é realizada, há pelo menos dois cátions e dois ânions diferentes.
Descarga seletiva de cátions
Como vimos, quando uma eletrólise em meio aquoso está sendo realizada, temos a presença de dois cátions diferentes: um proveniente do soluto utilizado e o outro proveniente da água.
Veja exemplo abaixo:
A eletrólise é realizada em circuitos eletrolíticos, que, em geral, são constituídos por dois eletrodos, onde ocorrerão duas semi-reações:
Uma reação de oxidação (perda de elétrons) e uma reação de redução (ganho de elétrons). O eletrodo no qual acontece a oxidação recebe o nome de ânodo, enquanto o eletrodo em que o corre a redução é chamado de catodo. Esses eletrodos costumam ser inertes, podendo ser formados por platina o ugrafita. Além dos eletrodos, o circuito eletrolítico também é formado por um eletrólito, que é o meio (geralmente uma solução) em que os eletrodos são imersos, cuja função é conduzir a corrente elétrica do anodo para o catodo sob a forma de íons .
Na eletrólise da solução de iodeto de potássio, existem íons K + e I–, provenientes da dissociação do sal, e H+ e OH–, provenientes da auto dissociação da água. O H + descarrega-se primeiro que o K + e produz hidrogênio gasoso no eletrodo negativo. 2H+ (aq) + 2e– → H2(g).
Devido a essa reação o meio fica básico com o aumento da concentração de OH– em relação ao H +, a basicidade do meio é verificada pela coloração vermelha que se forma na solução.
 
Catado (-) 2k+ 2K----------2K
Ânodo (+) 2-----------------I2
Reação global: 2K+-----2K+ +2E =2k
2I------------2I- - 2 E =I2 (sofre oxidação)
2KI = 2K(s) + I2(g) sofre redução, produtos racionais formados. Sobrou iodeto de potássio, quando realizamos fusão do cloreto de potássio (KCI), esse sofre o processo de dissociação liberando o cátion potássio (K +) e o ânion iodeto (I -) quando a corrente elétrica chega a cuba eletrolítica com esses aníons, o cátion potássio sofre redução, formando potássio metálico (K). E o ânion iodeto sofre oxidação e o iodo sólido.
Via seca: É aplicável as substâncias sólidas não há presença de água. Essas análises fornecem informações úteis em um período de tempo menor. Para os ensaios por via seca é importante conhecer as zonas principais da chama, sendo que na oxidante ocorre combustão completa e na redutora combustão incompleta.
Via úmida: É uma substância de solução aquosa, ou seja, presença de água de extrema importância no contexto da análise qualitativa, pois a identificação dos componentes da via úmida sistemática, que consiste na separação dos grupos de cátions ou ânions seguidos de isolamento de cada íon para que seja identificado.
O teste da chama é feito colocando vários sais de elementos diferentes sob uma chama azul. Então neste experimento observa-se uma emissão de luzes coloridas. Quando submetemos diferentes sais inorgânicos às cores da chama são diferentes. Porque isso acontece devido materiais reagentes como fonte de calor que tenha a chama azul, de preferência um bico de Bunsen, mas pode ser também uma lamparina a álcool, de acordo como a professora nos mostrou.
Foi utilizado o sal de cozinha (nacl), e adicionado a um cubo metálico, foi molhado com um pouco de álcool 70% e a chama ficou amarelo.
O teste de chama consiste em levar diferentes amostras de sais ao fogo, para que por meio da coloração das chamas, seja identificar o elemento presente em cada composto através da cor apresentada pela chama. 
Podemos observar:
· O Cloreto de Sódio
· O cloreto de Potássio
· O Sulfato de Cobre a coloração verde, foi a cor que mais se destacou. 
· O Nitrato de Chumbo
· O Nitrato de Prata
Fonte Aula Prática
Fonte Aula Prática

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.